Santa Cruz

Santa Cruz contrata Raul e André Dias para dar mais qualidado ao time coral

O elenco do Santa Cruz ganhou dois reforços para a disputa do Campeonato Pernambucano. O meia Raul e o atacante André Dias chegam para qualificar setores carentes do Tricolor. Apesar disso, o técnico Marcelo Martelotte continua com carências. As laterais são os pontos mais críticos. Na esquerda, Tiago Costa é o único à disposição. Na direita, Éverton Sena vem sendo improvisado diante da insatisfação com as atuações de Marquinho, original da posição.

Os reforços para a meia e para o ataque são importantes, até mesmo porque não são apenas para o Pernambucano. O Santa Cruz tem pela frente na temporada a Copa do Brasil e a Série C. Até o Brasileiro, deverá trazer mais jogadores. Mas, por enquanto, para o Estadual, é com o elenco atual que Martelotte irá trabalhar.

Raul, 31 anos, chega para reforçar a meia. Sem Renatinho, machucado há seis rodadas, o Santa Cruz ficou somente com Natan, Jefferson Maranhão e Éverton Heleno. O primeiro veste a 10 e é titular incontestável. Os outros dois alternaram na vaga de Renatinho desde o início do segundo turno do Pernambucano. Maranhão marcou dois gols na vitória sobre o Central, mas ainda não passa total confiança. O reforço tem histórico para ser titular, seja ao lado ou até mesmo no lugar de Natan.

André Dias, 32 anos, tem passagem por grandes clubes como Cruzeiro, Vasco e Santos. É uma nova aposta da diretoria do Santa Cruz. Uma aposta à la Dênis Marques. Assim como DM9, o atacante vem de um tempo parado – não atua há mais de um ano – e vê no Tricolor uma chance de ressurgir.

Laterais

Problemas até certo ponto solucionados no meio e no ataque, mais atrás nem tanto. A principal carência é nas laterais. Caso Tiago Costa se machuque, não há substituto para a lateral esquerda. Patrick treina com o grupo, mas Martelotte nunca fez nem menção em utilizá-lo. Tanto que Éverton Sena já foi improvisado no setor, na partida contra o Fortaleza, pela Copa do Nordeste.

Na direita, há um jogador original da posição à disposição, mas o problema é o rendimento. Marquinho vinha mal, se machucou e abriu espaço para Éverton Sena. Mesmo improvisado, foi bem e deve ficar com a vaga.

Ficha

André Dias
Nomes completo: André Felippe Seixas Dias
Idade: 32 anos
Local de nascimento: Montes Claros-MG
Altura: 1m79
Peso: 76 kg
Último clube: Botafogo-SP
Última partida
25/02/2012
Botafogo-SP 1 x 0 Corinthians

O que pode acrescentar
Se jogar o que o levou a grandes equipes como Vasco e Cruzeiro, pode ser o parceiro ideal para Dênis Marques. Poderia construir as jogadas para o artilheiro. Para isso, vai ter que se superar para recuperar o ritmo de jogo e mostrar que está novo, após uma cirurgia delicada no joelho direito.

Ficha


Raul
Nome completo: Raul Victor da Silva Cajazeiras
Idade: 31 anos
Local de nascimento: Fortaleza-CE
Altura: 1m83
Peso: 79 kg
Último clube: ABC-RN
Última partida
13/02/2013
ASA-AL 0 x 0 ABC-RN

O que pode acrescentar
É um jogador experiente, que já teve em outros clubes a responsabilidade de armar o jogo e vestir a camisa 10. Pode dividir as ações de criação com Natan ou Renatinho, dependendo da preferência de Martelotte. Pode contribuir também na cobrança de faltas, uma qualidade já mostrada por onde passou.

As chegadas
Os reforços corais não chegarão ao mesmo tempo ao Arruda. Raul deverá ser o primeiro, com chegada prevista para hoje. Já André Dias veio ao Recife na última segunda-feira, assinou contrato e volta para São Paulo, onde reside. É esperado na próxima segunda-feira.

SuperEsportes

Com boa atuação coletiva, Santa Cruz não dá chances ao Central e vence por 2 a 0

Uma exibição para calar qualquer crítica. O Santa Cruz não deu brechas para o Central, nesta quarta-feira, no Arruda. Dominou o jogo inteiro e venceu com justiça por 2 a 0. Mesmo tendo marcado os dois gols da vitória, Jefferson Maranhão não foi o grande nome da partida. O coletivo é que mereceu destaque. O Tricolor tocou bem a bola, envolveu o adversário e marcou os gols. Uma trinca básica, mas que a equipe não vinha conseguindo mostrar nos últimos confrontos.

