Futebol Internacional

Embalado pela Fiel, Timão 'Guerrero' bate o Chelsea e é bicampeão mundial

“Vamos Corinthians, esta noite, teremos que ganhar…”

Se eram 30 mil, 20 mil, 10 mil, mil, 100 ou apenas um, não importa. A festa feita pela torcida do Timão já está marcada na história do Mundial de Clubes e do Japão. E a linda demonstração de amor da Fiel foi coroado com o bicampeonato mundial. À la Corinthians, com aquela pitada de sofrimento e muita entrega tática, o time de Tite fez 1 a 0 no Chelsea neste domingo em Yokohama (ou no Pacaembu?) e trouxe a taça para São Paulo.

O Timão de milhões de brasileiros. De todas as idades e partes do mundo. Mundo que “deixou” de ser azul e ficou (mais) preto e branco.

O Bando de Loucos fez barulho antes mesmo de o jogo começar. Fez durante toda a semana no Japão. E neste domingo, durante a disputa do terceiro lugar, já se ouvia os cantos da Fiel em Yokohama.

“Vamos Corinthians, esta noite, teremos que ganhar…”

O primeiro tempo “alternou” a dominância. Nervoso, o Corinthians não conseguiu fazer nada nos primeiros minutos. O Chelsea não teve um grande domínio mas criou uma grande chance aos 10 minutos: após escanteio e bate e rebate na pequena área, Cahill bateu para o gol e a bola parou na bunda de Cássio. A primeira de muitas defesas do goleiro corintiano…

O Timão melhorou na segunda parte do primeiro tempo e assustou os ingleses. Paulinho deu um bom chute. Guerrero fez boa jogada na área e bateu cruzada, a bola passou por toda a área do Chelsea e sobrou para Sheik, que bateu na trave.

E aí Cássio “roubou a cena” de vez. Fez pelo menos três boas defesas em chutes de Fernando Torres, Mata e Mosses.

“Vamos Corinthians, esta noite, teremos que ganhar…”

No segundo tempo, o jogo ficou mais aberto. A velocidade da partida aumentou, os dois times chegaram e Cássio continuou como o “cara”. Aos 8 minutos, o goleiro corintiano salvou mais uma, desta vez nos pés de Hazard.

O Corinthians melhorou no jogo e criou uma boa chance com Paulinho, que recebeu na área e bateu para fora. A torcida continuou em festa.

Aí a bola sobrou para Paulinho… O volante, artilheiro do time no ano (13 gols) e o “heroi” por muitas vezes, fez (outra) grande jogada, tocou para Danilo que bateu… A bola subiu e caiu na cabeça de Guerrero que, sem goleiro, tocou para o fundo das redes aos 23 minutos. Seis gols nos últimos sete jogos do peruano, autor do tento da semifinal contra o Al Ahly.

A festa no Japão, em São Paulo, na Austrália, no mundo, só teve hora para começar (ou melhor, ela já tinha começado desde o dia 4 de julho, com o título da Libertadores).

Com a vantagem no placar, o Timão foi Timão. Se fechou ainda mais (e melhor) na defesa, conseguiu ficar mais com a bola. Embalado sempre pela Fiel: “essa noite, teremos que ganhar!”.

Ainda deu tempo de Cássio salvar mais uma em chute de Fernando Torres de dentro da pequena área. Cahill foi expulso nos acrécimos. O goleiro corintiano “falhou” uma vez, o atacante espanhol marcou o gol, que foi anulado por impedimento bem marcado.

“Vamos Corinthians, esta noite, teremos que ganhar…”. Noite, dia, tarde… se a vitória foi na noite japonesa, a festa vai durar muito mais. Terça-feira, na chegada do Corinthians ao Brasil, terá mais.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 1 X 0 CHELSEA (ING)

Estádio: Nissan Stadium, em Yokohama (JAP)
Data-Hora: 16/12/2012 – 8h30 (de Brasília)
Árbitro: Cuneyt Cakir (TUR)
Auxiliares: Bahattin Duran (TUR) e Tarik Ongun (TUR)

Público: 68.275 pessoas
Cartões amarelos: Jorge Henrique (COR); David Luiz (CHE)
Cartão vermelho: Cahill
GOLS: Guerrero, 23’/2ºT (1-0)

CORINTHIANS: Cássio, Alessandro, Chicão, Paulo André e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Danilo, Jorge Henrique e Emerson Sheik (Wallace, 45’/2ºT); Guerrero (Martínez, 40/2ºT)  – Técnico: Tite.

CHELSEA: Petr Cech, Ivanovic (Azpilicueta, 37’/2T), Cahill, David Luiz e Ashley Cole; Ramires, Lampard, Moses (Oscar, 26’/2ºT), Hazard (Marín, 41’/2ºT) e Mata; Torres. Técnico: Rafa Benítez.

LANCENET

Timão pega Chelsea para finalizar a reconstrução e acabar com gozação

Muito prazer, meu nome é Corinthians e tenho 102 anos. Se antes o Timão era o clube que não tinha estádio, que via a Libertadores apenas como uma ilusão e não tinha reconhecimento internacional, agora a história é outra. A construção da arena está a todo vapor, a competição continental foi conquistada de forma invicta, e a visibilidade no exterior aumentou com a participação no Mundial de Clubes da Fifa no Japão. Agora, para encerrar esse ciclo com maestria, o Alvinegro precisa vencer o Chelsea neste domingo, às 8h30m (de Brasília, 19h30m no horário local), em Yokohama, e conquistar o bicampeonato do torneio (levou a edição de 2000, no Brasil). Mas os Blues prometem dar muito trabalho. Afinal, essa pode ser a redenção de um segundo semestre abaixo das expectativas para o campeão europeu.

