UFC

Em comunicado oficial, UFC diz que cirurgia de Spider foi um sucesso

Hospital onde Anderson Silva passou por cirurgia na madrugada deste domingo (Foto: Ivan Raupp)

A Zuffa, empresa proprietária do UFC, soltou um comunicado à imprensa às 3h da manhã de Las Vegas (9h da manhã no horário de Brasília) informando que a cirurgia de Anderson Silva foi um sucesso e dando detalhes sobre a recuperação desse tipo de fratura.

Confira na íntegra:

“Depois da luta principal do UFC 168, o ex-campeão Anderson Silva foi levado a um hospital de Las Vegas, onde passou por cirurgia para reparar a perna esquerda que estava quebrada. A cirurgia foi um sucesso e foi realizada pelo Dr. Steve Sanders, cirurgião ortopédico do UFC, que inseriu uma haste intramedular na tíbia esquerda. A fíbula quebrada foi estabilizada e não vai precisar de uma cirurgia à parte. Anderson vai continuar no hospital por um período curto, mas não passará por nova cirurgia. O tempo de recuperação para esse tipo de lesão pode variar de três a seis meses.

Anderson está profundamente tocado pelas manifestações de apoio de seus fãs e de toda a comunidade do MMA. Não houve decisão imediata sobre o seu futuro e ele gentilmente pede privacidade neste momento, enquanto lida com a sua lesão e se prepara para voltar para casa para se recuperar”

Anderson sofre fratura chocante em chute, e Weidman mantém cinturão

Por Direto de Las Vegas, EUA

Um fim totalmente imprevisível e dramático na luta mais esperada do ano fez Anderson Silva continuar sem o cinturão do UFC. O brasileiro sofreu uma fratura chocante na perna esquerda ao aplicar um chute em Chris Weidman no segundo round, foi ao chão na sequência e não pôde prosseguir no duelo. Sentindo muita dor, ele deixou o octógono de maca, com a perna imobilizada e foi direto para o hospital. O público que compareceu ao MGM Grand Garden Arena na noite deste sábado em Las Vegas (EUA) – madrugada de domingo no Brasil – demorou a entender o que havia acontecido e saiu da arena atônito. Declarado vencedor por nocaute técnico devido à lesão do oponente, Weidman manteve o título peso-médio (até 84kg) da organização. O americano, por sinal, estava bem até aquele momento e havia sido bem superior no primeiro assalto.

Anderson Silva lesão UFC Las Begas (Foto: Reuters)
Anderson Silva fratura a perna esquerda após chute baixo em Chris Weidman (Foto: Reuters)

O episósio é um duro golpe para Anderson, que diferentemente do primeiro encontro, quando foi de fato nocauteado por Weidman após fingir que havia sido atingido, estava lutando de forma séria e sem fazer provocações. Foi a sexta derrota na carreira do atleta de 38 anos num total de 39 combates. Já Weidman, de 29 anos, aumentou seu cartel invicto para 11 triunfos.

O foco de Anderson era total desde o início. Ele parou na saída do vestiário, agachou-se e refletiu. Depois de muitos segundos, levantou-se e seguiu o caminho. A caminhada em frente ao público até o octógono teve aplausos e incentivos. Nenhum sorriso. As luzes se apagaram, e foi a vez de Weidman entrar. O americano carregou consigo a bandeira dos EUA e contou com um misto de aplausos e vaias. Era chegada a hora do combate, e a voz de Bruce Buffer deu o tom do momento.

Anderson Silva e Chris Weidman luta UFC Las Vegas (Foto: AP)
Anderson Silva se contorce de dor após sofrer a fratura na perna esquerda (Foto: AP)

A luta começou com Weidman tentando achar a distância e botando para baixo no single leg. Anderson se levantou rapidamente e ficou com as costas na grade, pressionado pelo rival. Os dois trocaram joelhadas no corpo, e Weidman acertou o rosto do Spider com uma bomba. O brasileiro sentiu, desequilibrou-se e caiu. O campeão aplicou boa sequência, mas foi travado. Por cima, Weidman soltou cotoveladas, mas também levou alguns socos de Anderson, que estava por baixo e golpeou com menos potência. Nesse momento, os fãs brasileiros e americanos faziam um duelo de gritos reverenciando seus países. Weidman ainda acertou uma cotovelada fortíssima no rosto do rival no fim.

No segundo round, ambos se defenderam bem nos primeiros ataques em pé. Weidman jogou um chute no corpo do adversário, e foi aí que o inesperado aconteceu. O Spider acertou um chute na perna do campeão e sofreu uma fratura chocante no ato do golpe. No chão, ele gritou, e o árbitro deu fim à luta quando o relógio marcava 1m16s. Anderson foi levado direto para o hospital parapassar por uma cirurgia no local.

