Copa das Confederações

Com time B, Alemanha frustra Chile e conquista a Copa das Confederações

FICHA TÉCNICA CHILE 0 X 1 ALEMANHA  

Local: Estádio de São Petersburgo, em São Petersburgo (Rússia)

Data: 2 de julho de 2017 (Domingo)

Horário: 15 horas (de Brasília)

Árbitro: Milorad Mazic Assistentes: Milovan Rsitc e Dalibor Djurdjevic

Cartões amarelos: Vidal, Bravo e Jara (Chile); Kimmich, Rudy e Can (Alemanha)

Gol: Stindl, aos 20 do 1º tempo

CHILE: Claudio Bravo, Mauricio Isla, Gary Medel, Gonzalo Jara e Beausejour; Marcelo Díaz (Leonardo Valencia), Charles Aránguiz (Sagal), Arturo Vidal e Pablo Hernández; Eduardo Vargas (Édson Puch) e Alexis Sánchez. Técnico: Juan Antonio Pizzi

ALEMANHA: Marc-André ter Stegen, Matthias Ginter, Shkodran Mustafi e Antonio Ruediger; Joshua Kimmich, Sebastian Rudy, Jonas Hector, Leon Goretzka (Sule) e Julian Draxler; Timo Werner (Emre Can) e Lars Stindl. Técnico: Joachim Low

Final no Maracanã bateu recorde de audiência

Partida entre Brasil e Espanha teve a maior audiência da história da Copa das Confederações. Quase 70 milhões de pessoas curtiram o novo Maracanã em todo o mundo

A final da Copa das Confederações 2013 bateu o recorde de público televisivo da competição, segundo dados divulgados hoje (4) pela Fifa. A partida entre as seleções de Brasil e Espanha foi vista por 69,3 milhões de pessoas nos 10 principais mercados televisivos do mundo – como Alemanha, China, França e Estados Unidos, entre outros.

“Do ponto de vista da promoção internacional do turismo brasileiro, isso é um ganho espetacular, que só seria alcançado com um investimento muito massivo de recursos em publicidade televisiva nesses mercados”, afirma o presidente da Embratur, Flávio Dino. Ele lembra que, além das informações sobre o estádio e as reportagens antes e depois da partida, feitas pelos mais de 3 mil jornalistas credenciados, antes do jogo foi exibido um filme com os principais atrativos turísticos do Rio de Janeiro.

“Obviamente, não só o Rio que ganha com isso, já que a cidade é um dos principais cartões-postais de todo o país”, avalia Dino. O presidente da Embratur também lembra que as partidas anteriores da seleção brasileira, em outras capitais, também bateram recordes de audiência da competição.

O jogo Itália x Brasil, em Salvador, foi visto por cerca de 50,4 milhões de espectadores nos 10 principais mercados de televisão, no dia 22 de junho. A audiência era recorde até a realização da final. A partida na Fonte Nova havia batido o recorde anterior, que era também da edição brasileira da Copa das Confederações, pelo jogo Brasil x México, em que 40 milhões de pessoas haviam assistido a vitória de 2 a 0 da equipe treinada por Luiz Felipe Scolari.

Press trips

A Embratur aproveitou os 15 dias da Copa das Confederações para promover roteiros associados às cidades-sede do campeonato  – e também já da Copa do Mundo.  “Como a competição vai abranger todas as regiões do Brasil, é uma excelente oportunidade de mostrar toda a variedade de destinos do país”, avaliou Dino.

Por isso, o Instituto realiza quatro press trips para apresentar a 13 jornalistas de nove países, as estruturas dos estádios das cidades-sede da Copa das Confederações (2013) e do Mundo de 2014, os atrativos de ecoturismo, a cultura e as belezas naturais de cada região do Brasil.

Rio de Janeiro, Brasília, Cuiabá (MT), Manaus (AM), Belo Horizonte (MG), Natal (RN) serão alguns dos cenários que farão parte da viagem. Os jornalistas espanhóis e portugueses, por exemplo, vão conhecer também, além de Brasília e dos roteiros Cívico e Niemeyer (que passa pelos monumentos do arquiteto Oscar Niemeyer), o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros e as Cachoeiras de Pirenópolis.

