Peru 2019

Bruna Wurts conquista a medalha de ouro na patinação artística

A carioca Bruna Wurts conquistou neste sábado, dia 27, a medalha de ouro na disputa feminina da patinação artística, nos Jogos Pan-americanos Lima 2019. Bruna fez 66,47 pontos no programa longo, realizado neste sábado, superando a argentina Giselle Soler (53,62), que havia terminado em primeiro no programa curto, na sexta-feira. Entre os homens, Gustavo Casado também fez uma boa apresentação e garantiu a medalha de bronze.

Este foi o primeiro ouro da patinação artística feminina do Brasil em Jogos Pan-americanos. No total de pontos, Bruna somou 103,17, contra 92,15 da argentina, que ficou com a prata, e 70,68 pontos da equatoriana Eduarda Fuentes, que terminou com o bronze.

“É uma sensação que não tem como descrever. Desde pequena sempre quis me dedicar à patinação e às competições. Foi tanto tempo de dedicação e coisas que deixei de fazer para ir treinar, preparação física, dieta, mas tudo valeu a pena”, declarou Bruna.

Bruna começou a patinar aos 3 anos de idade, e aos 11 (em 2011) conquistou seu primeiro título, no Sul-americano de patinação artística. No mesmo ano se mudou para Madri, na Espanha, onde morou por dois anos. Atualmente, treina em Barcelona, onde vive desde 2015.

Fonte: COB

Talisca Reis e Paulo Ricardo faturam prata e bronze no taekwondo em Lima

O Brasil começou bem a disputa do taekwondo nos Jogos Pan-americanos de Lima, no Peru. Neste sábado (dia 27), Talisca Reis (até 49kg) e Paulo Ricardo (até 58kg) conquistaram as medalhas de prata e bronze, respectivamente, no Ginásio Desportivo de Callao. Neste domingo (dia 28), a competição continua na capital peruana. Lutam pelo país, Edival Pontes (até 68kg) e Rafaela Araújo (até 57kg).

Neste sábado, Talisca iniciou a competição nas quartas de final. Ela derrotou a americana Monique Rodriguez, por 29 a 21. Na semifinal, a brasileira encarou a colombiana Andrea Ramirez. O combate foi duro, com vitória de Talisca por 3 a 1. Na final, a brasileira acabou superada pela mexicana Daniela Souza, num combate equilibrado, por 4 a 2.

“Estou bem contente por essa medalha, por trazê-la para o Brasil. Estamos mostrando que o taekwondo brasileiro pode ser uma potência mundial e que pode fazer bonito nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Estou muito feliz por ter chegado na final logo no meu primeiro Pan. Foram lutas difíceis, poderia ter conquistado o ouro, mas estou feliz com a prata”, disse Talisca.

No masculino, Paulo Ricardo, bronze no Mundial deste ano, também começou a competição nas quartas de final. Ele derrotou Heiner Oviedo, da Costa Rica, por 30 a 10. Nas semifinais, porém, acabou superado pelo argentino Lucas Guzman, por 7 a 6. Na disputa pela medalha de bronze, ele venceu o colombiano Jeferson Ochoa, por 13 a 11.

“Estou bastante feliz, tive uma luta acirrada na disputa pelo bronze, mas consegui a vitória. Por um detalhe acabei derrotado na semifinal. Mas esse bronze me deu pontos importantes para o ranking olímpico e tenho mais competições este ano para seguir na caminhada em busca da vaga em Tóquio”, afirmou o brasileiro.

Programação:

Domingo (28 de julho):

16h10 – Preliminar masculino (até 68kg) e feminino (até 57kg)
18h30 – Repescagem e semifinais masculino (até 68kg) e feminino (até 57kg)
20h10 – Finais masculino (até 68kg) e feminino (até 57kg)

Segunda-feira (29 de julho):

11h – Preliminar masculino (até 80kg e acima de 80kg) e feminino (até 67kg e acima de 67kg)
16h30 – Semifinais masculino (até 80kg e acima de 80kg) e feminino (até 67kg e acima de 67kg)
19h50 – Finais masculino (até 80kg e acima de 80kg) e feminino (até 67kg e acima de 67kg)

*Horários de Brasília

Fonte: COB

Brasil é bronze por equipes na ginástica artística e alcança sete finais por aparelho

A seleção brasileira feminina de ginástica conquistou na noite deste sábado, 27 de julho, a medalha de bronze na disputa por equipes, com 158.550 pontos, atrás somente de Estados Unidos (171.000) e Canadá (160.600). De quebra, o Time Brasil ainda brigará por outras sete medalhas na segunda-feira, 29.

Sem Jade Barbosa, preservada para o Mundial de Stuttgart (Alemanha), que é classificatório olímpico, a equipe brasileira foi formada por Flávia Saraiva, Carolyne Pedro, Thais Fidelis e Lorrane Oliveira (competiu somente nas barras assimétricas).

O Brasil iniciou sua rotação no salto (41.500). Depois, nas barras assimétricas (40.100), a equipe brasileira teve como destaques Lorrane (14.000) e Carolyne (13.150), ambas classificadas para a final. Na trave (37.050), apesar de uma queda, Flavinha se colocou entre as oito melhores: 12.900. E, por fim, o solo (39.900) reservou belas apresentações de Flavinha e Thais, que asseguraram seus lugares na final do aparelho e do individual geral.

Neste domingo, 27, enquanto as meninas descansam, é a vez dos homens disputarem a final por equipes. O time brasileiro é formado por Arthur Zanetti, Arthur Nory, Francisco Barretto, Caio Souza e Luis Guilherme Porto.

Desempenho do Brasil por aparelhos:
Salto: 41.500
Barras assimétricas: 40.100
Trave: 37.050
Solo: 39.900

Barras assimétricas
Lorrane Oliveira – 4° lugar (14.000)
Carolyne Pedro – 6° lugar (13.150)

Trave
Flávia Saraiva – 6° lugar (12.900)

Solo
Flávia Saraiva – 3° lugar (13.800)
Thais Fidelis – 6° lugar (13.300)

Individual geral
Flávia Saraiva
Thais Fidelis

Fonte: COB

Julio Almeida conquista o bronze em Lima e fica a uma posição da vaga olímpica no tiro esportivo

Numa disputa emocionante, decidida nos últimos disparos, o brasileiro Julio Almeida conquistou sua sétima medalha em Jogos Pan-americanos. O bronze na pistola de ar de 10m teve sabor ambíguo para o brasileiro que trouxe medalhas em todos os cinco Pans que disputou na carreira. Apesar do pódio, Julio ficou a apenas uma posição da vaga olímpica para Tóquio, conquistada pelo cubano Jorge Grau, medalha de ouro, e pelo americano Nickolaus Mowrer, prata.

Julio liderava a disputa até o 20º dos 24 tiros, mas nos dois disparos seguintes foi ultrapassado por seus principais concorrentes. No fim, o brasileiro terminou a final com 217.3 pontos contra 237.3 do cubano e 236.7 do americano. “Pela medalha estou muito contente. É muito difícil, só três ganham, mas perder a vaga olímpica no último tiro… Nesse ponto não estou muito contente. Bola pra frente”, disse Julio, emocionado, que também descreveu os momentos decisivo da prova. “Treinei diversas vezes a situação de final, mas não dá pra simular a tensão que é estar ali. A emoção de estar disputando é diferente. Nos últimos tiros a mão já está tremendo. Em uma fração de segundos que eu acelerei o disparo, joguei os dois últimos pra esquerda”.

Uma das maiores referências do país na modalidade, Júlio Almeida tem no currículo cinco medalhas em Jogos Pan-americanos. Nesta mesma categoria, Júlio Almeida, de 49 anos, já tinha sido bronze no Pan de Guadalajara 2011 e prata no Pan do Rio 2007. Em Toronto 2015, ele foi outro na pistola livre 50m, mesma categoria na qual foi bronze em Guadalajara 2011. E ainda foi prata no individual e também por equipe na pistola de fogo central em Mar del Plata 1995.