Anderson Silva e Chris Weidman luta UFC Las Vegas (Foto: Getty Images)
Chris Weidman festeja a vitória enquanto Anderson Silva se contorce de dor (Foto: Getty Images)

– Primeiro de tudo, gostaria de dizer que não importava o que acontecesse hoje, ele ainda é o melhor de todos os tempos. Ele merece muito que Deus o abençoe. Eu esperava que ele viesse chutar forte, e esses chutes machucam muito mesmo. Não gostaria que ele se machucasse dessa maneira, mas isso é parte do esporte. A defesa desse chute é uma das coisas que eu vinha trabalhando no meu treino, mas é claro que não era o meu objetivo quebrar a sua perna. Agora quero relaxar um pouco, mas é claro que a luta contra Vitor Belfort será um grande combate – disse Weidman, já falando sobre seu próximo adversário.

"Pilhado", Anderson Silva encara Weidman em revanche no UFC 168

Foto: Reprodução Instagram – POR MATHEUS ALBINO

A  luta mais esperada do último Card do ano no UFC 168, no MGM Grand Garden Arena, em Las Vegas, neste sábado, entre o brasileiro Anderson Silva e o americano Chirs Weidman, detentor do cinturão da categoria médio-pesado, está deixando os próprios lutadores com os nervos à flor da pele. Nas palavras do presidente do UFC, Dana White, Anderson Silva está “pilhado” e bastante empolgado com a luta.

Em entrevista coletiva concedida à imprensa, Dana afirmou  que está bastante empolgado pela luta e também pela vibração de Anderson Silva. Dana disse estar muito satisfeito com a entrevista que o brasileiro também concedeu à imprensa.

Ansioso e “pilhado” na expectativa da revanche, o brasileiro se preparou muito para este evento, que pode até marcar a sua aposentadoria dos rings. Em entrevista à imprensa, ele afirmou que essa pode sim ser a sua última luta. “O UFC tem seu novo campeão, mas vou mudar isso no sábado. Não sei, existe uma grande chance de eu parar no sábado”, afirmou.

Já o seu adversário, Chris Weidman, preferiu não enfrentar o jogo psicológico de Anderson Silva, afirmando que o adversário está gastando energia à toa. No primeiro combate entre os dois, no dia 26 de julho deste ano, o americano não caiu no jogo de Anderson durante a luta, que por diversas vezes tentou desestabilizar mentalmente Weidman. O americano nocauteou Spider no segundo round a 1min e 18 seg do fim.

CONFIRA O CARD COMPLETO DO EVENTO:

UFC 168
28 de dezembro de 2013, em Las Vegas (EUA)

CARD PRINCIPAL
Chris Weidman x Anderson Silva
Ronda Rousey x Miesha Tate
Josh Barnett x Travis Browne
Jim Miller x Fabrício Morango
Dustin Poirier x Diego Brandão

CARD PRELIMINAR
Chris Leben x Uriah Hall
Gleison Tibau x Michael Johnson
Dennis Siver x Manny Gamburyan
John Howard x Siyar Bahadurzada
William Patolino x Bobby Voelker
Robbie Peralta x Estevan Payan

Luta épica entre Antônio Pezão e Mark Hunt em Brisbane termina empatada

Vicente Ribeiro – Superesportes

Um duelo épico fechou o UFC Fight Night 33, em Brisbane. Antônio Pezão e Mark Hunt mostraram superação e muita vontade, resistiram aos fortes golpes trocados de forma mútua até o fim do quinto round. Na contagem dos juízes, o duelo ficou sem vencedor. Um apontou o triunfo do neozelandês, por 48 a 47, mas dois votaram pela igualdade, ambos por 47 a 47. Com isso, prevaleceu o empate em decisão majoritária.


Com o empate, tanto o brasileiro como o neozelandês adiaram a recuperação na categoria peso pesado do UFC – Pezão foi derrotado por Cain Velasquez no último confronto e Mark Hunt perdera para Junior Cigano. Mas o fato é que a luta principal em Brisbane levou os fãs à loucura, diante da agressividade e do espírito de luta dos dois. Eles mostraram muita resistência e, mesmo exauridos, continuaram com o duelo até o fim do quinto round.

Ao fim da luta, antes da aguardada definição dos juízes laterais, Pezão e Hunt se abraçaram como dois guerreiros que se respeitaram antes, durante e depois da batalha. E os fãs, não menos satisfeitos com a performance de ambos, ovacionaram os lutadores. Com o empate em decisão majoritária, um novo duelo entre ambos deverá ser marcado pela organização.

A luta

Pezão foi perfeito no primeiro round, com uma estratégia bem-sucedida de manter a distância para o adversário, muito perigoso no jogo de pressionar na grade e mandar a ‘bomba’ de direita. Sem conseguir a aproximação, o neozelandês também não obteve êxito na tentativa de ‘furar’ a guarda do brasileiro, bem fechada.