Publicado por: aquarela2020

Copa das Confederações atraiu turistas para festa de Caruaru

O São João de Caruaru chegou ao fim neste sábado, 29, Dia de São Pedro. O secretário da Fundação Municipal de Cultura e Turismo, André Alexei, afirmou que o evento reuniu mais de um milhão de pessoas em 2013 e que o fato de Recife ter sido uma das sedes da Copa das Confederações ajudou a atrair turistas para a festa na cidade do interior pernambucano. Alexei, aliás, afirmou que Caruaru já iniciou os preparativos para os festejos de 2014, que vão acontecer justamente durante a Copa do Mundo. Leia a seguir os principais trechos da entrevista que Alexei concedeu ao Terra.

O São João 2013 atendeu às expectativas do governo municipal?

Sim. Foi uma festa muito bonita e animada, até porque montamos uma mega estrutura para atender da melhor forma possível os foliões não só de Caruaru, mas também de todo o país. Todos os polos de animação – Parque de Eventos Luiz Gonzaga, Alto do Moura, Estação

Ferroviária e Corredor das Quadrilhas – estiveram lotados durante os fins de semana o que nos deixou bastante satisfeitos. Para se ter uma ideia do sucesso do evento, mais de um milhão de pessoas prestigiaram a nossa programação. Além dos shows no Parque de Eventos, eles ainda compareceram aos desfiles das quadrilhas e bacamarteiros, bem como às festas das comidas gigantes. Então, encerramos esta temporada com o sentimento de dever cumprido.

 

O que precisa ser modificado para o próximo ano?

Acredito que colecionamos mais acertos do que erros. Definimos que já a partir da segunda quinzena de julho iniciaremos as discussões sobre o São João da Copa do Mundo. Durante todo este período que teremos pela frente reavaliaremos onde erramos, mas podemos adiantar que iremos manter o que foi aprovado pelos foliões. Nossa ideia é melhorar cada

vez mais.

 

A Copa das Confederações estimulou a vinda de mais turistas para Caruaru?

Sem dúvidas. Pelo fato de Pernambuco ter sido sede do torneio, muitos turistas estrangeiros frequentaram a cidade, assim como a imprensa internacional. Agora, só poderemos informar o número exato de turistas presentes assim que a nossa pesquisa sobre o São João for divulgada. Esse resultado deverá sair somente em agosto.

 

Que benefícios, em termos de números, o São João trouxe para economia não só da cidade, mas também de toda a região?

Ainda não podemos informar com exatidão os números, até porque a nossa pesquisa ainda não foi concluída. Entretanto, no ano passado, o São João foi responsável por uma  movimentação financeira de R$ 200 milhões. Apostamos que iremos superar o montante de 2012.

 

Que recado o senhor gostaria de deixar para os leitores que acompanharam o São
João de Caruaru pelo Terra?

Caruaru é uma terra de povo acolhedor e festeiro. Fazemos uma festa para todas as idades e gostos. Então, gostaríamos de convidar a todos os interessados para participar da edição do próximo ano. Tenho certeza de que não irão se arrepender.

 

PrimaPagina
Terra 

Hulk desfila em carro aberto e é aclamado pelos conterrâneos na Paraíba

Jogador desfilou em carro aberto e foi recebido com festa em Campina Grande, sua cidade natal
Foto: Prefeitura de Bayeux/ Divulgação

Vanessa Silva Do NE10/ Paraíba

Recebido com pompa de herói, o atacante Hulk retornou à Paraíba, sua terra natal, nesta segunda-feira (1º) à tarde. Antes de seguir para Campina Grande, onde mora a família do jogador, o camisa 19 da Seleção Brasileira recebeu do governador Ricardo Coutinho o título de embaixador da Paraíba na Copa. Emocionado, Hulk agradeceu o gesto e discursou por alguns minutos, lembrando a infância pobre e o caminho que trilhou até chegar a Seleção hoje tetracampeã da Copa das Confederações.

Fotos: Secom-PB/ Divulgação
http://www2.uol.com.br/JC/_ne10/cotidiano/foto/hulkhomenagem.jpg

“Antes de entrar no Maracanã, passou um filme na minha cabeça. Lembrei do tempo que batia bola descalço nas ruas do bairro Zé Pinheiro. Hoje estou aqui recebendo esta homenagem. Parece um sonho, parece que ainda não acordei. Estou muito feliz pela vitória na Copa das Confederações e por ter sido recebido dessa forma no meu estado. Quem me conhece sabe que onde eu ando levo a bandeira da Paraíba”, disse o jogador com lágrimas nos olhos.

http://www2.uol.com.br/JC/_ne10/cotidiano/foto/hulkhomenagem2_470.jpg

Durante a homenagem, o governador da Paraíba lembrou que por diversas vezes o atacante levantou a bandeira do Estado em campo. Além do título de Embaixador Honorário da Paraíba na Copa do Mundo 2014, Hulk recebeu também o certificado de Expressão do Reconhecimento do Povo Paraibano, pela participação na Copa das Confederações.

Em Campina Grande, a festa maior. Acompanhado por centenas de pessoas, o jogador desfilou em carro aberto pela Avenida Brasília e seguiu até o Parque do Povo, onde uma grande festa foi preparada em meio aos festejos do São João para receber o atleta. Mais uma vez se declarou emocionado com a recepção e o calor dos conterrâneos. “Para onde eu vou, eu carrego o nome da Paraíba. Amo minha terra e por isto é sempre um prazer voltar para cá. Ser recebido pelos meus conterrâneos, então, é motivo de muito orgulho”, declarou o jogador.

http://www2.uol.com.br/JC/_ne10/cotidiano/foto/hulk470.jpg

TRAJETÓRIA – Givanildo Vieira de Souza, o Hulk, começou a carreira na posição de lateral. Atualmente joga pelo Zenit, da Rússia. Aos 18 anos, fez carreira no Japão, no Kawasaki Frontale, Tokyo Verdy e Consadole Sapporo. Em 2008 foi transferido para o FC Porto, de Portugal, e, desde então, vem chamando a atenção de outros grandes clubes europeus, principalmente pela temporada 2010-11 quando marcou 36 gols nas competições e se consagrou artilheiro do Campeonato Português.

Em 2009 foi convocado pela primeira vez, pelo então técnico Dunga, para disputar com a Seleção Brasileira os amistosos contra as seleções da Inglaterra e Omã. Voltou a ser convocado em 2010 pelo técnico Mano Menezes. Em 2011, disputou dois amistosos. Já em 2012, disputou uma partida contra a Dinamarca, onde marcou seus primeiros dois gols defendendo o Brasil.

Pacotão da Copa: Neymar brilha, Taiti emociona, e Espanha se enrola

A Copa das Confederações no Brasil e do Brasil foi também o palco para a confirmação do talento de Neymar. O camisa 10 da Seleção correspondeu, com folga, às expectativas e se tornou o protagonista da competição: ganhou a Bola de Ouro dada ao craque do torneio, terminou como terceiro artilheiro e ainda foi decisivo na conquista do título.

Mas o reconhecimento a Neymar não fica apenas nos prêmios oficiais. Entre simulações e sarrafos, ele liderou também os rankings de faltas sofridas e cometidas – levou 30 e fez 18, em cinco jogos. Ao lado de outros seis jogadores, terminou em segundo lugar entre os principais garçons, com duas assistências, perdendo apenas para o uruguaio Gargano. Para completar, o camisa 10 da Seleção brilhou com o golaço e o drible mais bonito do torneio.

Mas a Copa das Confederações não se resumiu a Brasil e Neymar. O Taiti, seleção amadora da Oceania, conquistou a torcida apesar de sofrer três goleadas – para Nigéria, Espanha e Uruguai -, protagonizando alguns dos momentos mais emocionantes do torneio. A epopeia do goleiro Roche, que saiu de um falha incrível a uma simpática comemoração no pênalti perdido cobrado por Torres para fora quando a Roja já tinha feito oito gols no 10 a 0 no Maracanã, foi um dos pontos altos da competição.

Comemoração Taiti contra Nigéria (Foto: Getty Images)
Jogadores do Taiti comemoram o único gol da equipe na competição (Foto: Getty Images)

Os atuais campeões do mundo, por outro lado, não caíram nas graças da torcida brasileira e foram muito vaiados por onde passaram, além de criarem polêmica nas estadas em Fortalezae no Recife. Outras equipes tradicionais, Itália e Uruguai ficaram pelo caminho, mas deixaram a marca: Balotelli se viu à vontade no Brasil, enquanto a Celeste viveu às turras com a organização. A Nigéria, por sua vez, apareceu mais pelo atraso na chegada ao país do que pelo futebol. O México, nem isso: participação totalmente apagada, salva apenas por uma bela jornalista.

PACOTÃO GERAL da copa das confederações (Foto: arte esporte)
globo.com

A GRANDE Família Voltou!!!

O Brasil passou com louvor pelo seu grande teste antes da Copa do Mundo de 2014. Na noite deste domingo, jogando um futebol vistoso, comandando por Neymar, agora forte candidato ao posto de melhor do mundo, a seleção brasileira passeou sobre a toda poderosa Espanha, venceu por 3 a 0 num Maracanã pulsante e conquistou diante da sua torcida o título da Copa das Confederações.

Imagens da Premiação Brasileira

Com a vitória, o título e o espetáculo, o Brasil cumpriu aquilo que o técnico Luiz Felipe Scolari promete desde que assumiu o cargo em novembro. Mandou uma mensagem clara aos rivais: está entre os favoritos para conquistar a Copa do Mundo do ano que vem, quando também jogará em casa. E, da forma com que a equipe tem se relacionado e recebido o apoio da torcida, irá entrar em campo fortalecida a cada partida que jogar no Mundial.

Imagens da Comemoração dos Torcedores

O Brasil passou com louvor pelo seu grande teste antes da Copa do Mundo de 2014. Na noite deste domingo, jogando um futebol vistoso, comandando por Neymar, agora forte candidato ao posto de melhor do mundo, a seleção brasileira passeou sobre a toda poderosa Espanha, venceu por 3 a 0 num Maracanã pulsante e conquistou diante da sua torcida o título da Copa das Confederações.

Na disputa de pênaltis, Itália vence Uruguai e conquista o 3º lugar em Salvador

Depois da longa batalha contra a Espanha na semifinal, a Itália voltou a sofrer com o calor e o cansaço, desta vez na disputa pelo terceiro lugar da Copa das Confederações, neste domingo, contra o Uruguai, na Arena Fonte Nova, em Salvador. A seleção italiana fez mais uma dura partida de 120 minutos e teve seu esforço premiado com a vitória sobre os uruguaios nos pênaltis, por 3 a 2, depois de um empate por 2 a 2 no tempo normal e de uma prorrogação sem gols.

O prêmio de consolação foi conquistado a duras penas. Somando as duas últimas partidas, a Itália esteve em campo por 240 minutos, sem contar o tempo das penalidades contra os espanhóis. O cansaço teve seu preço. Pirlo, Marchisio e Barzagli ficaram de fora do time neste domingo, por lesão, reforçando a lista de baixas, que já tinha Abate e Balotelli.

Com uma equipe cheia de reservas, a Itália teve como principal novidade o atacante El Shaarawy, titular pela primeira vez nesta Copa das Confederações. E, assim como aconteceu na semifinal, os italianos não esconderam o cansaço ao fim da partida.

Sem seus principais jogadores, a equipe da Itália contou com a precisão de Diamanti na cobranças de falta que geraram os dois gols italianos. Nas penalidades, brilhou o goleiro Buffon. Ele fez três defesas e garantiu o triunfo.

