Grêmio tira sonho de 6 anos do papel e inaugura Arena por uma 'nova era'

“Sonho que se sonha só é só um sonho que se sonha só. Mas sonho que se sonha junto é realidade”. São versos retirados de Prelúdio, canção de Raul Seixas, que dimensionam com exatidão o que cada gremista está prestes a viver neste 8 de dezembro de 2012. Um sábado diferente. Um dia como poucos. Uma data para sempre. A partir das 20h, o Grêmio inaugura a Arena, seu novo estádio, no bairro Humaitá, em Porto Alegre. Um projeto que começou dentro da cabeça e da mochila de um jovem dirigente e, aos poucos, passou a ser abraçado por mais pessoas, por praticamente todos que vestem azul, preto e branco. Sonhado junto. Portanto, realidade.

Ainda no embalo de Raulzito, o título da música tem tudo a ver com o espírito tricolor neste sábado mágico para os torcedores. Afinal, o objetivo do Grêmio é, ao descortinar para o mundo a sua nova casa, abrir também uma avalanche de conquistas em campo, ausentes desde 2001. Ou seja, a festa colossal que vem por aí está mais para um começo, uma prévia, do que para um fim. Não por acaso, o clube mobiliza os fãs pela internet desde a tarde de sexta-feira, pedindo que espalhem a mensagem “Nova Era Tricolor”.

grêmio; arena; arena do grêmio (Foto: Wesley Santos/PressDigital)
Chegou a hora: Arena será inaugurada neste sábado (Foto: Wesley Santos/PressDigital)

O espetáculo da noite se divide em duas partes. Primeiro, a partir das 20h, num show previsto para durar uma hora e cinco minutos e que promete emocionar. O parâmetro é nada menos que a cerimônia de encerramento de uma Olimpíada. Às 22h30m, a bola rola para o amistoso inaugural, em que tudo será pela primeira vez. Do pontapé inicial ao gol, a novidade será a palavra de ordem em Grêmio x Hamburgo, um “revival” do Mundial de 1983.

O torcedor poderá ver tudo no GLOBOESPORTE.COM, que transmite a festa e o amistoso ao vivo. Antes, desde a manhã, poderá acompanhar a movimentação dos fãs na Arena e também no Olímpico, outro grande ponto de concentração de gremistas – em Tempo Real, com fotos e relatos sobre o que de mais importante acontece em Porto Alegre. O internauta ainda pode participar, enviando a sua foto desse momento inesquecível da história tricolor.

Com a intenção de facilitar o deslocamento da torcida, algumas medidas foram tomadas. Duas linhas de ônibus especiais serão oferecidas especificamente para quem irá à festa de inauguração. Outras sete opções de trajetos realizados por coletivos estarão à disposição dos torcedores. Mais de 60 mil pessoas são esperadas.

Há também a opção de ir de trensurb, de carro ou até a pé, como sugere o hino, já que as ruas do entorno da Arena não receberão bloqueios por parte da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) durante todo o dia. O GLOBOESPORTE.COM listou todas as formas de locomoção até o espetáculo. Clique aqui e confira.

A mochila de Antonini

Arena do grêmio reunião amsterdam arena (Foto: Arquivo Pessoal)
Antonini (segundo da esquerda para a direita) em
reunião com a Amsterdam Arena, em 2006
(Foto: Arquivo Pessoal)

Parece impossível, mas a Arena do Grêmio, um gigante de 56 metros, já coube numa mochila. Ou ao menos o sonho de erguê-la. Na verdade, a ideia inicial era reformar o Olímpico. Mas Eduardo Antonini, hoje presidente da Grêmio Empreendimentos, porém na época só mais um jovem conselheiro, ficou convencido, após viagem rumo à Copa de 2006, na Alemanha, que o Grêmio precisava de uma revolução.

Como se fosse um “maluco beleza”, sonhava esse sonho sozinho. Tanto que viajou para o Mundial por conta própria, numa aventura de mochileiro, dormindo em albergues. Na volta a Porto Alegre, ganhou, primeiramente, a confiança do presidente Paulo Odone, que aceitou a contratação da empresa holandesa Amsterdam Arena para a criação de um estudo de viabilidade. Eis a semente da Arena tricolor.

A busca pelo novo, hoje tão exaltada, no entanto, teve seus obstáculos nos idos de 2007 e 2008. Esbarrou um pouco no próprio Conselho Deliberativo, com seus mais de 300 gremistas, muitos testemunhas do crescimento do Olímpico. Depois, na desistência do grupo português TBZ. A construtora baiana OAS, que já estava no negócio com os portugueses, “abraçou” a causa e resolveu tocar a obra com os seus próprios braços, numa parceria de 20 anos.

– É importante sublinhar o caráter pioneiro do projeto. Em tempos de Copa do Mundo, todos falam em arenas. Em 2006, no entanto, ninguém pensava em se desfazer de seus estádios – destaca Antonini, sobre a primeira Arena da América Latina.

Com investimentos beirando os R$ 540 milhões, a previsão é de que a Arena fature entre R$ 110 milhões e R$ 120 milhões em seu primeiro ano de vida (a construtora OAS fica com 35% do total, e o Grêmio, 65%) .

Obras voam em 2012

O contrato foi firmado em dezembro de 2008. Menos de dois anos depois, em 20 de setembro de 2010, num evento do tamanho do que hoje é a Arena, era lançada a pedra fundamental do estádio. Com direito a voo de helicpótero de Hugo de León com um pedaço da grama do Olímpico e extensa carreata pelas ruas de Porto Alegre. A partir daí, tudo virou poeira, cimento, barulho. Numa palavra: obras. Naquela época, eram 200 operários. Agora, na fase de finalização dos trabalhos, passam de 3,2 mil homens carregando vigas, aplicando pinturas e instalando os mais variados tipos de equipamentos.

A obra ganhou um generoso empurrão em 2012. Em janeiro, por exemplo, estava a 50% de sua conclusão, sem sequer o esqueleto da cobertura – processo iniciado em 30 de abril e com a novidade de deixar todos os torcedores protegidos. Em menos de um ano, está praticamente a 100%, com seu teto completamente instalado. O gramado começou a nascer em 23 de outubro e hoje impressiona pela rapidez com que deixou de ser ralos tufos para se tornar um tapete verde. Sustenta como carro-chefe a drenagem à vácuo, inédita no Brasil e que garante um jogo tranquilo, mesmo sob um dilúvio sem fim.

A tecnologia é o sobrenome da Arena. Os dois telões foram fabricados pela mesma empresa do maior telão do mundo, o de Dallas, nos Estados Unidos. Cada um tem 96,4 m², maior que um apartamento de luxo, com três dormitórios. Os refletores prometem um campo “sem sombras” tamanha a eficiência das 408 lâmpadas de 2.000 watts cada. Os quatro vestiários levam o padrão Fifa, algo ainda não visto no país. Outro destaque são os camarotes. Antes mesmo de serem inaugurados, cerca de 60% dos 135 disponíveis já foram comercializados, alguns por dez anos.

É bom ressaltar, no entanto, que a obra não está completamente finalizada. O torcedor não terá à sua disposição o futuro memorial, que promete alta interação e aparelhos de ponta, nem a loja do Grêmio, a ser erguida em dois pisos. No entanto, poderá consumir produtos do clube em quiosques espalhados pelo complexo. Estará à venda, por exemplo, a camiseta exclusiva para o amistoso com o Hamburgo. As lojas projetadas para o estádio também serão ausências, uma vez que os interessados ainda precisam definir as compras dos locais para posterior instalação de sua marca. O restaurante panorâmico, projetado sobre a Geral, será construído depois. Na inauguração, servirá como espaço vip a personalidades.

“O espetáculo é o Grêmio”

Como o próprio Grêmio define, a Arena é mulituso. Viverá não só de gols, mas também das vozes de artistas e de rifes de guitarras. Uma prova de sua capacidade para receber shows se verá neste sábado mesmo, no espetáculo de inauguração. Serão ao todo cinco blocos temáticos intercalados com apresentações e queimas de fogos.

– O espetáculo é o Grêmio – explica o diretor artístico Aloyzyo Filho.

