Campeonato Brasileiro Série C

Santa Cruz enfrenta o Petrolina com obrigação de vencer no Arruda

Há dois jogos sem vencer, o Santa Cruz perdeu a vice-liderança para o rival Sport e se distanciou do líder Náutico, agora com 18 pontos –  Santa e Leão têm 13 e 14 tentos, respectivamente. Para garantir a reabilitação no Campeonato Pernambucano, o Tricolor encara o Petrolina com obrigação de vencer e sentir novamente o gostinho bom do triunfo. Além da missão, o Santa terá pela frente o último teste antes do Clássico das Emoções contra o Náutico próximo domingo, nos Aflitos.
Para isso, o técnico Marcelo Martelotte surpreendeu ao poupar Renatinho – que treinou a semana inteira com esperanças de que jogaria – e escalou os meias Natan e Raul. O primeiro juntou-se aos titulares apenas na sexta-feira e o segundo é recém-contratado do clube. Além da dupla, o lateral-esquerdo Tiago Costa e o zagueiro William Alves voltam ao time. Costa se recuperou de uma lesão e William substitue Vágner, que se recupera de uma cirúrgia realizada no meio da semana.

Meia Raul acabou de chegar e já pode ser aproveitado como titular Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Na explicação do comandante coral, a melhor estratégia é realmente colocar Natan e Raul juntos, uma vez que Renatinho ainda não ganhou ritmo de jogo suficiente para aguentar boa parte dos 90 minutos – foram mais de 40 dias ausente de treinos e jogos. “Natan passou apenas 15 dias fora e a lesão dele foi bem menos grave comparada a de Renato. Já Raul esteve no ABC recentemente e está mais preparado. Isso não implica que não contemos com Renato na próxima semana”, contou.
Para o confronto, o Santa Cruz também contará com a manutenção de Éverton Sena na antiga vaga de Marquinho e com os atacantes Dênis Marques e Flávio Caça-rato. Dessa forma, o Tricolor está escalado com Tiago Cardoso; Éverton Sena, César, William Alves e Tiago Costa; Anderson Pedra, Sandro Manoel, Natan e Raul; Flávio Caça-rato e Dênis Marques.
Embora o assunto “Clássico das Emoções” já seja o foco do Náutico (que já fez sua partida da rodada e treina visando ao duelo com o Santa), o Tricolor mantém o discurso que o objetivo é único e exclusivo vencer o Petrolina. “A cabeça está no Petrolina. É necessária a vitória em casa para que os últimos resultados sejam deixados para trás. E depois do domingo, vamos pensar 100% no outro adversário, o Náutico”, ponderou Martelotte.
PETROLINA – O Tigre amarga a 10º colocação da tabela do Estadual, no entanto, a equipe não perde há três rodadas (são dois empates, um triunfo e cinco pontos somados). Diante do Santa, o técnico Júnior Caruaru quer aproveitar o embalo para consolidar boa sequência no Estadual e subir posições no campeonato. As dúvidas do comandante estão com as opções no meio campo: Alan, Jamaica, Júlio ou Geovanne. O objetivo do elenco, independente de quem esteja na escalação, é surpreender o Santa Cruz.
FICHA DO JOGO – SANTA CRUZ X PETROLINA
Santa Cruz: Tiago Cardoso; Éverton Sena, César, William Alves e Tiago Costa; Anderson Pedra, Sandro Manoel, Natan e Raul; Flávio Caça-rato e Dênis Marques.
Técnico: Marcelo Martelotte.
Petrolina: Diego; Rogério Dias, Gilmar, Bilica e Jair; Toninho, Márcio, Alan (Jamaica) e Júlio (Geovanne); Pedro Henrique e Kleitinho.
Técnico: Júnior Caruaru.
Campeonato Pernambucano. Local: Arruda. Horário: 16h. Árbitro: Nielson Santos. Assistentes: Francisco Chaves e Jean Marcel. Ingressos: arquibancada inferior (frontal) R$ 30, inferior (atrás dos gols) e arquibancada superior, sócio e estudante R$ 15.
Fonte:Gabriela Máxima

Santa Cruz reage no segundo tempo e empata em 1×1 com o Serra Talhada

Fonte: Thiago Wagner da Silva

O resultado não foi o ideal, é verdade. No entanto, devido aos problemas enfrentados para armar o time, até que o empate em 1×1 com o Serra Talhada, no Nildo Pereira, na tarde deste domingo, foi de bom tamanho para o Santa Cruz. Alex Costa abriu o placar para o Cangaceiro no primeiro tempo, enquanto Flávio Caça-Rato igualou no segundo. O confronto foi válido pela sétima rodada do Pernambucano Coca-Cola.