O duelo entre Timão e Blues terá transmissão ao vivo da TV Globo e do SporTV. O GLOBOESPORTE.COM, que também mostrará a partida ao vivo, inicia a jornada em Tempo Real às 7h30m (de Brasília), com flashes ao vivo direto do Estádio Internacional de Yokohama.

Tite no treino do Corinthians Mundial (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)
Tite muda o Timão para a final: Jorge Henrique no lugar de Douglas (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

– Uma emoção tomou conta do aeroporto de Guarulhos na saída do Brasil. Eu nunca vi aquilo. Foi algo significativo. Quando chegamos a Dubai, foi a mesma coisa, e também quando chegamos ao hotel no Japão. Nós não sabíamos o quanto o Corinthians é internacionalmente conhecido, admirado e acompanhado pelos seus fãs – declarou o presidente Mário Gobbi, presente em todo o processo de reconstrução do clube, que caiu para a Série B em 2007, deu a volta por cima e está a um passo do topo do mundo.

É verdade que os times do Velho Continente encaram o Mundial de Clubes da Fifa com olhos bem diferentes. Para os ingleses, no caso, seria mais um torneio na temporada, enquanto para os brasileiros é “a” competição. Desta vez, no entanto, o Chelsea parece estar vendo a competição pela ótica da América do Sul, afinal precisa se agarrar a algo para tentar aplacar o vexame de ter sido eliminado ainda na primeira fase da Liga dos Campeões deste ano.

Não há comparação, no entanto, com o que pode representar essa conquista de Mundial ao Timão. Paulista no nome e “do Brasil o mais brasileiro”, como diz o hino do clube, o Corinthians pode, enfim, encerrar com a última das gozações dos seus rivais: a de que a edição de 2000, no Brasil, com vitória na final sobre o Vasco, também brasileiro, não tem a mesma legitimidade. Àquela época, o time alvinegro entrou no torneio como campeão brasileiro de 1999, não por um título de Libertadores.

Torcida Corinthians Toyota (Foto: Marcos Ribolli/Globoesporte.com)Milhareas torcedores do Corinthians invadiram o Japão atrás da equipe (Foto: Marcos Ribolli/Globoesporte.com)

Porém, desde a queda para a Série B, o Corinthians tem se especializado em derrubar esses tabus. Com a Fiel colada no time, sem nunca abandonar, a diretoria adotou uma postura de continuidade do trabalho, viabilizou a construção de um estádio, trocou apenas duas vezes de técnico nesse período, conquistou o Brasileirão, a Libertadores e chegou ao Japão. Na cola do elenco alvinegro, milhares de corintianos invadiram o território japonês na esperança de ver o Timão bicampeão do mundo.

– A torcida do Corinthians é muito fanática. É isso que os jogadores gostam, que eles sejam loucos. Eu me identifico com essa loucura. Vou fazer de tudo para ser campeão mundial. Vou dar o meu máximo dentro de campo – declarou o peruano Paolo Guerrero. O atacante foi o autor do gol do Timão na vitória por 1 a 0 sobre o Al Ahly, do Egito, na semifinal do Mundial de Clubes.

As equipes

oscar ramires david luiz chelsea (Foto: AFP)
David Luiz, Ramires e Oscar: os brasileiros do
Chelsea (Foto: AFP)

O técnico Tite resolveu mudar o Corinthians para a decisão do Mundial de Clubes da Fifa: sacou Douglas e escalou Jorge Henrique. Não fez mistério e justificou a sua mudança. Afirmou que para encarar o time inglês precisa de um homem de velocidade, mantendo apenas um armador. No caso, o meia Danilo.

– Está confirmado. Conversei com os atletas e já projetei o treinamento. Temos a entrada do Jorge Henrique, um jogador de velocidade, com o Danilo trabalhando por dentro. Sai o Douglas – afirmou o técnico Tite, durante coletiva oficial da Fifa, antes do treino de reconhecimento do gramado em Yokohama, no sábado.

Mesmo após o sucesso da formação que venceu o Monterrey, do México, com David Luiz atuando como volante, Rafa Benítez deve escalar o Chelsea em sua escalação convencional. Com isso, o zagueiro brasileiro volta a cumprir sua função de origem, com Ivanovic sendo deslocado para lateral direita e Ramires herdando a vaga de Azpilicueta. O conhecimento profundo do Corinthians faz com que Oscar leve vantagem na disputa com Victor Moses, e a expectativa é de que permaneça na equipe.

– Sempre que falamos em times brasileiros falamos em qualidade e bom futebol. No caso do Corinthians, também é um time organizado, que sabe o que fazer. É um time que bloqueia ainda mais do que o São Paulo de 2005. Então, vai ser mais complicado encontrar espaços. São jogadores muito bons. Emerson, Paulinho, Danilo, o Cássio, que eu gosto muito. São grandes nomes, mas o time é muito compacto. Há também o Guerrero, que pode fazer a diferença. Espero que consigamos manter esses jogadores quietos – disse o espanhol Rafa Benítez.

Globo.com

Chelsea não liga para presença da Fiel em Yokohama e bate o Monterrey

O Chelsea chegou, atropelou e impressionou. A torcida do Corinthians se fez presente, fez até mais barulho que os poucos ingleses e marcou território para o próximo domingo, mas deve ter voltado para casa preocupada. Sem esforço e com muita naturalidade, o clube de Londres fez o que dele se esperava e carimbou com facilidade o passaporte para a decisão do Mundial de Clubes da Fifa. Sob gritos de “ooohhh” dos japoneses e “Timão, eô” dos brasileiros nas arquibancadas, os Blues fizeram 3 a 1 no Monterrey, do México, nesta quinta-feira, no Estádio Internacional de Yokohama, e garantiram presença na decisão contra o Timão .