Muito por isso, 12 ídolos históricos, entre eles o ex-goleiro Danrlei e o ex-meia Milton Kuelle – que atuou na Baixada e no Olímpico – desfilarão no gramado em determinado momento da apresentação.

arena inauguração ensaio grêmio (Foto: Bruna Melgarejo/ Arquivo Pessoal)Ensaio geral na última quinta-feira (Foto: Bruna Melgarejo/ Arquivo Pessoal)

Centenas de balões com o símbolo gremista serão dispostos no gramado. Cerca de 180 deles, em tamanho menor, serão empurrados para fora do campo pelos figurantes. Mas outros 56 ficarão no campo, medindo 5 metros de altura, com alguns se elevando até perto do teto. Um deles é maior, de oito metros e não sustenta o escudo tricolor. Nele, serão projetadas imagens com aspecto tridimensional. O conteúdo das imagens é mantido em segredo, mas o certo é que remeterá aos momentos vitoriosos do clube.

A fita que simboliza a abertura do estádio, por exemplo, será carregada por bailarinos “voadores”, suspensos por cordas de aço e que descerão com o tecido até ele se desamarrar. Será o desfecho, a senha para o futebol entrar em campo.

Em campo: Grêmio x Hamburgo

zé roberto grêmio arena (Foto: Lucas Rizzatti/Globoesporte.com)
Zé Roberto já defendeu o alemão Hamburgo
(Foto: Lucas Rizzatti/Globoesporte.com)

O clima de festa contagiou a comissão técnica e os jogadores do Grêmio. De quarta a sexta, a descontração marcou os treinos. Foram atividades leves. Apenas para manter a o ritmo dos atletas. A partida é encarada pelo lado histórico. Ganhar é importante, claro, para marcar o começo de uma era. Atacantes sonham com o primeiro gol. Zagueiros em evitá-lo. Vanderlei Luxemburgo resumiu como os 90 minuto serão encarados em uma frase. Não está preocupado se os alemães tentarão dar o troco da perda do título mundial:

– O jogo é uma festa. Temos de falar da grandeza dela, a importância da Arena ao clube. Se ficarmos nas picuinhas do futebol, se vem titulares ou não, se o Hamburgo encará como vingança, vamos estragar o momento. Não é o caso.

Luxa não revelou quem irá jogar. Os desfalques são Gilberto Silva (transferiu-se ao Atlético-MG), Kleber (operado no tornozelo esquerdo) e Gabriel (liberado pela direção para buscar novo clube). É certo que Zé Roberto irá reencontrar o clube que defendeu entre 2009 e 2011 e a escola de futebol que se consagrou por 12 temporadas – defendeu ainda LeverKusen e Bayern de Munique.

– É um amistoso, mas queremos ganhar. É importante começar uma era nova ganhando. A torcida espera isso – disse o meia.

O Hamburgo vive uma espécie de conflito de opiniões com a chance de reencontrar o Grêmio. Há quem exulte a vigem ao Brasil, há quem reclame e encare apenas como compromisso comercial. A verdade é que, pela diferença de calendário, o jogo irá atrapalhar os alemães.

hamburgo grêmio (Foto: Reprodução)
Jogadores do Hamburgo embarcam para o Brasil (Foto: Reprodução)

Basta ver a engenharia feita para a viagem. Na sexta-feira à tarde, o Hamburgo venceu o Hoffenheim pelo campeonato nacional e rumou para uma maratona. Em 40 minutos, a delegação estava no aeroporto da cidade. Pegou voo fretado a Porto Alegre – há escala em São Paulo. Os 22 mil quilômetros devem ser percorridos em 32 horas de voo. A volta na será na segunda-feira, e sábado há jogo contra o Leverkusen.

Tal situação fez o goleiro Adelr resumir a viagem como um ‘horror’. O técnico Thorsten Fink disse que é preciso pensar no clube – receberá R$ 2 milhões de cota. O lateral-esquerdo Aogo foi mais simpático:

– Nunca fui ao Brasil. Isso certamente será muito interessante. Estou convencido de que a viagem será boa e teremos uma grande festa.

Grêmio: Marcelo Grohe; Pará, Werley, Naldo e Pico; Fernando, Souza, Elano e Zé Roberto; Leandro (André Lima) e Marcelo Moreno

Hamburgo: Diekmeier, Mancienne, Westermann e Lam; Badelj, Skjelbred, Aogo e Arslan; Son e Rudnevs (desfalcado por Van der Vaart e Milan Badelj, lesionados).

O paraguaio Carlos Amarilla, árbitro Fifa, apita o amistoso da nova era tricolor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *