Natação

Sport e Náutico iniciam disputa pelo título do Pernambucano nesta quarta-feira

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Autor: Thiago Wagner

Agora vale título. Quando Sport e Náutico entrarem em campo na noite desta quarta-feira, às 22h, mais do que a centenária rivalidade estará em jogo. A taça do Pernambucano começa a ser disputada em um duelo de 180 minutos. O primeiro jogo será na Ilha do Retiro, enquanto a volta será na Arena Pernambuco, na semana que vem. Ao vencedor do confronto, a glória de colocar mais um troféu na história. Esta será o 17º final do Estadual entre as duas equipes. O Leão tem a vantagem no retrospecto com 10 títulos contra seis do Timbu. No ano, porém, os alvirrubros estão levando a melhor com três vitórias e apenas um derrota.

Pelo lado do Sport haja fôlego para aguentar as decisões que o time está enfrentando neste mês de abril. Até agora foram duas partidas pelas semifinais do Pernambucano e mais duas pela decisão da Copa do Nordeste. Agora pela frente, a final diante do Alvirrubro. Para este duelo, o time não tem nenhuma baixa para o clássico, e só não chega a ter 100 por cento do elenco à disposição, porque o volante Anderson Pedra ainda se recupera da cirurgia no joelho, mas a sua volta está cada vez mais perto. Ter praticamente todo time apto a jogar é um privilégio para Eduardo Baptista, como também o resultado de um planejamento bem preparado no início da temporada, quando ainda era o preparador físico do clube. “Estou feliz pelo planejamento que fizemos no início da temporada e agora está dando certo. Sabíamos que seria difícil por conta dos campeonatos que iríamos disputar, por isso, méritos de todos por ter chegado aqui com 99 por cento dos jogadores para utilizar nesta final”, comentou.

Eduardo Baptista tem dúvidas no ataque. Foto: Ricardo Labastier/JC Imagem

Eduardo Baptista tem dúvidas no ataque. Foto: Ricardo Labastier/JC Imagem

Apesar de ter todo o elenco à disposição, o técnico rubro-negro não definiu o time. A interrogação é saber quem entra no setor esquerdo de ataque. Com a volta de Ananias, ele terá que decidir se fica com o recém-recuperado ou se mantém Wendel na vaga. Quem também corre por fora é Renan Oliveira, que caso seja o dono da vaga, deixará a equipe com maior poder de criação no meio de campo. “O Ananias é importante, está voltando de lesão. Mas também temos o Renan e o Wendel que vem fazendo muito bem a função. Essa é a minha dúvida para o jogo”, declarou Baptista. No mais o time será o mesmo que atuou contra o Santa Cruz.

O Náutico está engasgado na garganta dos rubro-negros por causa da vantagem nos confrontos diretos neste ano. Além disso, há na memória as duas derrotas em casa. Como o primeiro jogo da final será na Ilha do Retiro, todo cuidado é pouco para não repetir o terceiro jogo sem vitória no próprio domínio. “Temos que mudar algumas coisas que erramos nas outras duas vezes. É uma final onde todos querem o título por isso vamos nos entregar bastante para vencer”, afirmou o lateral-direito Patric.

Quem também aclama por mudança de atitude em campo é o volante Ewerton Páscoa, que afirmou que o time está com o sinal de alerta ligado por conta dos dois trunfos do rival na casa leonina. “Claro que liga o sinal de alerta contra o Náutico, éramos os favoritos nos dois jogos mas eles conseguiram acertar na estratégia e venceram. Acredito que mais uma vez vão jogar por uma bola, mas vamos tentar mudar essa história. Não podemos de jeito nenhum perder mais uma vez na Ilha”, falou.

Se os leoninos estão se apegando ao retrospecto para ficarem mais atentos, os alvirrubros preferem esquecer os confrontos anteriores para não se acomodarem na grande final. Para os jogadores e comissão técnica do Náutico, o passado não interessa mais. “Estatística serve para torcida e imprensa. Cada jogo é um jogo. Se for pensar em estatística, melhor ficar em casa”, mandou o técnico Lisca.

