Diversos

BBC elege Ayrton Senna o melhor piloto de todos os tempos

A rede de comunicação estatal britânica, BBC, elegeu o brasileiro Ayrton Senna como o maior piloto da história da Fórmula 1. Um perfil de Senna, campeão mundial em 1988, 1990 e 1991, foi publicado no site da emissora, nesta terça-feira, na eleição para escolher os 20 melhores pilotos da categoria. Os perfis, segundo a BBC, começaram a ser publicados no primeiro semestre e o de Senna encerrou a série – os votos foram dados por jornalistas que trabalham na cobertura do Mundial para a rede britânica.

Novo técnico do Chelsea vai para o Mundial sob pressão

Vencedor da Liga dos Campeões da Europa no comando do Chelsea, o técnico Roberto Di Matteo foi dispensado do clube na última quinta-feira, a menos de um mês da disputa do Mundial de Clubes. O substituto contratado pelo dono da equipe londrina, Roman Abramovich, foi o espanhol Rafa Benítez, que já tem bastante experiência no torneio – venceu em 2010, pela Inter de Milão, e foi derrotado na final de 2005, pelo São Paulo, quando treinava o Liverpool. O novo técnico deverá chegar ao Japão sob intensa pressão – ele estreou no domingo, no empate por 0 a 0 contra o Manchester City, no Estádio Stamford Bridge, na capital britânica, e foi alvo de protestos da torcida.

Além de ter o nome associado ao Liverpool, equipe que dirigiu durante seis temporadas, o espanhol já chegou a dizer que nunca comandaria o time de Londres e, por isso, foi vaiado pelos fanáticos da equipe azul. Cartazes com mensagens como “Fora, Rafa” e “Você não é bem vindo aqui” foram expostos nas arquibancadas. Sobre o Mundial de Clubes, competição que será disputada entre 6 e 16 de dezembro, o técnico se mostrou cauteloso – disse, por exemplo, que ainda não pensa no Corinthians, possível adversário na final. Antes de enfrentar o representante sul-americano, o Chelsea terá de enfrentar nas semifinais o vencedor do confronto entre Ulsan Hyundai, da Coreia do Sul, e Monterrey, do México.

Copa das Confederações vende 74.000 ingressos em 24h

No primeiro dia de comercialização dos ingressos para a Copa das Confederações de 2013 – de 15 a 30 de junho -, 74.000 bilhetes foram vendidos. Pelo balanço divulgado nesta quinta-feira pela Fifa, a procura foi recorde na história da competição criada em 1992, sendo que as entradas mais solicitadas foram para o jogo de abertura em Brasília e a final no Rio.

 

Marin, sobre o novo treinador da Seleção: 'Dificilmente será estrangeiro'

O presidente da CBF, José Maria Marin, afirmou que a seleção brasileira dificilmente terá um treinador estrangeiro, nesta segunda-feira, na abertura da Soccerex, no Rio de Janeiro, numa clara indicação de que uma eventual chegada de Guardiola é improvável. Após sair da sala onde ocorreu a cerimônia de abertura do evento, o dirigente percorreu cerca de 500 metros e, cercado por dez seguranças, deu seu recado sobre a troca no comando da equipe.

– Temos bons profissionais no Brasil e dificilmente teremos um estrangeiro. Vamos esperar o término do Brasileiro. O nome será divulgado no início de janeiro em coletiva na sede da CBF.

Após a demissão de Mano na última sexta-feira, três treinadores aparecem com força para assumir o comando da Seleção, são eles: Muricy Ramalho, Tite e Felipão – este último aparece inicialmente como favorito. Guardiola é outro nome cotado, mas – pelas declarações de Marin – dificilmente vai assumir o cargo.

Marin ainda explicou qual o critério que será levado em conta na hora de escolher o nome que vai conduzir o Brasil na Copa do Mundo de 2014.

– O novo técnico tem que ter o perfil vencedor para que possa chegar ao tão sonhado título em casa – concluiu o presidente da CBF.

Felipão dentro, Andres fora…

Luiz Felipe Scolari é o favorito para assumir a seleção brasileira. O diretor de seleções Andres Sanches disse a interlocutores que pediria demissão na tarde desta segunda-feira e que, ato contínuo, informaria que Felipão seria a opção do presidente José Maria Marin e de seu principal assessor, Marco Polo del Nero, vice do Sudeste e presidente da Federação Paulista, para comandar a seleção na Copa de 2014. Mas a operação da Polícia Federal que apreendeu computadores na casa de Del Nero pode mudar esse xadrez. A PF ainda não divulgou a natureza dos fatos que a levaram a colher o depoimento de Del Nero. Mas, diante da novidade, será que Andres vai mudar de ideia?

Del Nero fala sobre seleção e afirma que operação da PF é sigilo de Justiça

O presidente da Federação de Futebol Paulista e vice-presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, falou na manhã desta segunda-feira, em entrevista ao programa Bate-Bola da ESPN Brasil, sobre o possível pedido de demissão de Andrés Sanchez, diretor de seleções, e também sobre a operação da Polícia Federal, que recolheu documentos e computadores em sua casa na madrugada desta segunda-feira.

O dirigente confirmou que também teve que ir à delegacia prestar esclarecimentos e em seguida foi liberado. Del Nero é aguardado na Soccerex, feira de negócios relacionados ao futebol que está sendo realizada no Rio de Janeiro, ainda hoje

– Tudo pode acontecer. Na sexta passada, Andrés esteve na sede da CBF e o presidente disse que gostaria que ele ficasse no cargo até 2014. No ponto de vista dele, a demissão de Mano não deveria ter sido feita, mas disse que entendia o presidente Marin. Ele falou que ia ficar até a Copa de 2014. Qualquer outra coisa que ele vá fazer hoje não sei. Não falou comigo – contou.

Sobre a operação da Polícia Federal, Del Nero se disse surpreso, não quis se alongar sobre o assunto e garantiu que a denúncia feita foi sobre algo pessoal.

– Recebi a Polícia Federal aqui na minha casa, fui prestar esclarecimento e fui liberado. É uma denúncia relacionada a um assunto pessoal que eu já prestei esclarecimento. Não se trata de nenhum assunto de futebol. Zero futebol. E também não é nenhum assunto que se refere a meu escritório de advocacia. Está em segredo de justiça, se eu quebrar, eu sou processado. Uma coisa que eu posso falar é que não tem nada a ver com futebol nem com meu escritório de advocacia. Dessa parte, eu tenho que dar satisfação para torcida, para clubes, tenho que dar essa satisfação no mundo inteiro, mas posso falar que não se trata de nada de futebol, nem de eu ter me apropriado de nada – disse Del Nero.

Ele também falou sobre a saída de Mano Menezes do comando da Seleção, mas preferiu não opinar sobre o substituto.

– ‘Seria antiético’. Não posso dizer qualquer nome. Respeito a hierarquia e isso é algo que será analisado pelo presidente. É claro que escuto as sugestões dos torcedores nas ruas, mas não posso como dirigente agir como um torcedor – explicou Del Nero.

A Federação Paulista divulgou uma nota oficial para esclarecer o caso e garante que a investigação não é sobre nada relacionado à entidade e “segue em sigilo de Justiça”.