“Eu vim a cinco Pans e ganhei medalha em todos. Isso é uma alegria. Foi bem bacana, mas infelizmente a vaga olímpica não veio e vamos brigar para o que nos resta”, afirmou Julio, que ainda participará da pistola de armista em Lima, ao lado de Thaís Moura.

O Pan de 2019 pode ser o último da carreira de Júlio, que completa 50 anos no mês que vem. Com “Provavelmente é meu último. Ainda não estou 100% decidido, mas dificilmente vou enfrentar mais um ciclo olímpico. É muito cansativo e vou direcionar minha vida para outras coisas. Posso mudar de ideia mais pra frente, mas hoje minha ideia é depois dos Jogos Olímpicos ou, eu não me classificando, após a Copa do Mundo do ano que vem, diminuir os treinos e ver o que vou fazer daqui pra frente”, projetou o carioca.

Outro brasileiro na final, Phelipe Chateubirand ficou na sexta colocação em sua estreia em Jogos Pan-americanos. “Essa classificação pra final foi muito importante para mim, que sou o novato da equipe. Só tenho dois anos na seleção e foi uma vitória muito grande. Agora é continuar trabalhando para conseguir alcançar o lugar mais alto do pódio”, comentou Phelipe, que destacou ainda a importância de Julio Almeida para a equipe. “Ele é uma referência e aprendo muito. Ele me passa experiência e ensinamentos muito bons”, destacou

A vaga olímpica ainda é um sonho possível para o Brasil. Serão duas chances, uma na etapa da Copa do Mundo, no Rio de Janeiro, que dará mais duas vagas, e pelo ranking mundial, para apenas um atleta de um país que ainda não esteja classificado. Além de Julio e Phelipe, o medalhista olímpico Felipe Wu, que não se classificou para Lima, são os atletas com mais chances de concorrer a uma vaga.

Fonte: COB

Edival Marques conquista a medalha de ouro no taekwondo

O domingo (dia 28) foi dourado para o taekwondo brasileiro nos Jogos Pan-americanos de Lima. No Ginásio Desportivo de Callao, o lutador Edival Pontes (até 68kg) subiu no topo do pódio após uma final emocionante na capital peruana. O resultado de Netinho, como é conhecido, quebrou um jejum de 12 anos da modalidade no evento esportivo. A última medalha de ouro do taekwondo brasileiro nos Jogos Pan-americanos havia sido conquistada por Diogo Silva, no Rio de Janeiro, em 2007.

“Eu era pequeno quanto o Diogo ganhou a medalha. Meu pai queria que eu fosse jogador de futebol, mas acabei virando atleta do taekwondo. E hoje sou campeão dos Jogos Pan-americanos. Estou muito feliz. Ganhei 40 pontos no ranking olímpico e isso vai me ajudar muito na caminhada rumo aos Jogos de Tóquio 2020”, disse o atleta de 21 anos, campeão mundial juvenil e dos Jogos Olímpicos da Juventude Nanquim, ambos em 2014.

Netinho começou a competição em Lima nas quartas de final. Ele não teve dificuldade para derrotar Juan Soto, da Costa Rica, por 30 a 17. Na semifinal, ele encarou o chileno Ignacio Morales e também venceu com certa tranquilidade, por 18 a 7. Na disputa do ouro, um duelo duro com o dominicano Bernardo Pie.
O brasileiro venceu o primeiro round por 2 a 1.  No segundo, porém, o dominicano reagiu e fez 11 a 5. Mas Netinho manteve o foco e a tranquilidade para conquistar a tão sonhada medalha de ouro com uma vitória, por 17 a 14. “Nas duas primeiras lutas eu fui muito bem. Na final, depois do segundo round, coisa ficou meio turbulenta, mas meu treinador me deu uma acalmada, fui para cima no terceiro e venci”, finalizou.