O título mundial será decidido no domingo, às 8h30m (de Brasília), em Yokohama, com transmissão ao vivo do SporTV e do GLOBOESPORTE.COM. Juan Mata, Fernando Torres e Darvin Chávez (contra) marcaram nesta quinta para o Chelsea, que teve em um David Luiz improvisado como volante um dos melhores em campo. Oscar, que vinha sendo reserva, também voltou ao time, deu passe de calcanhar na jogada do primeiro gol e teve boa atuação, assim como todo quarteto ofensivo com os espanhóis artilheiros da noite. O belga Hazard não marcou, mas foi um dos destaques (Ramires e Lucas Piazon não saíram do banco). De Nigris descontou para o Monterrey já aos 46 do segundo tempo.

Da arquibancada, os jogadores do Corinthians observaram atentamente a exibição dos rivais da decisão. Mas foram os corintianos anônimos que deram um show à parte, como quem mandasse um recado de que a final de domingo não será jogada somente dentro de campo. No domingo, Monterrey e Al-Ahly, do Egito, jogam pela terceira posição às 5h30m (de Brasília), no mesmo estádio.

Juan Mata comemora gol do Chelsea Mundial (Foto: AFP)
Mata corre para comemorar o primeiro gol: festa dos japoneses nas arquibancadas (Foto: AFP)

Chelsea domina, marca e para no primeiro tempo

À primeira vista, o torcedor que viu o Chelsea em campo com três zagueiros e David Luiz mais adiantado pode ter estranhado e se perguntado o qual era a intenção do técnico Rafa Benítez. Bastaram alguns minuto, porém, para a equipe dar a resposta em campo. Com o meio-campo dominado, os ingleses não davam espaços para o Monterrey e com três minutos já tinham desperdiçados três boas chances de gol, enquanto Petr Cech ainda não tinha trabalhado.

Bem à vontade na nova função, David Luiz protegia bem a defesa ao lado de Obi Mikel e dava qualidade a saída de bola, facilitando as ações do quarteto Oscar, Mata, Hazard e Torres. O trio de armadores, por sinal, não atuava junto desde a estreia de Benítez, contra o Manchester City, e parecia estar disposto a mostrar que a formação que encantou a Inglaterra no começo da Premier Legue podia voltar a dar certo.

Logo aos quatro minutos, Oscar, titular novamente após três partidas, e Hazard fizeram boa tabelinha. Com corta-luz do brasileiro, o belga serviu Mata, que chutou para defesa de Orozco. Em seguida, foi a vez de David Luiz atacar de armador e servir Hazard. Frente a frente com o goleiro, ele chutou para fora.

Muito bem em campo, o camisa 17 chamava a responsabilidade e tirava gritos de admiração dos calados torcedores japoneses. Nada muito efusivo, somente um “oooh”, como no quando balançou na frente de Mier e cruzou para Oscar dominar mal na marca do pênalti. Tamanha superioridade tornava o gol iminente. E se ele não saiu com Ivanovic em cobrança de escanteio, saiu em jogada bem tramada aos 17.

Com liberdade, Ashley Cole recebeu na intermediária e tocou para Oscar. O brasileiro devolveu bonito de calcanhar e o lateral rolou para Mata dominar e marca: 1 a 0. Na comemoração, o espanhol fez o número seis com a mão e homenageou o compatriota Oriol Romeu, que lesionou o joelho sábado e sequer viajou ao Japão.

O imenso domínio do Chelsea em campo era observado por corintianos famosos e anônimos. Se o elenco de Tite acompanhava atentamente a partida munidos de lençóis para fugir do frio, centenas de torcedores se faziam perceber e gritavam a todo tempo: “Timão, eô! Timão, eô!”. Em determinado momento, até brincaram com David Luiz cantando “Doutor, eu não me engano, David Luiz é corintiano”, lembrando o passado de torcedor do zagueiro.

david luiz chelsea x monterrey (Foto: Getty Images)
Improvisado como volante, David Luiz foi um dos melhores em campo pelo Chelsea (Foto: Getty Images)

O zagueiro-volante, no entanto, parecia não dar ouvidos e era o melhor em campo. Preciso na marcação e nos passes, conduzia os Blues para o ataque, ou ao menos tentava. Em vantagem, os ingleses tiraram o pé do acelerador e não faziam mais tanta força para atacar. A postura chamou o Monterrey, que aproveitou-se dos vacilos de Azpilicueta para chegar pelas laterais. As investidas, por sua vez, sequer chegaram até Petr Cech.

Na melhor chance, De Nigris aproveitou cruzamento de Corona e cabeçou para fora no bico da pequena área. A partida acabou entrando em um ritmo monótono, ao ponto do centro das atenções ser Frank Lampard, ovacionado por todo estádio ao fazer aquecimento após o gol. O camisa 8 volta a ficar à disposição após dois meses se recuperando de lesão na coxa. Sem lances de perigo, a primeira etapa ainda teve a irritação de Hazard com a marcação mexicana antes do apito para o intervalo.

Dois gols a jato e fim de papo

Para não dar brecha para uma reação mexicana ou comentários de que passou por dificuldades, como o Corinthians diante do Al Ahly, o Chelsea voltou para o segundo tempo em ritmo acelerado e não precisou de mais do que dois minutos para resolver o jogo.

Aos 17 segundos, Hazard, sempre ele, fez boa jogada e serviu Torres, que chutou para marcar. A bola ainda desviou na defesa antes de balançar as redes: foi o quinto gol do espanhol nos últimos três jogos. Ponto para Rafa Benítez.

Já na saída de bola praticamente, o terceiro. Torres avançou bem pela esquerda e cruzou com estilo, de três dedos, para Mata no segundo pau. O camisa 10 tentou servir Oscar, sem goleiro, mas a bola desviou em Chavéz, que marcou contra: 3 a 0. Fatura liquidada.

Para alegria dos fãs azuis, Benítez colocou Lampard em campo, mas tirou David Luiz para a entrada do camisa 8. O técnico espanhol fez mais duas mudanças durante o segundo tempo: Paulo Ferreira na vaga de Mata, e Victor Moses no lugar de Fernando Torres.

Com o 3 a 0 na mão, o time inglês diminuiu o ritmo, mas acabou sendo punido com um gol: De Nigris, já aos 46. Os jogadores do Corinthians nem viram o lance, já que deixaram o estádio aos 40. O retorno ao palco da decisão da Copa do Mundo de 2002, quando o Brasil foi penta, está marcado para domingo. A missão corintiana é buscar o bi mundial contra o embalado Chelsea.

jogadores do Chelsea comemoram gol no Mundial contra o Monterrey (Foto: Reuters)
Oscar (11) comemora com os companheiros a vitória do Chelsea na semifinal do Mundial (Foto: Reuters)
Globo.com

Final da Sul-Americana é marcada por lambança

A final da Sul-Americana deveria ser uma grande festa. No entanto, a despedida de Lucas e o fim do jejum de títulos do Tricolor paulista foi marcada por uma série de confusões. Após o fim da primeira etapa o placar já apontava 2 a 0 para a equipe brasileira, contudo o Tigre se recusou a retornar ao gramado no Morumbi e seus representantes alegaram que foram ameaçados por armas de fogo pelos seguranças do São Paulo.

‘Nos emboscaram quando voltavamos ao vestiário’, disse um dos dirigentes do Tigre com o rosto ferido e a testa manchada de sangue. O clima já ficou tenso bem antes da bola rolar, a  equipe paulista proibiu o time argentino de reconhecer o gramado na véspera da partida. Antes do jogo os atletas argentinos tentaram aquecer no gramado e foram cercados por seguranças, no entanto, acabaram forçando a entrada. Vale a ressalva que uma placa no vestiário visitante do Morumbi deixa claro que é proibido aquecer no campo de jogo.

‘Já acionaram o consulado argentino’, explica dirigente do Tigre
Jogador do Tigre confirma ameaça com arma de fogo no vestiário
Ceni critica Tigre e diz que São Paulo precisa melhorar
Em sua despedida, Lucas ‘dá o sangue’, marca e se emociona com o título
Juvenal  ironiza: ‘A fuga dos argentinos é a nossa vitória maiúscula’

Com a bola rolando, os argentinos abusaram da violência. O zagueiro Orban do Tigre acertou uma cotovelada no atacante Lucas do Tricolor que sangrou bastante. Na saída do intervalo, o camisa 7 foi conversar com o marcador argentino e acabou gerando um começo de confusão.

Com a negativa do time argentino de voltar a campo, o  árbitro da partida apontou o fim da partida e o título da Sul-Americana ficou com o Tricolor. Jogadores do São Paulo e a torcida comemoram o título.

Visivelmente alterado, Ney Franco disse que a equipe argentina ‘pipocou’ e que o São Paulo é o campeão do torneio. “Eles são galos de briga. Só sabem bater e não jogar… Eles pipocaram”, reclamou.

Premiação e manchas de sangue no vestiário do Tigre

Enquanto o presidente da Conmebol Nicolás Leoz entregava as medalhas e a taça de campeão da Sul-Americana aos jogadores do São Paulo, a Fox Sports argentina mostrava imagens do vestiário do Tigre com as paredes manchadas de sangue.

Conforme o Yahoo! Esporte Interativo apurou junto a Conmebol, o São Paulo deve ficar mesmo com o título  da Sul-Americana. O caso será investigado e inicialmente o Tigre está fora da Taça Libertadores de 2013. Caso seja comprovado envolvimento dos seguranças do São Paulo e da polícia brasileira é o São Paulo que será excluído da competição.

Polícia confirma briga entre seguranças do São Paulo e atletas do Tigre

Major Gonzaga responsável pelo policiamento no Morumbi afirmou que a PM teve que separar uma briga generalizada entre os seguranças do clube e os atletas do Tigre. O oficial ainda declarou que os seguranças do São Paulo não portavam armas de fogo. Os envolvidos na confusão serão encaminhados a delegacia.

Diário argentino ‘Olé’ classificou o São Paulo como ‘Campeão do constrangimento’. Foto: Reprodução

Repercussão na Argentina

O diário Olé (o mais popular da Argentina) estampou a manchete ‘Campeões do constrangimento’ em sua homepage. O jornal classifica a comemoração do Tricolor como vergonhosa e constrangedora e dá amplo destaque a declarações de jogadores do Tigre. Algumas muito fortes como ‘apontaram uma arma para o meu peito’ e ‘nós bateram com cacetetes’.

O La Nacion também destacou as denúncias do Tigre em especial o depoimento do técnico da equipe argentina, Pipo Gorosito que disse que seus atletas foram agredidos por seguranças e pela PM de São Paulo.

Ney Franco pede para título não ficar ‘manchado’

Em entrevista após a comemoração do título, o técnico do São Paulo Ney Franco minimizou os incidentes da final da Sul-Americana. “O que eles fizeram não pode manchar a nossa conquista, só isso que peço. Trabalhamos muito para conseguir isso, e são os momentos de suor em campo que precisam ser lembrados. Não essa guerra criada por eles. A glória tem que ser maior”, disse.

Ney Franco também recordou a partida de ida da semana passada em Buenos Aires.  “A atitude deles foi de briga desde o começo. Quem esteve com a gente na Argentina sabe que sofremos tudo que é tipo de pressão. A Conmebol precisa dar um jeito nisso”, disse.
Por fim, criticou clubes e atletas da Argentina. “Acho que esse tipo de comportamento serve para os brasileiros prestarem a atenção em qualquer confronto contra os argentinos. Não podemos cair na catimba deles”, encerrou.

