Copa 2014

Holanda martela 120 minutos, mas só vence a Costa Rica nos pênaltis

Goleiro Krul entrou para cobrança de pênaltis e pegou dois chutes da Costa Rica | Crédito: Dean Mouhtaropoulos/Getty Images

A Holanda atacou a Costa Rica durante praticamente todos os 120 minutos do tempo normal e da prorrogação das quartas de final da Copa do Mundo de 2014, neste sábado, na Fonte Nova. Mas o goleiro Navas e a trave impediram que a Laranja abrisse o placar, e a decisão ficou para as penalidades.

Louis Van Gaal trocou de goleiro para a disputa de pênaltis, e funcionou. Krul defendeu a cobrança de Bryan Ruiz e Umaña e classificou a Holanda para mais uma semifinal de Copa do Mundo.

 

Fonte: PLACAR

Di María sofre estiramento muscular e está fora da Copa do Mundo

Di María está fora da Copa por lesão muscular na coxa direita | Crédito: Matthias Hangst/Getty Images

O meia Angel Di María é mais um desfalque nesta reta final da Copa do Mundo de 2014. O jogador da Argentina sentiu o músculo da coxa direita logo aos 30 minutos da partida contra a Bélgica, após tentar uma finalização a gol.

Di María sofreu um estiramento muscular na perna direita e, após exames, está oficialmente fora do restante da Copa. Não foi informado o tempo de recuperação previsto, apenas que o meia não jogará mais na competição.

Este é o segundo desfalque importante da Argentina para a reta final da Copa do Mundo. Sergio Kun Agüero também está fora da competição por lesão sofrida nas oitavas de final, contra a Suíça.

 

 

Fonte: PLACAR

Em vídeo, Neymar se emociona e revela: ‘O sonho foi adiado’

Fora da Copa do Mundo, em função de uma joelhada do colombiano Zúñiga. O atacante Neymar publicou um vídeo em que agradece o apoio de todos os torcedores, pede forças aos companheiros de seleção e destaca que ‘adiou um sonho’.

Em um dos trechos, Neymar chega a se emocionar e fica com os olhos marejados, quando diz que: ‘Desta vez não vai dar para jogar uma final  de Copa do Mundo, mas estarei com meus companheiros e torcendo junto com eles”.

Confira o depoimento emocionado de Neymar:

 

Higuaín marca, Argentina bate Bélgica e volta às semis após 24 anos

Higuaín marcou o seu primeiro gol na Copa do Mundo e garantiu a vitória ante a Bélgica |Crédito: Ueslei Marcelino/Reuters

Após cair nas quartas de final por duas Copas consecutivas, a Argentina encarou a promissora geração belga, no Mané Garrincha, em Brasília. A Albiceleste desta vez não passou sufoco, mas venceu por 1 x 0, e chega às semifinais após 24 anos.

Confira o minuto a minuto da partida

Mau a partida havia começado e a Argentina tratou de espantar uma possível zebra. Aos 10 minutos, Higuáin pegou a sobra dentro da área e de primeira bateu no canto de Courtois. A Bélgica encontrava muitas dificuldades para chegar á meta de Romero. Enquanto, Messi e Di María seguiam dominando as ações ofensivas.

Sem conseguir penetrar na zaga adversária, De Bruyne arriscou de fora, aos 25, e obrigou grande defesa de Romero. Com a partida morna, a torcida brasileira resolveu se manifestar e embalou um ‘Olê, Olê, Olê..Neymar’, em homenagem ao craque brasileiro que teve que deixar a Copa, após uma joelhada de Zúñiga.

A bruxa parecia estar solta para os sul-americanos e aos 32, Di María caiu no gramado com dores musculares e foi substituído por Enzo Perez. A partir de então, coube a Messi ser a referência Albiceleste.

Com seis finalizações contra quatro dos belgas, a Argentina apenas cadenciava a partida e chegava ‘na boa’, principalmente por conta do forte calor na Capital Federal.

No segundo tempo, aos 5 minutos, Higuaín bateu cruzado,a bola desviou em Van Buyten e quase enganou Courtois. O centro-avante teve nova chance, aos 9 minutos, e cara a cara com goleiro belga bateu no travessão. Com a vantagem praticamente assegurada, os sul-americanos tinham mais posse de bola, 57% contra 43%, e controlavam as ações adversárias. Wilmotts tentou uma mexida de ânimo com Lukaku, na vaga de Origi, e sacou Mirallas para a entrada de Mertens.