Mas Hunt mostrou o perigo e o poder dos punhos ao acertar Pezão no segundo round. O brasileiro sentiu e o neozelandês ganhou confiança para o restante do combate. O que os fãs presenciaram a partir daí foi um exemplo de dedicação dos dois atletas. Eles se revezaram nos golpes, mas o lutador da casa encaixou um direto que mandou o adversário a knockdown. O Super Samoan foi para cima no ground and pound e buscou as cotoveladas, mas o Big Foot resistiu.

Com intenso sangramento acima do olho esquerdo, Pezão tinha dificuldade até para enxergar, mas o médico o examinou e a luta continuou emocionante. O brasileiro reagiu, conectou boa sequência e o neozelandês sentiu, sem no entanto desistir. No quinto e último round, a impressão era que qualquer um poderia ser nocauteado. Mas ambos foram até o fim, em um exemplo de superação.

Com o empate em decisão majoritária, ficou a sensação de ‘quero mais’. “Agradeço a todo mundo da Austrália, isto aqui é um paraíso. Estou muito feliz, o Mark Hunt é durão e treinei duro. Lesionei as costas há duas semanas, mas dei o meu melhor”, declarou o brasileiro, sem esconder a emoção, muito aplaudido pelo público. Já Mark Hunt comemorou a grande atuação com o filho pequeno nos braços.

Resultados do UFC Fight Night 33

Card principal

Mark Hunt e Antônio Pezão empataram em decisão majoritária dos juízes
Maurício Shogun venceu James Te Huna por nocaute no primeiro round
Ryan Bader venceu Anthony Perosh por decisão unânime
Soa Palelei venceu Pat Barry por nocaute no primeiro round
Clint Hester venceu Dylan Andrews por nocaute técnico (interrupção médica) no segundo round
Bethe Pitbull venceu Julie Kedzie por decisão dividida

Card preliminar

Takeya Mizugaki venceu Nam Phan por decisão unânime
Caio Monstro venceu Nick Ring por decisão unânime
Justin Scoggins venceu Richie Vaculik por nocaute técnico no primeiro round
Krzysztof Jotko venceu Bruno Carioca por decisão unânime
Alex Garcia venceu Ben Wall por nocaute no primeiro round

Belfort nocauteia Hendo e aguarda vencedor de Spider x Weidman

Por Goiânia

A trajetória recente de Vitor Belfort tem sido marcada por vitórias contundentes. Desde o nocaute sofrido contra Anderson Silva, o Fenômeno enfileirou adversários. A exceção foi a disputa de cinturão dos meio-pesados, contra Jon Jones. Neste sábado, o brasileiro mostrou – mais uma vez – que merece ter nova chance de desafiar o campeão dos médios. E desta vez, terá, como já assegurou o presidente do Ultimate, Dana White. Em Goiânia, contra Dan Henderson, ele decretou a terceira derrota seguida ao americano, por nocaute, o primeiro sofrido por ele, aos 1m17s, do primeiro round.

Após a histórica vitória, ele aguarda o vencedor da revanche entre Chris Weidman e Anderson Silva, que será disputada dia 28 de dezembro, no UFC 168, em Las Vegas.

Vitor Belfort e Dan Henderson UFC Goiânia (Foto: Rodrigo Malinverni)
Vitor Belfort nocauteou Dan Henderson no primeiro round do combate (Foto: Rodrigo Malinverni)

A torcida cantava “olê, olê, olê, Vitor, Vitor”, mas o primeiro minuto foi de nenhuma ação. Os lutadores se estudavam. Quando Dan Henderson partiu para cima, sequer pôde saber de onde partiu o soco de Vitor Belfort. O americano já caiu mal. Tentou fechar a guarda, Vitor saiu e ele tentou se levantar. Foi a deixa para levar o golpe final. Um chute e o primeiro nocaute da carreira de Hendo. Festa dos torcedores na Arena Goiânia, que cantavam que “o campeão voltou”.

Confira os resultados do UFC: Belfort x Henderson

Vitor Belfort venceu Dan Henderson por nocaute a 1m17s do round 1
Cezar Mutante venceu Daniel Sarafian por decisão dividida (28 a 29, 30 a 27 e 30 a 28)
Rafael Feijão venceu Igor Pokrajac por nocaute técnico (desistência) a 1m18s do round 1
Brandon Thatch venceu Paulo Thiago por nocaute técnico (desistência) aos 2m10s do round 1
Ryan LaFlare venceu Santiago Ponzinibbio por decisão unânime (30 a 27, 30 a 27 e 30 a 27)
Jeremy Stephens venceu Rony Jason por nocaute aos 40s do round 1
Sam Sicilia venceu Godofredo Pepey por nocaute técnico a 1m42s do round 1
Omari Akhmedov venceu Thiago Bodão por nocaute aos 3m31s do round 1
Thiago Tavares venceu Justin Salas por finalização (mata-leão) aos 2m38s do round 1
Adriano Martins venceu Daron Cruickshank por finalização (kimura) aos 2m49s do round 2
Dustin Ortiz venceu José Maria No Chance por nocaute técnico aos 3m19s do round 3