O JOGO – Serra Talhada e Santa Cruz fizeram um primeiro tempo movimentado no Nildo Pereira, em Serra Talhada. Ambas as equipes abdicaram do jogo defensivo e tentaram o ataque. O Tricolor buscou mais o jogo nos primeiros minutos, enquanto o Cangaceiro teve maior domínio no fim da primeira etapa.

Cheio de desfalques, principalmente no meio de campo, O Santa Cruz tentou apostar mais no jogo do lateral-esquerdo Patrick e no do meia Jefferson Maranhão. Os chutes de fora da área foram uma das principais armas dos corais. Aos 14 minutos, Everton Sena arriscou de longe, mas mandou para fora.

O Serra apostou muito no jogo do meia Kássio e nas bolas paradas. Em uma dessas cobranças, Alex Costa abriu o placar após bela cobrança de falta, aos 26 minutos. Tiago Cardoso nada pôde fazer para impedir.

Atrás no placar, o Santa tentou pressionar. No entanto, faltou criatividade para alcançar ao gol. O Serra, por outro lado, chegava com perigo. Aos 37, quase que o Cangaceiro amplia após cabeçada de Anderson. A bola foi na trave e impediu que o placar ficasse maior para o intervalo.

Para reconquistar a torcida, Santa Cruz encara o Serra Talhada

Os três pontos desperdiçados pelo Santa Cruz diante do Chã Grande (na derrota por 1×0, na última quinta-feira) podem ser reconquistados neste domingo diante do Serra Talhada, às 16h, no estádio Nildo Pereira. Sem tempo para lamentações, o Tricolor do Arruda precisa garantir a vitória (e torcer por uma derrota do Náutico) para voltar a encostar no líder alvirrubro na tabela do Campeonato Pernambucano Coca-Cola.

A missão não é fácil, pois o tropeço abalou os ânimos dos tricolores, que não conseguem imprimir uma sequência sequer no torneio. As derrotas saem justamente dentro dos domínios do Arruda, local onde o time deveria ser hegemônico.

Para reverter o quadro negativo, o técnico Marcelo Martelotte terá de trabalhar com três ausências importantes: Luciano Sorriso, Tiago Costa e Natan. Os dois primeiros sofreram lesão na coxa esquerda após a última partida, enquanto o terceiro foi poupado até dos treinamentos desde o início da semana.

Um dos atletas mais regulares e um dos únicos que não recebeu críticas tão severas da torcida, o volante Anderson Pedra comentou o clima nos bastidores do elenco coral. “Não pode acontecer essa irregularidade durante os campeonatos (lembrando da Copa do Nordeste) que tivemos. Tivemos três partidas perdidas em casa (contra o Fortaleza, Salgueiro e Chã Grande), vamos tentar melhorar para não acontecer mais”, contou o atleta. “Fora de casa, vamos reverter a situação. Não acho que o fato de o jogo ser longe de casa vai ajudar. Vai ser a mesma coisa. E mais uma vez o grupo vai se comprometer em fazer o trabalho corretamente para reconquistar o torcedor tricolor”, completou sobre o confronto com o Chã Grande.


Léo deve entrar no lugar de Natan Foto: Tiago Calazans/JC Imagem

Deficiência no meio-campo

Uma das principais preocupações do técnico Marcelo Martelotte é como fazer para garantir a movimentação do meio-campo e a critividade do setor ofensivo sem prejudicar a zaga. Com as baixas de Luciano Sorriso e Natan, a tarefa ficou bem mais complicada. Sem ter muitas opções, afinal, Renatinho também está em tratamento há cerca de 20 dias, Martelotte deve utilizar alguns “jogadores-surpresa” na posição.

A começar por Léo no lugar de Natan. O jogador terá mais uma chance para mostrar serviço e assegurar, pelo menos temporariamente, seu posto de titular. Na ausência de Natan, era Éverton Heleno quem segurava as pontas na posição, mas as atuações do jogador não estavam agradando ao técnico, que nem sequer o relacionou para a partida.