Do outro lado, Sabella preferiu trancar a equipe e colocou Gago na vaga do herói Gonzalo Higuaín. Messi ainda teve uma chance, porém bateu em cima de Courtois.

Os Diabos Vermelhos parecem ter sentido o calor e pouco incomodavam a zaga hermana. O último suspiro veio com Lukaku, aos 48, porém a zaga cortou o cruzamento.

A Argentina volta a campo na próxima quarta-feira, quando encara o vencedor de Holanda e Costa Rica, na Arena Coritnhians.

05/7 MANÉ GARRINCHA (BRASÍLIA-DF)

ARGENTINA 1 X 0 BÉLGICA

J:Nicola Rizzoli; P: 68.551; G: Higuaín, 8 do 1º; CA: Biglia, Hazard, Alderwireld

ARGENTINA: Romero (6,5); Zabaleta (6), Demichelis (6,5), Garay (6,6), Basanta (6); Mascherano (6,5), Biglia (6), Messi (7), Lavezzi (6), (Palacio 26 do 2º (5)), Di María (5) (Enzo Peres 33 do 1º (5)), Higuaín (7,5) (Gago 36 do 2º (5)). T: Alejandro Sabella

BÉLGICA: Courtois (6,5), Alderweireld (5,5), Van Buyten (5,5), Kompany (5), Vertonghen (5), Witsel (5,5), Fellaini (6), Mirallas (5), (Mertens 15 do 2º (4,5)), De Buyne (6), Hazard (5,5), (Chadli 30 do 2º (4)), Origi (4,5) (Lukaku 14 do 2º (5)). T: Marc Wilmotts

Holanda tenta espantar a zebra Costa Rica no adeus ao estádio das goleadas

Por Salvador

Holanda x Costa Rica - FICHA APRESENTAÇÃO (Foto: Infoesporte)

Estádio de muitos gols e goleadas históricas, a Fonte Nova será palco neste sábado, às 17h, do confronto entre Holanda e Costa Rica, o duelo entre a zebra que virou surpresa da Copa do Mundo e a força europeia para saber quem avançará para a semifinal. É também o confronto do melhor ataque, o holandês, contra a melhor defesa. Será o adeus do estádio de Salvador, que registrou resultados emblemáticos como a vitória da própria Holanda sobre a Espanha por 5 a 1, e o triunfo da Alemanha sobre Portugal por 4 a 0.

Inegável dizer que a Holanda é favorita. Mas técnico e jogadores chutam para longe qualquer tipo de soberba. O comandante holandês, Van Gaal, fez treino fechado, não anunciou a escalação e pregou respeito ao adversário.

– Eles têm um objetivo, e isso não pode ser subestimado – disse o treinador.

O mistério fica por conta do esquema que Van Gaal levará a campo, o 3-5-2 ou o 4-3-3. O técnico não anunciou o substituto de De Jong, lesionado. Apesar do respeito e pés no chão para evitar uma desagradável surpresa, o clima da Holanda nos dias que antecederam a partida foi de extrema leveza e confiança.

Louis van Gaal com jogadores no treino da Holanda (Foto: EFE)
Louis van Gaal fala com seus jogadores: respeito à zebra Costa Rica (Foto: EFE)

A Costa Rica se dá ao direito de sonhar. E sonhar alto. Jamais a seleção chegou tão longe em um Mundial.

– Vamos dar o máximo de nós. Em campo, faremos tudo que for lícito e legal para chegarmos ao triunfo – disse o técnico Jorge Luis Pinto.

Essa será a primeira vez que Holanda e Costa Rica se enfrentam na história com suas seleções principais.

Em cinco jogos até agora, a Fonte Nova teve 24 gols, com média de 4,8 por partida. Ao lado da Colômbia, os holandeses têm o melhor ataque do Mundial, com 12 gols. Eles terão pela frente a melhor defesa (ao lado da Bélgica), com apenas dois gols sofridos.

O vencedor terá pela frente Argentina ou Bélgica, que se enfrentam também neste sábado, às 13h, em Brasília.

Treino da Costa Rica no Barradão (Foto: Gettyimages)
Leve: antes do jogo, Costa Rica faz treino descontraído com artilheiro Ruiz no gol (Foto: Gettyimages)

Em tira-teima das Copas, Argentina e Bélgica jogam por vaga na semifinal

Argentina x Belgica_FICHA_APRESENTACAO (Foto: Infoesporte)

As expectativas estão sendo cumpridas, mas eles querem mais. Apontados como promessas de destaque na Copa do Mundo, Lionel Messi e os jovens da Bélgica têm feito em gramados brasileiros o que se espera deles. De um lado, o craque tem sido o diferencial da Argentina que caminhou aos trancos e barrancos até as quartas de final. Do outro, os belgas encantaram pelo jogo ofensivo diante dos EUA e tiveram uma primeira fase 100%. Na semifinal, só haverá espaço para um, e a vaga será decidida neste sábado, às 13h (de Brasília), no Estádio Mané Garrincha, na Capital Federal.

Este será o terceiro confronto entre os países na história das Copas, e os anteriores foram marcantes. Em 1982, os belgas fizeram 1 a 0 e superaram os então campeões na fase de grupos. Quatro anos depois, foi a vez da Argentina de Maradona dar o troco, fazer 2 a 0 na semifinal, colocar um ponto final na melhor campanha da história da Bélgica e seguir rumo ao bi. Chegou a hora do desempate, e o vencedor já superará marcas importantes.

Para os belgas, representará igualar o melhor resultado de todos os tempos – aquela semifinal de 1986, quando depois sucumbiram para os franceses na disputa pelo terceiro lugar. Isso com um time apontado como precoce e com auge previsto para 2018, na Rússia. Já os argentinos jogam contra uma sina incômoda. Desde 1990, quando foram vice-campeões, não ficam entre os quatro melhores. Neste caminho, sempre caíram para europeus: Romênia, Holanda, Suécia, Inglaterra e a Alemanha (duas vezes).

O vencedor do duelo de promessas já cumpridas enfrentará Holanda ou Costa Rica, na quarta-feira, em São Paulo, por uma vaga na grande decisão do Maracanã, dia 13. A Laranja e os Ticos medem forçam também neste sábado, às 17h, em Salvador.

O MELHOR MESSI PELA SELEÇÃO

Sabella e Messi, treino Argentina (Foto: EFE)
Messi no treino apronto sob os olhares do técnico Alejandro Sabella, em Brasília (Foto: EFE)

Contra o tabu, a Argentina aposta em Messi. Um Messi, enfim, em sua melhor forma com a camisa da seleção em uma Copa. Depois de decepcionar e marcar apenas um gol em oito jogos nos Mundiais da Alemanha e da África do Sul, Leo tem carregado o time nas costas no Brasil. São quatro gols e uma assistência, que foram determinantes para levar a Argentina até o confronto contra a Bélgica e acabar de vez com qualquer dúvida sobre o que poderia oferecer ao seu país. Só na Era Sabella, são 25 gols em 29 jogos.

O que se viu até agora em gramados brasileiros foi uma Argentina com muita dificuldade de superar retrancas e refém dos lampejos de seu craque. O roteiro foi cumprido de forma similar diante de Bósnia, Irã, Nigéria e Suíça. E Sabella não nega que sua equipe é dependente do camisa 10. Por outro lado, ressaltou que o Messi de agora jamais foi visto com a camisa da seleção, e é preciso saber fazer valer isso.

– Esperamos de Messi sempre algo diferente. Às vezes, surpreende, outras não. Vejo uma equipe que apoia Messi e o fortalece para se sentir bem e renda como está rendendo. Há quatro anos era criticado, agora dizem que dependemos muito dele. Então, não é fácil, né?

Com Messi mais do que garantido, o treinador faz mistério a respeito do resto do time. Uma troca é certa: Basanta na vaga de Rojo, suspenso. A tendência é que Demichelis também entre na vaga do criticado Fede Fernandez. Ao menos, esta foi a formação que foi a campo no treino de reconhecimento do Estádio Nacional. Gago e Lavezzi, que convivem com as sombras de Biglia e Palacio, foram mantidos.

Sabella e Messi, treino Argentina (Foto: EFE)
Sabella admite dependência de Messi, mas lembra que há quatro anos craque era criticado (Foto: EFE)

PARA FAZER HISTÓRIA

A Bélgica chegou cercada de expectativa. E tem correspondido até o momento. Classificados em primeiro no Grupo H, com três vitórias (Argélia, Rússia e Coreia do Sul), os Diabos Vermelhos chegam às quartas de final sonhando fazer história. Para isso, precisam passar pela Argentina de Messi e chegar às semifinais, igualando a campanha de 1986, quando perderam exatamente para os sul-americanos. Acabaram em quarto lugar na ocasião.

