Náutico

Náutico vence o Belo Jardim por 3 a 0 nos Aflitos.

A máquina de gols alvirrubra deu sinais de que iria falhar. Pura ilusão. Em um jogo para lá de sonolento, o Náutico conseguiu aplicar uma goleada de 3 a 0 sobre o Belo Jardim, nos Aflitos. As redes balançaram, como de costume, após chutes do artilheiro Élton e de Rogério. Com o triunfo, o Timbu chega aos 12 pontos e ocupa a liderança isolada do Pernambucano no segundo turno – pelo menos, até este domingo, quando a quinta rodada será complementada.

Nos primeiros 45 minutos da partida entre Náutico e Belo Jardim, ontem à noite, nada chamou mais a atenção do que um curioso bate-boca nas sociais dos Aflitos. Um torcedor que chamava o goleiro Felipe de “frangueiro” foi vaiado por outros alvirrubros e, revoltado, foi até o alambrado, para dar entrevista a equipes de rádio e conversar com o arqueiro reserva, Gideão. Após o apito inicial, o jogo transcorreu sem grandes emoções e acabou com um magro 1 a 0, fruto, principalmente, de uma sequência de falhas da zaga alviverde.

O gol saiu aos 7 minutos, quando a defesa do Belo Jardim tentou trocar passes na frente da área. A bola sobrou para Rogério, que driblou Alenílson, puxou para a direita e chutou no canto esquerdo do goleiro Romero, que falhou. No minuto anterior, o ataque timbu quase havia aberto o placar, também em uma lambança da zaga adversária.

Depois do gol, o jogo seguiu até movimentado no meio-campo, mas com muitos erros de passe de ambos os lados. Como consequência, os torcedores que compareceram aos Aflitos viram poucas jogadas trabalhadas e lances de perigo. Do Náutico, destaque para uma tentativa de Luiz Eduardo, quase do círculo central, bem defendida por Romero. O Belo Jardim só ameaçou a barra timbu aos 42, após cobrança ensaiada de falta. Felipe salvou, mandando a bola pela linha do fundo. Muitos torcedores das sociais aproveitaram para provocar, com bom humor, o “crítico” do goleiro.
Bernardo Dantas/DP/D. A. Press
O segundo tempo surpreendeu. Conseguiu ser ainda mais sem graça do que o primeiro. O Belo Jardim até tentou chegar mais ao ataque, mas, sem qualidade, só assustou duas vezes, em um bate-rebate aos25 minutos e em um chute de longa distância aos 26. Já os jogadores alvirrubros oscilavam entre a apatia e a falta de inspiração. Novamente, muitos passes errados e poucos lances de perigo. Quem mais chamava a atenção era o trio de arbitragem, que paralisou a partida sem necessidade em algumas ocasiões, inverteu faltas e escanteios e tirou a paciência da torcida alvirrubra.

Quando poucos esperavam uma mudança no placar, Élton recebeu passe de Rogério e sofreu pênalti de Pintado, aos 34 minutos. O centroavante alvirrubro cobrou com tranquilidade, meia altura, e marcou o seu 11o gol em dez jogos com a camisa do Náutico. No minuto seguinte, fez o 12o, completando ótima assistência de Vinícius Pacheco, que descera em velocidade pela esquerda, para cruzar rasteiro, da linha de fundo.

FICHA TÉCNICA
Náutico: Felipe; Maranhão, Luiz Eduardo, Jean Rolt e Douglas Santos (Bruno Collaço); Elicarlos, Marcos Paulo, Josa (Jones Carioca) e Giovanni Augusto (vinícius Pacheco); Elton e Rogério. Téc: Vágner Mancini

Belo Jardim: Romero; Felipe Almeida, Alenílson, Eduardo Eré e Fernandinho (Pintado); Madson, Junior Maranhão (Candinho), Douglas, Yanick; André Recife e Luciano (Muller). Téc: Édson Leivinha

Árbitro: Wagner Cabral
Assistentes: Roberto José e Francisco Chaves

Estádio: Aflitos
Horário: 20h

Cartão amarelo: Marcos Paulo, Elicarlos, Jean Rolt (N), Luciano, Eduardo Eré, Candinho, Pintado (BJ)
Cartão vermelho: Pintado (BJ)
Gols: Rogério – 7′ 1T; Élton – 34′ e 35′ 2T
Público: 7.795
Renda: R$ 62.427

Tiago Cisneiros – Superesportes

Náutico quer manter os pés no chão diante do vice-lanterna

Do NE10

A goleada imposta sobre o Salgueiro em pleno Cornélio de Barros acendeu o alerta nos alvirrubros: nada de salto alto. Esse é o sentimento de jogadores e comissão técnica para o confronto diante do Belo Jardim, a partir das 20h deste sábado (9), nos Aflitos, pela quinta rodada do Campeonato Pernambucano Coca-Cola.

Outro fator para o respeito ao adversário é que os timbus podem sair de campo com a liderança isolada – ao menos provisoriamente – em caso de um triunfo. O time soma nove pontos. De seu lado, o Belo Jardim luta para sair da rabeira da competição. O Calango encontra-se em penúltimo lugar com apenas dois pontos e só não é o lanterna porque tem um saldo de gols menos ruim que o Chã Grande (-2x-6).

Apesar do futebol mais consistente, principalmente no aspecto defensivo, na rodada anterior, o treinador alvirrubro pode fazer alterações. Como espera um adversário mais recuado ele pode reforçar a criatividade com Vinícius Pacheco no lugar do volante Josa. A outra possibilidade obedece questões físicas. Douglas Santos ainda não está no melhor da forma e deve ceder o posto a Bruno Collaço.

Se Pacheco aparecer na equipe o trio de volantes que segurou o Salgueiro será desfeito. Mancini admitiu que seu foco é o esquema e não os nomes. “Eu quero mexer o mínimo possível. O mais importante neste instante é sabermos que temos uma equipe que sabe que quer e que se entrega em campo”, disse. A novidade alvirrubra ficará para o banco de reservas. O atacante Jones Carioca está relacionado e poderá fazer sua estreia no decorrer do jogo.

BELO JARDIM – Apesar do retrospecto desfavorável no segundo turno – ainda não venceu – o técnico Édson Leivinha descarta jogar apenas na defesa diante do melhor ataque do campeonato.

Ficha do jogo:

Náutico: Felipe; Maranhão, Jean Rolt, Luís Eduardo e Douglas Santos (Bruno Collaço); Elicarlos, Marcos Paulo, Josa (Vinícius Pacheco) e Giovanni Augusto; Elton e Rogério. Técnico: Vágner Mancini.

Belo Jardim: Romero; Felipe Almeida, Alenilson, Eduardo Eré e Pintado; Xinho, Júnior Maranhão, Douglas e Yannick; Luciano e André. Técnico: Édson Leivinha.

Local: Estádio dos Aflitos. Horário: 20h. Árbitro: Wagner Cabral. Assistentes: Roberto José e Francisco Chaves. Ingressos: R$ 30 e R$ 15.

Náutico anuncia a contratação do zagueiro Alcides, ex atleta do Chelsea e Benfica

Daniel Leal – Diario de Pernambuco

O Náutico oficializou, na noite desta sexta-fera, a contratação do zagueiro Alcides, 27 anos. O experiente atleta tem passagens por clubes como Santos, Chelsea (da Inglaterra) e Benfica (de Portugal). Ele estava treinando nos Aflitos desde o último dias 25 de fevereiro, quando pediu para a direção alvirrubra para manter a forma no clube.

Outros clubes defendidos por Alcides foram o Schalke 04, da Alemanha, PSV (Holanda) e Dnipro (Ucrânia) onde atuou por cinco temporada e estave até o ano passado. O atleta ainda tem uma passagem pela Seleção Brasileira Bub-20, em 2003. O defensor, inclusive, já está regularizado e apto a defender o Náutico na partida deste sábado, contra o Belo Jardim, nos Aflitos.

Náutico encerra invencibilidade do Salgueiro em grande estilo: 4×0

Do NE10

Depois de 13 jogos, a já famosa invencibilidade do Salgueiro dentro do Cornélio de Barros em jogos pelo Estadual caiu com requintes de crueldade. O Náutico foi eficiente no ataque goleou o Carcará por 4×0 pela quarta rodada do segundo turno do Campeonato Pernambucano Coca-Cola na noite desta quarta-feira. O resultado alçou o timbu ao topo da tabela com nove pontos.

No fim das contas, o técnico Vágner Mancini optou por mais um volante em detrimento de um segundo homem de armação. Foi recompensado pelo bloqueio eficiente que os alvirrubros demonstraram no início do jogo. Elicarlos ficava centralizado bem à frente de Luiz Eduardo e Jean Rolt com Marcos Paulo pela direita e Josa pela esquerda. Mais à frente, o único meia de ofício, Giovanni, formando uma espécie de losango.