‘De time argentino a gente espera tudo’, diz Luis Fabiano

Após ser expulso no jogo de ida na Argentina, o atacante Luis Fabiano acompanhou como torcedor a final da noite desta quarta-feira. Questionado sobre a confusão após a festa ele aproveitou para provocar os argentinos. “Para o espetáculo, seria mais legal eles terem voltado, mas de time argentino a gente espera de tudo. Mas o importante é que o título é nosso”, declarou.

*Colaboração Leonardo Sacco e Fernando Olivieri

Após confusão, árbitro encerra jogo, e São Paulo conquista Sul-Americana

A final da Copa Sul-Americana entre São Paulo e Tigre entra para a história como um jogo que não teve fim, mas com um campeão: o Tricolor. Acusando a Polícia Militar de tê-los ameaçados com armas de fogo no vestiário, os jogadores do time argentino se recusaram a voltar para o segundo tempo, e o árbitro chileno Enrique Osses se viu obrigado a suspender a partida. O placar marcava 2 a 0 para o Tricolor. Depois de mais de 30 minutos esperando pela volta do Tigre, a arbitragem decretou o jogo como encerrado, dando o título ao São Paulo. Enquanto os jogadores brasileiros comemoravam, dirigentes argentinos invadiram o gramado para protestar contra a arbitragem. A Conmebol ainda não se pronunciou, mas, em tese, prevalece a decisão do árbitro, de ter encerrado a partida no intervalo.

Confusão no jogo, são Paulo e Tigres (Foto: Agência Reuters)
Policiais tentam apartar confusão no jogo entre São Paulo e Tigre (Foto: Agência Reuters)

A confusão começou no campo, logo após o fim do primeiro tempo, quando o atacante Lucas passou pelo lateral-esquerdo Orban oferecendo a ele, de forma irônica, o chumaço de algodão que estancava o sangramento em sua narina direita. Lucas havia sido atingido pelo argentino pouco antes.

Não demorou para que jogadores do Tigre cercassem o camisa 7 do São Paulo. A confusão foi generalizada. Revoltados com a provocação – e, claro, com a derrota na bola -, os argentinos partiram para cima dos são-paulinos e por pouco não invadiram o vestiário do time da casa. Policiais precisaram intervir e, segundo jornalistas argentinos, houve confronto da PM com os jogadores. O técnico Nestor Gorosito, em entrevista à ESPN Argentina, acusou os policiais de terem ameaçado seus jogadores com armas de fogo.

Lucas, São paulo e Tigres (Foto: Agência Reuters)
Lucas provoca Orban (com a bola) e depois é repreendido por Ferreira (Foto: Agência Reuters)

Lucas, em entrevista à TV Globo, disse não ter provocado ninguém. Ele lamentou, na verdade, que os argentinos estivessem abusando da violência em campo.

– Se a equipe deles quer bater, temos de responder na bola – disse Lucas, ainda sem saber da suspensão do jogo.

A primeira partida da decisão entre São Paulo e Tigre, na Bombonera, na quarta-feira passada, já havia tido confusão. O atacante Luis Fabiano, do Tricolor, e o zagueiro Donatti, do Tigre, foram expulsos após se agredirem em campo.

Na terça-feira, mais polêmica: o Tricolor impediu o Tigre de treinar no Morumbi, sob alegação de que o gramado, castigado após a realização de um show da cantora Madonna, precisava ser preservado. Os argentinos tiveram de treinar no Canindé.

Horas antes do jogo no Morumbi, mais confusão. Os jogadores do Tigre tentaram fazer o aquecimento no gramado, mas foram novamente impedidos, desta vez com truculência, por seguranças do São Paulo.

Lucas gol São Paulo x Tigre (Foto: Gustavo Tilio / Globoesporte.com)
O atacante Lucas comemora seu gol contra o Tigre
(Foto: Gustavo Tilio / Globoesporte.com)

Como foram os 45 minutos de jogo

Em campo, o São Paulo se mostrou superior ao Tigre durante toda a primeira etapa. O time tomava a iniciativa, mas encontrava uma forte marcação pela frente. As pontas, principais válvulas de escape no esquema de Ney Franco, foram muito bem bloqueadas por Nestor Gorosito, técnico do Tigre. Lucas e Osvaldo tinham vigilância severa.

Com isso, a chave do jogo estava no meio. E Jadson, no primeiro lance em que teve espaço para jogar, criou a jogada do gol do São Paulo. Aos 22, quando o São Paulo tinha 65% de posse de bola, contra 35% do rival, ele achou Willian José na entrada da área. O atacante recuou para o camisa 10, que foi travado no chute. Na sobra, Lucas fintou o marcador e bateu cruzado, de pé esquerdo, no canto esquerdo de Albil: 1 a 0, festa no Morumbi e choro do camisa 7, que foi abraçado pelos companheiros. O Tigre mal se recuperou do primeiro golpe e levou o segundo. Aos 28, Lucas deu ótima assistência para Osvaldo, que, em posição de impedimento, invadiu a área pelo lado direito e bateu por cima de Albil, com muita categoria: 2 a 0. Imediatamente, começou a ecoar o grito no Morumbi.

– Ô o campeão voltou, o campeão voltou, o campeão voltoouuuu….

Com o título praticamente perdido, os argentinos perderam a compostura. Aos 39, Orban acertou uma cotovelada em Lucas, que caiu com o nariz sangrando. Enrique Osses nem falta marcou e ainda advertiu o são-paulino, que precisou ser atendido fora de campo. Quando voltou, foi acertado novamente, desta vez por Godoy, que levou cartão amarelo.

homenagem a Lucas feitas pela torcida (Foto: Agência Reuters)
Torcida presta homenagem a Lucas, que se despede do São Paulo (Foto: Agência Reuters)
Globo.com

Messi em dobro: craque aumenta marca e deixa Barça em vantagem

O próximo grande artilheiro que surgir no futebol terá dificuldade em superar Lionel Messi quando o assunto é gols num só ano. Nesta quarta-feira, o craque argentino ampliou a sua marca já conquistada no último domingo e foi novamente decisivo na vitória sobre o Córdoba, da Segunda Divisão, por 2 a 0, no Estádio Nuevo Arcángel, fora de casa, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa do Rei.