Duelos de velhos e novos leões marcam a estreia do UFC em Goiânia

Por Goiânia

Já diz a lei da selva que só pode haver um leão no bando. Quando um outro rival se aproxima, é hora de uma batalha decidir qual deles prevalecerá. O UFC Fight Night Combate: Belfort x Henderson coloca frente a frente não só dois veteranos da selva do MMA, como também dois novatos que buscam inspiração em seus ídolos para começarem a pavimentar seus caminhos no esporte. Na luta principal, Vitor Belfort terá, após quase sete anos, a revanche diante do americano Dan Henderson, que o venceu em 2006 por decisão unânime dos juízes. No coevento principal, o vencedor do TUF Brasil 1, Cezar Mutante, enfrentará aquele que deveria ter sido seu adversário na final do reality show, Daniel Sarafian. Mutante, que é pupilo, amigo e fã de Belfort, encarará Sarafian, declaradamente fã de Dan Henderson, e que busca a sua segunda vitória no evento. O Combate transmite o torneio ao vivo e na íntegra a partir de 20h30 (de Brasília). O Combate.com fará o acompanhamento em Tempo Real do evento a partir de 19h30m (de Brasília), e transmitirá em vídeo a luta entre José Maria “No Chance” e Duztin Ortiz. A TV Globo transmitirá ao vivo as principais lutas do torneio, logo após o “Altas Horas”.

Vitor Belfort x Dan Henderson UFC Goiânia (Foto: Rodrigo Malinverni)Vitor Belfort e Dan Henderson fazem a luta principal do UFC Goiânia (Foto: Rodrigo Malinverni)

Novamente frente a frente após sete anos, Vitor Belfort e Dan Henderson farão neste sábado o que se pode chamar de um clássico do MMA. Donos de carreiras consagradas e protagonistas de lutas históricas, os dois veteranos possuem estilos agressivos e sempre buscam o nocaute. Apesar de todo o respeito demonstrado nas entrevistas e eventos oficiais, o brasileiro acredita que a luta principal será uma verdadeira guerra.

– Será um prazer dividir esse momento com aquele leão. O Henderson é um lutador experiente, consagrado, e que ainda consegue lutar em pé de igualdade contra os melhores do mundo. Eu estou totalmente concentrado nessa luta, que será duríssima. Vou buscar dominar todos os momentos do combate, não dar chance a ele de prevalecer em nenhum minuto da luta. Só assim eu posso garantir que vencerei.

Para Henderson, o duelo vale como uma superluta do UFC.

– Hoje eu estou muito melhor do que era quando nos enfrentamos. Acho que o Dan Henderson de 2013 acabaria com o Dan Henderson de 2006. Mas Vitor também está muito melhor, acrescentou novas armas ao seu arsenal de golpes e vem em uma fase excelente. Acho que a luta de hoje será uma superluta, já que somos melhores do que éramos antes. Eu já o venci uma vez, mas foi na decisão dos juízes. Não quero deixar isso acontecer novamente. Quero finalizar essa luta.

Na final que nunca houve, Mutante encara Sarafian

Cezar Mutante e Daniel Sarafin Pesagem UFC Goiânia (Foto: Rodrigo Malinverni)
Cezar Mutante encara Daniel Sarafin na pesagem do UFC Goiânia (Foto: Rodrigo Malinverni)

Tida por muitos como a que seria a luta mais espetacular do TUF Brasil 1, Cezar Mutante x Daniel Sarafian será o coevento principal do torneio deste sábado. Envolto em uma polêmica gerada pela revelação de Sarafian de que a luta teria sido pedida por Vitor Belfort após o veterano ter treinado com ele por algum tempo, o encontro entre os dois jovens valores do UFC ganhou ares de provável evento da noite. A tensão gerada é potencializada também pela expectativa que ambos teriam de mostrar qual teria sido o desfecho do reality show caso a final tivesse sido disputada entre os dois – Sarafian lesionou-se pouco tempo antes da decisão e foi substituído por Serginho Moraes, que acabou derrotado por Mutante na decisão dos juízes.

– Essa dúvida só existe na cabeça dos fãs. Eu sou o campeão do TUF Brasil 1. Eu lutei a final e venci. Estava lesionado também e fui às últimas consequências. O Sarafian é um cara muito duro, agressivo, e acho que faremos uma boa luta, mas ela é só mais um degrau que eu preciso subir para atingir os meus objetivos no UFC – disse Mutante.