Lisca não confirmou o time.Foto: Guga Matos/JC Imagem

Lisca não confirmou o time.Foto: Guga Matos/JC Imagem

Assim como Sport, o Timbu não está confirmado para o jogo desta quarta. Lisca comandou treino secreto nesta terça-feira e deixou no ar o mistério sobre a equipe titular. O certo é que ele não poderá contar com o volante Elicarlos e os atacantes Marinho e Rodrigo Careca. Todos foram descartados pelo treinador por conta de problemas médicos ou físicos. Vale lembrar que o técnico alvirrubro já não pode contar com o zagueiro Luiz Alberto e o meia Pedro Carmona, lesionados seriamente durante a temporada.

Tendo que quebrar a cabeça para armar o time, Lisca comemora o retorno do meia Marcos Vinícius, que está recuperado de lesão. Ele é a grande esperança do comandante do Timbu para dar mais criatividade ao meio de campo. Além disso, Marcos tem estrela já que decidiu um clássico contra o Sport neste ano. Marcou o gol da vitória no último jogo da primeira fase do Pernambucano. Dependendo de como Lisca posicionar o meia, pode surpreender o treinador rubro-negro.

Além de se preocupar com a armação do seu time, o técnico alvirrubro está atento à montagem do Sport e quer evitar sofrer com a pressão do adversário, principalmente nos minutos iniciais. “Sport é muito forte pelos lados. Além disso, tem o Mancha que sobe muito junto com o Páscoa. Foram campeões da Copa do Nordeste e temos respeitar”.

FICHA DA PARTIDA – SPORT X NÁUTICO

Sport: Magrão; Patric, Ferron, Durval e Renê; Rodrigo Mancha, Ewerton Páscoa e Aílton; Wendel (Renan Oliveira ou Ananias), Felipe Azevedo e Neto Baiano. Técnico: Eduardo Baptista.

Náutico: Alessandro; Jackson, Flávio, Leonardo e Rai; Dê, Yuri, Zé Mário, Marcos Vinícius e Paulo Júnior (Leleu); Marcelinho (Paulo Júnior). Técnico: Lisca.

Pernambucano (final). Local: Ilha do Retiro. Horário: quarta-feira (16), às 22h. Árbitro: Wilton Sampaio (DF). Assistentes: Elan Vieira de Souza e Wlademir de Souza Lins (ambos de PE).

Joanna Maranhão anuncia aposentadoria

Ana Paula Santos – Diario de Pernambuco

 A decisão de encerrar a carreira veio logo após a participação no Mundial de Barcelona, em agosto do ano passado. Aos poucos, Joanna Maranhão, 26 anos, vai se despedindo da piscina. Nao é tarefa das mais fáceis. Mas ela parece segura da decisão. Colecionou títulos e recordes durante os 23 anos de carreira e agora busca ter o mesmo êxito na esfera profissional – está concluindo o curso de educação física.

Ela ganhou notoriedade nacional quando retornou da Olimpíada de Atenas, em 2004, com a quinta colocação na final dos 400m medley, onde cravou 4min40s. A braçada final tem data para acontecer: nos dias 11 e 12 de abril, durante o Nordeste de natação, que acontece no Clube Português. Para a despedida, ela vem convidando ex-companheiras de modalidade. “Vai ser uma festa bacana. Muito especial rever todo mundo que nadou comigo”, revelou Joanna.

Leia abaixo depoimento da nadadora na rede social.

“Pessoal, o blog da swim Brasil noticiou minha aposentadoria da natação competitiva. Aos poucos vou escrevendo mais e contando para vocês tudo o que me levou a chegar a essa decisão. Mas uma coisa quero que saibam desde já: estou feliz.

Estou motivada pra essa nova caminhada, orgulhosa dos 23 anos que pratiquei a modalidade, dos 12 anos de seleção, dos 3 Pan-Americanos, das 3 Olimpíadas que participei e, principalmente, das derrotas que sofri; foram elas, essas danadinhas que me fortaleceram e me fizeram chegar na consciência que tenho hoje.

O esporte que acredito não é o esporte que presencio. Muitos ídolos só conquistam medalhas, e isso é muito pouco diante das reais necessidades do nosso país, sendo assim prefiro canalizar meu talento e minha força pra outros ideais. Falei muito, questionei, propus mudanças e infelizmente gritei sozinha.