Os dois gols marcados o fizeram alcançar os 88 em 67 jogos em 2012. No último domingo, o camisa 10 consagrou-se mundialmente ao superar o alemão Gerd Müller, que havia anotado 85 vezes com a camisa de Bayern de Munique e da seleção da Alemanha em 1972. A diferença é que Messi ainda entrará em campo mais duas vezes no ano: domingo, contra o Atlético de Madri, e no sábado dia 22, ambas pelo Campeonato Espanhol.

Messi, Cordoba e Barcelona (Foto: Agência Reuters)
Com os dois sobre o Córdoba, Messi ampliou o recorde para 88 gols em 2012 (Foto: Agência Reuters)

O resultado deixa a equipe de Tito Vilanova com boa vantagem para decidir a vaga em casa – o duelo de volta no Camp Nou está marcado para o dia 9 de janeiro de 2013 apenas. Qualquer derrota por um gol de diferença classificará os catalães para as quartas de final, quando possivelmente irá enfrentar o Málaga ou o Eibar, da Terceirona, que eliminou o Athletic Bilbao também nesta quarta.

Mais dois na conta

Não era exatamente um time titularíssimo, mas quase isso. Sem Andrés Iniesta e Victor Valdés, poupados, o Barcelona encontrou dificuldades quando possivelmente não esperava. O Estádio Nuevo Arcángel transformou-se em caldeirão diante do líder absoluto do Campeonato Espanhol, mas o resultado, ao menos parcial, foi o mesmo de sempre.

Susto? O Barça levou. Dois deles com menos de dez minutos. Aos cinco, Pinto saiu jogando errado (como costuma aprontar às vezes) e a bola sobrou para Pedro, que chutou de longe e obrigou o goleiro a fazer boa defesa. No lance seguinte, Dubarbier ganhou de Dani Alves e cruzou para a área. Novamente Pedro apareceu concluindo de canhota, mas a bola saiu.

Barcelona comemoração (Foto: AP)
Jogadores do Barcelona comemoram mais um gol de Lionel Messi (Foto: AP)

Na primeira grande chance do Barcelona saiu o gol. Foi aos 10, numa tabelinha entre Messi e David Villa. Após abrir na esquerda, o argentino apareceu completamente livre no meio para completar – a bola ainda bateu no travessão antes de entrar pela 87ª vez em 2012. O Córdoba teve a oportunidade de igualar na sequência, mas Rennella completou para o fundo das redes impedido, aos 15.

O ímpeto ofensivo dos donos da casa diminuiu consideravelmente na etapa final. Com contra-ataques perigosos, David Villa e Pedro Rodríguez desperdiçaram chances importantes para ampliar nos primeiros minutos. Até mesmo Lionel Messi, aos 24, perdeu cara a cara com o goleiro Saizar.

Mas como é muito raro vê-lo em uma tarde ruim… O atual melhor jogador do mundo estava lá para ampliar o seu recorde. Aos 28, após rápida troca de passes, Sánchez recebeu na direita e cruzou rasteiro para Messi, que optou pelo chute cruzado, alcançando o sétimo “doblete” (dois gols num jogo) consecutivo quando começou como titular.

Globo.com

Real perde para o Celta, mas CR7 diminui 'prejuízo' dos merengues

Sonolento e desinteressado, o Real Madrid acabou derrotado pelo Celta de Vigo nesta quarta-feira, no jogo de ida das oitavas de final da Copa do Rei. Mesmo com seus principais nomes em campo, o time merengue teve uma atuação muito abaixo do esperado e foi batido por 2 a 1, no estádio Balaídos. Os gols da vitória dos donos da casa foram marcados pelos atacantes Bermejo e Bustos, e Cristiano Ronaldo diminuiu no fim para os madrilhenhos.

O resultado, que significou a primeira vitória do Celta em casa sobre o Real nos últimos 11 anos, aumenta a pressão sobre o técnico José Mourinho. O time merengue vai mal no Campeonato Espanhol – está a 11 pontos do líder Barcelona – e tem grandes chances de encarar uma pedreira nas oitavas de final da Liga dos Campeões, já que se classificou em segundo lugar em sua chave e enfrentará algum campeão de grupo – Bayern de Munique, Juventus, Paris Saint-Germain e Manchester United estão entre os possíveis adversários.

Agora, para seguir viva na Copa do Rei, a equipe merengue precisará vencer o Celta no Santiago Bernabéu, no dia 9 de janeiro, por dois gols de diferença. Um triunfo por 1 a 0 é suficiente para assegurar a classificação, embora uma vitória por um gol de diferença com placar a partir de 3 a 2 dê a vaga para os rivais.

Cristiano Ronaldo, Celta e Real Madrid (Foto: Agência AFP)
Gol de Cristiano Ronaldo melhorou a situação do Real na eliminatória (Foto: Agência AFP)

Celta assusta nos contra-ataques

Tentando solucionar a eliminatória de uma vez, Mourinho mandou a campo todo o seu poderio ofensivo. Benzema comandava o ataque, e Cristiano Ronaldo, Modric e Di Maria completavam o setor. Só na defesa houve mudanças: Varane e Arbeloa foram improvisados nas laterais direita e esquerda, respectivamente, enquanto Ricardo Carvalho fez dupla de zaga com Pepe. O brasileiro Kaká entrou no segundo tempo, mas pouco acrescentou.

Apesar da força ofensiva, o Real criou muito pouco. Ciente da diferença técnica, o Celta, mesmo jogando em casa, ficou na defesa e resolveu apostar nos contra-ataques. Diante da pouca inspiração rival, foi bem-sucedido. As melhores chances na primeira etapa foram dos donos da casa.