Já Sarafian preferiu se afastar da polêmica criada por suas declarações e garantiu que não pensa mais no reality show.

– O Mutante venceu, ele é o campeão do TUF. Não tem nada que mude isso. Eu estou muito bem preparado para essa luta, e não mais pra aquela que nunca aconteceu. Hoje eu estou concentrado no Cezar. Deixei a história com o Vitor pra trás. Não posso ter dois adversários. Vou lutar contra o Mutante e quero vencer, porque me preparei pra isso.

Estreias e voltas por cima marcam o restante do card

Além das duas lutas principais da noite, o card do UFC em Goiânia está recheado de boas atrações para os fãs. Uma, talvez a maior delas, seja a estreia do argentino Santiago Ponzinibbio no torneio. Lutando no card princippal contra o novaiorquino Ryan LaFlare, o “hermano” atraiu membros da imprensa de seu país e está confiante em conseguir um bom resultado.

– Estou ansioso para subir logo lá e estrear no UFC. Me preparei muitos anos para isso, e poder fazer essa luta no Brasil, país que me acolheu, e representar a minha pátria no maior evento de MMA do mundo é muito especial. Acho que todos vão torcer por mim, porque me conheceram no TUF Brasil 2 e se identificaram comigo. O “argentino gente boa” acabou caindo no gosto dos brasileiros, e acho que vou me sentir lutando em casa.

Mais Combate.com: confira as últimas notícias do mundo do MMA

Vindos de derrotas, Rafael Feijão e José Maria No Chance farão lutas importantes para suas carreiras no UFC. Feijão encara o croata Igor Pokrajac entre os meio-pesados, enquanto o peso-mosca No Chance pega o americano Dustin Ortiz na abertura do evento. A vitória para ambos é fundamental para terem tranquilidade com relação a estarem ameaçados de corte pelo UFC. O amazonense Adriano Martins, campeão do Jungle Fight, estreia entre os leves do UFC encarando o americano Daron Cruickshank, que já tem quatro lutas no UFC, com três vitórias e uma derrota.

Em situação diferente, vindo de três vitórias em três lutas na organização, Rony Jason terá o perigoso Jeremy Stephens pela frente, e garante que não se considera favorito para a luta, que será disputada no card principal.

– Quando eu olho para o Stephens, eu o vejo como mais forte que eu. Isso me deixa alerta, e eu mentalizo que vencê-lo vai me colocar um pouco acima dele. Mas para isso terei que superar essa diferença que eu vejo a favor dele.

Confira o card completo do evento:

UFC Fight Night Combate: Belfort x Henderson
9 de novembro, em Goiânia
CARD PRINCIPAL
Vitor Belfort x Dan Henderson
Cezar Mutante x Daniel Sarafian
Rafael Feijão x Igor Pokrajac
Paulo Thiago x Brandon Thatch
Santiago Ponzinibbio x Ryan LaFlare
Rony Jason x Jeremy Stephens
CARD PRELIMINAR
Godofredo Pepey x Sam Sicilia
Thiago Bodão x Omari Akhmedov
Thiago Tavares x Justin Salas
Adriano Martins x Daron Cruickshank
José Maria No Chance x Dustin Ortiz

CORREÇÃO: Ao contrário do que o Combate.com publicou inicialmente nesta nota, Dan Henderson não é havaiano, mas americano nascido na Califórnia. A informação foi publicada equivocadamente às 12h e corrigida às 15h25m.

Velásquez domina Cigano, consegue nocaute e se firma como número 1

Fonte: Canal COMBATE

O fim da trilogia não teve final feliz para os brasileiros. Com uma atuação dominante em todas as áreas, assim como havia feito na segunda luta, Cain Velásquez derrotou Junior Cigano na atração principal do UFC 166, na noite deste sábado, em Houston (EUA), e manteve o cinturão da categoria peso-pesado (até 120kg) do Ultimate. Desta vez, no entanto, o americano conseguiu no suspiro final o nocaute técnico, primeiro sofrido por Cigano, para dar um gosto ainda mais especial na vitória e se firmar como número 1 da divisão.

O campeão esteve muito bem durante todo o combate e impôs sua estratégia com êxito, alternando socos fortes em pé com quedas e pressão na grade. Cigano, por sua vez, saiu novamente com o rosto bastante inchado e desfigurado. Ao fim da luta, o brasileiro reconheceu a superioridade do adversário e deu a ele todos os créditos:

– Eu estava muito bem para essa luta. Ele (Cain Velásquez) é muito, muito… Ele me derrotou (risos). Vou treinar para ficar melhor e poder enfrentá-lo de novo.