Durante a semana, Léo foi questionado sobre a oportunidade de voltar ao time principal e ele mostrou-se bastante motivado para fazer um grande partida. “Quem entrar vai fazer o melhor que puder. Eu tenho minhas qualidades e meus colegas têm as deles, cabe ao professor definir. Mas se eu tiver a chance vou trabalhar para me firmar e quem sabe até fazer o gol, que eu tanto quero”, confessou.

Como de praxe, Sandro Manoel substituirá Sorriso. Mas não para por aí, o lateral-esquerdo Tiago Costa também está lesionado e deve ser substituído pelo jovem Patrick. Maquinho, Éverton Heleno e Paulo César ficaram de fora da relação por deficiência técnica.

Desta forma a escalação do Santa fica com Tiago Cardoso; Éverton Sena, César, Vágner e Patrick; Anderson Pedra, Sandro Manoel, Léo e Jefferson Maranhão; Flávio Caça-rato e Dênis Marques.

FICHA DO JOGO

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Éverton Sena, César, Vágner e Patrick; Anderson Pedra, Sandro Manoel, Léo e Jefferson Maranhão; Flávio Caça-rato e Dênis
Marques.
Técnico: Marcelo Martelotte

Serra Talhada: Carlos; Alex Costa, Negretti e Juninho; Baiano, Enercinho, Cristiano Sergipano, Kássio e Otacílio; Bebeto e Junior Ferrim.
Técnico: Pedro Manta.

Campeonato Pernambucano. Local: estádio Nildo Pereira. Árbitro: Cláudio Mercante. Assistentes: Clóvis Amaral e Marcelino Castro.

Fonte: Gabriela Máxima

SANTA CRUZ PODE FICAR SEM O ARRUDÃO NA PRÓXIMA COPA DO NORDESTE 2014

Por Geraldo Lélis – Site Folhape

Caso se classifique para a Copa do Nordeste de 2014, o Santa Cruz corre o risco de passar a competição sem jogar no estádio do Arruda. Isso porque o clube foi punido com a perda de quatro mandos de campo na competição, além de duas multas. Uma de R$ 20 mil e outra no valor de R$ 5,5 mil. A punição foi dada pelo Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) em decorrência da briga entre integrantes de torcidas organizadas do Tricolor e do CRB durante a partida entre as duas equipes pela sexta rodada do Nordestão em Maceió. Os R$ 5,5 mil são referentes ao atraso no início do segundo tempo.

O diretor jurídico coral, Eduardo Lopes, já afirmou que vai recorrer da decisão, alegando que não contribuiu para a confusão e não tinha condições de evitá-la. “Quem deveria fazer alguma coisa para evitar era a polícia de lá (Alagoas) ou o CRB, mas não o Santa Cruz, que não tinha poderes sobre o estádio”, comentou. A esperança da diretoria é zerar a pena, tanto a perda do mando de campo quanto as multas.

O Santa foi enquadrado no artigo 213, inciso I, por não prevenir ou reprimir desordens e também pelo atraso no reinício, de acordo com o artigo 206. Já o CRB responderá por “deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir desordens em sua praça de desporto”, conforme também prevê o artigo 213, inciso I do CBJD. Além disso, o clube alagoano foi enquadrado por “deixar de manter o local que tenha indicado para realização do evento com infra-estrutura necessária a assegurar plena garantia e segurança para sua realização”, segundo o artigo 211.

Fonte: Folhape

Santa Cruz joga mal e perde para o Chã Grande em pleno Arruda

Com um futebol considerado fraco e sem criatividade, o Santa Cruz não conseguiu repetir a mesma exibição da vitória contra o Central na última segunda-feira e perdeu para o Chã Grande por 1×0, no Arruda, na noite desta quinta-feira, pela sexta rodada do Pernambucano Coca-Cola. O único gol da partida foi anotado por Jhulian de pênalti ainda no primeiro tempo.

Com o resultado, o Tricolor deixa escapar a chance de igualar a pontuação do Náutico, que é o líder do Estadual. Os corais ficaram com os mesmos 12 pontos na segunda colocação. Na próxima rodada, os comandados de Marcelo Martelotte enfrentam o Serra Talhada, no Nildo Pereira, em Serra Talhada. O Chã Grande, que está em sétimo com oito, encara o Belo Jardim, em casa.