A principal arma do Celta foi Iago Aspas. O camisa 10 era o homem procurado pelos companheiros nas transições. Primeiro, aos 15 minutos, ele cruzou da esquerda, mas o sul-coreano Park pegou mal na bola e mandou para fora. Aos 39, em jogada parecida, desta vez, pela direta, o asiático recebeu o passe de Aspas, mas chutou fraco e foi travado por Pepe.

Bormejo comemora gol do Celta contra o Real Madrid (Foto: Agência Reuters)
Bermejo festeja gol do Celta (Foto: Agência Reuters)

CR7 diminui o prejuízo

Na segunda etapa, o panorama não mudou muito. A diferença foi que o Celta, enfim, acertou o pé. Aos dez minutos, Krohn-Dehli fez bela jogada pela esquerda e cruzou rasteiro. A zaga do Real parou, e Bermejo surgiu no segundo pau, livre, para chutar cruzado, sem chances para Adán: 1 a 0.

Só então o Real acordou. Kaká entrou no lugar de Essien aos 19, mas pouco pôde fazer. Sem muito espaço no time e precisando convencer José Mourinho, o brasileiro entrou motivado, mas parecia jogar numa velocidade diferente daquela dos companheiros. Ainda tentou alguns passes, sem muito resultado.

Na base da pressão, os merengues ainda criaram duas boas chances. Primeiro, aos 24, a zaga do Celta rebateu mal um cruzamento de Xabi Alonso, e Modric, livre na pequena área, chutou fraco, para boa defesa de Sergio. Logo em seguida, Cristiano Ronaldo apelou para sua jogada característica: na ponta esquerda, cortou para dentro e soltou uma bomba, mas não superou o arqueiro.

No fim, o Real sofreu mais um golpe. Cristian Bustos, aos 32, acertou belíssimo chute de fora da área, no ângulo esquerdo de Adán, e ampliou a vantagem para o Celta. As coisas poderiam ser piores não fosse Cristiano Ronaldo. Aos 41, o português recebeu ótimo passe de Xabi Alonso e, de frente para Sergio, diminuiu o placar, melhorando as chances de classificação do Real.

Cristian Bustos comemora gol do Celta contra o Real Madrid (Foto: Agência Reuters)
Bustos marcou um golaço para o Celta de Vigo (Foto: Agência Reuters)
Globo.com

Sofrido até o fim, Corinthians vence o Al Ahly e fará a final do Mundial

Falta apenas um passo para a conquista do mundo. Na manhã desta quarta-feira (noite no Japão), o Corinthians venceu o Al Ahly, do Egito, por 1 a 0, no Toyota Stadium, e carimbou a classificação para a final do Mundial de Clubes. A decisão será contra Monterrey (MEX) ou Chelsea (ING), que jogam na quinta-feira.

Mostrando a sua superioridade, o Corinthians teve a bola no pé durante todo o primeiro tempo. A posse ficou em 59% a 41% nos 45 minutos iniciais. À procura de espaços, o Timão assustou a primeira vez com chute de Douglas, que passou à direita do gol. Finalização cobrada por Tite ao meia, para chamar a atenção dos marcadores e abrir espaço para os companheiros.

Bem organizado taticamente, mas com clara limitação técnica, a equipe do Egito não conseguia trocar passes no campo de ataque, se precipitando e sendo facilmente anulado pela defesa corintiana, bem postada e jogando sério. No único susto, Rabia cabeceou para fora, após falta lateral.

Dúvida para a partida após o clássico contra o São Paulo, no dia 2, Guerrero marcou o primeiro gol da equipe na competição. Após bater escanteio e ver a zaga afastar a bola, Douglas pegou de trivela e a botou na área novamente. No corpo, o peruano ganhou espaço e cabeceu para o fundo das redes, aos 29 minutos do primeiro tempo.

O segundo tempo veio e o Timão, em vantagem, deu um passo atrás, à espera de um contra-ataque. Situação perigosa, que chamou a equipe árabe para o seu campo. Aboutrika, maior ídolo do futebol do país, deixou o banco e levou qualidade ao meio de campo. Outra modificação foi a entrada de Abou no lugar de Ekramy. O goleiro, ao chutar uma bola para frente, sentiu o músculo posterior da coxa direita e pediu substituição.

Aos 17 minutos, Rabia deu chute de veneno, à esquerda de Cássio. Três minutos depois, Fathi recebeu lançamento e saiu na cara do goleiro, mas bateu para fora. Com a equipe de Tite em momento apático, os egípcios tomaram conta da bola e enfileiraram chances, com chutes de longa distância e tentativas de cruzamentos. A zaga, porém, conseguiu afastar os perigos.

Romarinho, aniversariante do dia (completou 22 anos nesta quarta) e Jorge Henrique, entraram para tentar mudar o panorama, mas a situação continuou sofrida até o apito final do árbitro mexicano Marco Rodrígues. No estilo Corinthians.

FICHA TÉCNICA:
AL AHLY 0X1 CORINTHIANS

Estádio: Toyoya Stadium, Toyota (JAP)
Data/hora: 12/12/2012 – 8h30 (de Brasília)
Árbitro: Marco Rodrígues (MEX)
Auxiliares: Marvin Torrentera (MEX) e Marcos Quintero (MEX)
Público: 31.417 pagantes
GOLS: Guerrero, aos 29’/1ºT (0-1);

AL AHLY: Ekramy (Abou, aos 19’/2ºT), Fathi, Gomaa, Nagiob e Kenawi; Rabia, Ashour, Soliman e Said (Aboutrika, aos 9’/2ºT); Hamdij e Gedo (Meteab, aos 34’/2ºT). Técnico: El Badry.

CORINTHIANS: Cássio, Alessandro, Chicão, Paulo André e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Danilo, Douglas (Jorge Henrique, aos 34’/2ºT) e Emerson Sheik (Romarinho, aos 29’/2ºT); Guerrero (Guilherme Andrade, aos 46’/2ºT). Técnico: Tite.