Desejo sucesso, ética, moral e empenho aos que ficam e conto com vocês pra que em abril a gente faça uma festa bonita daquela que será minha última vez subindo no bloco pra buscar o melhor de mim e a gente angariar fundos pra ONG Infância Livre”.

Presidente do Náutico diz que agressão a jogador dentro do clube é inadmissível

Foto: Thiago Wagner/Blog do Torcedor

POR RÔMULO ALCOFORADO

O volante do Náutico Gustavo Henrique foi agredido, na noite dessa terça-feira, por um membro de torcida organizada. O detalhe é que o ato de violência aconteceu na sede do clube. O presidente alvirrubro, Paulo Wanderley, em entrevista ao Blog do Torcedor demonstrou que não vai aceitar esse tipo de condunta dentro das dependências do Timbu. “O Náutico não concorda com isso e não vai admitir agressão nenhuma, principalmente dentro do clube. Não sei quem fez ainda, mas é algo inadmíssivel”, afirmou.

Além disso, ele revelou que conversará pessoalmente com o jogador. “Falei ao telefone com ele à tarde e, hoje à noite, às 19h, vou me encontrar com ele para me inteirar do assunto. Independentemente do que aconteceu, vou colocar todo departamento jurídico do Náutico para apoiar o atleta. Se ele quiser ir à delegacia prestar queixa ou tomar qualquer outra atitude, vamos orientá-lo e ajudá-lo”, disse o mandatário.

Paulo Wanderley negou, ainda, que existam salas de torcidas organizadas dentro do clube. “Não existe essa sala que se chegou a noticiar. A Fanáutico, nem nenhuma organizada do Náutico, tem sala no clube, nem guarda materiais nas dependências do clube”, declarou.

EMPRESÁRIO – O empresário Adriano Spadoto, representante do técnico Silas e de vários atletas, falou nesta tarde que tem dificuldades de levar jogadores para o Náutico por conta da suposta fama de mal pagador do clube. Paulo Wanderley também respondeu a ele. “O Náutico não deve nada a ninguém. Adriano Spadoto fala o que ele quer. Ele fale e prove o que ele quiser. Não tenho que ficar rebatendo empresário”, disse.

E completou: “Silas, que é agenciado por ele, recebeu tudo a que tinha direito quando saiu do Náutico. Pode ligar para ele e para toda comissão técnica. O único técnico que passou pelo Náutico este ano e não quis acordo foi Vágner Mancini. Todos os outros receberam os seus direitos. Mas o Spadoto é o empresário, também, do técnico Guto Ferreira. Ele queria que nós contratássemos esse treinador, que respeitamos muito, mas nós preferimos Jorginho naquela ocasião. Talvez ele tenha ficado com raiva por causa disso”.

Revista elege Poliana Okimoto melhor nadadora de águas abertas do ano

Por Gazeta Esportiva

A revista especializada em natação Swimming World elegeu a brasileira Poliana Okimoto como a melhor nadadora de águas abertas do ano. Desta forma, a atleta entra para a história como a primeira não europeia a receber o título, que é concedido desde 2005.

“Fico muito feliz porque dediquei toda a minha vida para a natação e sei o quanto é duro. Esse título é muito gratificante porque é a prova de que o trabalho está sendo valorizado por pessoas extremamente competentes. E fico ainda mais contente porque sou a primeira atleta fora do continente europeu que consegue ser eleita a melhor do mundo pela revista”, declarou Poliana.

Na temporada, a nadadora conquistou a medalha de ouro nos 10 km, a prata nos 5 km e o bronze por equipes no Mundial de Esportes Aquáticos, disputado em Barcelona. Além disso, ela foi campeã de duas etapas da Copa do Mundo, ambas disputadas na China, e quebrou o recorde sul-americano dos 1500m.

Poliana Okimoto ainda tem a chance de receber o prêmio de melhor atleta do ano, ao qual foi indicada pela Federação Internacional de Natação (Fina) e de melhor nadadora na mesma revista, mas concorrendo com atletas da piscina. Ela também concorre no Prêmio Brasil Olímpico e pode ser eleita a melhor do mundo pelo site especializado Open Water Source.

AFP

Poliana Okimoto conquistou três medalhas no Mundial de Esportes Áquaticos, uma de ouro. Foto: Sátiro Sodré