O JOGO – Sonolento. É assim que podemos definir o primeiro tempo no Arruda. Tanto o Santa Cruz como o Chã Grande vieram com para o jogo sem velocidade e tocando a bola em excesso. Os primeiros minutos provocaram calo no torcedor presente no estádio. Claramente a equipe coral sentiu a falta do meia Natan. O substituto Everton Heleno não só não conseguiu imprimir velocidade na partida como também pecou na criação. O Tricolor ficou refém de bolas paradas apesar de ter maior posse de bola.

Do lado do Chã Grande o panorama não foi muito diferente. A equipe do interior optou por ficar na defesa e tentar explorar os contra-ataques. No entanto, devido à lentidão na saída para o ataque, as chances foram poucas, para não dizer nulas. Os visitantes limitaram-se aos chutes de fora da área.

Um único jogador, contudo, tentava buscar mais o jogo. Esse foi Flávio Caça-Rato. Veloz, o atacante coral foi quem trouxe mais perigo. Na melhor chance, aproveitou sobra na grande área e acertou a trave em um lance considerado difícil de se perder. Aos 32 minutos, o avançado ainda tentou uma bicicleta que foi defendida pelo goleiro Davi.

A monotonia da primeira etapa só foi quebrada nos minutos finais, e graças à arbitragem, que assinalou pênalti de Vágner em Jhulian. O mesmo jogador foi para a cobrança e abriu o placar aos 38 minutos. Depois do gol, a torcida coral perdeu a paciência de vez e passou a pegar no pé do time a cada erro. Ao fim do primeiro tempo, vaias e mais vaias para o time.

SEGUNDO TEMPO – Para a etapa complementar, o Santa Cruz veio logo com uma substituição. O técnico Marcelo Martelotte sacou Everton Heleno para acionar Léo. A mudança, no entanto, não surtiu grandes efeitos. Apesar de estar mais disposto no jogo, Léo não conseguiu dar maior velocidade e criatividade ao Tricolor. Até mesmo Flávio Caça-Rato passou a errar. Estava difícil para sair alguma chance clara de gol para o Santa.

A situação do Santa Cruz ainda ficou teoricamente mais fácil com a expulsão do atacante Jhulian, que já tinha amarelo e simulou falta recebendo o segundo. Os corais de fato tiveram maior posse de bola, no entanto foi aquele falso domínio. Faltou qualidade para criar melhores jogadas. Além da falta de ajuda do meio, os laterais também pouco produziram. Dênis Marques praticamente não teve oportunidades de chutar em gol. O futebol do Santa Cruz foi apático.

Do outro lado, o Chã Grande contentou-se em defender e segurar o resultado. A estratégia acabou dando certo. Como tinha um adversário inoperante para criar chances de perigo, o time do interior conseguiu segurar o placar até o fim da partida. Ao apito do árbitro, mais vaias para a equipe e para o técnico Marcelo Martelotte.

FICHA DA PARTIDA – SANTA CRUZ 0X1 CHÃ GRANDE

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Everton Sena (Paulo César), César, Vágner e Tiago Costa; Anderson Pedra, Sorriso, Everton Heleno (Léo) e Jefferson Maranhão; Flávio Caça-Rato (Danilo Santos) e Dênis Marques. Técnico: Marcelo Martelotte.

Chã Grande: Davi; Celso (Wenio), Cláudio Santos, Ronaldão e Jaime; Edmílson, Felipe Araripina, Marcos Mendes e Tiago Lima (Cláudio); Jhulian e Danilo (Jaíldo). Técnico: Maurílio Silva.

Pernambucano Coca-Cola. Local: Arruda. Árbitro: Tiago Nascimento. Assistentes: Wilton Lins e Bruno Alcântara. Gols: Jhulian (CG) aos 38 minutos do primeiro tempo; Amarelos: Jhulian (CG), Edmílson (CG), Ronaldão (CG), Vágner (SC), Davi (CG), Danilo (CG), Cláudio Santos (CG), Tiago Costa (SC), Cláudio (CG) e Flávio Caça-Rato (SC). Vermelho: Jhulian (CG). Público: 13.121. Renda: R$ 108.204.

