Fórmula 1

Alonso vence GP da China e reage na F1; Massa é 6º

O que retratou todo o desenho da prova. O asturiano assumiu por diversas vezes a liderança da corrida até não deixa-la mais. Com a força do motor Ferrari impulsionando o F138, Alonso colocou em determinando momento da prova 11,3s no segundo colocado. Resultado de toda superioridade, foi o primeiro lugar do espanhol no pódio, seguido por Raikkonen e a Mercedes de Hamilton

 A corrida

A largada em Xangai foi à dos sonhos para o piloto da Mercedes Lewis Hamilton. Na briga para seguir como líder, o inglês levou a melhor em cima dos adversários quando apagaram-se as luzes. Arrojado, o piloto da Ferrari – Fernando Alonso – conseguiu superar Kimi Raikkonen e pulou para o segundo lugar, seguido pelo companheiro de equipe, Felipe Massa.

Porém, a liderança da Flecha de Prata não durou muito tempo, e na volta de número cinco os bólidos da Ferrari superam Hamilton. Duas voltas depois, o brasileiro já liderava a prova com a entrada de Alonso nos boxes. Para em seguida fazer o mesmo e ceder a ponta para Hulkenberg.

O primeiro acidente da prova ficou por conta dos carros da Sauber e Force India. Gutiérrez perdeu o ponto da freada e acertou a traseira do carro de Sutil, que ainda conseguiu levar o bólido aos boxes. Sem sucesso. Fim de prova para os dois pilotos.

Líder até então, Hulkenberg surpreendia a todos e conseguiu imprimir um bom ritmo de corrida com sua Sauber. Chegando a colocar 1,1s sobre Sebastian Vettel. Isso ainda na volta de número 12. Com a entrada de Hulk e de Seb aos boxes para efetuarem a primeira troca de pneus, a liderança da prova caiu nas mãos de Jenson Button na volta 15.

Na volta de número 16 o improvável para Webber aconteceu. O driver da Red Bul, que até então vinha fazendo uma prova de recuperação, se chocou com Vergne e teve que voltar aos boxes para trocar o avariado bico. Na volta seguinte, o piloto viveu mais um momento de infelicidade na F1. Com problemas na suspensão traseira, o carro do australiano perdeu o composto, que ficou viajando no traçado chinês. Fim de prova para Mark.

Adquira já seu exemplar

Adquira já seu exemplar

Com as paradas de Alonso e Button na volta 24, enfim, Sebastian Vettel conseguiu sentir o gosto da ponta e, com isso, assumiu a liderança da prova. Seguindo de perto por Hulkenberg, Alonso, que voltou em terceiro e Button logo em quarto. Nesse ponto da corrida, o brasileiro Felipe Massa lutava para assumir a sétima posição com a Force India de Paul di Resta.

Sem tomar conhecimento dos títulos conquistados por Vettel, o samurai vermelho ultrapassou fácil o alemão e o carro da Red Bull na volta 29. Que em momento algum demonstrou competitividade. E essa falta de competição já partiu dos boxes da equipe que pediu ao Seb para não se preocupar em defender a posição. Alonso assume de vez a ponta.

Com a força do motor Ferrari impulsionando o F138, Alonso seguia como ponteiro em Xangai na volta 32, e não conseguia visualizar nenhuma ameaça em seu retrovisor. O piloto espanhol, nesse momento da prova, colocava 11,3s em cima do segundo colocado. E os três primeiros, até então, era a Ferrari de Alonso, a Mercedes de Hamilton e a RBR de Vettel. Massa figurava em nono lugar.

De volta aos boxes para efetuar a terceira parada, o time da Ferrari demorou alguns segundos para liberar Alonso. O que resultou na perca do primeiro lugar. A ponta agora na volta 42 era de Vettel. Por pouco tempo. Na sequência, Alonso ultrapassa novamente Sebastian Vettel sem dificuldades. Nesse ponto da corrida Massa seguia em sétimo.

Com folga para o segundo colocado, Alonso seguia imprimindo um ritmo forte em sua F138. Na volta 45, o asturiano fez a melhor volta da prova. 1min39s692. Com dificuldades nesse ponto da corrida, bem diferente dos momentos iniciais, massa sofria para encostar em Di Resta, e a sétima posição persistia.

Mostrando todo o talento na pista e exemplificando quem é o Alonso, o driver da Ferrari recebeu a quadriculada no GP da China em primeiro lugar, seguido por Kimi Raikkonen e pela Mercedes de Lewis Hamilton. O brasileiro Felipe Massa concluiu as 56 voltas no traçado chinês na sexta posição.

Classificação:

Sem título

F1Team

Extasiado com a pole, Hamilton quer manter desempenho e vencer a corrida em Xangai

A conquista da pole position em Xangai deixou Lewis Hamilton em estado de êxtase. O britânico não escondeu a sua alegria durante a coletiva de imprensa, mas lembrou que nada está terminado ainda, já que ele precisará manter o ritmo durante a corrida para ir em busca de sua primeira vitória com a Mercedes.

Hamilton (C) vai largar na pole position em Xangai

Hamilton (C) vai largar na pole position em Xangai (Foto: Getty Images)

Recém contratado pelo time alemão, Lewis havia afirmado, antes mesmo do início da temporada, que o ano não seria de conquistas para a equipe de Brackley. A expectativa era apenas de fazer um carro competitivo para brigar por pódios. Mas parece que tudo mudou quando o campeonato começou. Atualmente, a Mercedes é apontada como a segunda melhor equipe do grid e, em Xangai, está sendo superior até mesmo com relação à Red Bull.

Empolgado com sua primeira pole position vestindo o macacão do time comandado por Ross Brawn, Hamilton fez questão de exaltar o trabalho de todos dentro da equipe para que este resultado viesse a acontecer. ”É uma sensação incrível”, disse.

“Estou muito feliz por ter conquistado a primeira pole [pela Mercedes]. Estou muito contente, realmente. Minha volta foi muito boa e a equipe trabalhou bem todo o fim de semana. Espero que possamos alcançar a vitória amanhã. Estou muito surpreso com a diferença – na terceira sessão de treinos livres, a Ferrari foi muito rápida, mas tivemos um bom ritmo no Q1 e Q2″, complementou.

Sobre as dificuldades encontradas na classificação deste sábado, Lewis destacou o fato de ter conseguido uma volta perfeita em uma única tentativa. ”A fase de qualificação é sempre difícil, especialmente nestas condições. Saímos três minutos antes do final da sessão, o que requer que você complete uma grande volta e uma jogada perfeita de qualificação.”

Por fim, o campeão de 2008 ainda revelou que não espera ter vida fácil durante a corrida. Entretanto, caso a Mercedes mantenha o ritmo apresentado hoje, ele poderá sonhar com sua primeira vitória em 2013. ”Espero uma corrida difícil, mas nossa velocidade é boa e espero que possamos manter esta posição”

O treino classificatório deste sábado foi um dos mais monótonos dos últimos tempos na Fórmula 1. Dentre as três partes do treino, apenas o Q2 esboçou alguma competitividade grande entre os pilotos. Enquanto no Q1 e Q3, os competidores quase não deram grandes emoções ao público, principalmente na última parte do treino.

O único piloto que esboçou tentar tomar a pole position de Lewis Hamilton foi o finlandês Kimi Raikkonen. O piloto da Lotus não era apontado como um dos favoritos para largar na primeira posição, mas surpreendeu ao fazer um tempo muito bom em sua única tentativa no Q3.

O lado negativo para os brasileiros fica por conta da posição de Felipe Massa com relação ao seu companheiro de equipe, Fernando Alonso. Caso o brasileiro largasse na frente do espanhol em Xangai, ele seria o primeiro piloto a superar o bicampeão mundial em cinco corridas seguidas durante os treinos classificatórios. Entretanto, não foi o que se viu na pista. Depois de perder muito tempo no terceiro trecho do circuito chinês, o brasileiro ficou apenas com o quinto tempo, enquanto Alonso largará na terceira colocação.

Q1

Com a luz verde acesa, os pilotos saíram dos boxes para, enfim, começar a buscar os melhores tempos visando passar para a segunda parte do treino. E os primeiros 20 minutos de treino aconteceram sem grandes surpresas. Nas primeiras posições do grid apareceram os carros da Mercedes, Ferrari e Red Bull.

Enquanto os melhores carros apenas davam algumas voltas para garantir a vaga para o Q2, os pilotos da Caterham e Marussia brigavam para saber quem largaria na frente. Como esperado, Jules Bianchi voltou a ser o melhor piloto e irá largar na frente do seu companheiro de equipe e dos pilotos do time malaio.

A decepção do Q1 acabou sendo os dois novatos dos times intermediários. Veltteri Bottas, da Williams, foi eliminado logo na primeira parte do treino e vai largar na décima sétima posição. O mesmo aconteceu com Esteban Gutiérrez, da Sauber, que vai largar na décima oitava colocação do grid.

Q2

Com menos vagas disponíveis para a última fase do treino, a segunda parte da classificação acabou sendo bastante emocionante para vários pilotos. A disputa foi tão acirrada que Felipe Massa chegou a estar fora do top 10 quando a bandeira quadriculada já havia sido agitada, mas o brasileiro conseguiu completar uma volta logo depois e marcou um tempo que o credenciou a passar para o Q3.

Dentre os pilotos eliminados, duas surpresas. A primeira delas foi o australiano Mark Webber, da Red Bull. O piloto acabou tendo um problema com a pressão no combustível logo no início do Q2 e foi obrigado a parar. Apesar de já ter tido marcado um bom tempo, a marca não foi suficiente para mantê-lo entre os 10 primeiros e o australiano vai largar na décima quarta posição.

A segunda surpresa ficou por conta do alemão Adrian Sutil. Durante os treinos livres, o piloto da Force India sempre esteve entre os 10 primeiros, mas tudo mudou na classificação. Com isso, Sutil irá largar na décima terceira colocação.

Q3

Em todos os fins de semana de corrida, a última parte do treino classificatório proporciona um dos momentos mais emocionantes para o público e também para todos os pilotos que participam dela. Mas as coisas foram diferentes em Xangai. Por conta do alto desgaste dos pneus, a grande maioria dos pilotos optou por fazer apenas uma volta em busca da pole position.

Além disso, alguns pilotos também optaram por abdicar da briga pela primeira posição visando ter um desempenho melhor na corrida. Um deles foi Sebastian Vettel, que preferiu utilizar os pneus mais duros, com o objetivo de passar mais tempo na pista durante a corrida de amanhã.

Para completar a falta de emoção no Q3, apenas Lewis Hamilton e Kimi Raikkonen conseguiram mostrar um desempenho suficiente para brigar pela pole. Fernando Alonso, Nico Rosberg e Felipe Massa não estiveram tão bem e irão largar na terceira, quarta e quinta posições respectivamente.

Sem grandes concorrentes, restou a Hamilton ficar com a primeira posição do grid de largada para o GP da China de Fórmula 1. Vale ressaltar que nem a conquista da pole fez com que a alegria tomasse conta dos boxes da Mercedes. Após cruzar a linha de chegada, Ross Brawn parabenizou Hamilton, mas evitou entrar em euforia, já que o resultado que interessa estará em jogo apenas amanhã.

Confira o grid de largada para o GP da China de F1:

Classificação China 2013

Fonte: f1team

Vettel ignora ordens da RBR, passa Mark Webber e fatura GP da Malásia

O alemão Sebastian Vettel voltou a vencer uma corrida na Fórmula 1. Neste domingo, a prova na Malásia foi bastante movimentada, mas o pole position acabou conseguindo se sobressair em relação aos rivais e, depois de passar muito tempo em segundo, assumiu a liderança da prova no fim e cruzou a linha de chegada na primeira colocação.

 A prova em Sepang, por sinal, foi marcada pelas disputas “internas” da Red Bull e Mercedes. Sebastian Vettel e Mark Webber, pela Red Bull, e Lewis Hamilton e Nico Rosberg, pela Mercedes, tornaram o fim da corrida bastante emocionante, com briga direta dos pilotos pela primeira e terceira posição.

Por sinal, Webber e Rosberg não ficaram muito satisfeitos com o resultado final. Terminando atrás dos seus companheiros de equipe, os dois demonstraram insatisfação com a corrida. O clima nas duas equipes, por sinal, ficou bastante pesado após a prova.

Felipe Massa, da Ferrari, não largou muito bem e acabou ficando com a modesta quinta colocação. Já o seu companheiro de equipe, Fernando Alonso, abandonou a prova logo nas primeiras voltas.

A corrida

 Felipe perde posições na largada e Alonso larga muito bem, mas exagera

Os três primeiros colocados do grid proporcionaram uma largada com bastante emoção na Malásia. O líder Sebastian Vettel conseguiu tracionar bem e manteve a liderança da prova. Em compensação, Felipe Massa não teve uma boa partida e acabou perdendo várias posições. O resultado foi que o brasileiro completou a primeira volta na sexta colocação.

Se Massa não conseguiu largar tão bem, o mesmo não se pode dizer do seu companheiro de equipe, Fernando Alonso. O espanhol tracionou muito bem e tomou a segunda posição antes mesmo da primeira curva. E o asturiano estava tão rápido que colou em Vettel e por muito pouco não tocou no alemão ao contornar a primeira curva, mas logo em seguida ele não conseguiu evitar o choque.

Alonso perdeu a asa e abandonou na segunda volta

Alonso perdeu a asa e abandonou na segunda volta

Ao contornar a segunda curva do circuito da Malásia, Fernando vinha muito rápido e não esperava que Vettel diminuísse bastante a velocidade. O resultado foi que o piloto da Ferrari acabou atingindo o RB9 de número um e quebrou parte da asa dianteira do seu F138. Com a asa solta, a expectativa era de que Alonso parasse logo na primeira volta para trocá-la, mas não foi isso que aconteceu.

Acreditando que a asa dianteira não traria grandes problemas para ele, o bicampeão mundial resolveu completar mais uma volta com a peça quebrada, sendo fatal para o fim de sua corrida. Enquanto ele rasgava a reta principal, a asa quebrou de vez e foi parar embaixo do seu carro. Sem o controle do veículo, o espanhol foi para a caixa de brita e teve que abandonar a corrida.

Vettel e Massa param primeiro e Hamilton vai dar um “oi” para a McLaren

Passadas seis voltas da corrida, Sebastian Vettel e Felipe Massa resolveram arriscar e foram os primeiros a saírem dos pneus intermediários para usar os slicks. A estratégia parecia ser arriscada, mas tinha grandes chances de dar certo. Entretanto, os pilotos que ficaram na pista acabaram tendo vantagem sobre os que já haviam parado. Isso porque alguns pontos do circuito ainda estavam molhados.

Quem acabou se dando bem foi Mark Webber, que permaneceu na pista e conseguiu fazer bons tempos de volta, tomando a primeira posição do seu companheiro de equipe. O australiano, por sinal, foi um dos últimos a parar para trocar pneus, fazendo isso apenas perto da segunda parada dos outros pilotos.

McLaren brincou com erro de Hamilton

McLaren brincou com erro de Hamilton

E foi na primeira parada nos boxes que aconteceu a cena mais inusitada dos últimos anos da Fórmula 1. Lewis Hamilton foi chamado para trocar os pneus. Obedecendo a ordem da equipe, o britânico entrou no pit e acabou surpreendendo a todos. Ao invés de parar nos boxes da Mercedes, ele parou um pouco antes, nos boxes da McLaren, que estava pronta para receber Button. Assustados, os mecânicos saíram da frente e Hamilton seguiu para os boxes da Mercedes.

Minutos depois da cena inusitada, a McLaren acabou levando na esportiva o erro do britânico. Através do seu perfil oficial no Twitter, a escuderia inglesa publicou a seguinte frase: ”Sinta-se livre para aparecer e dizer ‘Oi’ a qualquer momento, Hamilton”.

Mercedes cresce, Vettel se assusta e cobra jogo de equipe da Red Bull

Webber liderou grande parte da corrida

Webber liderou grande parte da corrida

A RBR é conhecida por não dar prioridade para nenhum de seus pilotos. Nem mesmo para o tricampeão mundial Sebastian Vettel. No entanto, o alemão parece ter “esquecido” desta política da equipe.

Após a segunda parada nos boxes, Hamilton voltou muito rápido e começou a tirar a vantagem de Sebastian na pista. Poucas voltas depois, o britânico já aparecia no retrovisor do carro de número 1, mostrando que tinha condições de fazer a ultrapassagem.

Se vendo pressionado por Lewis Hamilton e preso atrás de Webber, Vettel solicitou que a equipe ordenasse que o australiano abrisse passagem para ele. Entretanto, a decisão da equipe aconteceu como esperado. Através do rádio, Horner pediu paciência para o alemão, afirmando que não iria interferir na disputa.

Fim de prova mocionante com brigas entre equipes

As últimas voltas do GP da Malásia foram marcadas pelas brigas entre as equipes. Mark Webber e Sebastian Vettel, da Red Bull, e Lewis Hamilton e Nico Rosberg, pela Mercedes, travaram uma briga emocionante entre si.

A disputa da dupla da Red Bull foi pela primeira colocação. Mark Webber, que era o líder, foi bastante pressionado por Vettel. Depois de uma briga bastante acirrada, onde os dois por pouco não se tocam, o alemão acabou ficando com a vantagem e assumiu a liderança da corrida. A ultrapassagem, por sinal, não foi bem vista por Christien Horner e Adrian Newey, que acompanhavam a corrida no pit-wall. Através do rádio, o chefe da Red Bull disparou contra Vettel: “Você é louco!”

Disputa na Mercedes acabou gerando um desconforto para Ross Brawn

Disputa na Mercedes acabou gerando um desconforto para Ross Brawn

Logo atrás deles, a disputa foi entre Hamilton (terceiro colocado) e Rosberg (quarto colocado). O germânico até conseguiu a ultrapassagem sobre o britânico, mas o troco veio logo em seguida e Hamilton terminou mesmo na terceira posição. Nas últimas voltas, Nico até pediu para que Ross Brawn solicitasse que Lewis abrisse passagem, mas foi veementemente negado. O que parece não ter agradado ao alemão.

Após a prova, Rosberg foi claro ao afirmar no rádio que irá cobrar essa decisão da equipe no futuro. Deixando visível o seu descontentamento com o “jogo de equipe” feito pelo chefão da Mercedes.

Confira o resultado final da corrida: Classificação depois de 2 corridas

GP da Malásia

F1team

Vettel garante a pole na Malásia; Massa larga em 2º

Q1 – Mesmo eliminado, Bianchi se destaca mais uma vez

Na primeira parte do treino classificatório, é comum ver os pilotos das Caterham e da Marussia sendo eliminados com os piores tempos do fim de semana. Apesar de a história ter se repetido mais uma vez na Malásia, o francês Jules Bianchi conseguiu ser o destaque do Q1, mesmo pilotando o carro da Marussia. Isso se deu porque ele ficou apenas a meio segundo de passar para a segunda parte do treino, o que parecia quase impossível no ano passado.

Por outro lado, quem acabou decepcionando mais uma vez foi o finlandês Valtteri Bottas. O piloto da Williams foi eliminado logo na primeira parte do treino classificatório e amanhã largará na modesta décima oitava colocação. Além dele, Jean-Éric Vergne, da Toro Rosso, também acabou não tendo um bom desempenho e não passou para o Q2.

Os outros eliminados foram os mesmos que costumam deixar o treino logo nos primeiros 20 minutos. Charles Pic, da Caterham, Max Chilton, da Marussia, e Giedo Van der Garde, também da Caterham, irão largar das últimas posições do grid na corrida de amanhã.

Q2 – Chuva atrapalha pilotos e por pouco não elimina favoritos

O Q2 acabou sendo o período mais emocionante do treino classificatório em Sepang. A segunda parte da sessão começou com pista seca, mas a previsão do tempo indicava que poderia chover a qualquer momento. Quem saiu logo para fazer seu tempo acabou se dando bem. Pior ficou para os que demoraram um pouco para ir para a pista.

A dupla da Ferrari – Felipe Massa e Fernando Alonso – foi uma das que, por muito pouco, não acabaram se prejudicando no treino. Os pilotos do time italiano demoraram para sair e marcar seus tempos. O resultado foi que, durante a volta dos dois, começou a chover e quase que eles ficam fora do Q3. Por sorte, ambos conseguiram fazer o bom tempo e terminaram na frente.

A mesma sorte não tiveram Paul Di Resta, Romain Grosjean e Nico Hulkenberg. Os três não saíram a tempo e acabaram sendo eliminados. O escocês, por sinal, chegou a rodar na pista quando tentava fazer um tempo bom.

Q3 – Vettel faz a pole, mas Massa se destaca mais uma vez

Não faltou emoção na última parte do treino classificatório em Sepang. Com a pista molhada, os pilotos precisaram ter uma atenção redobrada ao fazer as suas voltas rápidas. Com isso, a disputa que já era acirrada ficou ainda mais igual. Ainda assim, acabou ganhando quem tinha o melhor carro. Sebastian Vettel, assim como na Austrália, mostrou que o RB9 é bastante superior na classificação. Entretanto, resta saber se esse ritmo será mantido na corrida de amanhã.

Assim como acontece em todos os treinos classificatórios, as últimas tentativas dos pilotos costumam ser as melhores. E não foi diferente em Sepang. Por isso, o último minuto do treino teve várias mudanças na classificação. Fernando Alonso chegou a estar na frente, mas logo foi superado por Sebastian Vettel. E no apagar das luzes surgiu Felipe Massa, superando mais uma vez o espanhol e colocando a sua Ferrari na segunda colocação.

Lewis Hamilton, da Mercedes, também andou muito bem, mas vai largar apenas na quarta colocação do grid. O mesmo aconteceu com Kimi Raikkonen, vencedor da última corrida, que vai largar na sétima colocação.

Confira como fica o grid de largada para o GP da Malásia:

Classificação Malásia 2013

F1Team

Classificação Mundial de Pilotos F1 2013

Com o melhor conteúdo da Fórmula 1,JrEsportes  traz detalhes da atual temporada, matérias exclusivas e tudo sobre as corridas, bastidores, novos pilotos e ídolos da categoria. Um material completo para os fãs do automobilismo mundial.

Mundial De Pilotos

Classificação F1 2013 – Pilotos

 

Pos Piloto Equipe Pts
1 Alemanha Sebastian Vettel Red Bull 397
2 Espanha Fernando Alonso Ferrari 242
3 Austrália Mark Webber Red Bull 199
4 Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes 189
5 Finlândia Kimi Raikkonen Lotus 183
6 Alemanha Nico Rosberg Mercedes 171
7 França Romain Grosjean Lotus 132
8 Brasil Felipe Massa Ferrari 112
9 Reino Unido Jenson Button McLaren 73
10 Alemanha Nico Hülkenberg Sauber 51
11 México Sergio Pérez McLaren 49
12 Reino Unido Paul di Resta Force India 48
13 Alemanha Adrian Sutil Force India 29
14 Austrália Daniel Ricciardo Toro Rosso 20
15 França Jean-Eric Vergne Toro Rosso 13
16 México Esteban Gutierrez Sauber 6
17 Finlândia Valtteri Bottas Williams 4
18 Venezuela Pastor Maldonado Williams 1
19 França Jules Bianchi Marussia 0
20 França Charles Pic Caterham 0
21 Holanda Giedo van der Garde Caterham 0
22 Finlândia Heikki Kovalainen Lotus 0
23 Reino Unido Max Chilton Marussia 0

 

Classificação F1 2013 – Equipes

 

Pos Equipe Motor Pts
1 Áustria Red Bull Renault 596
2 Alemanha Mercedes Mercedes 360
3 Itália Ferrari Ferrari 354
4 Reino Unido Lotus Renault 315
5 Reino Unido McLaren Mercedes 122
6 Índia Force India Mercedes 77
7 Suíça Sauber Ferrari 57
8 Itália Toro Rosso Ferrari 33
9 Reino Unido Williams Renault 5
10 Rússia Marussia Cosworth 0
11 Malásia Caterham Renault 0

Em Melbourne, Raikkonen levanta o primeiro troféu da temporada

Pilotos clique aqui      /      Escuderias clique aqui

Enfim foi dada a largada para a temporada 2013 da F1. A ansiedade da primeira corrida foi posta de lado e os competidores puderam soltar a “ferrugem” que carregavam desde o do último GP, no Brasil. Com uma trégua da chuva, algo comemorado pelos pilotos, o que se viu foi uma corrida morna em Albert Park, sem muitas emoções. Pelo menos para os times da Ferrari, RBR, McLaren e Mercedes.

Sedentos pela vitória, a comemoração pelo primeiro lugar invadiu os boxes da Lotus. Todos viram Kimi Raikkonen dominar e abrir caminho na reta final da prova. Resultado: o homem de gelo recebeu a quadriculada em primeiro lugar. O segundo posto ficou com Fernando Alonso. Na terceira posição apareceu Sebastian Vettel. Prejudicado nas paradas, Felipe Massa assumiu o quarto lugar em Melbourne.

A Corrida:

O GP da Austrália começou com uma largada extremamente cautelosa, principalmente para os competidores que começaram na ponta do grid. Bom para o brasileiro Felipe Massa, que largou na quarta posição e pulou para o segundo lugar. Trazendo seu companheiro de equipe, Fernando Alonso. Ruim para Mark Webber e Lewis Hamilton, que tinham largado em segundo e terceiro lugar, respectivamente, e perderam algumas posições antes de completar a primeira volta.

Na volta de número oito, Massa, que brigava e diminuía rapidamente a distancia para o líder, até então, Sebastian Vettel, assumiu a ponta da corrida após a entrada do germânico nos boxes. Mas não durou muito tempo, uma volta depois, o paulista entrou para efetuar a primeira troca de pneus e voltou em décimo, atrás do atual tricampeão da categoria.

Depois da liderança em Melbourne passar nas mãos de alguns pilotos, foi à vez de Adrian Sutil [Force India] ser o ponteiro da prova. Isso ainda na 14ª volta. Mas a luta pela “liderança” seguia entre Vettel, Massa e Alonso, já que Sutil ainda não tinha feito nenhuma parada.

Diferente do ano passado, Felipe Massa veio com um F138 competitivo, pelo menos nessa primeira prova. Com a velocidade imposta pelo carro ferrarista, o brasileiro fez a melhor volta da corrida. Isso no 19º giro. Além de liderar a prova, antes de fazer a segunda parada e volta na quarta posição, atrás de Alonso, Vettel e Sutil. Sacrificando o driver.

E o primeiro abandono do ano foi para Pastor Maldonado. Não poderia ser diferente. Na volta de número 25, o colombiano perdeu o controle do FW35 e vai parar fora da pista. Esquecido e com apenas uma parada, Kimi Raikkonen e o bólido da Lotus não diminuía em nenhum momento o ritmo na corrida. Isso fez o homem de gelo liderar a prova e colocar 15,8s no asturiano. Isso ainda na volta de número 31. Na 35º volta, o finlandês fez sua segunda parada e viu Alonso assumir a ponta.

Na batalha para consertar um erro que não foi dele, Massa penou para ultrapassar Adrian Sutil. Como não conseguiu, o time da Ferrari chamou o piloto para os boxes na volta 37. Invertendo algo feito com o brasileiro. Mesmo enfrentado algumas adversidades, Massa voltou a fazer a melhor volta da prova. 1min30s239, no 39º giro.

Na volta de número 46 um duelo estava se desenhando. Em primeiro seguia o homem de gelo, em segundo o samurai das Astúrias, que acabará de fazer a melhor volta da prova. 1min29s649. De longe, naquele momento, observava Vettel e Massa. Terceiro e quarto lugar, respectivamente.

Quando ainda restavam oito voltas para o final, o desempenho do carro da Lotus e do finlandês Kimi Raikkonen era extraordinário. Voando na pista e tendo largado na sétima posição, o líder em questão aumentava a distancia para o espanhol Fernando Alonso. 7,9s.

Fato que não se inverteu até a bandeirada final. Com um resultado surpreendente, e com a segunda vitória após seu retorno a categoria, Kimi vence em Melbourne, seguido por Fernando Alonso, Vettel e pelo brasileiro Felipe Massa.

O destaque negativo da corrida ficava com a McLaren e seus bólidos. Que pouco, ou em nenhum momento, se destacaram na prova. O que se viu foi um Jenson Button em nono lugar e o estreante Sergio Pérez na 12º posição.

Classificação final em Melbourne:

Sem título

 F1Team

Leia também

Kimi Raikkonen largou em sétimo para vencer o primeiro GP do ano, em Melbourne. Depois de uma boa largada, ele rapidamente se uniu ao pelotão da frente e lá se manteve por toda prova. Ficando evidente que o ‘Homem de Gelo’ ia parar apenas duas vezes, enquanto os outros pilotos e equipes optaram por três paradas, todo o trabalho que ele teve foi o de segurar a liderança. O finlandês não decepcionou, venceu e admitiu que essa foi um das corridas mais fáceis que já ganhou na carreira.

– Nosso plano era o de duas paradas, e apesar de sabermos da dificuldade de fazer isso nas primeiras corridas, funcionou perfeitamente. Seguimos o combinado e tudo saiu como planejado para nós. Foi uma das corridas mais fáceis que já ganhei, espero que haja outras como esta – afirmou o vencedor do Grande Prêmio da Austrália.

Kimi ainda lembrou que o espanhol Fernando Alonso se aproximou de forma perigosa na parte final da corrida. No entanto, o finlandês acelerou, cravou a melhor volta e ainda colocou onze segundos em cima do piloto da Ferrari.

– Fernando estava chegando perto quando eu tinha diminuído o ritmo e estava com tráfego adiante. Procurei andar mais rápido para ter certeza de que se a chuva caísse eu teria alguma vantagem sobre ele – completou Kimi.

Kimi Raikkonen lotus GP da Austrália (Foto: Agência Getty Images)
Raikkonen adota estratégia de duas paradas e vence o primeiro GP do ano (Foto: Getty Images)
globo.com

Vettel é pole, e Massa bate Alonso no complemento do treino na Austrália

A chuva que provocou a interrupção do treino classificatório na madrugada deste sábado em Melbourne, continuou a cair, mas dessa vez mais leve, permitindo a conclusão da atividade que definiu o grid do GP da Austrália. Ainda com o asfalto molhado, os pilotos foram para a pista para a disputa do Q2 e do Q3. Quem levou a melhor foi alguém acostumado com a primeira colocação. O tricampeão Sebastian Vettel ficou com a pole position. Seu companheiro Mark Webber completou a dobradinha da RBR na primeira fila. Lewis Hamilton, em seu primeiro fim de semana oficial pela Mercedes, anotou o terceiro tempo. E Felipe Massa ganhou a primeira batalha interna na Ferrari no ano: classificou-se em quarto, à frente do espanhol Fernando Alonso.

Header_Q2 Fórmula 1 (Foto: Infografia / Globoesporte.com)

Com a pista ainda úmida em decorrência da chuva intermitente que caía em Albert Park, a maioria dos pilotos optou pelos pneus intermediários no Q2. A dupla da McLaren, porém, preferiu arriscar os compostos supermacios. O experiente Jenson Button logo se arrependeu e voltou aos intermediários, enquanto Pérez teimou com os supermacios e acabou eliminado. Quem caiu fora junto com o mexicano foram Hulkenberg, Sutil, Vergne, Ricciardo, Perez e Bottas. O melhor tempo dessa parte do treino ficou com Nico Rosberg, da Mercedes. Massa se garantiu no Q3 com o quinto tempo.

Header_Q3 (Foto: Infoesporte)

No Q3, os pilotos seguiram com os intermediários inicialmente, mas acabaram voltando para os boxes para colocar os supermacios em razão das condições da pista, que melhoravam progressivamente com o fim da chuva. Button foi o primeiro a marcar tempo com esse tipo de compostos e logo retirou Vettel da ponta. Mas na sequência foi superado por todos os pilotos. Vettel anotou a melhor marca 1m27s407. Nos segundos finais, todos baixarem seus tempos, mas não conseguiram superar o alemão da RBR, o pole position.

Apesar das poucas alterações no regulamento, as equipes da Fórmula 1 não deixaram de apresentar novidades nos carros para este ano. Algumas inovaram na pintura, como a RBR roxa e a Sauber grafite; outras na aerodinâmica, como a Ferrari de linhas clássicas e sem o “antipático” degrau no bico, que foi camuflado. Nos infográficos a seguir, arraste a barrinha de um lado para o outro para conferir as diferenças entre os carros de 2012 e 2013. Ao fim dos textos, confira links para relembrar os lançamentos, galerias de fotos e análises completas.

Confira o resultado final do treino classificatório em Melbourne:

Classificação Austrália 2013

Dos 11 times, dez estrearam os novos modelos na primeira sessão de testes, neste início de fevereiro, liderada por Felipe Massa. Só a atrasadinha Williams andou de carro “velho”. Ela apresenta o novo bólido no dia 19. A temporada começa com o GP da Austrália, em 17 de março.

RBR – Campeã dos Mundiais de Pilotos e Construtores nos três últimos anos, a equipe de Sebastian Vettel e Mark Webber – conhecida pelas inovações de Adrian Newey, o “mago da aerodinâmica” – não apresentou tantas mudanças técnicas visíveis em seu novo RB9. A ousadia fica por conta do visual, com o azul predominante dando espaço para o roxo. Mais detalhes

Ferrari – Depois do design “agressivo” do carro de 2012, a Ferrari apostou em um desenho mais clássico para o novo F138, de Massa e Fernando Alonso. Além das linhas harmônicas, adotou o “modesty panel” para disfarçar o degrau no bico, que causava estranheza nos fãs. As faixas preta e branca que acompanham o tradicional vermelho fizeram a alegria dos torcedores do São Paulo (por coincidência, time de Felipe), que batizaram o modelo de Ferrari tricolor. Mais detalhes

McLaren – Visualmente, poucas mudanças: a nova McLaren, de Jenson Button e Sergio Pérez, segue com a pintura prateada com detalhes em vermelho, considerada por muitos a mais bonita do grid. Por dentro, alterações significativas no MP4-28 para buscar o título em seus 50 anos. Entre elas, a adoção do degrau no bico, camuflado pelo “modesty panel”, e um sistema de suspensão semelhante ao da Ferrari. Mais detalhes

Lotus – Primeira a lançar o modelo 2013, no início de janeiro, a Lotus mostrou que nem todas as equipes adotariam o painel para esconder o degrau no bico no E21. “Gramas desnecessárias a mais”, alegou o projetista do time de Kimi Raikkonen e Romain Grosjean. Na parte visual, a irreverente equipe inglesa aumentou a presença do vermelho em escreveu na carenagem: “Sou sexy e sei disso”. Mais detalhes

Mercedes – Após um 2012 que começou promissor, mas terminou decepcionante, a Mercedes traz novidades em seu F1W04, que será guiado por Lewis Hamilton e Nico Rosberg. A pintura é bem semelhante à anterior, mas há diversas alterações visíveis no bico, nas entradas de ar, nos escapamentos, etc. Tudo pela difícil missão de, enfim, alcançar os dias de glória em sua volta à Fórmula 1. Mais detalhes

Sauber – A batida de Sergio Pérez em Mônaco, há dois anos, inspirou o projetista da Sauber a estreitar as laterais do novo carro – só faltou dar mais espaço no cockpit para o gigante Nico Hulkenberg. Mas o que mais chama a atenção no C32, que também será guiado por Esteban Gutiérrez, é a cor. O time suíço foi o que promoveu a maior mudança na pintura. Sai o branco e entra o cinza-grafite como predominante, em uma pintura parecida com a Hispania guiada por Bruno Senna em 2011. Mais detalhes

Force India – A evolução da Force India nos últimos anos foi interrompida por um ano de 2012 abaixo do esperado. Mesmo assim, o time comandado pelo empresário Vijay Mallya, que enfrenta uma grave crise financeira com sua companhia aérea – não fez muitas mudanças no novo carro. Além da pintura, a parte aerodinâmica é muito semelhante ao modelo anterior. Destaque para a adoção do painel para esconder o degrau no bico. Só falta apresentar o companheiro de Paul di Resta… Mais detalhes

STR – Enquanto a RBR ousou ao abusar do roxo na nova pintura, a equipe satélite STR manteve o esquema de cores que a acompanha desde a estreia em 2006. O time, que segue com Daniel Ricciardo e Jean-Eric Vergne, caiu de produção desde que a FIA cobrou independência de projetos com a RBR, e apresenta algumas mudanças aerodinâmicas em busca da reafirmação. E um dos trunfos é o projetista James Key, que fez bom trabalho na Sauber. Mais detalhes

Caterham – A escuderia anglo-malaia traz mudanças aerodinâmicas, principalmente no bico dianteiro e na parte traseira, para tentar deixar o time das “nanicas” e, enfim, saltar para o grupo intermediário. Mas o que mais chama a atenção no novo carro de Charles Pic e Giedo van der Garde é o visual. A equipe diminuiu o amarelo e adotou um verde mais claro e metalizado para este ano. Mais detalhes

Marussia – A equipe pela qual estrearão o brasileiro Luiz Razia e o britânico Max Chilton é outra que quer deixar de ser “nanica”. Em busca deste objetivo, o time finalmente introduziu o Kers, após três anos sem o sistema de recuperação de energia cinética, a principal mudança para este ano. As cores seguem o vermelho e preto com detalhes brancos, mas com um desenho diferente. Mais detalhes

 

 

globo.com

Luiz Razia acerta com a Marussia e se torna o primeiro nordestino na Fórmula 1

Com informações do UOL

O baiano Luiz Razia será o novo piloto da Marussia na temporada 2013 da Fórmula 1. A informação era para ser segredo até ele começar a testar o carro da equipe. No entanto, a notícia vazou em um programa de televisão. Razia será o primeiro nordestino da história a competir na Fórmula 1.

O piloto de 23 anos começou sua trajetória no kart, em 2004. Ele passou por Fórmula 3 Sul-Americana e Fórmula Renault. Em 2009, ele se tornou piloto de testes da Virgin, que viria a se tornar Marussia depois.

Em 2011, Razia foi piloto de testes da Lottus, hoje Caterham. No ano passado, ele foi vice-campeão da GP2, considerada a principal categoria de acesso para a Fórmula 1. Ele venceu quatro corridas.

Antes de assinar com a Marussia, o piloto testou a Toro Rosso e a Force India. Ele também negociou com a Caterham. No entanto, com o pedido de demissão de Timo Glock da Marussia, a situação de Razia ficou mais clara. Ele será companheiro de equipe do inglês Max Chilton.

Após 2012 recheado de confusões, Grosjean garante: 'Não sou maluco'

Em um 2012 na qual mostrou velocidade e acumulou três pódios, Romain Grosjean ganhou também um apelido curioso: “Maluco da primeira volta”. O piloto da Lotus recebeu a alcunha de Mark Webber após mais um dos diversos acidentes em início de prova, desta vez no GP do Japão.

– Isso me custou o apelido de “maluco da primeira volta” no ano passado. Mas é preciso colocar no contexto. Mark disse isso logo que saiu do carro, com toda a adrenalina da corrida dentro dele. Pedi desculpas, era o máximo que eu podia fazer. Eu não sou maluco. Estou ciente dos riscos e tenho trabalhado duro para corrigir meus erros – disse à rádio francesa “Stade 2”.

Romain Grosjean provoca acidente cinematográfico na largada do GP da Bélgica (Foto: Getty Images)
Grosjean provocou acidente cinematográfico na largada do GP da Bélgica (Foto: Getty Images)

Apesar da série de incidentes, a escuderia inglesa confiou no potencial do francês de 26 anos e renovou seu contrato para 2013. Feliz com a nova chance, Grosjean promete tomar mais cuidado para se livrar do apelido indesejado e seguir seu caminho em busca do sonho de ser campeão da Fórmula 1.

– Nas últimas cinco corridas não tive problemas e isso é motivo para acreditar que eu não terei mais. Não acho que vencer  a qualquer custo é o objetivo, porque meu sonho é se tornar campeão mundial algum dia. Claro que é preciso vencer corridas para ser campeão, mas eu preciso tomar cuidado para não atrapalhar o objetivo.

Vettel Raikkonen Grosjean GP de Bahrein (Foto: Getty Images)
Apesar de pódios, confusões fizeram Grosjean (dir.) ser muito mais irregular que Kimi(esq.) (Foto: Getty)

Companheiro de Kimi Raikkonen na Lotus, Grosjean terminou a temporada em oitavo com 96 pontos, enquanto o finlandês foi o terceiro, com 207. Em sua primeira temporada completa na F-1 após uma breve passagem na categoria em 2009, o francês demonstrou potencial subindo três vezes ao pódio (3º no Bahrein, 2º no Canadá e 3º na Hungria). Porém, teve o ano manchado pela série de confusões em que se envolveu, sendo a pior delas o acidente cinematográfico que provocou na largada do GP da Bélgica, 12ª etapa. Como consequência,foi multado e suspenso da corrida seguinte, na Itália. Os episódios tiraram um pouco da confiança do piloto, que não apresentou o mesmo brilho do início do ano, terminando a temporada em baixa.

Os problemas de Grosjean contrastaram com a regularidade de Kimi. Enquanto o francÊs foi o piloto que mais abandonou corridas (seis) e menos completou voltas (803), Raikkonen terminou todas as provas (vinte) e só não fechou todas as voltas porque levou uma no GP do Brasil (1191).

Globo.com