No feminino, na categoria até 57kg, Rafaela Araújo acabou derrotada nas oitavas de final pela equatoriana Mell Mina, por 10 a 5. Mas como sua algoz acabou eliminada no combate seguinte, a brasileira não teve a oportunidade de voltar para a disputa na repescagem para tentar a medalha de bronze.
Além do ouro de Netinho, o Brasil já soma duas outras medalhas no taekwondo em Lima. No sábado (dia 27), Talisca Reis (até 49kg), namorada de Netinho, faturou a medalha de prata. E Paulo Ricardo (até 58kg) ficou com o bronze.

O Brasil encerra sua participação no taekwondo nos Jogos Pan-americanos nesta segunda-feira (dia 29). Lutam Maicon Andrade (acima de 80kg) e Ícaro Miguel (até 80kg), no masculino, e Milena Titoneli (até 67kg) e Raiany Fidelis (acima de 67kg), no feminino.

Programação:
Segunda-feira (29 de julho):
11h – Preliminar masculino (até 80kg e acima de 80kg) e feminino (até 67kg e acima de 67kg)
16h30 – Semifinais masculino (até 80kg e acima de 80kg) e feminino (até 67kg e acima de 67kg)
19h50 – Finais masculino (até 80kg e acima de 80kg) e feminino (até 67kg e acima de 67kg)
*Horários de Brasília

Fonte:Cob

Após 4h30 de espera, Brasil é ouro por equipes na ginástica artística masculina

Foram necessárias quatro horas e meia para saber o resultado final, mas a espera valeu a pena. Após liderar a subdivisão 1, tendo somado 250.450 pontos, a equipe brasileira voltou à Vila Pan-americana e aguardou o término da sessão noturna, com os países da subdivisão 2, para enfim comemorar: medalha de ouro, repetindo Guadalajara 2011.

“Estávamos bastante apreensivos. No último aparelho, acompanhamos fazendo conta. Estamos muito felizes, com a sensação de dever cumprido”, disse Arthur Nory, referindo-se à disputa acirrada com os Estados Unidos, que terminou com a prata: 249.400.

“A competição por equipe é mais divertida, é mais gostosa. Nosso objetivo nos Jogos Pan-americanos era conquistar um bom resultado por equipes”, complementou Arthur Zanetti.

O Brasil iniciou sua rotação nas paralelas (43.150), comandado por Caio Souza (14.850), e depois chegou à barra fixa (42.300), onde um problema no aparelho obrigou Arthur Nory a se apresentar uma segunda vez. O medalhista olímpico manteve a concentração e fez a maior nota do dia: 14.400. No solo (40.850), Nory voltar a puxar a equipe brasileira e obteve a melhor nota: 13.750.

No cavalo com alças, o pior desempenho da equipe: 38.750, ainda que Francisco Barretto tenha somado 13.950. Porém, logo depois, as argolas colocaram o Brasil novamente no rumo: 42.050. Zanetti avançou à final com a melhor nota: 15.000. Por fim, o salto (40.850) ainda reservou uma bela apresentação do estreante Luis Guilherme Porto: 14.300.

Além da medalha de ouro, o Brasil ainda se classificou para 12 finais individuais. Nory está em quatro: solo, paralelas, barra fixa e individual geral; Caio Souza brigará por outras três medalhas: nas argolas, nas paralelas e no individual geral; Zanetti, além das argolas, briga por uma medalha no solo; Barretto também está em duas: cavalo com alças e barra fixa; e, finalmente, Luis Porto disputará a final do salto.

Nesta segunda-feira, 29 de julho, Nory e Caio já terão pela frente as disputas do individual geral, a partir das 20h (horário de Brasília). Mas antes disso, às 15h, tem Flávia Saraiva e Thais Fidelis na mesma prova.