Fonte:THIAGO WAGNER DA SILVA

Santa Cruz sem Natan diante do Chã Grande

O Santa Cruz terá uma ausência e dois retornos para enfrentar o Chã Grande, nesta quinta-feira (13), a partir das 20h, no Arruda, pela sexta rodada do Campeonato Pernambucano Coca-Cola. Após 14 jogos, o sinal vermelho acendeu para o meia Natan, que será poupado, não apenas agora mas na partida contra o Serra Talhada no domingo (17).

Em compensação, o técnico Marcelo Martelotte terá o retorno do zagueiro César e do atacante Flávio Caça Rato. Com isso, William Alves e Danilo Santos voltam a ser opção na suplência.

O médico Wilton Bezerra explicou que foi realizado um exame de imagem na coxa direita de Natan, onde foi constatado um leve estiramento. Apesar de não configurar uma lesão, o departamento médico achou prudente deixar o atleta descansar para o quadro não agravar.

“Em conjunto com o Marcelo (Martelotte) e o departamento físico, achamos melhor deixar o jogador fora. Se ele entrar e tiver algo mais grave pode demorar mais de um mês para recuperar. O atleta pediu para jogar mas pelo bom senso é melhor deixá-lo fora”, explicou o médico.

O substituto ainda não foi confirmado pelo treinador, mas o favorito é o volante Leo, que não esconde a expectativa de ser titular novamente. “O professor não falou quem vai mas se eu for escolhido vai ser uma responsabilidade grande. Estou preparado, trabalhando bem e no jogo passado pude contribuir quando entrei”, pontuou o jogador, que, se escolhido, deve atuar um pouco mais adiantado do que seu posicionamento tradicional. O outro candidato á vaga é Éverton Heleno.

CHÃ GRANDE – A vitória sobre o Salgueiro, em pleno Cornélio de Barros, por 2×1 agradou o técnico Maurílio Silva. Tanto que ele deve repetir a escalação, já que não há ninguém suspenso ou machucado. Ele garante que seu time não vai se limitar a marcar, mas também tentar a vitória.

Ficha do jogo:

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Everton Sena, César, Vágner e Tiago Costa; Anderson Pedra, Luciano Sorriso, Leo (Everton Heleno) e Jefferson Maranhão; Dênis Marques e Flávio Caça-Rato. Técnico: Marcelo Martelotte.

Chã Grande: Davi; Celso, Ronaldão, Cláudio e Jaime; Marcos Mendes, Felipe, Edmílson e Tiago Lima; Danilo e Jullian. Técnico: Maurílio Silva.

Local: Arruda. Horário: 20h. Árbitro: Tiago Nascimento. Assistentes: Wilton Lins e Bruno Alcântara. Ingressos: arquibanca inferior (frontal) e visitante R$ 30, arquibancada inferior (atrás dos gols), arquibancada superior, estudante e sócio R$ 15.

Fonte:blogdotorcedor

Santa Cruz contrata Raul e André Dias para dar mais qualidado ao time coral

O elenco do Santa Cruz ganhou dois reforços para a disputa do Campeonato Pernambucano. O meia Raul e o atacante André Dias chegam para qualificar setores carentes do Tricolor. Apesar disso, o técnico Marcelo Martelotte continua com carências. As laterais são os pontos mais críticos. Na esquerda, Tiago Costa é o único à disposição. Na direita, Éverton Sena vem sendo improvisado diante da insatisfação com as atuações de Marquinho, original da posição.

Os reforços para a meia e para o ataque são importantes, até mesmo porque não são apenas para o Pernambucano. O Santa Cruz tem pela frente na temporada a Copa do Brasil e a Série C. Até o Brasileiro, deverá trazer mais jogadores. Mas, por enquanto, para o Estadual, é com o elenco atual que Martelotte irá trabalhar.

Raul, 31 anos, chega para reforçar a meia. Sem Renatinho, machucado há seis rodadas, o Santa Cruz ficou somente com Natan, Jefferson Maranhão e Éverton Heleno. O primeiro veste a 10 e é titular incontestável. Os outros dois alternaram na vaga de Renatinho desde o início do segundo turno do Pernambucano. Maranhão marcou dois gols na vitória sobre o Central, mas ainda não passa total confiança. O reforço tem histórico para ser titular, seja ao lado ou até mesmo no lugar de Natan.

