Handebol

Brasil vence o Japão no Mundial Feminino de Handebol e segue invicto

Quatro jogos, quatro vitórias. A seleção brasileira de handebol feminino manteve a busca pela liderança do grupo B do Mundial após derrotar o Japão. O Brasil venceu o jogo por 24 a 20, transmitido com exclusividade pela TV Esporte Interativo. Alexandra e Duda foram os destaques da partida, com 5 e 4 gols cada, respectivamente. O próximo jogo do Brasil, contra a Dinamarca, vai decidir quem fica com a primeira colocação do grupo B.

Brasil vence a Argélia com facilidade no Mundial Feminino de Handebol
Brasil vence Sérvia com show de Mayssa e segue invicto no Handebol
Sem dificuldades, Brasil vence a segunda no Mundial de Handebol

O Brasil começou ganhando e o Japão já teve uma jogadora suspensa por dois minutos. Alexandra perdeu uma cobrança de sete metros. Tudo isso nos dois primeiros minutos! A seleção vinha mantendo uma vantagem, mas aos nove minutos as japonesas empataram, com destaque para a goleira Hida. O Brasil conseguiu se reestabelecer e abrir três gols de vantagem: 8 a 5.

O Japão se fechou bem na defesa e dificultou as coisas para a seleção brasileira, que teve que se desdobrar para furar o bloqueio. O primeiro tempo do jogo terminou com 12 a 8 para o Brasil, com um gol brasileiro no último segundo. Os destaques foram, respectivamente dos dois lados, Dani Piedade e Tanabe.

Ao começar o segundo tempo, Babi já defendeu uma cobrança de sete metros para o Brasil. O jogo continuou equilibrado e a vantagem da seleção seguiu sendo de quatro pontos, até que as meninas do Brasil cometeram vários erros em sequência e as japonesas se aproximaram. Após expulsões de atletas do Japão, a seleção brasileira conseguiu abrir vantagem para seis pontos: 21 a 15.

Nos últimos minutos o Japão ameaçou uma reação, mas o Brasil conseguiu segurar o jogo, com a ajuda de um pedido de tempo do técnico brasileiro. Morten, inclusive, foi punido com um cartão amarelo no último minuto de jogo por invadir o campo. Uma ponte aérea com gol de Alexandra fechou a partida em 24 a 20 para o Brasil.

Confira as escalações dos times no Mundial Feminino de Handebol:

Brasil: Babi, Mayssa, Fernanda Dara, Alexandra Nascimento, Samira, Dani Piedade, Amanda, Fernanda, Ana Paula, Elaine Gomes, Karol, Duda Amorim, Mariana Costa, Mayara, Deborah Hannah, Deonise Cavaleiro.

Japão: Hida, Masuda, Takahashi, Kamimachi, Nishikiori, Yokoshima, Fujii, Katsuren, Arihama, Tanabe, Ishitate, Hayafune, Fujima, Hara, Kawamura, Nagata.

Handebol feminino do Português/Aeso conquista o bronze no Brasileiro em Belém

Por Germana Macambira

As atletas do Clube Português/Aeso desembarcaram hoje no Recife trazendo a medalha de bronze do Campeonato Brasileiro de Hanndebol Adulto Feminino, realizado na cidade de Belém, no Pará. As meninas venceram a equipe de Pinheiros pelo placar de 25a 24, com a consagração de duas jogadoras lusas eleitas como as melhores da competição. São elas a ponta esquerda Dayana Rodrigues e a lateral direita Ana Cecília. Um dos grandes rivais das pernambucanas, o Fortaleza-CE, ficou com o vice-campeonato e o time do Americana-SP foi o campeão.

O objetivo inicial de quebrar o jejum de títulos na competição não foi alcançado. Já são, pelo menos, duas temporadas sem chegar ao topo do pódio e as meninas tiveram que se contentar com a terceira colocação. “O bronze tem que ser comemorado, já que é preciso reconhecer o nível das adversárias e as circunstâncias da nossa equipe”, comenta Cristiano Rocha, técnico do handebol luso.

Depois de uma reformulação, boa equipe que viajou para Belém foi composta pelas meninas que conquistaram o vice-campeonato Sul-Americano Júnior na Argentina. A ausência de jogadoras consagradas como Juliana Malta, Deborah Hannah e Dayana Clarck, pode ter sido sentida pelo time. Mas Clube Português/Aeso já tem outra competição para pensar. O time juvenil vai disputar a Copa Nordeste em Maceió, e já entra como favoritas. Há pouco mais de dois meses a mesma composição que viaja para a capital alagoana erguei a taça de campeãs brasileiras da categoria.

“Nosso time é muito forte, mas vimos em Belém que os adversários estão cada vez melhores. Não podemos brincar. É jogar sério e voltar com a medalha para o Recife”, declarou o comandante da equipe.

Junto com o Português/Aeso participam da Copa Nordeste as equipes de Alagoas, Ceará e Piauí. A competição acontece até a próxima sexta-feira no Ginásio Tenente Madalena, em Maceió (AL). O título ficará com quem fizer mais pontos, no sistema de todos contra todos.

Veja os jogos da equipe lusa, na competição:

Segunda-feira (2)

14h: Português/AESO (PE) x Ipanema Atlético Clube (AL)

Terça-feira (3)

14h: Português/AESO (PE) x Horizonte Handebol Clube (CE)

Quarta-feira (4)

17h: Português/AESO (PE) x Cesmac (AL)

Quinta-feira (5)

15h30: Português/AESO (PE) x Colégio Jemina Góis/LDC (CE)

Sexta-feira (6)

14h: Português/AESO (PE) x Caic Balduino/GHC/UFPI (PI)

Cuba decide permitir profissionalismo no esporte

Cuba anunciou nesta sexta-feira (27) uma revolução dentro da sua forma de lidar com o esporte. A partir de agora, atletas de todos os esportes podem assinar contratos com clubes estrangeiros, encerrando décadas de uma política que limitava a participação dos atletas do país a competições em que representassem o regime comunista. Por conta dessa política, diversos esportistas desertaram nos últimos anos. O caso mais recente foi Orlando Ortega, barreirista, que não voltou a Cuba depois do Mundial de Atletismo em Moscou e agora pretende competir sob a bandeira do principado de Mônaco.

A novidade foi divulgada na edição desta sexta-feira (27) do Granma jornal oficial do Partido Comunista de Cuba e, por isso, órgão oficial de imprensa. A comunidade internacional entendeu a decisão do presidente Raul Castro como uma medida para acabar com a série de deserções principalmente em modalidades onde Cuba é forte, como o beisebol e o boxe. Segundo o Granma, os atletas cubanos terão que pagar impostos sobre o que ganharem competindo profissionalmente fora do país.

Essa é a primeira vez que a ilha caribenha permite o profissionalismo no esporte em mais de uma década. Em 1961, dois anos depois de Fidel Castro assumir o poder por lá, o profissionalismo passou a ser proibido. Desde então, os atletas são empregados do estado, recebendo salários equivalente ao de outros trabalhadores.

A decisão anunciada nesta sexta entra no pacote de medidas de abertura econômica tomadas pelo irmão e sucessor de Fidel, Raul Castro, que assumiu o poder em 2006, quando o quadro de saúde de Fidel se complicou.

No começo do ano, Cuba já havia criado uma liga profissional de boxe, tentando manter a enormidade de talentos que produz no país. Nela, os boxeadores competem para receber entre mil e 3 mil dólares por mês, quantia irrisória perto do boxe profissional dos EUA.

 

 

 

Fonte: Agência Estado

Seleção feminina vence a Argentina e é campeã Sul-americano de handebol

A seleção brasileira feminina de handebol começou o ciclo olímpico com um título. A equipe do técnico dinamarquês Morten Soubak venceu, de forma invicta, com cinco vitórias, a primeira competição disputada no ano: o Campeonato Sul-americano. O título veio contra a Argentina, que jogou em casa, neste sábado, dia 23, no ginásio Ilhas Malvinas, e contou com o apoio de sua torcida. A partida fechou em 37 a 23 (20 a 5 no primeiro tempo).

Soubak afirmou que está feliz não só com a vitória, mas com o desempenho brasileiro durante toda a competição. “Viemos com uma equipe com atletas mais jovens, algumas delas atuando no Brasil e que ainda não estrearam nesta temporada, e posso afirmar que elas deram o máximo. O nosso desafio era integrá-las e conseguimos fazer isso. Agora é pensar no Pan-americano”, destacou Morten Soubak.

Eleita a melhor jogadora do mundo em 2012 na modalidade, a ponta direita Alexandra Nascimento foi um dos destaques brasileiros na competição. Para ela, a vitória foi expressiva. “Estou muito feliz por ter vencido e por saber que esse título é mais uma conquista do handebol brasileiro. Para mim, foi gratificante ver novas atletas em quadra defendendo o Brasil e vê-las integradas com as mais experientes. É muito importante que elas tenham participado de um Sul-americano”, ressaltou a artilheira brasileira na partida, com 11 gols.