– Chegou o momento. É por jogos como esse que temos trabalhado tanto e há tanto tempo. É singular poder vivenciar tudo isso. Trabalhamos muito, e essa é a recompensa por todo o nosso esforço – disse o zagueiro Vertonghen, que vem sendo escalado na lateral esquerda.

O técnico Marc Wilmots esconde o time. E algumas dúvidas pairam no ar. Defour cumpriu suspensão contra os EUA e fica à disposição, caso Wilmots opte por ter um homem fixo na marcação de Messi. Vermaelen, contundido até então, surge como opção para a lateral esquerda. No ataque, Lukaku deve voltar ao time titular. Com isso, Origi, escalado na última partida, ficaria no banco.

Marc Wilmots bélgica treino (Foto: Agência EFE)
Wilmots observa treino: técnico não anunciou se Defour volta ao time após cumprir suspensão (Foto: Agência EFE)

Neymar sofre fratura na vértebra, está fora da Copa, mas segue com o grupo

Por Fortaleza

O choro não era à toa. Neymar sofreu uma fratura na terceira vértebra lombar após sofrer uma joelhada do colombiano Zúñiga, nas costas, pouco antes do final do segundo tempo, e está fora da Copa do Mundo. O jogo terminou com vitória do Brasil, por 2 a 1, e classificação para a semifinal, mas ficar sem o jogador para o restante do Mundial é uma grande derrota para a equipe e o torcedor brasileiro.

Neymar Jr

Apesar do drama, o jogador segue com o grupo e vai usar uma cinta. A primeira previsão seria de quatro a seis semanas necessárias para a recuperação. No entanto, ainda há a necessidade de se verificar todos os resultados dos exames feitos pelo camisa 10, que deixou o hospital por volta das 21h28 (de Brasília) e seguiu para a Base Aérea, de onde voa normalmente com a delegação para o Rio de Janeiro. Ele seguirá com a equipe na Granja Comary.

INFOGRÁFICO: Entenda a fratura de Neymar

10488079_10202433387659517_6638906857956110458_n

– É uma fratura que evolui. Não tem condição de jogar na próxima semana. São poucas semanas para recuperação. Terceira vértebra lombar, no processo transverso. Tempo nós vamos ver depois. Primeiro momento é fazer o diagnóstico e vamos ver o que vai acontecer. Precisamos do resultado desses exames – afirmou Rodrigo Lasmar, médico da CBF.

Neymar entrando no Hospital (Foto: Brigida Sullam)
Neymar entrando no hospital: chegou chorando e teve confirmação de que ficará fora da Copa (Foto: Brigida Sullam)

Segundo o doutor, o jogador está muito abatido, mas sua lesão só terá um diagnóstico totalmente completo após os resultados de mais alguns exames serem analisados.

– Ele volta conosco, volta bem, só com uma cinta. Precisa de cinta lombar pra alivio da dor, vai precisar de algumas semanas para estar de volta. Outros exames serão feitos, mas para a Copa não tem condições. Está muito abatido, triste, chateado, muito triste. Uma expectativa tão grande passando pra semifinal e ele, infelizmente, não vai poder – completou Lasmar.

Primeiro, Neymar foi examinado na clínica do estádio, segundo o próprio Felipão. Depois, acabou sendo encaminhado com o doutor José Luiz Runco para uma clínica particular. Ele saiu de campo na maca, chorando bastante, sem sequer conseguir andar nos primeiros momentos, e foi avaliado no Hospital São Carlos, na zona norte de Fortaleza, onde chegou também chorando, de maca, e já com medicamento na veia.

– Sabendo agora realmente que ele está fora, é uma tristeza enorme. A gente sabe quanto o Ney queria brilhar nessa Copa, o quanto ele se sente feliz levando alegria para o povo brasileiro. Fui pego de surpresa, a tristeza é enorme e é até difícil falar, porque é um garoto espetacular. Acho que o Neymar, se tivesse que mandar um recado para a gente, diria “Galera, bola para a frente que eu quero estar lá no dia 13 com vocês”. Ele é um garoto espetacular, simples e que ensina muito para a gente todo dia. Mas não estou acreditando até agora que o Ney não vai jogar na terça-feira. Se eu pudesse, queria dar um abraço e um beijo nele agora – afirmou o goleiro Julio César.