André Dias, 32 anos, tem passagem por grandes clubes como Cruzeiro, Vasco e Santos. É uma nova aposta da diretoria do Santa Cruz. Uma aposta à la Dênis Marques. Assim como DM9, o atacante vem de um tempo parado – não atua há mais de um ano – e vê no Tricolor uma chance de ressurgir.

Laterais

Problemas até certo ponto solucionados no meio e no ataque, mais atrás nem tanto. A principal carência é nas laterais. Caso Tiago Costa se machuque, não há substituto para a lateral esquerda. Patrick treina com o grupo, mas Martelotte nunca fez nem menção em utilizá-lo. Tanto que Éverton Sena já foi improvisado no setor, na partida contra o Fortaleza, pela Copa do Nordeste.

Na direita, há um jogador original da posição à disposição, mas o problema é o rendimento. Marquinho vinha mal, se machucou e abriu espaço para Éverton Sena. Mesmo improvisado, foi bem e deve ficar com a vaga.

Ficha

André Dias
Nomes completo: André Felippe Seixas Dias
Idade: 32 anos
Local de nascimento: Montes Claros-MG
Altura: 1m79
Peso: 76 kg
Último clube: Botafogo-SP
Última partida
25/02/2012
Botafogo-SP 1 x 0 Corinthians

O que pode acrescentar
Se jogar o que o levou a grandes equipes como Vasco e Cruzeiro, pode ser o parceiro ideal para Dênis Marques. Poderia construir as jogadas para o artilheiro. Para isso, vai ter que se superar para recuperar o ritmo de jogo e mostrar que está novo, após uma cirurgia delicada no joelho direito.

Ficha


Raul
Nome completo: Raul Victor da Silva Cajazeiras
Idade: 31 anos
Local de nascimento: Fortaleza-CE
Altura: 1m83
Peso: 79 kg
Último clube: ABC-RN
Última partida
13/02/2013
ASA-AL 0 x 0 ABC-RN

O que pode acrescentar
É um jogador experiente, que já teve em outros clubes a responsabilidade de armar o jogo e vestir a camisa 10. Pode dividir as ações de criação com Natan ou Renatinho, dependendo da preferência de Martelotte. Pode contribuir também na cobrança de faltas, uma qualidade já mostrada por onde passou.

As chegadas
Os reforços corais não chegarão ao mesmo tempo ao Arruda. Raul deverá ser o primeiro, com chegada prevista para hoje. Já André Dias veio ao Recife na última segunda-feira, assinou contrato e volta para São Paulo, onde reside. É esperado na próxima segunda-feira.

SuperEsportes

Com boa atuação coletiva, Santa Cruz não dá chances ao Central e vence por 2 a 0

Uma exibição para calar qualquer crítica. O Santa Cruz não deu brechas para o Central, nesta quarta-feira, no Arruda. Dominou o jogo inteiro e venceu com justiça por 2 a 0. Mesmo tendo marcado os dois gols da vitória, Jefferson Maranhão não foi o grande nome da partida. O coletivo é que mereceu destaque. O Tricolor tocou bem a bola, envolveu o adversário e marcou os gols. Uma trinca básica, mas que a equipe não vinha conseguindo mostrar nos últimos confrontos.

A expectativa inicial era com relação às opções feitas pelo técnico Marcelo Martelotte. Ele surpreendeu ao manter Éverton Sena improvisado na lateral direita, mesmo tendo Marquinho, original do setor e recuperado de contusão, à disposição. No ataque, optou por Danilo Santos em vez de Paulo César.

E Martelotte acertou. Éverton Sena encaixou na direita e até se arriscou algumas vezes ao ataque. No ataque, Danilo Santos caía pela direita e utilizava bem a velocidade. Mais importante, porém, era que ele abria espaço para quem vinha de trás, atraindo a marcação. Com isso, Luciano Sorriso aparecia nos vazios, sempre livre para criar.

Pernambucano 2013, 2º turno: Santa Cruz x Central. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

E foi justamente dos pés de Luciano Sorriso que saíram as grandes jogadas da etapa inicial. Primeiro, um toque de cavadinha para a área, que Danilo Santos desviou de cabeça e chegou a Dênis Marques, que mandou um belo voleio. A bola, por capricho, foi para fora. Aos 19, passe no mesmo estilo, por elevação, agora para Jefferson Maranhão, que só precisou dar um leve toque para tirar do goleiro e abrir o placar.