Já o Uruguai, mais descansado, jogou com o time quase completo – Gargano entrou no lugar de González, na única mudança em relação à semifinal contra o Brasil. E, como aconteceu naquele jogo, Cavani foi o destaque. O atacante marcou duas vezes, uma delas em cobrança de falta. Mas não foi o suficiente para evitar o revés nas penalidades.

O JOGO – As duas seleções suportaram bem os 28ºC de Salvador e fizeram um primeiro tempo de futebol razoável e bons lances para animar os 43.382 torcedores presentes na Fonte Nova – estádio com capacidade total de 55 mil nesta Copa das Confederações.

O Uruguai tomou a iniciativa no começo e chegou a criar duas chances de gol antes dos seis minutos. Mas a Itália respondeu rapidamente, em lance de Chiellini. Os dois times se alternaram no ataque, com destaque para cobrança de falta perigosa de Forlán, e defesa de Buffon, aos 11. E finalização rasteira de Candreva, após cruzamento de Di Sciglio, aos 14.

O equilíbrio foi quebrado aos 23, quando Diamanti bateu falta direto no gol. A bola acertou a trave, rebateu nas costas do goleiro Muslera e, quando estava prestes a entrar, foi completada pelo zagueiro Astori. A arbitragem chegou a dar o gol a Diamanti, mas voltou atrás, após consultar o sistema eletrônico, e deu o crédito ao defensor.

O gol confirmou o domínio italiano, principalmente no meio-campo. Os europeus eram mais ofensivos, levavam maior perigo em suas investidas e tinham até 59% da posse de bola. O Uruguai, por sua vez, tinha dificuldade em ligar o seu limitado meio-campo com o forte ataque.

Com este obstáculo, o Uruguai só conseguiu chegar ao gol em lance de bola parada. Forlán bateu falta na área e Cavani cabeceou para as redes, aos 31 minutos. O árbitro, porém, assinalou impedimento e anulou o gol.

O empate só veio no segundo tempo. Em uma rara ligação eficiente do meio para o ataque, Gargano puxou contra-ataque e lançou na esquerda. Suárez deixou para Cavani bater cruzado, aos 12, e fazer 1 a 1.

O gol renovou o ânimo dos uruguaios, que cresceram em campo. O time sul-americano acelerou o jogo e chegava com mais facilidade no ataque. Aos 21, Forlán desperdiçou duas grandes chances, em finalizações à queima-roupa quase dentro na pequena área. Buffon fez a primeira defesa no susto e a segunda com o pé esquerdo.

E, justamente quando o Uruguai parecia perto da virada, a Itália voltou a liderar o placar. Após ter “perdido” a autoria do primeiro gol, graças à alteração do árbitro, Diamanti enfim marcou o seu gol de falta, em cobrança com categoria.

A vantagem, porém, durou pouco tempo. Cinco minutos depois, Cavani voltou a igualar o marcador, em mais uma cobrança de falta. Buffon saltou com atraso e não conseguiu evitar o segundo gol uruguaio, que levou o duelo para a prorrogação.

Mas, diante do calor baiano, os dois times não tiveram condições de criar jogadas de maior relevância no tempo extra. Exauridos, os italianos tentaram manter a bola no meio-campo, com ataques discretos, enquanto os uruguaios tentavam surpreender em lances rápidos. Os 30 minutos não foram suficientes para tirar a igualdade do placar.

E os italianos foram mais uma vez para uma decisão por penalidades. Desta vez, com melhor aproveitamento, graças ao goleiro Buffon. Ele defendeu as cobranças de Forlán, Cáceres e Gargano. A Itália, por sua vez, contou com finalizações certeiras de Aquilani, El Shaarawy e Giaccherini. Di Sciglio parou na defesa de Muslera, mas não atrapalhou a vitória italiana.

FICHA TÉCNICA:
ITÁLIA 2 (3) x (2) 2 URUGUAI
ITÁLIA – Buffon; Maggio, Astori (Bonucci), Chiellini e Di Sciglio; De Rossi (Aquilani), Candreva, Montolivo e Diamanti (Giaccherini); El Shaarawy e Gilardino. Técnico: Cesare Prandelli.
URUGUAI – Muslera; Maxi Pereira (Álvaro Pereira), Lugano, Godín e Cáceres; Arévalo (Diego Pérez), Gargano e Cristian Rodríguez (González); Diego Forlán, Luis Suárez e Cavani. Técnico: Óscar Tabárez.
GOLS – Astori, aos 23 minutos do primeiro tempo. Cavani, aos 12 e aos 32, e Diamanti, aos 28 minutos do segundo tempo.
ÁRBITRO – Djamel Haimodi (Fifa/Argélia).
CARTÕES AMARELOS – Maxi Pereira, Suárez e Chiellini.
CARTÃO VERMELHO – Montolivo.
RENDA – Não disponível.
PÚBLICO – 43.382 pagantes.
LOCAL – Arena Fonte Nova, em Salvador (BA).

Fonte: Agência Estado

Neymar é eleito melhor jogador da Copa das Confederações e da decisão contra a Espanha

Com um golaço de pé esquerdo e mais uma bela atuação, Neymar festejou um fim perfeito de Copa das Confederações, nesta noite de domingo, no Maracanã. O novo astro do Barcelona foi eleito o melhor jogador da final diante da Espanha e, por tabela, o grande craque da competição.

Eleito o melhor jogador também dos três jogos que a seleção fez na fase de grupos da competição, Neymar só não ficou com essa honraria pessoal na semifinal diante do Uruguai, quando o goleiro Julio Cesar foi eleito o melhor jogador em campo.

Desta forma, ele fechou a Copa das Confederações com a Bola de Ouro do torneio, enquanto a Bola de Prata ficou com Iniesta, seu futuro parceiro de Barcelona. Já a Bola de Bronze foi dada a Paulinho, volante do Corinthians que também fez uma excelente competição, na qual marcou o gol que deu a classificação do Brasil para a final na vitória por 2 a 1 sobre o Uruguai.

Com a Bola de Ouro obtida por Neymar, o Brasil faturou pela quinta vez essa honraria em sete edições da Copa das Confederações realizadas até hoje. Antes da consagração do novo atacante do Barça neste domingo, Denilson foi o primeiro brasileiro a faturar este prêmio, em 1997, antes de Ronaldinho Gaúcho conquistá-lo dois anos depois. Já em 2005 o atacante Adriano foi eleito o melhor da Copa das Confederações, antes de Kaká conquistar o mesmo prêmio em 2009. Os únicos estrangeiros que ficaram com a Bola de Ouro do torneio foram os franceses Robert Pires e Thierry Henry, respectivamente em 2011 e 2003.

CHUTEIRA DE OURO

Dominada pelo Brasil na final deste domingo, a Espanha teve como outro “prêmio de consolação”, além da Bola de Prata dada a Iniesta, a Chuteira de Ouro concedida ao espanhol Fernando Torres. Ele terminou a competição como artilheiro, com cinco gols, mesmo número atingido por Fred, que ficou com a Bola de Prata.

Pelo regulamento da competição, quando há empate no número de gols marcados entre dois jogadores, o primeiro critério de desempate é o número de assistências. Torres e o jogador do Fluminense também ficaram empatados neste quesito, com um passe feito por cada um que resultou em gols. Desta forma, a eleição da Chuteira de Ouro foi definida por meio do terceiro critério de desempate, que é o menor número de minutos em campo. Este critério deu vantagem ao espanhol, que jogou 273, contra 423 de Fred.

Já Neymar ficou com a Chuteira de Bronze ao fechar a Copa das Confederações com quatro gols, mesmo número atingido por Abel Hernandez, mas o brasileiro fez duas assistências, contra apenas uma do uruguaio.

MELHOR GOLEIRO

Em um marco deste importante passo dessa sua retomada com a camisa da seleção brasileira, Julio Cesar foi eleito o melhor goleiro da Copa das Confederações. Já a Espanha ficou ainda com o prêmio Fair Play, dado para a equipe considerada a mais disciplinada da competição.