Se a marcação foi eficiente, tanto para evitar a passagem surpresa de Vítor Caicó e Matheus ou dos laterais – quem caísse pelo setor primeiro – o poderio ofensivo ficou prejudicado pela dificuldade de Marcos Paulo e Josa alimentarem Rogério e Elton.

Pelo lado do Salgueiro pesaram a boa marcação timbu e a ausência do meia Clebson. O jogador foi emprestado ao Remo por três meses. Valor do negócio: R$ 150 mil. Com a saída do cabeludo, o técnico Marcelo Chamusca posicionou Elvis um pouco atrás da linha dos atacantes Ronaille e Canga. Salvo um chute de Elvis aos seis minutos sem maiores problemas, pouco pôde-se ressaltar do jogo até os 15 minutos finais quando a dupla artilheira do Estadual entrou em ação.

Aos 32, Sidny afastou, ou melhor, tentou afastar. Elicarlos interceptou e mandou para Rogério. Ele tocou para Elton, entrando pelo lado direito da área. O camisa 11 tocou na saída de Luciano com categoria. O jogo reiniciou e o time da casa acusou o golpe. Ricardo Braz recuou de cabeça para Luciano. Mas Rogério foi mais rápido e conseguiu tocar por cobertura para fazer 2×0.

Os sertanejos só conseguiram se refazer das duas pancadas nos cinco minutos finais quando alternou o jogo pelos dois lados do campo. Foi assim que Peri obrigou Felipe a defender quase no susto uma bomba da entrada da área – no rebote, Cléber Carioca mandou por cima, aos 40. Três minutos depois, Canga cruzou da esquerda e Vítor Caicó, livre, mandou para a arquibancada.

Os dois times voltaram com as mesmas formações para o segundo tempo. Não seria muito difícil prever um repeteco da maneira de jogar das duas equipes. E novamente viu-se um Náutico bem na marcação e com dificuldade para deixar seus atacantes em condições de finalizar e o Salgueiro sem sair da arapuca vermelha e branca.

Com isso, chance de concluir uma jogada só quando alguém cochilava ou aparecia alguém inspirado. Mas isso só aconteceu aos 21 minutos. O até então escondido Giovanni recebeu pelo lado esquerdo da área. Driblou Pio, que não desistiu e manteve a marcação, ganhou do mesmo marcador na dividida e esperou a saída do goleiro para tocar por baixo.

A derrota cada vez mais encorpada tirava a capacidade de raciocinar dos salgueirensese. O melhor momento do time fora nos minutos finais com a flutuação de Canga pelas duas extremidades. O time vermelho, verde e branco insistia pelo meio e o jeito foi insistir com os chutes de fora da área de Sidny.

E como acontece em momentos de desespero, todo mundo quer resolver e fatalmente deixa a defesa abandonada à própria sorte. Em duas oportunidades, Rogério apareceu livre na frente de Luciano. Na primeira, correu um pouco mais do que devia e ficou em impedimento. Na segunda, dominou no peito e bateu de voleio. Mas errou o alvo.

Os rombos na defesa sertaneja não tinham mais conserto e o lateral-direito Maranhão, restrito à marcação em todo primeiro tempo, aproveitou bem o espaço que lhe serviram. Foi através dele que o Náutico amadureceu o quarto gol. Ao insistir no cruzamento baixo, o camisa dois foi recompensado aos 35 com substancial ajuda de Luciano. Mesmo marcado, Elton dominou e mandou de bicicleta. A bola estava ao alcance do goleiro, que saltou atrasado e só pôde olhar ela entrar no canto.

Ficha do jogo:

Salgueiro: Luciano; Sidny, Ricardo Braz, Cléber Carioca e Peri; Pio, Vítor Caicó (Netinho), Matheus e Elvis; Ronaille e Canga (Marciano). Técnico: Marcelo Chamusca.

Náutico: Felipe; Maranhão, Jean Rolt, Luiz Eduardo e Douglas Santos (Bruno Collaço); Marcos Paulo, Elicarlos, Josa e Giovanni; Rogério (Vinícius Pacheco) e Elton. Técnico: Vágner Mancini.