O Santa Cruz jogava bem. Com um bom toque de bola, envolveu o Central, pouco criativo, inofensivo quando ia ao ataque. As oportunidades corais foram surgindo, mas o segundo gol só veio no final do primeiro tempo. Aos 40, Jefferson Maranhão cobrou falta na área. A bola passou por todo mundo e acabou entrando direto: 2 a 0 Tricolor, que saiu aplaudido ao fim do primeiro tempo, coisa rara na temporada.

O Central voltou para o segundo tempo na posição de franco atirador. Atrás do placar, decidiu partir para o tudo ou nada nos últimos 45 minutos. Esbarrou, contudo, nas limitações técnicas. A Patativa, por mais que se esforçasse, não conseguia chegar com perigo ao gol de Tiago Cardoso. Não conseguia, sequer, aproveitar os erros bobos de passe do Santa Cruz.

Pernambucano 2013, 2º turno: Santa Cruz x Central. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

Erros de passe que custaram caro a Luciano Sorriso. Apesar da grande atuação no primeiro tempo, ele errou bolas simples no segundo e acabou vaiado pela torcida, ao ser substituído por Éverton Heleno, por volta dos 20 minutos. É inegável, porém, a grande contribuição do volante para a boa atuação no time na partida.

O segundo tempo do Santa Cruz foi baseado nos contra-ataques em velocidade, aproveitando-se da ofensividade do Central. E assim o Tricolor foi bem mais perigoso que o adversário. Perdeu chances com Danilo Santos, Tiago Costa e Léo. Faltou, justamente no final, o que sobrou no restante da partida: futebol coletivo. O individual aflorou nos últimos minutos e só por conta disso a equipe coral não marcou mais gols.

Ficha do jogo

Santa Cruz

Tiago Cardoso; Everton Sena, Vagner, William Alves e Tiago Costa; Anderson Pedra, Luciano Sorriso (Éverton Heleno), Natan (Léo) e Jefferson Maranhão; Dênis Marques e Danilo Santos. Técnico: Marcelo Martelotte

Central: Rodrigão; Thiago Araújo, Itallo, Gustavo e Jean (Andrezinho); Cleber, Fernando Pires, Luiz Fernando (Jorge Luiz) e Tallys; André Nunes e Tavares (Paulo Vitor). Técnico: Ricardo Oliveira

Estádio: Arruda. Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento (AL). Assistentes: Albert Júnior e Karla Santana. Cartões amarelos: Cleber, Rodrigão, Gustavo (C), Natan e Éverton Sena (SC). Gols: Jefferson Maranhão (2). Público: 14.015. Renda: R$ 122.184,00

Santa Cruz quer manter estabilidade positiva diante do Central

Não deixar o Náutico desgarrar na liderança e obviamente manter-se no topo é um dos objetivos do Santa Cruz diante do Central nesta segunda-feira (11), a partir das 20h, no Arruda, em jogo que fecha a quinta rodada do segundo turno do Campeonato Pernambucano Coca-Cola. No momento, os corais ocupam o terceiro posto com nove pontos. Já o Central precisa abrir os olhos, pois já se encontra na zona perigosa. A Patativa está em 10º lugar, com apenas quatro pontos.

Outro objetivo é acabar com os altos e baixos e manter uma sequência positiva pela primeira vez na temporada. “Comentamos entre nós que estamos tendo altos e baixos, como foi na eliminação na Copa do Nordeste e no Pernambucano, quando perdemos para o Salgueiro. Temos de acabar com isso e começar uma sequência de vitórias para terminar os onze jogos da primeira fase bem e nos classificarmos entre os quatro”, disse o volante Anderson Pedra.

O mais curioso dessa fase é que o time vem tendo um desempenho melhor longe do Arruda, ao contrário do que aconteceu no ano passado – principalmente na Série C. A explicação do próprio treinador é que a ansiedade em fazer bonito diante da torcida tem atrapalhado um pouco.

“Temos sentido um pouco mais de peso (no Arruda). Não por questão de responsabilidade, mas por uma ansiedade muito grande de se presentear o nosso torcedor com uma grande exibição. Isso faz com que queiramos decidir o jogo rapidamente”, pontuou Martelotte.