Cain Velasquez x Junior Dos Santos ufc 166 (Foto: Reuters)
Cain Velasquez superou Junior Dos Santos pelo título dos pesados do UFC (Foto: Reuters)

Aos 31 anos, Velásquez chegou ao triunfo de número 13 na carreira, contra apenas uma derrota. Já Cigano foi derrotado pela terceira vez, a segunda para o campeão, em um total de 19 lutas.

Quando subiu ao octógono, Velásquez tinha ao seu lado o público de Houston, cidade onde se concentra uma grande comunidade do México. Todos, claro, estavam vaiando o brasileiro e gritando por seu ídolo que é americano, mas com fortes raízes mexicanas. E desde o início o campeão deu a eles motivos para comemorar. Cigano e Cain trocaram bombas já de cara, nenhuma efetiva, e Cain botou para baixo. O brasileiro se levantou e saiu. Ele deu um cruzado, mas Cain se esquivou e o travou na grade. Velásquez deu uma joelhada e tomou um direto. Cigano tentou um chute alto que passou no vazio. Cain novamente o travou na grade, soltando joelhadas no corpo, derrubou bem e ficou por cima. O americano se ajeitou na posição e alternou socos e cotoveladas. Cigano ficou de pé, mas não conseguiu se desgrudar. Enquanto isso, Cain o atingiu com socos na linha de cintura. No finzinho, Cigano errou um chute rodado.

No segundo round, o campeão acertou duas bombas em Cigano, que baixou a guarda. Cain tentou outra queda, mas sem efeito. Ele botou Cigano com as costas na grade, afastou-se e disparou golpes com as duas mãos. Cigano fez uma esquiva e chamou Cain para a trocação. O brasileiro saiu, mas foi de novo para a grade. Cain tentou a queda, levantou-se e acertou uma bomba de direita. Na grade, Cain machucou o rival com joelhadas e ganchos no rosto. No fim, Cigano acertou um direto limpo, mas parou no gongo.

Mais Combate.com: confira as últimas notícias do mundo do MMA

No terceiro round, Cain voltou a botar Cigano na grade. O ex-campeão abriu espaço e acertou dois bons socos. No terceiro, Velásquez desviou e o travou. O brasileiro tomou um knockdown com uma direita forte. O americano foi pra cima, mas Cigano achou forças para se levantar. Na sequência, a coisa se repetiu. De pé, Cigano perdeu fôlego. Completamente tonto, ele levou mais dois cruzados potentes, mas resistiu bravamente. Quando acabou o assalto, o rosto do brasileiro já estava bastante inchado e sangrando.

Cain Velasquez x Junior Dos Santos ufc 166 (Foto: Getty Images)
Cain Velasquez castigou Junior Dos Santos no UFC 166 (Foto: Getty Images)

Cigano abriu o quarto round com um cruzado de esquerda, mas Cain devolveu com juros. Acuado, o brasileiro levou outra sequência potente e seguiu de pé. E mais golpes. E mais golpes. Velásquez valorizou a vantagem e botou Cigano na grade. Quando se afastou, fez bela esquiva para encaixar outro diretaço. Cigano acertou uma cotovelada no rosto do americano, que não chegou a balançar. Com o rosto de Cigano todo ensanguentado, o árbitro Herb Dean interrompeu o duelo por alguns instantes. Na volta, o brasileiro jogou um overhand no ar. Contra a grade, ele encaixou forte cotovelada no rosto de Velásquez, que deu um passo para trás e devolveu com um direto.

Cigano jogou um overhand de raspão no começo do quinto assalto. Na segurança, Cain botou para baixo. O campeão ficou nas costas do rival, disparando socos. Eles se levantaram, e Cain o botou com as costas na grade mais uma vez. Velásquez acertou uma esquerda no queixo do oponente. Depois de travá-lo na grade, ele puxou Cigano para baixo. O brasileiro, ajoelhado e já sem forças, botou as mãos na cabeça para se defender. Cain foi para cima e disparou mais alguns socos até que o arbitro interrompesse a luta, quando o relógio marcava 3m09s do round final.

O próximo compromisso de Cain Velásquez já tem nome e será outro brasileiro: Fabricio Werdum. O gaúcho foi confirmado recentemente pelo UFC como desafiante ao cinturão dos pesados, mas ainda não existe uma data certa para o combate. O mais provável é que eles se enfrentem no primeiro semestre do ano que vem.

