Em corrida emocionante, Hamilton vence GP do Brasil e leva disputa do título para Abu Dhabi

POSTED BY: MARIO VICTOR

São Paulo – Lewis Hamilton fez o dever de casa e venceu o GP do Brasil de ponta a ponta para ainda ter chances de ser campeão da Fórmula 1 em 2016 – primeira vitória do inglês aqui. Nico Rosberg, líder do campeonato, passou por momentos de tensão – quando perdeu a segunda posição para Verstappen e quando aquaplanou e quase bateu, o que praticamente daria o título mundial ao companheiro, mesmo ainda faltando uma corrida, em Abu Dhabi, daqui a uma semana.

Mas os carros da Mercedes foram os que menos tiveram destaque durante a prova. Max Verstappen largou em quarto, assumiu a terceira posição na primeira curva na relargada, chegou a ficar fora da zona de pontuação, mas recuperou todas as posições e chegou ao pódio. O melhor piloto do dia, sem dúvidas.

Hamilton comemorou muito sua primeira vitória no Brasil

Hamilton comemorou muito sua primeira vitória no Brasil

Felipe Massa não teve a despedida que desejou. Assim como um dos outros cinco pilotos a abandonar corrida, ele aquaplanou, bateu e promoveu o momento mais emocionante do final de semana. No caminho de volta para os boxes da Williams, o brasileiro foi aplaudido por todos no circuito de Interlagos, inclusive fazendo todos os mecânicos da Mercedes, Ferrari e Williams irem para a frente dos boxes aplaudí-lo em sua passagem.

Felipe Nasr se beneficiou muito da chuva e dos abandonos dos outros carros para conseguir os primeiros pontos da Sauber no ano e garantindo que a equipe fique à frente, pelo menos por enquanto, da Manor no Mundial de Construtores. O feito pode garantir ao brasiliense uma vaga no grid de 2017.

Abandono de Massa emocionou a todos

Abandono de Massa emocionou a todos

Abaixo, todos os detalhes do GP do Brasil 2016.

Com muita chuva em Interlagos às 13h50, dez minutos antes de a corrida começar, a direção de prova decidiu atrasar em dez minutos a corrida e fazer a largada com o Safety Car à frente do carros. Assim seguiu até a volta 7, quando ele entrou nos boxes e, na volta 8, os pilotos puderam acelerar um pouco mais. Logo na primeira curva Verstappen aproveitou o vacilo de Raikkonen e fez a ultrapassagem na curva 1.

Não demorou muito para várias equipes decidirem trazer seus carros aos boxes para colocar os pneus intermediários. Na subida da da reta principal, Vettel rodou e quase causou um acidente com Perez, que vinha logo atrás. Pouco depois foi a vez de Marcus Ericsson rodar praticamente no mesmo lugar. Mas, ao contrário de Sebastian, que conseguiu voltar para a pista, o sueco bateu no muro de proteção e parou na entrada dos boxes, bloqueando a passagem. O Safety Car foi acionado novamente e a entrada nos boxes fechada.

Hamilton liderando GP do Brasil 2016

Hamilton liderando GP do Brasil 2016

Nesse ponto, Felipe Massa e Daniel Ricciardo já estavam sendo investigados. O brasileiro por ter ultrapassado Gutierrez antes da linha da primeira saída do Safety Car, e o australiano por ter entrado nos boxes quando carro de Ericsson estava bloqueando o caminho e a entrada estava proibida.Depois de retirada a Sauber da pista, a prova voltou, mas não por muito tempo. Na volta de número 20, Kimi Raikkonen aquaplanou na reta de largada, rodou, bateu no muro de proteção e seu carro ficou atravessado. Perez, Sainz e Ocon quase colidiram com a Ferrari. A corrida foi paralisada. Bandeira vermelha e todos os carros ficaram enfileirados na saída dos boxes. Os pilotos aproveitaram para sair e conversar com os engenheiros.

Enquanto a prova não voltava, os comissários confirmaram as duas punições. Cinco segundos para Massa e para Riciardo. Felipe Nasr foi um dos que mais aproveitou toda essa confusão. Depois de largar em penúltimo, o brasileiro chegou à sétima posição no momento da paralisação da prova. Caso o GP não voltasse, ele garantiria preciosos pontos para a Sauber, que ainda não marcou nenhum esse ano. Apesar de a Manor estar com os dois pilotos na zona de pontuação no momento da bandeira vermelha – nono e décimo -, como Nasr estava na sétima colocação, ganharia seis pontos para o time, fazendo com que eles passassem os adversários no Mundial de Construtores.

Corrida teve duas bandeiras vermelhas

Corrida teve duas bandeiras vermelhas

Mas a corrida voltou quase 40 minutos depois. A chuva não havia diminuído, mas os carros voltaram para a pista. Às 15h21 – horário de Brasília – os carros saíram, novamente com o Safety Car à frente. No retorno, Palmer não viu o carro de Kvyat e acabou batendo na lateral. Por sorte, apenas a Renault ficou danificada e precisou abandonar. O grid estava assim: Hamilton, Rosberg, Verstappen, Perez, Sainz, Nasr, Ricciardo, Ocon, Wehrlein, Alonso, Bottas, Magnussen, Button, Vettel, Hulkenberg, Massa, Gutierrez e Kvyat.

Pelo rádio, os pilotos seguiam dizendo que a visibilidade não estava boa. A corrida seguiu com Safety Car por mais 8 voltas até ser dada bandeira vermelha novamente, às 15h35. Após 15 minutos de paralisação, a direção de prova decidiu reiniciar a corrida às 16h02.

No retorno, Max Verstappen fez uma linda ultrapassagem em Nico Rosberg e assumiu a segunda colocação. Na saída da curva 3, o holandês botou por fora e passou a Mercedes. Aqui, destaque para algo impensável: Vettel disputando a décima posição com Wehrlein que, depois disso, começou a descer no grid, sendo ultrapassado por Hulkenberg, Magnussen e Bottas.

Max Verstappen ainda protagonizou uma cena de tirar o fôlego. Tentando se aproximar de Hamilton, ele aquaplanou na reta principal e quase bateu no muro, conseguindo recuperar o controle do carro a poucos centímetros do muro. Ainda voltou para a pista à frente de Rosberg.

Na volta de número 42, Ricciardo foi para o boxe e pagou a punição de 5s, ficando parado sem os mecânicos tocaram no carro. Ele botou os pneus intermediários e, na primeira volta depois que saiu, fez a volta mais rápida da corrida: 1m25s532. Dos onze primeiros, apenas os da Red Bull estavam com pneus intermediários nesse momento.

Nico Rosberg também deu um susto na equipe e quase entregou o título a Hamilton na volta 44. Ele aquaplanou, perdeu o controle do carro, mas conseguiu recuperar a tempo de se manter na pista.

Mecânicos da Mercedes foram aplaudir o brasileiro

Mecânicos da Mercedes foram aplaudir o brasileiro

E foi nesse momento que o final de semana de despedida de Felipe Massa acabou. O brasileiro aquaplanou na reta principal, bateu no muro de proteção e seu carro ficou parado quase no mesmo lugar do de Ericsson. Visivelmente triste e chateado, como não poderia ser diferente, ele, no caminho de volta para os boxes, parou e acenou para os fãs com uma bandeira do Brasil em mãos. Safety Car novamente na pista e entrada para o boxe proibida.

Parecia que a corrida tinha parado. Todos os mecânicos da Mercedes, Ferrari e Williams foram para a frente dos boxes aplaudir o brasileiro, deixando muitos emocionados até na sala de imprensa, de onde também recebeu aplausos.

Verstappen foi o grande destaque da corrida com excelentes ultrapassagens

Verstappen foi o grande destaque da corrida com excelentes ultrapassagens

Mas o GP continuou e quase dez voltas depois do acidente de Felipe, o Safety Car saiu da pista. A corrida recomeçou com essa ordem no grid: Hamilton, Rosberg, Perez, Sainz, Vettel, Nasr, Hulkenberg, Ocon, Kvyat, Bottas, Ricciardo, Wehrlein, Verstappen – porque parou nos boxes -, Gutierrez, Magnussen, Button e Alonso – que rodou sozinho pouco antes de o Safety Car sair.

Faltando dez voltas para o fim, Verstappen conseguiu ultrapassar Ocon e chegou em Nasr para brigar, então, pela sétima posição. No mesmo momento que Gutierrez, com problema no carro, abandonou. O piloto da Red Bull não demorou para passar o brasiliense, que, logo em seguida, foi superado por Ricciardo também, caindo para a nona colocação.

Mesmo com a pista ainda muito molhada, Verstappen protagonizou excelentes ultrapassagens. Nasr, Hulkenberg, Vettel, Sainz e Perez foram vítimas do holandês voador. Sem dúvidas, o melhor piloto da corrida. Faltando uma volta para o fim e ele alcançou o pódio de forma espetacular.

Com 11s segundos de vantagem, Lewis Hamilton venceu e levou a disputa pelo título para a última etapa, em Abu Dhabi.

AS CONTAS PARA O TÍTULO NA FÓRMULA-1

CLASSIFICAÇÃO DO MUNDIAL DE PILOTOS

1º) Nico Rosberg (ALE/Mercedes) – 367 pontos
2º) Lewis Hamilton (ING/Mercedes) – 355 pontos

O QUE ROSBERG PRECISA PARA SER CAMPEÃO:

• Chegar em terceiro lugar: mesmo se Hamilton vencer, Rosberg fica com o título indo ao pódio.
1º) ROS – 382 pontos
2º) HAM – 380 pontos

• Sexto lugar, se Hamilton for segundo:
1º) ROS – 375 pontos
2º) HAM – 373 pontos

• Oitavo lugar, se Hamilton for terceiro:
1º) ROS – 371 pontos
2º) HAM – 370 pontos

Caso Hamilton chegue em quarto, Rosberg é campeão mesmo se não marcar pontos

O QUE HAMILTON PRECISA PARA SER CAMPEÃO

• Vencer, com Rosberg em quarto:
1º) HAM – 380 pontos
2º) ROS – 379 pontos

• Segundo lugar, com Rosberg em sétimo:
1º) HAM – 373 pontos
2º) ROS – 373 pontos
Neste caso, Hamilton seria campeão por ter mais terceiros lugares, com 4 a 2 (os dois empatariam no número de segundos lugares, com 4 cada)

• Terceiro lugar, com Rosberg em nono:
1º) HAM – 370 pontos
2º) ROS – 369 pontos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *