Campeonato Brasileiro Série C

Santa segura empate e fica mais perto do título

Autor: Alvaro Filho

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

O placar foi 0xo, mas o Santa Cruz saiu “vencedor” da primeira partida da final do Campeonato Pernambucano 2015, nesta quarta (29), no Cornélio de Barros. O Tricolor suportou a pressão constante do Salgueiro durante os 90 minutos – que ainda teve um pênalti desperdiçado no primeiro tempo – e agora precisa de uma vitória simples no jogo de volta, diante sua torcida, domingo (3), no Arruda, para levantar o troféu do centenário do Estadual. Novo empate e a decisão vai para os pênaltis.

O JOGO

O Santa Cruz começou melhor a decisão, acompanhando o bom futebol do meia Biteco, principalmente na armação da jogada. Foi dele o passe para Emerson Santos, logo aos 7 minutos, ter a primeira chance de abrir o placar. Ele invadiu a área e chutou forte, mas o goleiro Luciano defendeu.

A pressão coral durou pouco tempo e após os 15 minutos de jogo, o Salgueiro equilibrou as ações, com chegadas perigosas de Kanu e Valdeir, mas sem qualidade na finalização. E o equilíbrio logo se transformou em domínio, com os sertanejos apertando cada vez mais os visitantes, que aparentemente esperavam para contra-atacar.

Aos 28, o Santa conseguiu encaixar o contra-ataque, numa jogada individual de Nininho, que só foi parado com falta, na entrada da área. A cobrança de Bileu, porém, não teve a mesma qualidade e a bola terminou na barreira.

Com a pressão salgueirense a todo vapor, o Carcará também teve sua chance clara. O experiente Lúcio foi lançado e ficou cara a cara com Fred. Decidiu encobrir o goleiro, mas pegou mal na bola e o goleiro evitou o pior.

Se tinha uma certa dificuldade para contra-atacar, o Santa viu uma de suas válvulas de escape sair mais cedo do jogo. O lateral-esquerdo Thiago Costa sentiu a coxa e, apesar de tentar ficar em campo, acabou substituído por Renatinho.

A pressão do Salgueiro deu resultado aos 38 de jogo, quando Kanu invadiu a área mais uma vez e disputou a bola com o zagueiro Alemão, que deslocou o jogador. O árbitro Marcelo de Lima Henrique interpretou que a jogada foi pênalti.

O batedor oficial da equipe, o zagueiro Rogério Paraíba, que já havia marcado os dois pênaltis na semifinal contra o Sport, foi para a cobrança. Mas na hora “h”, não teve a mesma sorte e a bola acabou resvalando na trave.

O último lance de perigo do jogo foi do Santa Cruz, com Biteco, que após o bom início, novamente desapareceu a medida que o tempo foi passando.

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

O jogo recomeçou no segundo tempo sem grandes alterações. O Santa até chegou a criar logo no início, mas o Emerson Santos estava impedido ao tocar para as redes.

Enquanto o Santa Cruz apresentava certa lentidão e receio para sair para o ataque, o Salgueiro continuava com a pressão, criando as chances, mas sem a pontaria ideal para estufar as redes. Rogério Paraíba e Kanu tiveram boas oportunidades dentro da área, mas desperdiçaram.

O técnico Ricardinho parece ter entendido que a pressão do Salgueiro estava grande e tirou o agora apagadissimo Biteco para colocar o volante Edson Sitta. A intenção era dar mais consistência na marcação e continuar tentando nos contra-ataques.

Mesmo com a defesa mais reforçada, o Santa Cruz sofria uma investida atrás da outra do Salgueiro. Aos 23, Marlon cruzou a bola rasteira na área. O goleiro Fred se atrapalhou e Lúcio, com a barra livre, chutou mal. Renatinho salvou em cima da linha. Foi o último lance de Lúcio no jogo, que cedeu a vaga para Cássio.

O terço final da partida foi de um ritmo menor, em parte por que o Salgueiro cansou. Mas mesmo assim, ainda ameaçou o Santa Cruz em algumas oportunidades. A última delas com Marcos Tamandaré, que cruzou perigosamente e Fred tirou com as pontas dos dedos.

Melhor para o Santa, que tem agora a chance de decidir em casa e diante de sua torcida.

FICHA DO JOGO:

Salgueiro: Luciano; Marcos Tamandaré, Raniere, Rogério Paraíba e Marlon; Rodolfo Potiguar, Moreilândia, Lúcio (Cássio) e Valdeir (Pio); Vitor Caicó (Jeferson Berger) e kanu. Técnico: Sérgio China.

Santa Cruz: Fred; Nininho, Alemão, Danny Morais e Thiago Costa (Renatinho); Bileu, Bruninho (Pedro Castro), Emerson Santos, João Paulo e Biteco (Edson Sitta); Betinho. Técnico: Ricardinho. Cartões amarelos: Kanu, Rodolfo Potiguar, João Paulo e Alemão. Árbitro: Marcelo de Lima Henrique. Assistentes: Clóvis Amaral e Fernanda Colombo. Público: 10.126 pessoas.

O histórico Campeonato Pernambucano centenário começa a conhecer seu campeão

Autor: Wladmir Paulino

Um pequeno que agigantou-se e um gigante que acordou. Foi dessa forma que Salgueiro e Santa Cruz construíram seus caminhos até a histórica final do Campeonato Pernambucano 2015, que começa às 22h desta quarta-feira (29), no Cornélio de Barros, em Salgueiro, sertão de Pernambuco. Justamente no emblemático centenário da competição quis o destino que um time do interior decidisse a competição com um dos integrantes do Trio de Ferro em pé de igualdade.

As regras são as mesmas da semifinal: ninguém joga por dois empates ou mesma diferenças de gols. Tudo que foi feito lá atrás não representa quase nada, nem mesmo as duas vitórias sertanejas no hexagonal do título – ambas por 1×0.. Se os dois jogos terminarem empatados ou cada time vencer um jogo com o mesmo saldo de gols a decisão vai para os pênaltis. O segundo round será no próximo domingo (3), no Arruda.

Verde, vermelho e branco

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Por mais que tenha jogado este ano – disputou Copa do Nordeste e Copa do Brasil, além do Estadual, o técnico do Carcará, Sérgio China, adota o mistério total: não cita nomes de jogadores e menos ainda qual a estratégia a ser adotada. Mas parece óbvio que na reta final ele não negar os princípios que fizeram o time chegar tão longe. É de se esperar um Salgueiro marcador no meio de campo e explorando muito as duas laterais. “Não posso passar a estratégia de jogo. Se eu disser, Ricardinho vai escutar e já vai fazer algo em cima disso. Ou posso passar e fazer diferente, para complicar o adversário”.

Vermelho, preto e branco

Edson Sitta é o terceiro desfalque do Santa Cruz para o primeiro jogo da semifinal

Edson Sitta deve retornar ao time titular

Ricardinho não faz diferente. Para quem fez treino secreto até para o segundo jogo da semifinal com o Central mesmo com vantagem de quatro gols, é até obrigação não soltar qualquer informação. Ele tem como opções manter o 4-5-1 que ao mesmo tempo deu consistência defensiva e rendeu gols ou voltar ao 4-4-2, já que tem o atacante Anderson Aquino em boa condição. E ainda Bruno Mineiro, provavelmente no banco. O volante Edson Sitta, um dos homens de confiança do técnico, deve retornar no lugar de Bileu. “Temos um grupo à disposição. Tivemos alguns problemas de lesão e cartões, mas agora, na reta final, todos estão à disposição de novo. Foi um trabalho bem feito de recuperação para a montagem do time”.

Ao ataque!

betinho_lessa_770

Nenhum dos dois times tem uma avalanche de gols no currículo. Mas não se pode negar que os dois ataques funcionaram bem na hora que mais se precisou deles. O Salgueiro chegou na última rodada do hexagonal precisando vencer o Náutico. Goleou por 4×1. O Santa Cruz, que marcou míseros nove gols nos dez primeiros jogos, deu um salto vertiginoso: anotou nada menos que seis nas duas partidas da semifinal.

Defendendo

rogeriopb_alemao_770

Os sistemas defensivos dos dois finalistas também apresentaram semlhanças. Não fizeram nada surpreendente no hexagonal mas funcionaram na hora de decidir. A do Salgueiro foi até mais testada, já que enfrentou na semifinal o time que mais marcou gols na fase por pontos corridos (Sport, 19) e tomou apenas um. Mérito de um quarteto fundamental para segurar as pontas formado pelo goleiro Luciano, o zagueiro Rogério Paraíba e a dupla de volantes Moreilândia e Rodolfo Potiguar.

Se o Carcará foi bem testado, a Cobra Coral sofreu uma metamorfose: tomou nove gols no hexagonal, seis deles nas duas primeiras rodadas. Porém, nas últimas cinco partidas só viu sua rede balançar uma mísera vez, no 1×1 com os rubro-negros. Mérito para o técnico que arrumou o time com um meio de campo reforçado e o retorno de Tiago Costa, que acabou com a vulnerabilidade do lado esquerdo.

Ficha do jogo:

Salgueiro: Luciano; Marcos Tamandaré, Ranieri, Rogério Paraíba e Marlon; Vitor Caicó, Moreilândia, Rodolfo Potiguar, Valdeir e Lúcio; Kanu. Técnico: Sérgio China.

Santa Cruz: Fred; Nininho, Alemão, Danny Morais e Tiago Costa; Edson Sitta, Bruninho, João Paulo e Emerson Santos (Guilherme Biteco); A. Aquino (Emerson Santos) e Betinho. Técnico: Ricardinho.

Local: Cornélio de Barros, em Salgueiro. Horário: 22h. Árbitro: Marcelo de Lima Henrique. Assistentes: Clóvis Amaral e Fernanda Colombo. Ingressos: R$ 25 e R$ 50.

Salgueiro faz história e acaba com semestre do Sport

Foto: JC Imagem – Autor: Thiago Wagner

Se você é torcedor do Sport comece o texto por aqui mesmo (se for do Salgueiro leia a partir do segundo). Por mais que o Leão fosse favorito no Pernambucano, e também no Nordestão, teria que comprovar isso no gramado. Como não fez, pagou caro com duas eliminações, sendo a deste domingo, na Arena Pernambuco, a mais frustrante por ter sido contra um adversário considerado teoricamente mais fraco e com uma folha bem menor do que o Leão. A verdade é que o semestre acabou para os rubro-negros com a eliminação no Estadual. O 1×1 com o Salgueiro em São Lourenço da Mata trouxe muita mágoa para o torcedor leonino, que nem em seu pior pesadelo imaginava cair de maneira tão dura, ainda mais depois de largar tão na frente dos rivais. Diego Souza marcou para o Sport enquanto Valdeir anotou para os sertanejos.

Já para o torcedor do Carcará vale o registro de algo histórico. Pela primeira vez o Salgueiro está na final do Pernambucano, vai enfrentar o Santa Cruz – primeiro jogo na próxima quarta-feira, no Cornélio de Barros, e volta no Arruda, no domingo. Prova que a equipe do Sertão é sem dúvidas o melhor clube do interior nos últimos tempos. Mérito de um trabalho que há anos vem dando resultados com o acesso para a Série B e 2010 e as conquistas recentes de vagas na Copa do Nordeste.

Sport domina, mas de maneira desorganizada

Na desvantagem depois de ter perdido por 2×0 fora de casa, o Sport fez o que se esperava dele: foi para cima do Salgueiro. Teve maior posse de bola do que o adversário, pressionou até o último minuto e empurrou o adversário para o próprio campo. Na teoria, era para dar certo, mas faltou um detalhe importante: o domínio do Leão foi de maneira desorganizada, mais na base da vontade e da maior qualidade técnica do que na estratégia. Isso foi decisio para o Carcará segurar os donos da casa, que abusaram de chutões em alguns momentos e da pressa.

Salgueiro quer manter embalo contra o Flamengo

Fotos: Diego Nigro/JC Imagem  Autor: Thiago Wagner

Por mais que o duelo entre Salgueiro e Flamengo, na noite de hoje, às 22h, no Cornélio de Barros, pela Copa do Brasil, seja apontado com um confronto entre Davi e Golias, não há nada no mundo que faça o torcedor do Carcará perder as esperanças em uma surpresa, ainda mais depois da vitória de 2×0 dos sertanejos sobre o Sport no último domingo, pela semifinal do Pernambucano. Motivados pela torcida, os jogadores do time do Sertão querem ao menos garantir o jogo de volta, marcado para o Maracanã, no Rio de Janeiro, no dia 13 de maio. Para isso, o Salgueiro não pode perder por dois ou mais gols de diferença.

Salgueiro com força máxima, mas humilde

Para impedir que o segundo não ocorra, o técnico Sérgio China aposta na mesma fórmula que deu certo contra o Sport: a humildade. Para o comandante do Carcará, a empolgação dos torcedores é importante, mas não deve fazer com que os atletas percam o foco. “Temos que trabalhar esse jogo do Flamengo, mas o que não pode acontecer é deixar a empolgação ser maior do que é”, disse.

China deve contar com força máxima para esse jogo. Anderson Lessa e Jefferson Berger, que ficaram de fora da partida contra o Leão, ficam à disposição do treinador. Apesar disso, ambos devem ficar no banco. Quem deve voltar mesmo é o volante Pio, que cumpriu suspensão no Pernambucano. Além dele, outra novidade pode ser a entrada de Paulinho Mossoró no meio de campo.

Personagem – a torcida

Apesar do jogo ser em Salgueiro, é muito provável que o estádio esteja dividido meio a meio nesta quarta. Muitos torcedores da região se mobilizaram e prometem festa para o Flamengo. Vale observar como vai ser comportar a torcida neste confronto.

flamengo_treino_770_2D

Fla quer curar ressaca

Pelo lado do Flamengo, o técnico Vanderlei Luxemburgo espera encontrar nessa partida a cura da ressaca para a eliminação ocorrida contra o Vasco, no Carioca. Por conta disso, o comandante dos cariocas deve levar o melhor que tem disponível nesse momento. “Somos maduros o suficiente para mudarmos o foco. Será um jogo difícil contra o Salgueiro. A partida será muito importante, por isso precisamos nos impor e vencer. É hora de falar pouco e fazer muito. Vamos respirar a Copa do Brasil. As semifinais foram jogos difíceis, mas passou. Nosso intuíto é crescer diante desta situação. Estamos unidos e focados para aquilo que vamos encarar pela frente”, disse o zagueiro Bressan.

FICHA DA PARTIDA – SALGUEIRO X FLAMENGO

Salgueiro: Salgueiro: Luciano; Marcos Tamandaré, Ranieri, Rogério e Lúcio; Moreilândia; Pio, Vítor Caícó e Cássio (Paulinho Mossoró); Alemão e Valdeir. Técnico: Sérgio China.

Flamengo: Paulo Victor; Pará, Bressan, Wallace e Anderson Pico; Márcio Araújo, Jonas e Luiz Antonio; Everton, Marcelo Cirino e Alecsandro. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

Copa do Brasil (2ª fase). Local: Cornélio de Barros, em Salgueiro. Horário: 22h. Árbitro: Guilherme Ceretta de Lima. Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Fabio Rogerio Baesteiro.

Sérgio China fecha treino, mas Salgueiro não deve ter muitas novidades para jogo com Sport

Sérgio China deixo no ar a possibilidade de surpreender o Sport com uma formação mais ofensiva –

 Alexandre Barbosa /Diario de Pernambuco

O técnico Sérgio China é um adepto do mistério com relação à escalação com seus times. E prestes a disputar uma decisão contra o Sport, pelo Pernambucano, ele não iria abrir mão da tática. Nesta sexta-feira, o principal treino preparatório do Salgueiro para a semifinal do Estadual será fechado. Nada de imprensa ou torcida. No Cornélio de Barros, apenas a comissão técnico e o elenco.

O Salgueiro, no entanto, não tem muito a esconder. E menos ainda o que surpreender. O entrosamento do time, que tem uma base consolidada, é um dos fortes da equipe de Sérgio China. Por isso, 80% da formação já é conhecida e as dúvidas do treinador estão mesmo no setor ofensivo. Kanu voltou e deve ser titular. Ele briga por uma vaga com Alemão. O outro componente do ataque está definido: Valdeir, destaque na vitória sobre o Náutico, que garantiu a classificação do Carcará.

“Toda equipe tem sua base, mas podemos criar situações diferentes para surpreender o Sport. Quem sabe não escalo uma equipe um pouco mais ofensiva?”, deixou no ar, Sérgio China, que já passou para o elenco a estratégia que o Salgueiro vai utilizar para passar pela semifinal. “Se você puder fazer uma quantidade de gols que te dê tranquilidade, é o ideal. Por outro lado, é preciso ter atenção, porque qualquer erro que seja definido em gol do adversário pode ser fatal”, completou.