Fonte: timebrasil.cob.org.br

Seleção Brasileira Feminina de Handebol está na final do Campeonato Pan-Americano

Santo Domingo (DOM) – O Brasil está muito próximo de manter o título do Campeonato Pan-Americano Feminino de Handebol. Com um ótimo retrospecto na competição, a equipe chegou à decisão invicta e vai disputar o título contra a Argentina, neste sábado (8), às 17h (horário de Brasília), no Pavilhão do Handebol, em Santo Domingo, na República Dominicana. Na última vez que Brasil e Argentina se encontraram, a equipe verde e amarela saiu de quadra com vitória. A partida foi válida pela final do Campeonato Sul-Americano, em março, e terminou em 37 a 23.

Nesta sexta-feira (7), o Brasil venceu o Paraguai nas semifinais, com o placar de 47 a 17 (23 a 7 no primeiro tempo). Na outra partida de hoje, a Argentina passou pelas donas da casa por 27 a 17. Os quatro semifinalistas estão garantidos no Campeonato Mundial, que será realizado em dezembro, na Sérvia.

Na partida contra o Paraguai, o Brasil conseguiu impor um ritmo melhor, comparado ao confronto anterior contra a República Dominicana, e corrigir alguns erros, principalmente de passes. No placar, esteve sempre à frente e com boa vantagem de gols. Novamente, o técnico conseguiu fazer um bom rodízio entre as atletas sem perder a qualidade em todos os aspectos.

De acordo com a goleira Mayssa Pessoa, paraibana de João Pessoa, a equipe conseguiu entrar em quadra mais concentrada. “Nós estavámaos mais focadas no jogo do que na partida anterior. Ouvimos as recomendações do Morten e conseguimos colocá-las em prática. Estou feliz por termos conquistado a vaga para o Campeonato Mundial e por estarmos em mais uma final”, comemorou.

O técnico da equipe, o dinamarquês Morten Soubak, afirma que também está feliz com o desempenho da equipe na partida de hoje. “Apesar de conseguir abrir mão de falhas, a equipe levou quase o mesmo número de gols que na partida anterior, contra a República Dominicana. Mas, estou contente com os gols marcados, pois foram o suficiente”, analisou o dinamarquês.

Segundo ele, o Brasil vai se apresentar na final, contra a Argentina, da mesma forma que vem fazendo durante a competição. “Vamos apostar nos contra ataques. Sabemos que a Argentina é uma equipe organizada e com bom preparo físico”, disse ele.

Ambas as equipes chegam à final com 100% de aproveitamento. O Brasil estreou com um 44 a 10 contra os Estados Unidos, seguido pelo 59 a 7 contra a Costa Rica, 48 a 18 contra o México e 37 a 22 contra a República Dominicana. Já a Argentina venceu o Canadá por 37 a 14, o Paraguai por 32 a 10, a Venezuela por 38 a 20 e o Uruguai por 29 a 19.

Gols do Brasil: Fernanda (10), Alexandra (8), Deonise (6), Samira (5), Fabiana (4), Amanda (3), Débora Hannah (3), Jéssica (3), Ana Paula (2) Daniela (2) e Juliana (1).

Seleção Feminina de Handebol

Goleiras – Bárbara Elisabeth Arenhardt (Hypo Nö-Áustria) e Mayssa Raquel Pessoa (HK Dínamo Volgograd-Rússia).

Pontas – Alexandra Priscila do Nascimento (Hypo Nö-Áustria), Fernanda França da Silva (Hypo Nö-Áustria), Jéssica da Silva Quintino (EC Pinheiros-SP) e Samira Pereira da Silva Rocha (Zvezda Zvenigorod-Rússia).

Armadoras – Amanda Claudino de Andrade (AA Universitária/Concórdia-SC), Deonise Fachinello Cavaleiro (Hypo Nö-Áustria), Juliana Malta Varela de Araújo (Metodista/São Bernardo-SP) e Patrícia Batista da Silva (Toulon-França).

Centrais – Ana Paula Rodrigues Belo (Hypo Nö-Áustria), Deborah Hannah Pontes Nunes (Metodista/São Bernardo-SP) e Francielle Gomes da Rocha (ACD/Estrela de Guarulhos-SP).