Confira os resultados do UFC 166:

Cain Velásquez venceu Junior Cigano por nocaute técnico aos 3m09s do round 5
Daniel Cormier venceu Roy Nelson por decisão unânime (30 a 27, 30 a 27 e 30 a 27)
Gilbert Melendez venceu Diego Sanchez por decisão unânimes (29 a 28, 30 a 27 e 29 a 28)
Gabriel Napão venceu Shawn Jordan por nocaute técnico a 1m33s do round 1
John Dodson venceu Darrell Montague por nocaute aos 4m13s do round 1
Tim Boetsch venceu CB Dollaway por decisão dividida (30 a 26, 27 a 29 e 30 a 26)
Hector Lombard venceu Nate Marquardt por nocaute a 1m48s do round 1
Jessica Eye venceu Sarah Kaufman por decisão dividida (29 a 28, 28 a 29 e 29 a 28)
KJ Noons venceu George Sotiropoulos por decisão unânime (29 a 28, 28 a 29 e 30 a 27)
Adlan Amagov venceu TJ Waldburger por nocaute aos 3m45s do round 1
Tony Ferguson venceu Mike Rio por finalização (triângulo de mão invertido) a 1m52s do round 1
Andre Fili venceu Jeremy Larsen por nocaute técnico aos 53s do round 2
Kyoji Horiguchi venceu Dustin Pague por nocaute técnico aos 3m51s do round 2

Simpático, Weidman dá cinturão de presente a garoto com câncer em SP

Feliz da vida e com cinturão, Felipe sorri ao lado de Weidman e Anderson (Foto: Marcos Ribolli)
Por Globo Esportes

Cansado da rotina de compromissos com a mídia e os fãs no World Tour do UFC 168, Anderson Silva alternou momentos de bom e mau humor na coletiva de imprensa desta segunda-feira, em São Paulo. Com isso, o brasileiro abriu espaço para o campeão Chris Weidman, que mostrou simpatia durante toda a atividade e ganhou muitos aplausos no fim, quando entregou uma réplica de seu cinturão para o garoto Felipe Adorno, que há cinco anos está em tratamento contra um câncer. O menino de 11 anos foi à coletiva graças à mãe, que entrou em contato com a organização, e se disse realizado:

– É um sonho. Estou bastante emocionado – afirmou Felipe, que mesmo com o gesto de Weidman disse que vai torcer pelo Spider, de quem é grande fã.

Em meio às perguntas da coletiva, Anderson causou suspresa nos jornalistas ao se negar a comentar a lesão na costela. No domingo, ele fez a revelação de que enfrentou Weidman no UFC 162 com esse problema e disse que estava com 85% de sua capacidade física:

– Não vamos falar sobre isso, por favor. Isso é passado.

Weidman, por sua vez, foi questionado se a revelação de Anderson soou para ele como desculpa, mas foi respeitoso em relação ao brasileiro:

– Não acho que é uma desculpa. Todos nós atletas lidamos com lesões. Não sei qual foi o problema dele, mas ele não quer falar muito sobre isso.

O presidente do Ultimate, Dana White, reforçou sua empolgação para o duelo que está marcado para 28 de dezembro, em Las Vegas (EUA):

– A cada luta todos perguntam o que vai acontecer se o desafiante vencer o campeão. Esse cara quebrou todos os recordes do UFC, e esse outro venceu o campeão. As coisas aqui são reais. Nós colocamos os melhores do mundo para lutar, e o melhor vence.

Anderson Silva e Chris Weidman coletiva UFC (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)
Anderson Silva mostrou cansaço por causa do World Tour (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

Anderson repetiu que não vai mudar seu estilo para a revanche, mesmo tendo perdido a primeira luta, e Weidman seguiu essa linha de pensamento:

– Acho que lutarei da mesma forma que na primeira luta. A diferença é que agora tenho mais tempo para me preparar. Na outra luta eu estava curando algumas lesões e tive menos tempo de treino. Agora tenho mais tempo de preparação, sem me preocupar com lesões.

Dana White cogita Vitor Belfort x Ronaldo Jacaré

O chefão comentou outros assuntos além do UFC 168 e cogitou a possibilidade de Ronaldo Jacaré voltar ao octógono contra o compatriota Vitor Belfort:

Definitivamente uma luta com
dele (Jacaré) contra Vitor Belfort
é uma possibilidade”
Dana White

– Na minha opinião, Jacaré é um grande lutador, e sua vitória sobre Okami foi sensacional. Agora ele está machucado, mas definitivamente uma luta com dele contra Vitor Belfort é uma possibilidade.

Um momento curioso ocorreu quando Dana foi questionado sobre a possibilidade de o Spider enfrentar Lyoto Machida e Ronaldo Jacaré. Em uma sessão de perguntas e respostas no Rio de Janeiro, o ex-campeão havia dito que abriria mão de cinturão para não ter de enfrentá-los.

– Anderson Silva é uma pessoa interessante. Às vezes as pessoas fazem perguntas, e ele responde publicamente uma coisa, mas eu digo que, se ele alguma hora tiver pela frente Lyoto Machida na sua categoria, querendo tirar o seu cinturão, vamos ver o que acontece.