Neymar machucado jogo Brasil x Colômbia (Foto: AP)
Neymar saiu chorando, na maca, após sofrer pancada nas costas durante Brasil x Colômbia (Foto: AP)

Além do desfalque de Neymar, a Seleção não contará com o seu capitão, Thiago Silva, na próxima partida, a semifinal do Mundial, contra a Alemanha, na próxima terça-feira, às 17h, no Mineirão, em Belo Horizonte. O zagueiro levou o seu segundo cartão amarelo no Mundial e terá que cumprir uma suspensão automática na partida contra os alemães.

* Participam da cobertura Alexandre Lozetti, Cassius Leitão, Juscelino Filho, Leandro Canônico, Marcelo Baltar, Márcio Iannacca, Martín Fernandez, Richard Souza, Roberto Leite, Thais Jorge, Thales Soares e Thiago Correia

Veja fotos de Brasil x Colômbia, na Arena Castelão-CE

Pressionado por uma boa atuação, o Brasil encarou a Colômbia, no Castelão, e conseguiu finalmente aliviar a tensão graças a dupla de zaga Thiago Silva e David Luiz, que marcaram os gols do triunfo canarinho. Com a vitória por 2 x 1, a seleçao brasileira agora volta ao MIneirão, na próxima terça-feira, onde encara a Alemanha, pelas semifinais.

Com zagueiros artilheiros, Brasil se redime e elimina Colômbia

David Luiz marcou um golaço de falta e garantiu a vitória brasileira ante a Colômbia |Crédito: Alex Livesey/Fifa

Pressionado por uma boa atuação, o Brasil encarou a Colômbia, no Castelão, e conseguiu finalmente aliviar a tensão graças a dupla de zaga Thiago Silva e David Luiz, que marcaram os gols do triunfo canarinho. Com a vitória por 2 x 1, a seleçao brasileira agora volta ao MIneirão, na próxima terça-feira, onde encara a Alemanha, pelas semifinais.

Após mais um show das arquibancadas, os comandados de Felipão entraram acesos em campo e abriram o placar aos sete minutos. Após cobrança de escanteio, Thiago Silva apareceu sozinho no segundo pau e de joelho escorou para o gol vazio.

David Luiz_Daniel Alves_James Rodríguez

Mesmo com a vitória parcial, o Brasil quase ampliou aos 19. Hulk recebeu de Neymar e fuzilou Ospina, que espalmou para o meio da área, na sequência Oscar pegou o rebote e obrigou outra grande intervenção do goleiro colombiano.

Diferentemente dos outros quatro jogos, o Brasil tinha o domínio completo da partida com 53% de posse de bola. A Colômbia vivia dos lampejos de James Rodríguez, que bem marcado pela defesa brasileira finalizou apenas uma vez. O primeiro tempo terminou com nove chutes à gol do Brasil e quatro da Colômbia.

Na volta do intervalo, Pekerman sacou Ibarbo para a entrada de Adrian Ramos. Os Cafeteros melhoraram e passaram a chegar com mais perigo. James Rodríguez resolveu aparecer e começou a organizar mais o jogo no meio-campo. Acuado, o Brasil apenas dava chutões e parava as ações adversárias na base da falta. O capitão Thiago SIlva interceptou a saída do goleiro Ospina e recebeu o cartão amarelo, que o deixa fora das semifinais.

A Colômbia chegou ao gol, mas o árbitro já tinha assinalado falta de ataque. Mesmo no pior momento da partida, o Brasil conseguiu ampliar. David Luiz cobrou falta quase da intermediária e mandou no ângulo, sem chances para Ospina. O gol credenciou mais  uma brilhante atuação do melhor jogador da Copa do Mundo.

Mas, o artilheiro resolveu aparecer. James Rodríguez achou Bacca no meio da área, o atacante foi derrubado por Júlio César e o árbitro assinalou pênalti. O camisa 10 bateu bem e diminiuiu para 2 x 1.

Preocupado em segurar a vantagem, Felipão sacou Hulk para a entrada de Ramires, e na sequência trocou Paulinho por Hernanes. No lance seguinte, Neymar levou uma pancada e sem condições de jogo teve que ser substituído por Henrique.

4/7 – CASTELÃO (FORTALEZA-CE)

BRASIL 2 X 1 COLÔMBIA

J: Carlos Velasco (Espanha); P: 60 342; G: Thiago Silva 6 do 1°, David Luiz 22 e James Rodríguez 34 do 2°; CA: Thiago Silva, James Rodríguez, Yepes, Julio Cesar

BRASIL: Julio Cesar (6), Maicon (6), Thiago Silva (8), David Luiz (8,5) e Marcelo (7); Fernandinho (8), Paulinho (6,5) (Hernanes 40 do 2° (s/n)), Hulk (6) (Ramires 37 do 2° (6)) e Oscar (6); Neymar (5,5) (Henrique 41 do 2° (s/n)) e Fred (5). T: Luiz Felipe Scolari

COLÔMBIA: Ospina (5,5), Zuniga (5), Zapata (5), Yepes (6,5) e Armero (5,5); Sánchez (5), Guarín (5), Cuadrado (5,5) (Quintero 35 do 2° (5,5)) e James Rodríguez (6,5); Ibarbo (5) (Ramos – intervalo (5,5)) e Teófilo Gutiérrez (5) (Bacca 24 do 2° (5)). T: José Pekerman

Fonte: PLACAR

Cirúrgica, Alemanha bate França e chega à sua 4ª semifinal seguida

Mat Hummels comemora o gol marcado diante da França, no Maracanã | Crédito: Eduardo Monteiro

A Alemanha precisou de poucas investidas ao ataque para assegurar a sua classificação às semifinais da Copa, a quarta seguida. Neste sábado, os tricampeões mundiais bateram a França por 1 x 0, no Maracanã.

Ao contrário do que aconteceu nas oitavas de final, ante a Argélia, Götze deu lugar a Klose no time titular. Com isso, Müller jogou mais aberto pela direita. Pelo lado francês, o atacante Griezmann, um dos destaques dos Bleus ante a Nigéria, foi aposta desde o inicio do jogo, formando o tridente ofensivo com Benzema e Valbuena.

Mesmo inferior na posse de bola, foi a França quem deu o primeiro susto, com Benzema, em chute que passou à direita de Neuer. A Alemanha respondeu de forma ainda mais incisiva. Aos 13 minutos do primeiro tempo, Kroos alçou bola na área e Hummels, praticamente de costas, ganhou da zaga para escorar de cabeça para o fundo das redes.

O que se viu no restante da partida foi uma Alemanha tranquila, trocando passes no meio-campo, e uma França apressada, abusando dos contra-ataques. Numa dessas investidas, Benzema por pouco não deixou tudo igual: o camisa 10 passou por Lahm e, na hora do arremate, foi barrado por Hummels.

A Alemanha respondeu logo depois, com Schurrle, sozinho na área, chutando em cima de Lloris.

A quatro minutos do final, novamente Benzema teve a chance do empate, mas seu chute de canhota parou em ótima defesa de Neuer. Era a chance derradeira de a França ganhar sobrevida na partida.

Assim, a Alemanha emplaca sua quarta semifinal de Copa em sequência – a última eliminação antes desta fase aconteceu em 1998, quando caiu ante a Croácia. Seu adversário por uma vaga na final sai do duelo entre Brasil x Colômbia.

4/7/2014 – MARACANÃ (RIO DE JANEIRO – RJ)

FRANÇA 0 X 1 ALEMANHA

J: Nestor Pitana (Argentina); P: 74240 ; G: Hummels (12 do 1º); CA: Khedira e Schweinsteiger;

FRANÇA: Lloris (6); Debuchy (5,5), Varane (5), Sacko (5) (Kolscieny 25 do 2º (5)) e Evra (6); Cabaye (6) (Remy 28 do 2º (5)), Pogba (6,5) e Matuidi (6,5); Valbuena (6) (Giroud 39 do 2º (s/n)), Benzema (6) e Griezmann (5,5). T: Didier Deschamps.

ALEMANHA: Neuer (7); Lahm (5,5), Boateng (5,5), Hummels (7,5) e Höwedes (5); Schweinsteiger (5,5), Khedira (6,5) e Kroos (7); Müller (6) (Kramer 46 do 2º (s/n), Klose (5,5) (Schürrle 23 do 2º (5)) e Özil (6) (Götze 37 do 2º (s/n)). T: Joachim Löw.