Pivôs – Daniela de Oliveira Piedade (Rokometni Klub Krim-Eslovênia), Débora Rodrigues Feitoza (Metodista/São Bernardo-SP) e Fabiana Carvalho Diniz (Hypo Nö-Áustria).

Comissão técnica
Técnico: Morten Soubak
Assistente: Alex Aprile
Fisioterapeuta: Marina Gonçalves Calister
Nutricionista: Júlia do Valle Bargieri
Psicóloga: Alessandra dos Santos Dutra
Supervisora: Rita Orsi
Diretor de Seleções: Vitor Martinez

Programação
Horário de Brasília
* Os horários poderão sofrer alterações

Sábado (1º)
México 36 x 16 Costa Rica
Argentina 37 x 14 Canadá
Brasil 44 x 10 Estados Unidos
Venezuela 30 x 35 Paraguai

Domingo (2)
Canadá 25 x 31 Uruguai
Estados Unidos 11 x 27 República Dominicana
Paraguai 10 x 32 Argentina
Brasil 59 x 7 Costa Rica

Segunda-feira (3)
Canadá 23 x 28 Paraguai
Uruguai 36 x 34 Venezuela
República Dominicana 27 x 26 México
Estados Unidos 30 x 13 Costa Rica

Terça-feira (4)
Paraguai 24 x 23 Uruguai
Venezuela 20 x 38 Argentina
Costa Rica 15 x 39 República Dominicana
Brasil 48 x 18 México

Quarta-feira (5)
Venezuela 31 x 27 Canadá
México 30 x 23 Estados Unidos
Brasil 37 x 22 República Dominicana
Argentina 29 x 19 Uruguai

Sexta-feira (7)
Costa Rica x Canadá
México x Venezuela
Uruguai x Estados Unidos
Brasil x Paraguai
Argentina x República Dominicana

Sábado (8)
Finais

Fonte: Esporte Cultura

Pernambuco na elite do handebol

Representar o Brasil é uma honra para qualquer atleta. Ser constantemente chamado para a seleção brasileira, significa ter a confiança do técnico. No handebol feminino adulto, três pernambucanas vivem esta fase de sucesso em suas carreiras: a ponta-esquerda Samira Rocha (Zvezda Zvenigorod-RUS), a armadora esquerda Juliana Malta e a central Deborah Hannah (ambas do Metodista/São Bernardo-SP).

Todas figuram entre as 21 atletas recém-convocadas pelo técnico dinamarquês Morten Soubak. Elas participarão de treinos pelo grupo canarinho e disputarão dois amistosos contra a Áustria, como parte da preparação para o Pan-Americano, agendado para o intervalo entre os dias 1º e 8 de junho, na República Dominicana. Primeiro, a seleção encara as europeias no dia 25 de maio, em Cabo Frio, no Rio de Janeiro. Três dias depois, as equipes voltam a se enfrentar, em Vitória, capital capixaba.

As atletas terão pela frente o desafio de manter o alto nível, para continuarem no grupo que disputará o Campeonato Pan-Americano, que classifica o campeão para o Mundial da modalidade. Após as avaliações do treinador, 16 jogadoras serão selecionadas para seguir no elenco verde-amarelo. No torneio continental, o Brasil caiu na chave da anfitriã República Dominicana, Costa Rica, Estados Unidos e México.

Fonte: Fernando Sposito

Liga francesa de handebol renova patrocínio

Da Máquina do Esporte, São Paulo – SP
A liga francesa de handebol (LNH, na sigla em francês) renovou contrato com a companhia aérea Tunisair. A empresa permanecerá por pelo menos três anos entre os patrocinadores da competição nacional. 

A cota da Tunisair, que é oriunda da Tunísia, é a de companhia aérea oficial. O acordo envolve publicidade estática e espaços promocionais em todos os jogos da LNH, que também terá direito a assentos nos voos da companhia. O valor do negócio é mantido em sigilo. 

A parceria também inclui um torneio dos campeões organizado pela LNH. As próximas três edições do evento serão realizadas na Tunísia, e a competição de 2013 está prevista para setembro. 

A Tunisair ainda patrocina a federação francesa de handebol. “Esse novo contrato é mais um degrau na linda aventura que nós decidimos viver”, discursou Philippe Bernart-Salles, presidente da LNH.