Desempenho do Brasil por aparelhos

Barras paralelas: 43.150

Barra fixa: 42.300

Solo: 40.850

Cavalo com alças: 38.750

Argolas: 42.050

Salto: 43.350

Fonte: COB

Isaquias Queiroz conquista a medalha de ouro no C1 1000 da canoagem velocidade

O baiano Isaquias Queiroz conquistou na manhã desta segunda-feira, dia 29, em Lima, a medalha de ouro na prova do C1 1000 da canoagem velocidade, em Huacho. Dono de três medalhas olímpicas nos Jogos Rio 2016, Isaquias era o favorito para a vitória e não teve dificuldade para superar os adversários. Mais do que isso, o brasileiro terminou a prova e seguiu direto para treinar, de olho no Mundial da modalidade, que acontece em agosto, na Hungria.

Isaquias completou o percurso em 3m47s631, seguido pelo cubano Fernando Jorge (+0,943), que ficou com a prata, e pelo canadense Drew Hodges (+10,823). “A prova foi boa. Demorei para sair um pouquinho, e o cubano chegou perto nos 500m. Ele achou que podia se dar melhor e apertou o ritmo como um louco. Eu fui mantendo, controlando com um bico atrás. Faltando 300 eu subi um pouco mais e ele sentiu o cansaço e foi ficando para trás. Daí para frente eu só controlei a prova. Fui bem devagar, com remadas bem baixas, para não mostrar tudo que eu posso no Mundial, e garanti o ouro. Tô animado. Queria sair mais feliz com o que estávamos programado, mas esporte é assim mesmo. Às vezes você ganha, às vezes perde. Agora é voltar para o Brasil, focar no Mundial e depois nos Jogos Olímpicos”, ressaltou Isaquias.

Mais cedo, na disputa do K1 1000, Vagner Souta garantiu a medalha de bronze também na canoagem velocidade. O ouro ficou com o argentino Agustin Vernice e a prata com o canadense Marshall Hughes. O Brasil ainda conquistou outro bronze, desta vez no K1 500 feminino, com Ana Paula Vergutz. O ouro na prova ficou com a mexicana Beatriz Briones, e a prata com a canadense Andréanne Langlois.

Fonte: COB

Brasil é ouro no revezamento misto do triatlo nos Jogos Pan-americanos

O triatlo brasileiro conquistou mais um ouro para o Time Brasil no triatlo nos Jogos Pan-americanos Lima 2019. Luisa Baptista, Vittoria Lopes, Manoel Messias e Kaue Willy levaram o título, ao superar o Canadá e o México, prata e bronze respectivamente, ao completar a prova com 1h20m31s.

“Mais do que amigos, somos uma família. Temos treinado juntos muito bem. Isso fortalece muito nosso trabalho. Apesar do triatlo ser um esporte individual, esse grupo faz com que a gente seja mais forte. Temos um time muito unido, integrado. Temos características muito boas. É uma equipe muito completa”, destacou Luisa.

Essa foi a quarta medalha do triatlo em Lima, melhor desempenho da história da modalidade em Pans. Luisa Baptista e Vittoria Lopes fizeram uma dobradinha de ouro e prata na competição feminina, as primeiras medalhas do Brasil na competição, enquanto Manoel Messias conquistou uma prata na prova masculina.

“Estou muito feliz de fazer parte desse momento do triatlo brasileiro. Sabia que no revezamento teríamos uma ótima oportunidade de ganhar mais uma medalha. Fico muito feliz de sair com essa medalha. Somos a nova geração do triatlo brasileiro, mas também não podemos esquecer das antigas. Sem eles a gente não estaria aqui”, reconheceu Kauê.

Fonte: COB

Revezamento feminino do pentatlo moderno é bronze nos Jogos Pan-americanos Lima 2019

Nada como um dia após o outro. Depois de não conseguirem a classificação para os Jogos Olímpicos Tóquio 2020 no último sábado (27), esta segunda-feira (29) foi dia de redenção e alívio para Isabela Abreu e Priscila Oliveira. A dupla conseguiu a medalha de bronze no revezamento feminino do pentatlo moderno, uma conquista inédita para o Brasil.

