Bom senso e mau futebol: Náutico perde do Vasco e chega à pior campanha

Felipe Bueno – Especial para o Diario de Pernambuco

O Náutico passou a maior parte do Campeonato Brasileiro fora dos radares: na zona de rebaixamento em todas as rodadas, o Timbu só chamava a atenção do público e da mídia quando quebrava recordes negativos – até a semana passada. Depois de sofrer dentro de campo, os jogadores apontaram más condições também além dele. Com o volante Martinez como porta-voz, o elenco acusou o clube, dentre outras coisas, de atraso nos salários e conquistou o apoio do grupo Bom Senso F.C., que cobra mudanças no futebol brasileiro. Com o impasse resolvido, porém, o Alvirrubro voltou à sua rotina. Ontem, diante do Vasco no Maracanã, chegou à 13ª derrota consecutiva no Brasileirão: 2 a 0.


No primeiro minuto de jogo, vascaínos e alvirrubros repetiram o protesto em forma de troca de passes, mas a inofensividade durou pouco. Logo aos 4 minutos de jogo, Yotún acertou um belo chute na trave direita de Ricardo Berna e a bola sobrou onde não deveria:  no  meio da área, Edmílson empurrou livre para as redes e abriu a contagem. Atrás no placar, o Timbu tentou se livrar da desvantagem: não conseguiu, mas, pelo menos, conseguiu segurar o contador – aos trancos e barrancos.

Aos 15 minutos, Gustavo Henrique recuperou a bola dentro da área alvirrubra sozinho e, sem saber o que fazer, tocou para escanteio. Aos 33, o mesmo teve a posse no campo de ataque: tropeçou na bola e tocou errado. Pouco depois, Maranhão teve uma boa oportunidade de contra-ataque pela direita, mas chutou em cima da zaga cruz-maltina. Neste cenário, a melhor chance do Náutico foi com Maikon Leite em jogada individual: o centroavante avançou pela esquerda e chutou cruzado por cima da meta de Alessandro. Além da má atuação do ataque, o responsável por manter o placar de 1 a 0 no primeiro tempo foi Berna, frustrando as poucas tentativas do Vasco: a melhor com o zagueiro Cris, que cabeceou para a defesa do goleiro.

Segundo tempo

Com os dois times apresentando um futebol longe de ser atrativo, a etapa complementar teve  poucos lances decisivos. Pior para o Náutico: Martinez, que foi dúvida durante a semana por conta das ameaças de greve, levou o terceiro cartão amarelo e está fora da rodada final, diante do Corinthians. Tentando ampliar o placar, Yotún chutou de longe aos 15 minutos e a bola passou por cima do travessão. Da mesma forma, Rogério revidou, mas sua tentativa parou nas mãos de Alessandro, que espalmou para escanteio. Quem não teve o mesmo destino foi Bernardo: o meia alvinegro saiu do banco de reservas e, aos 41 minutos, avançou pela intermediária timbu e chutou na saída de Ricardo Berna para fechar o contador: 2 a 0 Vasco.

Náutico
Ricardo Berna; Maranhão (Marcos Vinícius), Alison, Leandro Amaro e Bruno Collaço; Derley, Gustavo Henrique (Elicarlos), Martinez e Tiago Real; Maikon Leite e Rogério. Técnico: Marcelo Martelotte.

Vasco
Alessandro; Fagner, Cris, Luan e Yotún; Abuda, Guiñazu, Pedro Ken e Marlone (Bernardo); Thalles (Robinho) e Edmilson. Técnico: Adilson Batista.

Local: Maracanã, Rio de Janeiro/RJ. Árbitro: Anderson Daronco (RS) Assistentes: Altemir Hausmann (RS) e Rafael da Silva Alves (RS). Gols: Edmílson (V). Cartões Amarelos: Guiñazu, Robinho e Luan(V); Alison, Bruno Collaço, Maranhão e Martinez (N). Cartões Vermelhos: – .Público: 55.914. Renda: R$ 1.174.540.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.