A expectativa inicial era com relação às opções feitas pelo técnico Marcelo Martelotte. Ele surpreendeu ao manter Éverton Sena improvisado na lateral direita, mesmo tendo Marquinho, original do setor e recuperado de contusão, à disposição. No ataque, optou por Danilo Santos em vez de Paulo César.

E Martelotte acertou. Éverton Sena encaixou na direita e até se arriscou algumas vezes ao ataque. No ataque, Danilo Santos caía pela direita e utilizava bem a velocidade. Mais importante, porém, era que ele abria espaço para quem vinha de trás, atraindo a marcação. Com isso, Luciano Sorriso aparecia nos vazios, sempre livre para criar.

Pernambucano 2013, 2º turno: Santa Cruz x Central. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

E foi justamente dos pés de Luciano Sorriso que saíram as grandes jogadas da etapa inicial. Primeiro, um toque de cavadinha para a área, que Danilo Santos desviou de cabeça e chegou a Dênis Marques, que mandou um belo voleio. A bola, por capricho, foi para fora. Aos 19, passe no mesmo estilo, por elevação, agora para Jefferson Maranhão, que só precisou dar um leve toque para tirar do goleiro e abrir o placar.

O Santa Cruz jogava bem. Com um bom toque de bola, envolveu o Central, pouco criativo, inofensivo quando ia ao ataque. As oportunidades corais foram surgindo, mas o segundo gol só veio no final do primeiro tempo. Aos 40, Jefferson Maranhão cobrou falta na área. A bola passou por todo mundo e acabou entrando direto: 2 a 0 Tricolor, que saiu aplaudido ao fim do primeiro tempo, coisa rara na temporada.

O Central voltou para o segundo tempo na posição de franco atirador. Atrás do placar, decidiu partir para o tudo ou nada nos últimos 45 minutos. Esbarrou, contudo, nas limitações técnicas. A Patativa, por mais que se esforçasse, não conseguia chegar com perigo ao gol de Tiago Cardoso. Não conseguia, sequer, aproveitar os erros bobos de passe do Santa Cruz.

Pernambucano 2013, 2º turno: Santa Cruz x Central. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

Erros de passe que custaram caro a Luciano Sorriso. Apesar da grande atuação no primeiro tempo, ele errou bolas simples no segundo e acabou vaiado pela torcida, ao ser substituído por Éverton Heleno, por volta dos 20 minutos. É inegável, porém, a grande contribuição do volante para a boa atuação no time na partida.

O segundo tempo do Santa Cruz foi baseado nos contra-ataques em velocidade, aproveitando-se da ofensividade do Central. E assim o Tricolor foi bem mais perigoso que o adversário. Perdeu chances com Danilo Santos, Tiago Costa e Léo. Faltou, justamente no final, o que sobrou no restante da partida: futebol coletivo. O individual aflorou nos últimos minutos e só por conta disso a equipe coral não marcou mais gols.

Ficha do jogo

Santa Cruz

Tiago Cardoso; Everton Sena, Vagner, William Alves e Tiago Costa; Anderson Pedra, Luciano Sorriso (Éverton Heleno), Natan (Léo) e Jefferson Maranhão; Dênis Marques e Danilo Santos. Técnico: Marcelo Martelotte

Central: Rodrigão; Thiago Araújo, Itallo, Gustavo e Jean (Andrezinho); Cleber, Fernando Pires, Luiz Fernando (Jorge Luiz) e Tallys; André Nunes e Tavares (Paulo Vitor). Técnico: Ricardo Oliveira

Estádio: Arruda. Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento (AL). Assistentes: Albert Júnior e Karla Santana. Cartões amarelos: Cleber, Rodrigão, Gustavo (C), Natan e Éverton Sena (SC). Gols: Jefferson Maranhão (2). Público: 14.015. Renda: R$ 122.184,00

Santa Cruz quer manter estabilidade positiva diante do Central

Não deixar o Náutico desgarrar na liderança e obviamente manter-se no topo é um dos objetivos do Santa Cruz diante do Central nesta segunda-feira (11), a partir das 20h, no Arruda, em jogo que fecha a quinta rodada do segundo turno do Campeonato Pernambucano Coca-Cola. No momento, os corais ocupam o terceiro posto com nove pontos. Já o Central precisa abrir os olhos, pois já se encontra na zona perigosa. A Patativa está em 10º lugar, com apenas quatro pontos.

Outro objetivo é acabar com os altos e baixos e manter uma sequência positiva pela primeira vez na temporada. “Comentamos entre nós que estamos tendo altos e baixos, como foi na eliminação na Copa do Nordeste e no Pernambucano, quando perdemos para o Salgueiro. Temos de acabar com isso e começar uma sequência de vitórias para terminar os onze jogos da primeira fase bem e nos classificarmos entre os quatro”, disse o volante Anderson Pedra.

O mais curioso dessa fase é que o time vem tendo um desempenho melhor longe do Arruda, ao contrário do que aconteceu no ano passado – principalmente na Série C. A explicação do próprio treinador é que a ansiedade em fazer bonito diante da torcida tem atrapalhado um pouco.

“Temos sentido um pouco mais de peso (no Arruda). Não por questão de responsabilidade, mas por uma ansiedade muito grande de se presentear o nosso torcedor com uma grande exibição. Isso faz com que queiramos decidir o jogo rapidamente”, pontuou Martelotte.

O treinador coral tem apenas duas ausências para enfrentar os alvinegros. O zagueiro César e o atacante Flávio Caça Rato cumprem suspensão pelo terceiro amarelo. William Alves ganha a vaga na defesa e o ataque ainda é uma interrogação. Paulo César e Danilo Santos. A decisão do técnico será tomada depois de uma análise mais aprofundada sobre o adversário.

PATATIVA – E por falar no Central, o técnico Ricardo Oliveira poderá contar com o meia Thales e o zagueiro Gustavo. Ambos estavam fora da equipe por contusão. Já os atacantes André Tavares e André Nunes ganharam condição de jogo e podem estrear.

Ficha do jogo:

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Marquinho, Vágner, William Alves e Tiago Costa; Anderson Pedra, Luciano Sorriso, Natan e Jefferson Maranhão; Dênis Marques e Danilo Santos (Paulo César). Técnico: Marcelo Martelotte.

Central: Rodrigão; Araújo, Ítalo, Gustavo e Jean Batista; Cleber, Fernando Pires, Luíz Fernando e Thales; André Tavares e André Nunes. Técnico: Ricardo Oliveira.

Local: Arruda. Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL/Fifa). Assistentes: Albert Júnior e Karla Santana. Ingressos: R$ 30 (arquibancada inferior frontal), R$ 15 (aquibancada inferior atrás gol, arquibancada superior e meia-entrada.

Fonte: Wladmir Paulino

Santa Cruz bate o Ypiranga

Por: Ricardo Baroni

Jogando fora de seus domínios, o Santa Cruz bateu o Ypiranga na noite desta quarta-feira, por 2 a 0. Com gols marcados por Dênis Marques e Flávio Caça-Rato, a Cobra Coral acirrou a disputa pela primeira colocação, alcançando 9 pontos. O Ypiranga se mantém no meio da tabela, com 5 pontos.

Depois da derrota diante do Salgueiro, em casa, Martelotte mudou o time para encarar a Máquina de Costura. Na lateral-direita, o zagueiro Éverton Sena assumiu a vaga de Marquinho, que está lesionado, e o meia Jefferson Maranhão voltou à titularidade, barrando o volante Éverton Heleno.

O primeiro tempo foi muito truncado. Diminuindo bem os espaços, a equipe tricolor foi muito eficiente na marcação, mas apesar dos gols, não teve muito volume de jogo ofensivamente. Com um ataque longe e claramente desentrosado, Jefferson Maranhão e Natan não conseguiram carregar a bola para fazer transição entre os setores. Os tentos da partida sairam através de lances individuais, e foram praticamente as únicas boas jogadas do duelo. 

O primeiro gol saiu logo no começo, aos 6 minutos da etapa inicial. Após boa inversão de bola de Natan, Flávio Caça-Rato arrematou de primeira, marcando o primeiro dele no estadual. Depois de vários minutos de ostracismos na partida, o segundo gol tricolor aconteceu aos 22 minutos. Sorriso puxou bom contra-ataque no meio de campo, e lançou para Dênis Marques tocar na saida do goleiro Jailson para ampliar. Um ponco antes de terminar o primeiro tempo, Dênis Marques ainda perdeu um gol feito, depois de boa jogada de Natan.

A etapa complementar seguiu com a mesma dinâmica do anterior: marcação forte e poucas chances de gol. As poucas jogadas da Máquina de Costura, aconteciam sempre em cima de Everton Sena. O zagueiro, improvisado na lateral, não fez uma boa partida e sempre perdia lances para Jonathans.