“Nossa competição foi muito boa. A gente fez a melhor esgrima, fiz bons tempos na natação, no hipismo estava um percurso muito difícil ficamos em terceiro. Na corrida, largarmos na frente, mas as meninas correram melhor e vamos levar essa medalha lindona pra casa”, disse Isabela Abreu.

Mas não foi fácil. As disputas duraram o dia todo na Escola Militar de Chorrilos e a certeza da medalha só veio na laser run, etapa que fecha o triatlo e mistura corrida e tiro.

“Estamos muito felizes, porque competimos o dia todo. A competição começou às sete da manhã e acabou às quatro e meia da tarde. E eu só tive a sensação de que íamos levar a medalha pra casa no finalzinho. Não me pressionei, competi muito tranquila e o resultado veio naturalmente”, analisou Priscila.

O revezamento masculino, formado por Felipe Nascimento e Danilo Fagundes, ficou muito próximo do pódio, terminando na quarta colocação por apenas quatro segundos de diferença para os medalhistas de bronze.

Mas as comemorações dos atletas do pentatlo nos Jogos Pan-americanos começaram no sábado quando Ieda Guimarães acabou a prova individual na quarta colocação e, por ser a melhor sul-americana na prova, garantiu a vaga dela em Tóquio.

Nesta terça (30), o Brasil tem mais uma chance de medalha. Ieda Guimarães e Felipe Nascimento disputam o revezamento misto a partir das sete da manhã, no horário de Brasília.

Fonte: COB

Hipismo adestramento é bronze no Pan de Lima e garante presença para Tóquio 2020

O Brasil manteve o desempenho do primeiro dia de disputas nos Jogos Pan-americanos Lima 2019, realizado no Club Hípico Militar, em La Molina, Lima, e terminou a competição na terceira colocação, garantindo a vaga nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020.

“Foi muito importante poder ajudar a equipe nessa conquista da medalha de bronze e vaga olímpica”, declarou João Paulo dos Santos, 36, que também integrou a equipe de bronze no Pan 2015 e está no Adestramento há apenas 10 anos.

A equipe formada por João Paulo dos Santos / Carthago Comando SN, João Victor Oliva / Biso das Lezírias, Leandro Silva / Dicaprio e Pedro Tavares de Almeida / Aoleo  totalizou 408.696%.

Em 1º lugar ficou o Canadá com 440.111% e em segundo os EUA com 437.791%. Mas como os americanos já estavam classificados para os Jogos Olímpicos do ano que vem pela prata nos Jogos Equestres Mundiais 2018, as vagas em Tóquio ficaram com o Canadá e com o Brasil. O México ficou em quarto com 403.638% e a Colômbia em quinto com 397.588%.

 Para Sandra Smith de Oliveira Martins, chefe da equipe medalha de bronze, “o grande objetivo foi cumprido. Trabalhamos com um grupo muito bom e unido. Agora tem a final individual e já estamos em planejamento para Toquio 2020.” Nos Jogos Olímpicos as equipes serão formadas por três conjuntos de Grand Prix.

A final individual acontece na 4ª feira, 31/7.

Resultados Adestramento

Ouro Canadá – 219,824% – (total 2 dias) – 440.111%

Lindsay Kellok / Florantina –  73,147%

Irwin Tina / Laurencio – 73,853%

Naima Moreira Laliberte / Statesman – 73,287%

Jill Elizabeth I / Degas 12 – 67,851

 Prata EUA – 219,970% – (total 2 dias) – 437,791%

Nora Batcheler / Faro SQF – 71,529%

Jennifer Baumert /  Handsome – 70,380%

Sarah Lockman / First Apple – 75,912%

Bronze Brasil – 204,473% – (total 2 dias) – 408,791%

João Paulo Santos / Carthago Comando SN- 69,265%

João Victor Oliva / Biso das Lezírias – 65,029%

Leandro Aparecido da Silva / Dicaprio – 67,798%

Pedro Tavares de Almeida / Aoleo – 67,160%

4º México – (total 2 dias) – 403,638%

5º Colombia –  (total 2 dias)- 397,588%

6º Peru – (total 2 dias) – 367,912%