LANCENET

Ney Franco relaciona 25 jogadores para a final da Copa Sul-Americana

Para unir ainda mais o grupo na véspera da decisão da Copa Sul-Americana, o técnico Ney Franco, do São Paulo, relacionou todos os 25 jogadores inscritos no torneio continental para a decisão contra o Tigre, nesta quarta-feira, às 21h50m (horário de Brasília), no Morumbi. O duelo será acompanhado em Tempo Real pelo GLOBOESPORTE.COM e terá transmissão da TV Globo para todo o Brasil.

Até mesmo o atacante Luis Fabiano, que foi expulso no empate por 0 a 0, na semana passada, na Bombonera, está na relação. Ele será substituído por Willian José, vice-artilheiro da equipe na temporada, com 15 gols, 16 atrás do camisa 9 titular.

Vale lembrar que sete atletas serão cortados do banco de reservas após a chegada ao Morumbi. Veja abaixo a lista dos relacionados

Goleiros: Rogério Ceni, Denis e Léo

Laterais: Douglas e Cortez

Zagueiros: Paulo Miranda, Rhodolfo, Rafael Toloi, Edson Silva e João Filipe

Meio-campistas: Wellington, Denilson, Jadson, Cícero, Casemiro, Maicon, PH Ganso, Rodrigo Caio, João Schimidt e Paulo Assunção

GloboEsportes

Timão 'invade' Japão e estreia no Mundial buscando o bicampeonato

Chegou a hora da estreia! Milhares de torcedores atravessaram o mundo, os jogadores se prepararam durante meses e, nesta quarta-feira, o Corinthians, enfim, tem seu primeiro desafio no Mundial de Clubes da Fifa. Às 8h30m (horário de Brasília, 19h30m no horário local), contra o Al Ahly, do Egito, em Toyota, o Timão inicia sua última missão na temporada: conquistar o bicampeonato do torneio – foi vencedor na edição feita no Brasil, em 2000, vencendo o Vasco no Maracanã – e quebrar uma marca de 20 anos. O GLOBOESPORTE.COM transmite a partida ao vivo a partir das 7h30m.

Tite no treino do Corinthians Mundial (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)
Corintianos iniciam caminhada pelo bi nesta quarta-feira (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

Desde 1992 um clube brasileiro não conquista a tríplice coroa formada por Brasileirão, Libertadores e Mundial. O último a alcançar esse feito foi o rival São Paulo, que levou o nacional em 1991, garantindo vaga no torneio sul-americano, e no ano seguinte conquistou a América e o Mundo. Tal feito coroaria um processo de reconstrução do Timão, iniciado em 2008, ano em que disputou e venceu a Série B.

– Temos responsabilidade e alegria. É talvez a maior conquista que um clube pode ter. Não só de um título, mas de fazer uma sequência de Brasileiro, Libertadores e Mundial. Treinamos com intensidade e concentração. Essa é a cara do Corinthians. A partir disso vamos buscar a vitória na semifinal e tentar estar na final – declarou Tite, comandante alvinegro nas conquistas do Brasileirão 2011 e Libertadores 2012.

Se vencer o Al Ahly nesta quarta-feira, o Corinthians assegura vaga na decisão do próximo domingo, em Yokohama. O adversário sairá do confronto entre os ingleses do Chelsea e os mexicanos do Monterrey. A partida será realizada na quinta-feira, dia 13, no mesmo estádio da final. O duelo, no entanto, ainda não mexe com os corintianos, que mantêm discurso focado nos egípcios.

– Não tem como pensar em Chelsea agora. Esse jogo está em segundo plano para nós. Temos um adversário muito difícil pela frente e vamos concentrar todas as nossas forças nessa partida contra o Al Ahly. O que vai acontecer no dia 16 de dezembro depende muito do que vamos fazer na nossa semifinal – afirmou o capitão Alessandro.

A expectativa para a estreia do Corinthians é de que o estádio de Toyota receba, pelo menos, 20 mil alvinegros. Essa é a estimativa feita pelo consulado japonês no Brasil.

– Nós temos uma responsabilidade muito grande com o torcedor. Podemos fazer 35 milhões de pessoas felizes (essa é a estimativa do tamanho da torcida corintiana, segundo o clube). Sabemos da história do torcedor corintiano. Tem gente que deixou o emprego, abriu mão de valores importantes, de ficar com a família. A responsabilidade do grande clube tem de ser respeitada – falou o comandante.

As equipes

Mohamed Aboutrika gol Al Ahly (Foto: Getty Images)
Mohamed Aboutrika é o destaque da equipe
egípcia (Foto: Getty Images)

Em nenhum momento a escalação do Corinthians para o Mundial de Clubes foi mistério. Desde o começo, o técnico Tite deixou claro que Paolo Guerrero seria o companheiro de Emerson Sheik no ataque. Só que um dia antes da viagem para o Japão, o peruano se machucou no clássico com o São Paulo, pelo Brasileirão.

Inicialmente, o período de recuperação do jogador era de 15 dias, mas ele reagiu bem a um tratamento intensivo e foi liberado pelo departamento médico.

– Vale tudo. Quando um jogador tem um objetivo em mente, pode fazer tudo. Não foi a primeira vez que fiz infiltração – declarou o atacante peruano.

Do lado do Al Ahly, o técnico Hossam El Badry admitiu, depois de vencer o Sanfrecce Hiroshima, nas quartas de final, que precisaria estudar o Corinthians. Confiante no potencial dos seus jogadores, ele tem apenas uma mudança para o duelo desta quarta-feira: sai o machucado Ghaly e entra Aboutrika, herói do gol da classificação.

Info_Escalacao_CORINTHIANSxALAHLY-2 (Foto: infoesporte)

 GloboEsportes