O volante Pio, expulso na semifinal com o Náutico, está fora por conta de suspensão. No lugar dele, quem entra é o Victor Caicó. Com isso, a provável escalação do Salgueiro para o jogo contra o Sport é a seguinte: Luciano; Marcos Tamandaré, Rogério, Ranieri e Lúcio; Rodolfo Potiguar, Moreilândia, Victor Caicó e Kássio; Valdeir e Kanu (Alemão).

SEMANA LIVRE
O Salgueiro eliminou o jogo de volta com o Piauí pela Copa do Brasil, possibilitando a concentração total no Pernambucano. “Tivemos uma semana muito boa. Aproveitamos para trabalhar e descansar, porque a recuperação também é importante”, ressaltou Sérgio China. “Agora é foco no jogo. Sabemos que o Sport é o favorito para a classificação, mas em 180 minutos o Salgueiro pode ser a surpresa”.

Náutico é goleado em Salgueiro e está fora das semifinais do Pernambucano

Rodolfo Potiguar abriu o caminho para a vitória do Salgueiro. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem – Autor: Wladmir Paulino

O Náutico escreveu um capítulo triste para sua história. Depois de eliminado da Copa do Nordeste, o timbu também perdeu a vaga nas semifinais do Campeonato Pernambucano ao perder para o Salgueiro por 4×1 na tarde deste domingo (5), no Cornélio de Barros. Com a vitória, o Carcará vai encarar o Sport por uma vaga na decisão do Campeonato Pernambucano. Já o Náutico também sem vaga na Copa do Nordeste do próximo ano e, muito provavelmente, fora da Copa do Brasil.

Apesar de já contar com dois zagueiros de ofício ainda não havia muito que o técnico Lisca pudesse fazer. Ele repetiu a enxurrada de jogadores com características defensivas na expectativa de que alguma bola sobrasse para Pedro Carmona como aconteceu na Copa do Brasil. E era a estratégia mais indicada só que ela caiu por terra logo aos nove minutos. Marcos Tamandaré cruzou de longe e Rodolfo Potiguar apareceu nas costas da zaga timbu, na marca do pênalti, para cabecear no canto direito de Júlio César.

Tudo que estava previsto: fechar os espaços, não deixar o adversário rondar a área e tentar surpreender numa jogada isolada foi por água abaixo. Precisando de pelo menos um gol, já que o empate o classificava, o timbu mostrou o quanto precisa de um setor de criação, no mínimo, razoável. O jogo dos alvirrubros limitava-se a trocar quatro ou cinco passes laterais e alguém dar um chutão para frente. Quando um dos jogadores que atuavam pelos lados do campo, o lateral Gastón Filgueira e o meia Bruno Alves, avançavam um pouco, cruzavam para alguém se virar.

O Salgueiro, por sua vez, sentiu-se tão bem à vontade com a vantagem que recuou o time e ficou apenas esperando algum contra-ataque. Teve um, aos 37 minutos, mas Valdeir foi fominha ao não tocar para Alemão e mandou para fora. No final da etapa, o timbu sofreu novo baque com a lesão muscular de Pedro Carmona, substituído por Stefano Yuri.

Na volta para o segundo tempo, o Náutico voltou com o atacante Renato no lugar de Niel. Uma proposta um pouco mais ofensiva. E nos quatro primeiros minutos os alvirrubros criaram mais do que em todo primeiro tempo, mas o espaço que era deixado lá atrás abriu nova ferida. Aos seis, Valdeir avançou livre pela meia direita e teve todo tempo do mundo para ajeitar e chutar de fora da área no ângulo. Júlio César, que estava um pouco adiantado, não alcançou.

De qualquer jeito o Náutico foi para cima e o Salgueiro encolheu-se totalmente, ainda mais depois da expulsão de Pio. E o fez com competência, pois o Náutico rondava e tentava finalizações apenas de média e longa distância. Até que aos 26 uma lambança de Nielson Nogueira desandou a partida. Na hora de Renato chutar Tamandaré tentou tomar a bola. Renato escorregou e a bola foi para a linha de fundo. Nielson marcou pênalti. Jogadores do Salgueiro recorreram ao assistente, que absteve-se de dar opinião. Até que o quarto árbitro, Glaydson Leite, chamou o juiz e avisou do erro. Ele anulou o pênalti e mandou Luciano bater o tiro de meta.