O treinador coral tem apenas duas ausências para enfrentar os alvinegros. O zagueiro César e o atacante Flávio Caça Rato cumprem suspensão pelo terceiro amarelo. William Alves ganha a vaga na defesa e o ataque ainda é uma interrogação. Paulo César e Danilo Santos. A decisão do técnico será tomada depois de uma análise mais aprofundada sobre o adversário.

PATATIVA – E por falar no Central, o técnico Ricardo Oliveira poderá contar com o meia Thales e o zagueiro Gustavo. Ambos estavam fora da equipe por contusão. Já os atacantes André Tavares e André Nunes ganharam condição de jogo e podem estrear.

Ficha do jogo:

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Marquinho, Vágner, William Alves e Tiago Costa; Anderson Pedra, Luciano Sorriso, Natan e Jefferson Maranhão; Dênis Marques e Danilo Santos (Paulo César). Técnico: Marcelo Martelotte.

Central: Rodrigão; Araújo, Ítalo, Gustavo e Jean Batista; Cleber, Fernando Pires, Luíz Fernando e Thales; André Tavares e André Nunes. Técnico: Ricardo Oliveira.

Local: Arruda. Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL/Fifa). Assistentes: Albert Júnior e Karla Santana. Ingressos: R$ 30 (arquibancada inferior frontal), R$ 15 (aquibancada inferior atrás gol, arquibancada superior e meia-entrada.

Fonte: Wladmir Paulino

Santa Cruz bate o Ypiranga

Por: Ricardo Baroni

Jogando fora de seus domínios, o Santa Cruz bateu o Ypiranga na noite desta quarta-feira, por 2 a 0. Com gols marcados por Dênis Marques e Flávio Caça-Rato, a Cobra Coral acirrou a disputa pela primeira colocação, alcançando 9 pontos. O Ypiranga se mantém no meio da tabela, com 5 pontos.

Depois da derrota diante do Salgueiro, em casa, Martelotte mudou o time para encarar a Máquina de Costura. Na lateral-direita, o zagueiro Éverton Sena assumiu a vaga de Marquinho, que está lesionado, e o meia Jefferson Maranhão voltou à titularidade, barrando o volante Éverton Heleno.

O primeiro tempo foi muito truncado. Diminuindo bem os espaços, a equipe tricolor foi muito eficiente na marcação, mas apesar dos gols, não teve muito volume de jogo ofensivamente. Com um ataque longe e claramente desentrosado, Jefferson Maranhão e Natan não conseguiram carregar a bola para fazer transição entre os setores. Os tentos da partida sairam através de lances individuais, e foram praticamente as únicas boas jogadas do duelo. 

O primeiro gol saiu logo no começo, aos 6 minutos da etapa inicial. Após boa inversão de bola de Natan, Flávio Caça-Rato arrematou de primeira, marcando o primeiro dele no estadual. Depois de vários minutos de ostracismos na partida, o segundo gol tricolor aconteceu aos 22 minutos. Sorriso puxou bom contra-ataque no meio de campo, e lançou para Dênis Marques tocar na saida do goleiro Jailson para ampliar. Um ponco antes de terminar o primeiro tempo, Dênis Marques ainda perdeu um gol feito, depois de boa jogada de Natan.

A etapa complementar seguiu com a mesma dinâmica do anterior: marcação forte e poucas chances de gol. As poucas jogadas da Máquina de Costura, aconteciam sempre em cima de Everton Sena. O zagueiro, improvisado na lateral, não fez uma boa partida e sempre perdia lances para Jonathans.

A única jogada perigosa do Santa Cruz aconteceu aos 16 minutos, depois de boa jogada de Jefferson Maranhão. O meia avançou, passou por dois marcadores e abriu para Dênis Marques chutar prensado pela zagueiro Hugo.

Visivelmente cansado depois de vários minutos de ritmo intenso, a Cobra Coral caiu um pouco nos últimos 15 minutos, deixando assim, os visitantes crescerem um pouco no jogo. Aos 35, Marcinho quase diminuiu depois de cobrança de falta fenenosa, que passou raspando a trave direita de Tiago Cardoso. O placar não se modificou, fim de papo: 2 a 0.