Após ouvir Dana White, Anderson pediu a palavra para reforçar que não enfrentaria nenhum dos dois e se irritou quando um jornalista insistiu no assunto:

anderson silva dana white chris weidman ufc mma   (Foto: Marcos Ribolli)
Encarada séria entre o campeão e o desafiante (Foto: Marcos Ribolli)

– Não, eu não lutaria com ele. Você lutaria com seu irmão? Para com isso – disse ele, que depois abriu um sorriso e completou com um “Agora sim!” quando o tema virou Jacaré x Befort.

Sobre a quase briga de Wanderlei Silva com Chael Sonnen, Dana não se mostrou suspreso:

– A confusão entre Wanderlei Silva e Chael Sonnen não me surpreende. Há cerca de um ano Chael Sonnen estava aqui falando coisas horríveis sobre o seu país. Então eu sei que os brasileiros não gostam de Sonnen. Bem, alguns gostam. No Fan Expo do ano passado um fã tentou acertá-lo. E Wanderlei Silva é chamado de “Assassino do Machado”, e é muito orgulhoso de ser brasileiro.

Lutador brasileiro de MMA morre após passar mal em pesagem

Uma notícia abalou o mundo do MMA na noite desta quinta-feira. O lutador Leandro Feijão, que estava escalado para o card do Shooto 43, que acontece nesta sexta, no Rio de Janeiro, faleceu. A informação foi divulgada pelo também atleta André Chatuba em sua conta no Facebook. Embora um diagnóstico oficial ainda não tenha sido divulgado, a reportagem doLANCE!Net esteve presente na Nova União, academia do lutador, na tarde desta quinta, e acompanhou a apreensão da equipe ao saber que Feijão passara mal durante a pesagem do evento por conta do corte de peso.

– O Feijão bateu peso, mas não vai lutar. Quase desmaiou na pesagem e foi levado para o hospital para se recuperar. Ele conseguiu bater o peso, mas não vai ter condições de lutar – contou “Tigrinho”, membro da equipe, ao chegar na academia antes de puxar o treino na tarde desta quinta.

A notícia de que Feijão havia passado mal na pesagem do show pegou inúmeros atletas da Nova União de surpresa. Preocupados, companheiros de equipe especularam que Leandro Feijão precisava perder cerca de cinco quilos em 24 horas para bater o peso de sua categoria e poder lutar no Shooto 43. Sem maiores informações e sem poder prever que o pior ainda estava para acontecer, alguns lutadores conversavam sobre o perigo de perder tanto peso na véspera da pesagem e torciam para que Feijão se recuperasse e deixasse de correr esse risco em outras oportunidades.

No início da noite, André Pederneiras, líder da Nova União e presidente do Shooto Brasil publicou um comunicado em seu Facebook para confirmar a morte de Leandro Feijão.

– É com grande pesar que viemos por meio desta noticiar o falecimento do atleta Leandro Caetano de Souza. O atleta veio a óbito na UPA de Botafogo, os motivos ainda não são de nosso conhecimento. Gostaríamos de expressar os pêsames a todos os amigos e familiares – escreveu o treinador.

O corte de peso é um assunto polêmico no MMA por conta da desidratação pela qual os atletas tem de passar dias antes da pesagem. Buscando fazer seus treinamentos com um peso elevado para que o trabalho seja mais forte, é comum no MMA que atletas deixem para perder peso apenas na semana anterior à pesagem, que normalmente acontece na véspera das lutas.

Leandro Feijão tinha um cartel no MMA de dez lutas, cinco vitórias e o mesmo número de derrotas. O lutador tinha 26 anos.

Fonte: LanceNet

Após a morte de Leandro Feijão, evento Shooto 43 é cancelado

A organização do Shooto anunciou o cancelamento da edição número 43 da franquia após o falecimento do atleta Leandro “Feijão”, que aconteceu pouco antes da pesagem oficial do card, na última quinta-feira. O evento estava agendado para acontecer nesta sexta-feira (27), no Clube Hebraica, Rio de Janeiro. O treinador e empresário Dedé Pederneiras, um dos organizadores do Shooto, fez o anúncio por meio do Facebook.

– O Shooto Brasil vem por meio desta registrar o cancelamento do evento que aconteceria amanhã (sexta-feira) no Clube Hebraica , em sinal de LUTO – escreveu Pederneiras, ainda na noite da quinta-feira.

Na manhã desta sexta, através de uma rede social, a página oficial do Shooto também divulgou uma nota sobre a anulação da noite de lutas.

– O Shooto 43 foi cancelado em respeito e luto ao ocorrido com o atleta Leandro Feijão – diz o comunicado.

A causa da morte de Leandro Feilão ainda não foi descoberta. O atleta estava tendo dificuldade para bater o peso antes de seu compromisso pelo Shooto. O brasileiro precisava perder cerca cinco quilos em 24 horas.

Fonte: MMA Press