Aí o tempo fechou do outro lado. Todos os alvirrubros foram para cima do árbitro, que terminou expulsando o goleiro Júlio César e o técnico Lisca. Como as três alterações já haviam sido feitas, João Ananias foi  para o gol. Quando a partida foi retomada, o Náutico voltou a tentar o gol mais no piloto automático do que acreditando que mudaria a história. E ficou bem ciente disso aos 42, quando Valdeir recebeu frente a frente com João Ananias e marcou o terceiro.

Ficha do jogo:

Salgueiro: Luciano; Marcos Tamandaré, Raniere, Rogério e Lúcio; Rodolfo Potiguar, Moreilândia, Pio e Cássio (Vítor Caicó); Valdeir e Kanu (Alemão). Técnico: Sérgio China.

Náutico: Júlio César; Diego, Welton Felipe e Gastón Filgueira; Niel (Renato), João Ananias, Fillipe Soutto, Helder Ribeiro, Bruno Alves e Piauí (Patrick Vieira); Pedro Carmona (Stéfano Yuri). Gastón Filgueira; Pedro Carmona. Técnico: Lisca.

Local: Cornélio de Barros (Salgueiro). Árbitro: Nielson Nogueira Dias. Assistentes: Clóvis Amaral da Silva e Elan Vieira de Souza. Gols: Rodolfo Potiguar, aos nove do primeiro; Valdeir, aos quatro. Cartões amarelos: Valdeir, Gastón Filgueira e Stefano Yuri. Expulsões: Pio e Júlio César.

Em quarto jogo e segunda decisão no mesmo ano, Náutico visita Salgueiro querendo avançar

João de Andrade Neto /Superesportes

O Náutico joga por um empate neste domingo, às 16h, contra o Salgueiro, no Cornélio de Barros, para buscar a vaga nas semifinais do Campeonato Pernambucano e evitar um vexame histórico. Campeão estadual 21 vezes, o Timbu ficou abaixo dos quatro primeiros colocados pela última vez há 18 anos, quando terminou na 6ª posição em 1997. Para encontrar outra campanha tão ruim é preciso recuar mais seis décadas. Até o 5º lugar em 1932, antes do primeiro título alvirrubro, em uma época onde o Náutico era apenas figurante na competição.Ausente apenas da primeira edição do Campeonato Pernambucano, em 1915, o Náutico só conquistaria o seu primeiro estadual em 1934. Até lá, em 18 temporadas, os alvirrubros ficariam fora do pódio 14 vezes, sendo que em 10 abaixo da quarta colocação. Nesse período, Sport e América dividiam o protagonismo da competição, com sete conquistas rubro-negras e cinco esmeraldinas.

Porém, após entrar no hall dos campeões, em apenas oito oportunidades o Náutico ficou ausente dos três primeiros lugares. Dessas, apenas uma fora do G4. Na década de 1990, considera perdida pelos alvirrubros, a equipe chegaria ao seu pior momento a nível local em 1997. Após terminar apenas na 5ª posição do primeiro turno, o Timbu conseguiu fazer campanha ainda pior no segunda metade da competição. Mesmo em um grupo onde era o único grande, conseguiu não se classificar para a segunda fase do segundo turno, ao terminar em quarto lugar, atrás de Porto, Central e Recife, que seguiram na disputa.

Este ano, a campanha também é preocupante. Em nove partidas, foram apenas duas vitórias (ambas sobre o eliminado Serra Talhada). Mesmo assim, soma dois pontos a mais que o Salgueiro (10 a 8) e por isso precisa apenas de um empate para seguir vivo. Porém, caso alcance o objetivo, o Náutico não deixará a 4ª colocação. Sendo assim fará a semifinal contra o Sport, sendo mandante no jogo de ida e visitante na volta.

Quando o Náutico ficou fora do G4
1997 – 6º
1932 – 5º
1928 – 6º
1927 – 6º
1925 – 6º
1924 – 6º
1923 – 6º
1922 – 4º
1921 – 5º
1920 – 6º
1918 – 5º
1917 – 7º

Salgueiro tenta, mas perde por 2×1 para o Ceará

Autor: Ramon Andrade

O Salgueiro entrou em campo acreditando num bom resultado, que até podia ter saído. Mas a verdade é que o Ceará impôs moral dentro de casa e venceu a partida por 2×1. O duelo, que aconteceu na noite deste sábado (28) e teve como palco a Arena Castelão, concretizou a classificação do Vozão para as semifinais da Copa do Nordeste. Os cearenses esperam o vencedor do confronto entre Vitória e América de Natal, que jogam neste domingo (29).