Local: Cornélio de Barros. Árbitro: Neilson Santos. Assistentes: Charles Rosas e Wlademir Lins. Gols: Elton, aos 32; e Rogério, aos 33 do primeiro tempo. Giovanni, aos 21; Elton, aos 35 do segundo. Cartões amarelos: Felipe, Pio e Cléber Carioca. Publico: 8.712. Renda: R$ 47.078.

Fora de casa, Náutico tenta escapar do bote do Salgueiro

É o famoso jogo de seis pontos. Esse é o sentimento da partida entre Náutico e Salgueiro, nesta quarta-feira, às 22h, no Cornélio de Barros, em Salgueiro, pela quarta rodada do segundo turno do Pernambucano Coca-Cola. Ambos os times possuem seis pontos na tabela de classificação e podem ocupar a primeira posição do Estadual dependendo dos resultados ao final desta rodada. O Timbu é o atual líder devido ao melhor saldo de gols, enquanto o Carcará é o quarto.

Para este confronto o time do Timbu viaja indefinido. O técnico Vágner Mancini não quis confirmar a equipe titular. Apesar disso, três alterações são certas. Nas laterais, saem Auremir e Bruno Collaço para as entradas de Maranhão e Douglas Santos na direita e na esquerda respectivamente. Além disso, o técnico não poderá contar com o zagueiro Alison, suspenso após julgamento do Tribunal de Justiça Desportiva de Pernambuco (TJD-PE).

Independente de alterar o não o time titular, Mancini quer uma marcação forte contra um adversário que ainda não perdeu para pernambucanos no “novo” Cornélio de Barros. “O mais importante é montar uma equipe aguerrida, não defensiva”, argumentou.

Uma opção para o time mais “aguerrido” seria escalar o volante Josa no meio para dar maior segurança. Se o jogador entrar, Vinícius Pacheco ou Giovanni Augusto serão sacados. “Ele (Josa) é uma opção para o jogo, viaja com o grupo, mas não pôde treinar ontem (segunda-feira) por problemas intestinais” , disse Mancini fazendo mistério.

SALGUEIRO – O duelo com o Náutico pode ser o último do destaque sertanejo no Pernambucano, o meia Clébson. Segundo o próprio presidente do Salgueiro, Clebel Cordeiro, o jogador está negociando com o Remo.

Em campo, Clébson deve ter os mesmos companheiros que iniciaram a partida da última rodada, quando os sertanejos bateram o Santa Cruz, por 1×0, no Arruda.

FICHA DA PARTIDA – SALGUEIRO X NÁUTICO

SALGUEIRO – Luciano; Sidny, Ricardo Braz, Cléber Carioca e Peri; Pio, Vítor Caicó, Matheus e Clébson; Fabrício Ceará e Elvis. Técnico: Marcelo Chamusca.

NÁUTICO – Felipe; Maranhão, Jean Rolt, Alemão e Douglas Santos; Marcos Paulo, Elicarlos, Vinícius Pacheco e Giovanni; Rogério e Elton. Técnico: Vágner Mancini.

Pernambucano Coca-Cola. Local: Cornélio de Barros, Salgueiro. Horário: 22h. Árbitro: Neilson Santos. Assistentes: Charles Rosas e Wlademir Lins.

Fonte: Thiago Wagner da Silva

No sufoco, Náutico vence o Chã Grande por 5×3

Eficiente no ataque e sofrível no sistema defensivo, o Náutico precisou suar muito a camisa para vencer o Chã Grande por 5 a 3, na noite deste sábado, nos Aflitos. Com três gols do atacante Elton, novo artilheiro do Estadual (com 8 gols), o Timbu conseguiu se sobressair em uma partida bastante movimentada, com direito a gritos de “burro” para o técnico Vágner Mancini e novas (e injustas, diga-se) vaias ao goleiro Felipe. Com a vitória, o time retomou a liderança temporária da competição com seis pontos. Na próxima quarta-feira, o Náutico enfrentará o Salgueiro, no Sertão.

O primeiro tempo de jogo testemunhou “dois Náuticos” em campo: um do meio para frente e outro do meio para trás. Estreando na temporada, a dupla de zaga Alison e Jean Rolt batia cabeça de um lado, enquanto o novo artilheiro do Estadual, Elton, “consertava” a situação do outro. Aos 5 minutos, Rogério foi derrubado na área. Pênalti que Elton converteu. Pegando o Timbu desatento, o Chã Grande bateu falta rápida, Jhullian recebeu na área, girou sobre Auremir e mandou uma bomba para empatar o jogo aos 18 minutos.