Piauí disputa hoje a final do Nordestão de handebol

Por Neyla do Rego Monteiro

Seleção Piauiense disputa a final contra os donos da casa. (Foto: Divulgação)

A Seleção Piauiense masculina de handebol continua a busca por mais um título na Copa Nordeste Cadete de Seleções. O time comandando pelo técnico Giuliano Ramos conquistou uma vaga na final ao derrotar ontem (25), a Paraíba por 28 a 21 (14 a 10 no primeiro tempo).

O Piauí tentará o terceiro título na competição, já tendo conquistado em 2010 e 2011. O adversário dessa edição será o Ceará que derrotou o Rio Grande do Norte por 29 a 26 (13 a 10 no primeiro tempo).

Ontem ainda tivemos a Seleção de Pernambuco vencendo a Bahia por 25 a 15 para decidir quem ira disputar o quinto lugar com o Maranhão. O resultado faz os baianos terminarem a disputa na sétima e última colocação.

No feminino, não deu para o Piauí. Em um jogo difícil em que o time pouco saiu da marcação e mal conseguia chegar ao ataque, a equipe piauiense foi derrotada pela –Paraíba por 17 a 7 (6 a 2 no primeiro tempo).

No outro jogo, Pernambuco derrotou Rio Grande do Norte por 23 a 14 (11 a 7 no primeiro tempo) e irá disputar a final diante das paraibanas. Na chance de disputar o quinto lugar, o Maranhão passou pela Bahia por 31 a 18 e enfrentar o Ceará pela quinta colocação. Os jogos das finais acontecem hoje a tarde, assim como a disputa da terceira a quinta colocação.

Invicta, seleção brasileira conquista o Sul-Americano feminino de handebol

É campeã! No jogo mais difícil no Sul-Americano feminino de handebol, a seleção brasileira venceu a Argentina por 37 a 23 (20 a 5 no primeiro tempo) e conquistou o primeiro título neste novo ciclo olímpico sob comando do dinamarquês Morten Soubak.

– Viemos com uma equipe com atletas mais jovens, algumas delas atuando no Brasil e que ainda não estrearam nesta temporada, e posso afirmar que elas deram o máximo. O nosso desafio era integrá-las e conseguimos fazer isso – disse o treinador

Para a ponteira Alexandra Nascimento, eleita melhor atleta da modalidade em 2012, o campeonato é mais uma prova da força do handebol brasileiro.

– Estou muito feliz por ter vencido e por saber que esse título é mais uma conquista do handebol brasileiro. Para mim, foi gratificante ver novas atletas em quadra defendendo o Brasil e vê-las integradas com as mais experientes. É muito importante que elas tenham participado de um Sul-Americano – disse.

O Sul-Americano foi disputado na cidade argentina de Mar del Plata e contou com a participação de quatro equipes do continente, além da anfitriã Argentina e do Brasil: Uruguai, Chile, Paraguai e Venezuela. A competição classificou quatro seleções para o Pan-Americano da modalidade, que será realizado em junho, na República Dominicana, e que serve de eliminatória para o Mundial, marcado para dezembro, na Sérvia.

Lancepress!

Primeira seleção escolar de handebol é convocada em torneio estudantil

De olho em uma renocação do handebol brasileiro, foi realizada uma iniciativa pioneira nas Olimpíadas Escolares, para atletas de 15 a 17 anos, em Cuiabá (MT). Os técnicos das seleções brasileiras principais, o espanhol Jordi Ribera, do time masculino, e o dinamarquês Morten Soubak, do feminino, convocaram 16 meninos e 16 meninas, além de seis técnicos (três de cada naipe) para formar a primeira seleção escolar da modalidade. Os escolhidos vão passar um período de treinos no ano que vem, ainda sem data e local definidos. O anúncio do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), em parceria com a Confederação Brasileira de Handebol (CBHb), foi anunciado na noite do último sábado, no Centro de Eventos Pantanal.

Campeã da etapa nacional vestindo a camisa do Colégio Castro Alves (ES) e medalhista de prata no Mundial Escolar, Renata Cruz celebra a nova chance com a amarelinha.

– Este foi o melhor ano da minha vida. Treinei duro desde janeiro, durante quatro horas por dia, mas o esforço foi recompensado com medalhas. Fomos campeãs das Olimpíadas Escolares e do Brasileiro de Clubes e prata no Mundial Escolar, quando perdemos de 23 a 20 para a França. Joguei bem o campeonato inteiro, na Croácia, mas a final foi horrível para mim, não conseguia fazer nada e até hoje sinto um peso. No fundo, acho que faltou acreditar que seria possível vencer. Agora, quero me redimir – contou a paulista radicada no Espírito Santo, que ainda disputou o Mundial sub-18, em Montenegro, terminando na 12ª colocação.

Com os olhos marejados e visivelmente emocionada, Vaneide Souza, da pequena cidade de Rondon do Pará, a cerca de 500 quilômetros de Belém, não esperava ser convocada porque vive no interior. A aluna do Instituto Teorema. de 16 anos, destacou que a visibilidade da competição foi fundamental para ela fosse descoberta.

– Eu costumo disputar campeonatos no interior do Pará, não imaginava que um técnico da seleção me visse tão cedo e logo no meio de tantos atletas bons. Batalhei muito para chegar até aqui, mas não seria absolutamente nada sem as meninas do meu time. É uma grande emoção receber essa notícia, não estou nem acreditando – disse a jovem, que não vê a hora de estar ao lado de Morten Soubak, eleito o segundo melhor treinador do mundo.

Seleção masculina de handebol escolar nas Olimpíadas Escolares em Cuiabá (Foto: Heuler Andrey/AGIF/COB)
Meninos que formam a primeira seleção escolar posam para a foto (Foto: Heuler Andrey/AGIF/COB)

O carioca Lucas Pinheiro, do Santa Mônica Centro Educacional, comemorou a novidade e disse que vai manter a sua estratégia de jogo nos treinos da seleção.

– Sempre tenho em mente o objetivo de jogar toda a partida como se fosse a última, dou o meu sangue dentro de quadra – revelou.

Determinado, o jovem de 16 anos tem uma rotina intensa. Todos os dias, acorda às 5h, sai de casa, na Ilha do Governador, e vai à escola, no bairro de Cascadura, em um longo trajeto de uma hora e meia de ônibus, voltando apenas às 21h, após o período de treinamento. Assim como os amigos Rodrigo Remédios e Gabriel Oliveira, que também foram selecionados pelo técnico Jordi Ribera, Lucas se encantou com o handebol nas aulas de educação física e deu os primeiros passos na carreira na escolinha da Beija-Flor, que tem uma parceria com o Santa Mônica.

Confira a lista dos 32 atletas convocados para a seleção:

Masculino

Sabio Dias Gomes – Colégio Castro Alves (ES)
Isaque Ponte Costa – Colégio Vinicius de Moraes (MT)
Rodrigo Siqueira dos Remédios – Santa Monica Cascadura (RJ)
Marlon Maciel – EEM Prof. Roberto Grant (SC)
Douglas dos Santos Lagermann – Colégio Vinicius de Moraes (MT)
Pedro Henrique Rodrigues Martins – Colégio Londrinense (PR)
Lucas Nunes Lameida – Colégio Castro Alves (ES)
Otacilio Lima de Lira Neto – Colégio Castro Alves (ES)
Lucas Castro Tenório Brito – Upaon-Açu (MA)
Gustavo Salvador da Silva – Colégio Londrinense (PR)
Felipe Bastos de Oliveira – Colégio Londrinense (PR)
Lucas Pinheiro do Nascimento – Santa Monica Cascadura (RJ)
Patrick André Toniazzo Lemos – Colégio Vinicius de Moraes (MT)
Rinaldo Guimarães de Lima Junior – Colégio Anglo Líder (PE)
Gabriel Oliveira dos Santos Gondim – Santa Monica Cascadura (RJ)
Sivestre Manoel da Silva – CAIC Balduino B. de Deus (PI)

Feminino:

Renata Gomes – Centro Educacional 06 Ceilandia (DF)
Enila Beikesmock – Colégio Abaco (SP)
Cecília Marinho – Colégio Anglo Lider (PE)
Ana Silva – Colégio Castro Alves (ES)
Talita Carneiro – Colégio Castro Alves (ES)
Renata Cruz – Colégio Castro Alves (ES)
Ana Borba – Colégio Castro Alves (ES)
Debora Chaparro – Colégio da Polícia Militar de Goiás Carlos Cunha Filho (GO)
Karolynne Crespo – Colégio de Aplicação Paulo Gissoni (RJ)
Jessica Costa – Colégio de Aplicação Paulo Gissoni (RJ)
Nadyne Morcinek – Colégio de Aplicação Paulo Gissoni (RJ)
Veniele Silva – Colégio Jemina Gois (CE)
Maite Dias – Escola Albatroz (RS)
Juliana Lima – Escola Albatroz (RS)
Elaine Souza – Instituto Teorema (PA)
Vaneide Souza – Instituto Teorema (PA)

globo.com