Os gols foram marcados por Magno Alves, abrindo o placar para o Ceará; Rodolfo Potiguar, empatando a partida; e William, garantindo a vitória dos mandantes. Apesar da derrota por 2×0 no jogo de ida, o Salgueiro foi valente e tentou com todas as forças buscar o resultado positivo. Os sertanejos deram bastante trabalho ao goleiro Luís Carlos, que fez defesas importantes.

Ainda no primeiro tempo, após jogada pela direita, Valdeir recebeu na área e mandou de primeira. O goleiro cearense se esticou e, de mão trocada, operou um milagre. Antes disso, Luís Carlos já havia feito um bom trabalho num chute do próprio Valdeir, que arriscou da meia-lua e viu o camisa 1 defender em dois tempos. Veja abaixo os destaques da partida.

Gols
O placar se abriu aos 16 minutos. O lateral Canetá fez jogada pela direita e tentou o cruzamento. A bola bateu na marcação e caiu logo nos pés de Magno Alves. Sem pena, o Magnata fuzilou as redes do Carcará. O gol de empate surgiu aos 45 minutos do primeiro tempo. Rodolfo Potiguar pegou na intermediária e arriscou de lá mesmo. A bola ainda quicou uma vez antes de ir para o fundo do gol.

O gol que selou de vez a classificação do Ceará saiu aos 32 do segundo tempo. O volante Uillian Correia deu um lindo lançamento pelo alto, nas costas da defesa, para William ficar de cara para o gol. Ele chutou, a bola bateu em Mondragon e morreu no fundo das redes.

À la Barcelona
Um dos destaques da partida foi a troca de passes do Ceará. Por muitas vezes, os donos da casa botaram o Salgueiro na roda. Em duas ocasiões, quase pintam dois golaços. As jogadas se resumem em troca de passes com velocidade, na entrada da área, de pé em pé, até alguém arriscar um chute perigoso. Os lances comprovam o belo entrosamento que possui o elenco cearense.

Foi mal
O zagueiro Luiz Eduardo, do Salgueiro, não estava num bom dia. Primeiro, fez uma lambança, tentando dar um chapéu em Magno Alvez em pleno campo de defesa. Fez a falta e tomou o amarelo. Depois fez outra falta grave e acabou sendo expulso, deixando o Salgueiro com um a menos quando o jogo ainda estava empatado em 1×1.

Ficha da partida

Ceará – 2
Luís Carlos; Tiago Cametá, Sandro, Gilvan (Carlão) e Fernandinho; Sandro Manoel, Uillian Correia, Ricardinho e Wescley (Eloir); Assisinho (William) e Magno Alves. Técnico: Silas.

Salgueiro – 1
Mondragon; Luiz Eduardo, Ranieri (Marlon) e Rogério Paraíba; Clebinho, Pio (Alexon), Moreilândia, Rodolfo Potiguar, Valdeir e Lúcio (Hyago); Kanu. Técnico: Sérgio China.

Local: Arena Castelão
Árbitro: Pablo Ramon Gonçalves (RN)
Assistentes: Vinícius Melo de Lima (RN) e Thyago Costa Leitão (PI)
Cartão amarelo: Sandro Manoel e Sandro (Ceará); Luiz Eduardo (Salgueiro)
Cartão vermelho: Luiz Eduardo (Salgueiro)
Gols: Magno Alves (16′ do 1ºT), Rodolfo Potiguar (45′ do 1ºT); William (32′ do 2ºT)

Salgueiro pronto para fazer história diante do Ceará

Autor: Ramon Andrade

Foto: Alexandre Gondim/JC

O elenco já está de parabéns, mas é tentadora a possibilidade de ir mais longe. O Salgueiro entra em campo na noite desta quarta-feira (25) para fazer história. A partir das 22h, o Carcará inicia a luta diante do Ceará, no Cornélio de Barros, pelo jogo de ida das quartas de final da Copa do Nordeste. É a primeira vez que o clube sertanejo participa da segunda fase do torneio regional. Além da classificação, está em jogo também um “bicho” de R$ 50 mil, a ser dividido igualmente entre os atletas que jogarem. A confiança está em alta no vestiário do Carcará.