Aos 28, a virada “nas costas da defesa”. Em novo contra-ataque rápido, Jaime puxou pela esquerda e mandou cruzamento na medida para Danilo, que dominou e fuzilou. Neste momento, a torcida perdia a paciência e chamava o técnico Vágner Mancini de “burro” quando o ataque voltou a aparecer com eficiência para empatar o jogo no minuto seguinte. Giovanni Augusto lançou Elton, que precisou chutar duas vezes para balançar as redes.

No segundo tempo, o Náutico seguiu instável e apresentando os mesmos defeitos e virtudes. Aos 10, Rogério bateu falta e Alison desviou de cabeça para marcar virar novamente o jogo, agora a favor do Timbu. Aos 18, nova desatenção da defesa e novo empate com Danilo, aproveitando rebote de Felipe. O jogo seguiu movimentado e com boas chances para ambos os lados. A vitória acabou caindo nos pés do volante Marcos Paulo. Aos 37, o goleiro Davi falhou, Rogério chutou e no rebote Marcos fez o gol. Ainda deu tempo para Elton fazer mais um e fechar o placar da suada vitória alvirrubra.

Náutico 5

Felipe; Auremir (Maranhão), Alison, Jean Rolt e Bruno Collaço; Elicarlos, Marcos Paulo, Giovanni Augusto (Renato) e Vinícius Pacheco (Douglas Santos); Rogério e Elton.
Técnico: Vágner Mancini.

Chã Grande 3
Davi; Celson, Jaíldo, Daniel e Jaime; Felipe, Danilo (Ítalo), Marcos Mendes (Edimilson) e Thiago Lima (Rony); Jhullian e Mizael.
Técnico: Maurílio Silva.

Local: Aflitos, no Recife. Árbitro: Emerson Sobral. Assistentes: Clóvis Amaral e Elan Vieira. Gols: Elton (3), Alison e Marcos Paulo(N); Danilo (2) e Jhullian (CG). Cartões amarelos: Elicarlos e Marcos Paulo (N); Felipe, Marcos Mendes, Mizael, Jaíldo e Edimilson (CG). Público: 5.718. Renda: R$ 37.704.

Daniel Leal – Diario de Pernambuco

Com mudanças, Náutico quer voltar ao caminho das vitórias diante do Chã Grande

Por Rômulo Alcoforado

Poderia ser, ao menos, um empate diante do Pesqueira – mas foi uma derrota. Dolorida, entregue no fim do duelo. Contra o Chã Grande, às 20h deste sábado, nos Aflitos, o Náutico entra em campo para recuperar os pontos perdidos na última rodada e voltar aos trilhos das vitórias no Campeonato Pernambucano Coca-Cola 2013.

Para isso, o treinador Vágner Mancini fez duas alterações na equipe – em relação ao último confronto. Ambas na defesa. Saem Luis Eduardo e Alemão, entram Alison e Jean Rolt. Ele explicou as alterações. “Os dois (Alemão e Luis Eduardo) vinham jogando bem. Mas a mudança é mais numa situação de recuperar os jogadores que estavam lesionado do que de baixa qualidade dos outros dois”, disse. Ele adiantou que o rodízio se estendará para as laterais. Para quarta-feira, Bruno Collaço e Auremir devem descansar para a entrada de Douglas Santos e Maranhão.

A única dúvida no time deste sábado, porém, é no ataque. Justamente no principal nome do time até o momento: Rogério. O jogador pisou em um buraco do Gigante do Agreste e sentiu o joelho. Ainda serão feitos teste para ver se ele terá condições de atuar. Se não puder, entra o prata-da-casa Renato em seu lugar. Se estiver disponível, será, naturalmente, titular. Uma coisa é certa: o esquema da equipe será o 4-4-2, com Élton como centroavante, e a volta de Vinícius Pacheco.

Mancini deixou clara qual será a função do meia, que fará dupla de armação com Giovanni Augusto. “O que eu espero, sinceramente, é que o Vinícius Pacheco entenda que ele vai ser, em muitos momentos, o terceiro atacante do time. Ele vai ser o meia que enconsta mais no Élton (centroavante), já que Giovanni tem mais característica de armação, e ele, Pacheco, de chegada. Ele deve fazer essa função. Sabemos que ele tem condições para isso, com base no que ele fez em outros clubes e até aqui no Náutico já”, falou Mancini.

CHÃ GRANDE – A equipe do Chã Grande ainda tenta sua primeira vitória no segundo turno do estadual. Até agora, foram duas partidas – um empate e uma derrota. A igualdade foi diante do Ypiranga, na última rodada, por 1 x 1. O insucesso foi contra o Serra Talhada, no sertão, por 4 x 0. A campanha na primeira fase também não foi exatamente boa. Em oito jogos, a equipe conseguiu apenas dois triunfos. Acabou com oito pontos numa razoável sexta posição.

Ficha do jogo:

Náutico: Felipe; Auremir, Jean Rolt, Alisson e Bruno Collaço; Elicarlos, Marcos Paulo, Giovanni Augusto e Vinícius Pacheco; Renato e Elton. Técnico: Vágner Mancini

Chã Grande: Dida; Luiz Henrique, Edvan , Italo e Jaime; Aguimeron, Jaildo, Mizael e Tiago Lima; Alan Rocha e Daniel Caiçara. Técnico: Maurílio.

Local: Aflitos. Horário: 20h. Árbitro: Emerson Sobral (PE). Assistentes: Clóvis Amaral e Elan Vieira (ambos de PE).

Náutico sofre gol no fim e perde para o Pesqueira por 3×2

Com muita emoção, e gols, nos minutos finais, o Pesqueira bateu o Náutico por 3×2 no Gigante do Agreste, em Garanhuns, pela segunda rodada do segundo turno do Pernambucano Coca-Cola. O Timbu chegou a estar perdendo por 2×0 durante a partida, mas conseguiu reagir e obter a igualdade. Antes do apito final, porém, os donos da casa conseguiram a vitória. Jânio, duas vezes, e Dada Pesqueira marcaram para os agrestinos, enquanto Élton e Rogério anotaram para o Alvirrubro.

O JOGO – Mesmo atuando fora de casa, o Náutico começou o primeiro tempo indo para cima do Pesqueira. Os alvirrubros queriam mostrar que a vitória por 8×0 sobre o Petrolina no fim de semana passado não tinha sido ao acaso. Logo aos dois minutos, Rogério tentou o primeiro chute. A bola, contudo, subiu e foi para fora.

O atacante, por sinal, foi o melhor jogador do Timbu na primeira etapa. Aos 7, ele quase abriu o placar após ser lançado na área. Rogério chegou a driblar o goleiro, mas se atrapalhou na definição e perdeu o lance.

O Pesqueira só veio acordar a partir das 11 com falta cobrada por Stanley. A bola passou perto. A partir desse lance, o jogo ficou mais equilibrado. Uma parte dessa igualdade de forças deveu-se em parte ao gramado do Gigante do Agreste, que não ajudava no desenvolvimento de um melhor futebol.

Com a partida sendo bem disputada, era de se esperar que o gol saísse de um jogada de bola parada. Aos 33, Jânio cobrou falta e contou com o desvio da barreira para abrir o placar para Pesqueira.

Na desvantagem, o Timbu ainda tentou obter a igualdade, no entanto esbarrou na defesa do adversário e na insistência de algumas jogadas como a bola aérea.

SEGUNDO TEMPO – Na volta para a segunda etapa, o Náutico veio diferente. O técnico Vágner Mancini tirou Renato e acionou o meia Vinícius Pacheco. O objetivo era dar maior criação e posse de bola ao time alvirrubro. A mudança, contudo, não surtiu muito efeito. O Timbu criou poucos lances de gol.

O Pesqueira, por outro lado, contentava-se em se defender. Tanto que também não ofereceu grandes riscos ao goleiro Felipe. O técnico Humberto Santos ainda recuou a equipe acionando o defensor Fábio Sergipe no lugar do atacante Deisinho.

O melhores lances do Náutico na etapa final acabaram por se limitar a cobranças de bola parada. Em uma delas, Rogério, que continuava sendo o melhor alvirrubro na partida, quase empatou. No entanto, mandou para fora. Muito pouco para quem precisava do empate.

Antes do apito final, porém, a emoção, que ficou distante de todo o segundo tempo, resolveu aparecer. Primeiro o Pesqueira conseguiu o segundo gol com Dada Pesqueira após contra-ataque. Nos lances seguintes, o Náutico empatou com Élton e Rogério, que marcou de bicicleta. E quando todos esperavam o empate, Jánio conseguiu colocar os donos da casa outra vez na frente, sem chances para novo empate. Festa do Pesqueira.

FICHA DA PARTIDA – PESQUEIRA 3X2 NÁUTICO

Pesqueira – Gedai; David, Stanley, Jonny e Jânio; Dada Pesqueira, Frank, Laércio (Diogo) e Neto Bala; Théo e Daisinho (Fábio Sergipe). Técnico: Humberto Santos.

Náutico – Felipe; Auremir, Alemão, Luis Eduardo e Bruno Collaço; Elicarlos; Marcos Paulo (Reis) e Giovanni Augusto; Renato (Vinícius Pacheco), Rogério e Élton. Técnico: Vágner Mancini.

Pernambucano Coca-Cola. Local: Gigante do Agreste, Garanhuns. Árbitro: Gilberto Castro Júnior. Auxiliares: Jossemar Diniz e Wlademir Lins. Gols: Jânio (P) aos 33 minutos do primeiro tempo; Dada Pesqueira (P) aos 39, Élton (N) aos 40, Rogério (N) aos 43 e Jânio aos 45 minutos do segundo tempo. Amarelos: Elicarlos (N), Stanley (P), Frank (P).

POSTADO POR Thiago Wagner da Silva ÀS 21:57 EM 27 DE Fevereiro DE 2013

Náutico quer manter a boa fase diante do Pesqueira

Depois de golear o Petrolina por 8×0, no último fim de semana, o Náutico quer manter o bom momento no segundo turno do Pernambucano Coca-Cola. O adversário da vez é o Pesqueira, no Gigante do Agreste, em Garanhuns, nesta quarta-feira, às 20h, pela segunda rodada da competição. No primeiro turno, o Timbu venceu por 3×1, nos Aflitos.

Como em time que está ganhando não se mexe, o técnico Vágner Mancini dificilmente fará alterações no time titular. O comandante alvirrubro tem apenas uma dúvida, entre Vinícius Pacheco, que retorna de lesão, e o jogvem Renato. A resposta só deverá ser dada momentos antes do jogo.

“A dúvida é entre Renato e o Pacheco. Essa dúvida vai ficar até momentos antes da partida. Vamos ver de que forma podemos entrar deixando a equipe mais forte. Mexer no sistema agora seria muito incoerente”, disse o técnico alvirrubro.

Sendo assim, o time do Náutico deverá ter a seguinte escalação: Felipe; Auremir, Alemão, Luis Eduardo e Bruno Collaçõ; Elicarlos; Marcos Paulo e Giovanni Augusto; Renato (Vinícius Pacheco), Rogério e Élton.

PESQUEIRA – Recém-chegado à elite do futebol pernambucano, o Pesqueira faz uma campanha regular no Estadual. Quinto colocado no primeiro turno, o time tenta hoje tirar alguns pontos do líder e favorito Náutico. E os obstáculos já começam no local do jogo. Sem um estádio com as condições mínimas de estrutura exigidas pela Federação Pernambucana de Futebol, a Águia do Agreste receberá suas partidas do segundo turno em Garanhuns, no Gigante do Agreste – sua casa no primeiro turno foi o Sesc-Mendonção, em Belo Jardim.

FICHA DA PARTIDA – PESQUEIRA X NÁUTICO

Pesqueira – Geday; Oseas, Stanley, Jonny e Zé Eduardo; Janio, Franklin e Laercio; Theo, Neto e Jonathan. Técnico: Humberto Santos.

Náutico – Felipe; Auremir, Alemão, Luis Eduardo e Bruno Collaço; Elicarlos; Marcos Paulo e Giovanni Augusto; Renato (Vinícius Pacheco), Rogério e Élton. Técnico: Vágner Mancini.

Pernambucano Coca-Cola. Local: Gigante do Agreste, Garanhuns. Árbitro: Gilberto Castro Júnior. Auxiliares: Jossemar Diniz e Wlademir Lins.

Fonte: Thiago Wagner da Silva 

Com show de Rogério, Timbu goleia Petrolina e larga na frente no 2º turno

Uma tarde feliz nos Aflitos. Depois de conquistar o primeiro turno do Pernambucano 2013, o Náutico mostrou que está mesmo na briga para levantar a taça após nove anos de jejum. Na primeira partida sem Kieza, o Timbu conheceu os seus novos dois candidatos a artilheiro. O atacante Elton começou bem, marcando os dois gols alvirrubros na primeira etapa, mas foi Rogério, o velho coadjuvante, que roubou a cena. Com boa movimentação e um pé calibrado, balançou as redes nada menos do que três vezes. Jeffinho (contra), Renato e Giovanni Augusto fecharam a goleada por 8 a 0 sobre o Petrolina, lanterna da primeira fase do Estadual.

O primeiro lance de perigo do jogo aconteceu aos 13 minutos. Depois da bola levantada na área por Rogério, o zagueiro Alemão subiu para cabecear e acertar o travessão. Três minutos depois, em jogada semelhante, foi a vez de Elton mandar no poste superior.

Nas duas oportundiades, o cruzamento saiu do lado esquerdo do ataque alvirrubro, mais forte durante toda a partida, com a bola passando, principalmente, pelos pés de Bruno Collaço, Rogério e Giovanni Augusto. O meia, aliás, foi bem no jogo, com lançamentos precisos.

De um deles, saiu o primeiro gol alvirrubro. Aos 31 minutos, o armador levantou a bola por cima da zaga e encontrou Rogério no meio da área petrolinense. O atacante tocou de cabeça e Elton bateu forte para o fundo das redes. Nos momentos seguinte, o Timbu continuou pressionando, sobretudo com Rogério.

Aos 39, logo após um bom arremate de longa distância de Elicarlos, o Náutico chegou ao segundo gol. Alemão cortou firme na zaga, Rogério alcançou a bola na linha lateral, ganhou na velocidade do marcador, Jamaica, e cruzou rasteiro. Elton, livre na área, bateu forte na saída do goleiro sertanejo.

Um minuto depois, o Petrolina, que só havia chegado em chutes de longa distância e bolas alçadas em escanteios, quase diminuiu. Por acaso. Elicarlos tentou afastar o perigo na entrada da área, mas a bola explodiu no ataque do Petrolina e encobriu o goleiro Felipe, que precisou fazer uma ponte para mandá-la pela linha de fundo.

No segundo tempo, o Náutico entrou mais desligado e, nos primeiros minutos, chegou a correr perigo. Aos 11 minutos, porém, Rogério normalizou a situação e iniciou sua incrível sequência de quatro gols. Depois de pegar a bola na intermediária pela esquerda, livrou-se do marcador e bateu com efeito. O goleiro Diego, mal colocado, não conseguiu alcançar.

Aos 22, Rogério marcou o segundo, deixando um zagueiro no chão e batendo forte na saída do goleiro. Aos 27, fez o terceiro, depois de dominar a bola na meia-lua, cortar o marcador com a perna esquerda e bater no ângulo. Um show reconhecido pela torcida alvirrubra, que não hesitou em cantar: “Olerê olará, Rogério vem aí e o bicho vai pegar!”. Saudades de Kieza? Hoje não.

Rogério, aliás, quase chegou ao quarto gol. Na súmula, o “mérito” foi para o zagueiro Jeffinho, que, de carrinho, mandou a bola para as próprias redes antes de o atacante alcançá-la. Nos últimos minutos de jogo, ainda houve tempo para o terceiro atacante timbu, Renato, marcar o seu, driblando o goleiro Diego, pelo lado esquerdo da área. O meia Giovanni Augusto fechou a goleada, cobrando pênalti.

Ficha técnica

Náutico
Felipe; Auremir (Maranhão), Alemão, Luiz Eduardo (Jean Rolt) e Bruno Collaço (Douglas Santos); Elicarlos, Marcos Paulo e Giovanni Augusto; Renato, Rogério e Elton. Técnico: Vágner Mancini

Petrolina

Diego; Rogério, Gilmar, Rafael (Ceará) e Jeffinho; Jamaica (Sidnei), Alan, Luiz Felipe e Geovane; Alex Sandro e Joninha (Cleidinho). Técnico: Henrique Rocha.

Local: Estádio dos Aflitos
Árbitro: Tiago Nascimento
Assistentes: Marcelino Castro e Aldir Pereira
Gols: Elton (30’ e 39’ – 1T), Rogério (11’, 23’ e 26’ – 2T), Jeffinho (contra – 28’ – 2T), Renato (39’ – 2T) e Giovanni Augusto (43’ – 2T)
Amarelos: Jamaica, Geovane, Sidnei (P)
Expulsão: Ceará (P)
Público: 7.697
Renda: R$ 61.011

Super Esportes