A única jogada perigosa do Santa Cruz aconteceu aos 16 minutos, depois de boa jogada de Jefferson Maranhão. O meia avançou, passou por dois marcadores e abriu para Dênis Marques chutar prensado pela zagueiro Hugo.

Visivelmente cansado depois de vários minutos de ritmo intenso, a Cobra Coral caiu um pouco nos últimos 15 minutos, deixando assim, os visitantes crescerem um pouco no jogo. Aos 35, Marcinho quase diminuiu depois de cobrança de falta fenenosa, que passou raspando a trave direita de Tiago Cardoso. O placar não se modificou, fim de papo: 2 a 0.

Pela reabilitação no Estadual, Santa Cruz enfrenta o Ypiranga

A responsabilidade do Santa Cruz é conquistar o tricampeonato do Pernambucano e, consequentemente, ganhar confiança para no futuro garantir o acesso à Série B do Brasileirão. No entanto, o Tricolor do Arrunda ainda não se encontrou em campo em 2013. Com vitórias apertas e resultados não convincentes, o grupo coral procura a reabilitação diante do Ypiranga nesta quarta-feira, às 20h, no Otávio Limeira.

O técnico Marcelo Martelotte promoveu duas alterações nas peças da escalação. Marquinho e Éverton Heleno são sacados para as entradas de Éverton Sena e Jefferson Maranhão, respectivamente. A segunda mudança aconteceu em detrimento de maior dinamicidade no meio-campo do Santa. Já Sena entrar como titular porque o lateral-direito Marquinho reclamou de dores, depois falou que estava bem, mas o departamento médico preferiu poupá-lo nesta parida.

A novidade da vez, o meia Maranhão, garantiu muita vontade para superar o adversário e assegurar a vaga na titularidade. “Tivemos uma longa conversa e ficou acertado que devemos prestar mais atenção na zaga. Tudo está em seu devido lugar. Eu, por exemplo, conheço o campo que vamos jogar, conheço boa parte do elenco e até sei quem vai me marcar. Então ficará mais fácil para jogar”, falou referindo-se ao colega Danilo, do Ypiranga.

Com as alterações, o Santa Cruz deve entrar em campo com Tiago Cardoso; Everton Sena, César, Vágner e Tiago Costa; Anderson Pedra, Luciano Sorriso, Jefferson Maranhão e Natan; Flávio Caça-rato e Dênis Marques.

Artilharia na mira

O atacante Dênis Marques não fez gols na última rodada e, como ele mesmo falou no início do Estadual, a pretensão de se tornar o artilheiro do Pernambucano continua e está cada vez mais difícil. O jogador precisa correr atrá do prejuízo e balançar as redes adversárias. E não bastasse o Santa Cruz ficar de fora do primeiro turno e o jogador perder oportunidades de abrir vantagem, os adversários ao posto estão dando show nos gramados.

Dênis soma apenas dois tentos contra oito de Elton e seis de Rogério, ambos do Náutico.

YPIRANGA – O técnico Edson Miolo pretende manter a equipe titular que venceu o Pretolina por 3×2 na rodada passada para dar continuidade ao trabalho no seu grupo. Por isso, a equipe do Ypiranga deve vir com a mesma escalação para conseguir superar o Santa cruz, fragilizado pela derrota no Arruda diante do Salgueiro. A dupla de ataque formada por Assis e Paulo Krause será responsável por ameaçar a meta adversária, enquanto Bizerro e Egon controlarão as investidas do rival.

FICHA DO JOGO

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Everton Sena, César, Vágner e Tiago Costa; Anderson Pedra, Luciano Sorriso, Jefferson Maranhão e Natan; Flávio Caça-rato e Dênis Marques.
Técnico: Marcelo Martelotte

Ypiranga
: Jailson; Diogo, Bizerro, Egon (Lincoln) e Danilo (Hugo); Jefferson, Dácio, Ivan e Jonatas; Assis e Paulo Krauses.
Técnico: Edson Miolo

Campeonato Pernambucano. Local: estádio Otávio Limeira. Árbitro: Ricardo Jorge. Assistentes: Aldir Pereira e Bruno Vieira.

Fonte: Gabriela Máxima

Salgueiro cresce no Arruda e cai a última invencibilidade do Estadual

A equipe do  Santa Cruz voltou a decepcionar no Arruda, agora pelo Pernambucano deixou escapar a liderança no estadual. Contra o Salgueiro, o Tricolor perdeu por 1×0, gol marcado pelo ex-atacante Coral Fabrício Ceará. Ao invés de ratificar a liderança, dentro de casa, o time voltou a falhar diante do torcedor.

Com este resultado, o Mais Querido despencou para a quarta colocação, entretanto, com a mesma pontuação de Náutico, Serra Talhada e Sport e Recife.

O TIME – Visando manter o entrosamento da equipe, o técnico Marcelo Martelotte manteve a escalação da vitória sobre o Belo Jardim. O time foi assim escalado: Tiago Cardoso, Marquinho, Cesar, Vágner e Tiago Costa; Anderson Pedra, Luciano Sorriso, Éverton Heleno e Natan; Caça-Rato e Dênis Marques.

O JOGO – Embalado pela duas vitórias no começo da competição, a equipe Tricolor foi a campo com o objetivo de fazer o dever de casa e conquistar mais três pontos. Pela frente, o sempre complicado Salgueiro era o adversário. Como costumam ser os confrontos com o Carcará, o jogo começou bastante truncado.

Com a equipe sertaneja sabendo se defender muito bem, anulando o atacante Dênis Marques, a equipe tricolor não conseguiu criar oportunidades claras de gol. Por vez ou outra, Caça-Rato, sobretudo com o auxílio de Natan,  criava alguma oportunidade. Mas não foi o suficiente para o zero sair do placar.

SEGUNDO TEMPO – Necessitando produzir mais para se sobressair à retranca adversária, mas a passividade ficou evidente. De forma displicente, a equipe Tricolor não saiu do marasmo e permitiu que o Salgueiro tomasse gosto pela partida.

Sem nada ter a ver com a apatia da equipe Tricolor, os ex-Santa Cruz Elvis e Fabrício Ceará terminaram por fazer estrago dentro do Arruda. Após uma das boas jogadas de Elvis, Fabrício Ceará, na base do oportunismo, na pequena área, superou a zaga coral e mandou a bola para o fundo do gol.

O gol, logicamente, revoltou o torcedor e o time sentiu o baque. Mesmo colocando em campo Jefferson Maranhão, Everton Sena e Philco, o técnico Marcelo Martelotte não viu o time esboçar reação alguma e terminou o jogo como principal vilão da torcida.

Fonte: Agência CoralNET de Notícias

Santa Cruz com a base mantida para encarar o Salgueiro

Por Gabriela Máxima

Até então o Santa Cruz é o único time com 100% de aproveitamento no Campeonato Pernambucano Coca-Cola. Foram duas vitórias (a primeira contra o Pesqueira e a segunda diante do Belo Jardim, ambas por 2×1) em que o elenco tricolor não mostrou um futebol convincente, embora tenha garantido eficiência técnica para conseguir os resultados. A luta pelo tricampeonato – e pela permanência na liderança – continua neste domingo (3), diante do Salgueiro no Arruda, às 16h, em partida válida pela terceira rodada do Estadual.

Sem muitas opções para testar, o técnico Marcelo Martelotte vai promover a manutenção de Flávio Caça-rato ao lado de Dênis Marques no ataque. Além da dupla ainda não ter oportunidade de mostrar entrosamento, Paulo César continua em tratamento no departamento médico. E embora o colega de equipe esteja ausente, seu futebol não estava em alta no Arruda. Resta à nova dupla ofensiva garantir harmonia em campo para prosseguir os trabalhos junto ao técnico Martelotte.

Além de Caça-rato, a base do grupo tricolor vai continuar a mesma:Tiago Cardoso; Marquinho, César, Vágner e Tiago Cardoso; Luciano Sorriso, Anderson Pedra, Jefferson Maranhão e Natan; Flávio Caça-rato e Dênis Marques.

Éverton Heleno X Jefferson Maranhão

O técnico Marcelo Martelotte tem apenas uma dúvida para a escalação do jogo. Disputam a vaga de meia ao lado de Natan os jogadores Éverton Heleno e Jefferson Maranhão. O primeiro caiu no gosto do  técnico quando substituiu Luciano Sorriso contra o Pesqueira e fez o gol da vitória. No entanto, contra o Belo Jardim, o atleta não apresentou eficiência física para aguentar os 90 minutos de partida. No lugar dele deve entrar Jefferson Maranhão, que na opinião de Martelotte, e um jogador veloz e imprime dinamicidade no meio-campo tricolor.

Embora saiba o que pretende fazer diante do Salgueiro, o treinador coral preferiu não revelar suas intenções. “Entrei com Heleno no último jogo por uma questão tática. O gramado em Belo Jardim não é tão bom e precisávamos de um jogador que controlasse o jogo atrás. No meio da partida ele se sentiu cansado e eu o substitui por Jefferson Maranhão”, explicou o comandante tricolor. “Por outro lado, Maranhão é um jogador veloz e talvez vamos precisar dele no Arruda, onde as condições de jogo são totalmente diferentes. Jogamos em casa, com a  torcida e precisamos avançar”, completou.

A disputa pela vaga iniciou porque o meia Renatinho está há 15 dias lesionado na coxa esquerda, impossibiltado de treinar ou jogar. Até que ele retorne, a dupla fará o possível para se firmar na posição.


Éverton Heleno deve seder vaga de titular para Jefferson Maranhão Foto: Guga Matos/JC Imagem

SALGUEIRO

Espera-se que o Salgueiro fosse a quarta força do futebol estadual (atrás de Náutico, Santa Cruz e Sport). E embora o Carcará tenha derrotado o Sport na primeira rodada do segundo turno or 2×1, o time foi à Caruaru e perde, também por 2×1, diante do Porto. Para este jogo, no entanto, o Salgueiro precisa vencer para se estabilizar na competição. Com apenas três pontos somados no turno, o time comandado por Marcelo Chamusca figura apenas na sétima colocação.

Para a escalação, o treinador terá de driblar alguns problemas. O meia Clebson não vai atuar e abre a vaga para Yerien. O volante Pio também poderá ficar de fora do elenco. Para fechar com as alterações, Tamandaré treinou entre os titulares e pode começar jogando.

FICHA DO JOGO

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Marquinho, César, Vágner e Tiago Cardoso; Luciano Sorriso, Anderson Pedra, Jefferson Maranhão e Natan; Flávio Caça-rato e Dênis Marques.
Técnico: Marcelo Martelotte

Salgueiro
: Luciano; Marcos Tamandaré, Cleber Carioca, Ricardo Braz e Peri; Helder (Pio), Mateus, Victor Caicó e Yerien; Fabrício Ceará e Elvis.
Técnico: Marcelo Chamusca

Campeonato Pernambucano. Local: estádio Arruda. Árbitro: Gleydson Leite.Assistentes: Wilton Lins e Marlom Rafael. Ingressos: arquibancada inferior (setor C frontal), cadeira/proprietário e camarote R$ 30, arquibancada inferior (setor B atrás dos gols), estudante e sócio R$ 15, arquibancada superior R$ 15.

Com dois gols de falta, Santa Cruz suporta pressão e vence o Belo Jardim por 2 a 1

BELO JARDIM – Foi mais uma sem convencer. O Santa Cruz foi pressionado durante todo o jogo com o Belo Jardim, nesta quarta-feira, no estádio Sesc/Mendonção, mas foi salvo por duas bolas paradas. Venceu por 2 x 1, com gols marcados em faltas cobradas com perfeição por Dênis Marques e Luciano Sorriso. Foi o suficiente para conquistar mais três pontos, agora, longe de casa. O Tricolor é o único dos grandes da capital a não perder pontos neste turno.

O Belo Jardim se sobressaiu no primeiro tempo, aproveitando do conhecimento que tem do campo do Mendonção. O time da casa soube tirar vantagem das dimensões reduzidas e o gramado um tanto fofo, jogando em velocidade e fazendo a bola correr. O Santa Cruz demorou a se encontrar e acertar jogar nessas condições.

O resultado foi um domínio do Belo Jardim, porém, sem uma grande efetividade. O Calango até chegava ao gol, mas na realidade só deu trabalho a Tiago Cardoso apenas uma vez. Enquanto isso, o Santa Cruz se defendia e tentava chegar nos contra-ataques. Éverton Heleno e Luciano Sorriso tinham a responsabilidade de fazer a transição, mas não conseguiram aparecer na partida.

Paulo Paiva/DP/D. A. Press
Caça Rato pouco produziu

Foi então que a bola parada começou a decidir a partida. A falta próxima à área era prenúncio de perigo. Dênis Marques e Luciano Sorriso na bola. Quem cobrou foi o atacante. Com perfição. A bola passou por cima da barreira, tocou no travessão e entrou, sem chance para Romero. Um gol importante para o Santa Cruz, que foi pressionado durante todo o primeiro tempo pelo Belo Jardim.

Sufoco que até aumentou no segundo tempo. O Belo Jardim chegou a ser mais efetivo nas chegadas. Tiago Cardoso teve que trabalhar. Numa finalização de Fernandinho, operou um milagre. Salvou o Santa Cruz do gol de empate. O time da casa tinha mais a bola, chegava mais ao ataque, mas não conseguia marcar o gol.

Aos 17, veio o castigo. Parecia replay, só que do outro lado do campo. Falta muito próxima à área. Dênis Marques e Luciano Sorriso na bola. Desta vez, uma diferença. Somente no batedor. Quem cobrou foi o volante. A perfeição foi a mesma. As chances de Romero, também: zero. E assim o Santa Cruz, que se limitava até então aos contra-ataques, ampliar o marcador.

Era justo. Sim. Porque o Santa Cruz foi competente nas finalizações. Se não dominou o adversário, por outro lado soube se defender dele. Às vezes, mais na raça do que na técnica. Só que a insistência deu resultado. Aos 27, Muller, que entrou no segudo tempo, aproveitou espertamente o cruzamento da esquerda e mandou para o gol. Era justiça também pelo lado do Belo Jardim.

A pressão só aumentou. A torcida empurrava e o Belo Jardim ia para cima desesperadamente em busca do empate. Mais uma vez, porém, não conseguiu superar Tiago Cardoso. O último suspiro foi… uma bola parada. Mas do time da casa. Júnior Maranhão cobrou ao seu estilo, com força, mas a bola foi para fora.
Ficha do jogo

Belo Jardim
Romero; Felipe Almeida (Muller), Anderson, Eduardo Eré e Fernandinho (Luciano Silva); Xinho, Júnior Maranhão, Yannick e Douglas; Candinho e André Recife. Técnico: Levinha

Santa Cruz
Tiago Cardoso; Marquinho, Vágner, César e Tiago Costa; Anderson Pedra, Luciano Sorriso (Éverton Sena), Éveron Heleno (Jefferson Heleno) e Natan (Danilo Santos); Flávio Caça-Rato e Dênis Marques. Técnico: Marcelo Martelotte

Estádio: Sesc/Mendonção. Árbitro: Cláudio Mercante. Assistentes: Clóvis Amaral e Bruno Vieira. Gols: Dênis Marques, Luciano Sorriso, Muller. Cartões amarelos: César, Tiago Costa, Jefferson Maranhão, Flávio Caça-Rato (SC), Muller, Xinho (BJ) Público: 6.300. Renda: R$ 35.970
.

Alexandre Barbosa – Diario de Pernambuco

Santa Cruz enfrenta o Belo Jardim para se firmar no Pernambucano

Por Gabriela Máxima

O Santa Cruz ainda não convenceu em 2013. E é com o pensamento de se firmar na temporada e reconquistar a cofiança da torcida que o Tricolor do Arruda enfrenta o Belo Jardim quarta-feira (27), às 22h, no estádio do Mendonção. Embora não demonstre, o elenco coral pretende imprimir ofensividade para garantir a segunda vitória no Campeonato Pernambucano Coca-Cola.

Portanto, para o jogo, o técnico Marcelo Martelotte promoveu a primeira mudança tática desde que chegou ao Santa. Ele vai colocar três jogadores (Luciano Sorriso, Anderson Pedra e Éverton Heleno) fazendo a função de volante: um fixo e dois intercalando a posição. A alteração vai servir para ajudar Pedra e Sorriso, que estavam muito expostos e praticamente sem cobertura.

O volante Luciano Sorriso aprovou a mudança. “É, acho melhor dessa forma. Éverton vai avançar mais, enquanto eu vou ficar atrás ajudando (Anderson) Pedra com a marcação”, explicou o jogador.

Além da entrada de Éverton Heleno, Martelotte vai promover o retorno de Flávio Caça-rato à titularidade. O atacante substitui Paulo César na vaga, que, por sua vez, sentiu um desconforto muscular e fica de fora da partida. Caça-rato já teve algumas oportunidades no elenco principal do Santa Cruz, mas o jogador sempre que acionado se mostrou irregular e não foi aproveitado por Martelotte na titularidade. Agora, no entanto, o jogador ganha uma nova chance para assegurar seu nome no elenco.


Caça-rata tem chance de se firmar na titularidade Foto: Guga Matos/JC Imagem

“Tenho mais essa chance. Vou tentar ir para cima e buscar a vitória. Ainda bem que recebi esse voto de confiança do professor (Marcelo Martelotte). Vou fazer de tudo para aproveitar e fazer o meu melhor”, garantiu o jogador.

Jogo para se firmar na temporada

Desde a última partida contra o Fortaleza ainda pela Copa do Nordeste, o Santa Cruz não apresenta um bom futebol. A insegurança após a eliminação foi perceptível em campo diante do Pesqueira, mesmo assim Tricolor deixou o Arruda com a vitória por 2×1. Não convenceu. A torcida vaiava o time pelo futebol pífio. Mesmo assim, grupo tricolor quer reconquistar a confiança da torcida para seguir firme na competição.

Belo Jardim

Embora tenho fechado o primeiro turno com um bom aproveitamento e a terceira colocação na tabela, o Belo Jardim foi derrotado por 1×0 pelo Central na primeira rodada do segundo turno. Agora o técnico Leivinha pretende aproveitar o mando de campo para surpreender o Santa Cruz no Mendonção e voltar a vencer no Pernambucano. Tanto que a escalação, segundo o comandante, permanece a mesma, inclusive, com o volante Júnior Maranhão, o goleiro Romero e o zagueiro Eduardo Eré.

FICHA DO JOGO

Belo Jardim: Romero; Felipe Almeida, Alenilson, Eduardo Heré e Fernandinho; Xinho, Júnior Maranhão, Yannick e Douglas; Candinho e André Recife.
Técnico: Leivinha

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Marquinho, César, Vágner e Tiago Costa; Luciano Sorriso, Anderson Pedra, Éverton Heleno e Natan; Flávio Recife e Dênis Marques.
Técnico: Marcelo Martelotte

Local: Estádio Mendonção, em Belo Jardim. Horário: 22h. Árbitro: Cláudio Mercante. Assistentes: Clóvis Amaral e Bruno Vieira.

Santa Cruz leva susto, mas se recupera e vence o Pesqueira de virada

O Santa Cruz tomou o maior susto no primeiro tempo da partida contra o Pesqueira, neste sábado, no Arruda. Em partida válida pelo segundo turno do Pernambucano 2013, o Tricolor foi para o intervalo de jogo, empatando em 1 a 1. No segundo tempo, porém, a equipe coral se redimiu e virou o placar para 2 a 1. Dênis Marques e Everton Heleno marcaram para o Santa Cruz, enquanto Dadá Pesqueira fez o gol de honra do Pesqueira.

Até os 35 minutos do primeiro tempo, a partida deu sono. Alguns poucos lances de perigo mantiveram os torcedores acordados. E o time do Pesqueira ousou até mais do que o Santa Cruz. Teve até um gol anulado pelo bandeirinha. É tanto que aos 39 minutos, Dadá Pesqueira recebeu lançamento e encontrou a defesa coral desarrumado. Ele só teve o trabalho de driblar o goleiro Tiago Cardoso e tocar para o fundo da rede ( 1 a 0). Logo na sequencia, Jonathan perdeu a oportunidade de fazer o segundo gol do Pesqueira. Mas a zaga do Pesqueira também cochilou. E bobeou logo na frente de quem. O matador tricolor não perdoa. Dênis Marques, aos 46 minutos, deixou tudo igual no Arruda (1 a 1).

O segundo tempo começa e as duas equipes se mostram mais dispostas. o Tricolor mostrando mais força ofensiva. E isto poderia melhorar se Dênis Marques não segurasse tanto a bola. Se tocasse mais rápido, deixaria seu companheiro de ataque, Flávio caça Rato, que entrou no lugar de Paulo César, neste segundo tempo, em condições de marcar. Caça Rato, inclusive, deu mais movimentação ao ataque coral. Assim que entrou deu passe importante para Dênis Marques que, muito marcado, não fez grandes coisas.

Aos 29 minutos, porém, DM9 se redimiu. Deu um passe açucarado para o estreante da noite, o garoto Everton Heleno, que entrou no lugar de Luciano Sorriso. Everton teve a calma de um veterano e tocou na saída do goleiro Geday. Era o segundo gol do Santa cruz, para alívio da torcida coral. O Pesqueira sentiu o golpe. Tentou chegar ao empate na cobrança de bola parada, mas nada que comprometesse a atuação do goleiro Tiago Cardoso, seguro nas defesas.
O Santa Cruz manteve-se mais aceso. Aos 39, o bandeirinha Albert Júnior assinalou impedimento duvidoso do atacante Dênis Marques. Chance perfeita para o Tricolor liquidar a fatura.

Superesportes