É a primeira vez que o Salgueiro enfrenta o Ceará, o que deixa a população da cidade ansiosa para o confronto. Tanto que a diretoria anunciou uma promoção na venda de ingressos: três bilhetes por R$ 10. A expectativa dos sertanejos é que nove mil pessoas compareçam ao Cornélio de Barros, que tem capacidade para 12.000.

Em alta
O atacante Anderson Lessa está com moral no sertão pernambucano. Artilheiro da equipe, com três gols marcados, o jogador se destacou por ser um dos responsáveis a eliminar o Náutico, clube no qual foi formado. Os três gols de Lessa no Nordestão foram marcados justamente nos dois jogos com o Timbu.

Invictos
A curiosidade deste confronto é que tanto o Salgueiro como o Ceará ainda não perderam nesta edição da Copa do Nordeste. Com duas vitórias e quatro empates, o Carcará marcou nove gols e sofreu quatro. Já o Vozão, que tem três vitórias e três empates, fez sete e também sofreu quatro.

Fotos: site oficial do Ceará

Fotos: site oficial do Ceará

Ceará
O elenco do Ceará contém alguns nomes conhecidos no futebol pernambucano. Jogadores como o volante Sandro Manoel (ex-Santa Cruz) e os meias Marcos Aurélio (ex-Sport) e Wescley (ex-Santa) vêm ao Recife. Além deles, o técnico Silas (ex-Náutico) também é conhecido aqui. Mas o maior destaque do Vozão é o atacante Magno Alves, artilheiro da equipe com quatro gols anotados. Magno Alves teve uma discreta passagem pelo Sport, mas no Ceará não se cansa de fazer gol. A zaga do Salgueiro deve ter trabalho com ele.

Ficha técnica

Salgueiro
Luciano; Marcos Tamandaré, Ranieri, Rogério Paraíba e Lúcio; Vitor Caicó, Rodolfo Potiguar, Moreilândia, Valdeir e Cassio Ortega; Anderson Lessa. Técnico: Sérgio China.

Ceará
Luís Carlos; Samuel Xavier, Charles, Gilvan e Fernandinho; Sandro Manoel, Uillian Correia, Ricardinho e Wescley; Assisinho e Magno Alves. Técnico: Silas Pereira.

Local: Cornélio de Barros
Horário: 22h
Árbitro: José Ricardo Vasconcellos Laranjeira (AL)
Assistentes: Pedro Jorge Santos de Araújo e Rondinelli dos Santos Tavares (ambos de AL)

Sorteio do Nordestão define Sport x Fortaleza e Ceará x Salgueiro nas quartas de final

 Brenno Costa /Diario de Pernambuco

As quartas de final da Copa do Nordeste reservou mais um capítulo de uma rivalidade histórica para Pernambuco com um estado da região. Enquanto o Sport encara o Fortaleza no mata-mata, o Salgueiro tem a missão de aprontar mais uma surpresa e tentar desbancar o Ceará. As primeiras partidas acontecem no próximo dia 25 de março. O Leão da Ilha faz o primeiro jogo na Arena Castelão. Já o Carcará recebe o Vozão no estádio Cornélio de Barros, no Sertão do estado. Os confrontos da volta acontecem no dia 29 deste mês, um domingo.

O sorteiro, realizado na manhã desta sexta-feira, na sede da CBF, deixou o Sport cara a cara com o melhor segundo colocado da primeira fase. O Tricolor do Pici somou 11 pontos no grupo D. Um a mais do que o próprio Leão da Ilha. Na chave, ficou apenas atrás do rival Ceará. Com 12 pontos, o adversário do Salgueiro foi quem sobrou no grupo.

Caso avancem para a semifinal, os pernambucanos já sabem também quem podem ter pelo caminho. O Sport encararia Bahia ou Campinense. Já o Carcará teria América de Natal ou Vitória. Em lados opostos nas chaves, as equipes pernambucanas só se enfrentam em uma possível final. Confira como estão os confrontos do primeiro mata-mata da competição em 2015:

Sport x Fortaleza
Bahia x Campinense
Ceará x Salgueiro
Vitória x América-RN

Quartas - Finais