Mordido, Cruzeiro bate Lokomotiv e é campeão do Mundial de Clubes

Por Betim, MG  Baixe o wallpaper do Cruzeiro, campeão mundial de clubes

“Estamos mordidos. Chegou a hora.” O levantador William avisou: o Cruzeiro estava cheio de vontade para bater os russos do Lokomotiv. Depois da derrota na primeira fase, era chegado o momento da decisão do Mundial de Clubes. Dito e feito. O Mago comandou com maestria um time quase perfeito neste domingo. Saques, bloqueios, defesas incríveis, ataques potentes. O repertório foi vasto, digno do título de melhor time do mundo. Diante de uma arquibancada celeste em Betim (7.200 torcedores lotaram o ginásio), os mineiros conseguiram a revanche na final, vencendo por 3 sets a 0 (25/20, 25/19 e 25/20). Se antes estavam engasgados com os russos, agora os cruzeirenses soltam a voz e gritam: “É campeão!”.

– Formidável. Jogamos um bolão, um vôlei de alto nível. Montamos uma equipe para esse campeonato, fizemos a preparação certa e fomos coroados com o título. Estamos muito felizes – disse William.

Cruzeiro é campeão mundial de vôlei (Foto: Divulgação/FIVB)
Cruzeiro é o primeiro time brasileiro a se tornar campeão mundial de vôlei (Foto: Divulgação/FIVB)

A medalha no peito comprova: o Cruzeiro é o primeiro time brasileiro a levar a taça do Mundial de Clubes. Depois de ter batido na trave e ficado com a prata diante do Trentino no ano passado, a equipe de Minas consegue quebrar a hegemonia italiana na competição. Os russos, algozes dos brasileiros nas Olimpíadas e na Liga Mundial, desta vez só assistiram à festa celeste.

– Não iria conseguir engolir se perdesse essa também. Agora é só comemorar. Esse time é de tirar o chapéu. Deu tudo certo. Jogamos 150% para conseguir essa vitória. O time jogou mais do que nunca – disse Wallace.

O cubano Leal foi o maior pontuador, com 13 acertos (quatro em saques). Mas como falar que o ponteiro foi o nome do jogo, se William também fez uma grande exibição, com passes mágicos? O oposto Wallace foi preciso nos ataques. O ponteiro Filipe e o líbero Serginho fizeram grandes defesas. Os centrais Éder, Douglas e Isac não tomaram conhecimento da muralha russa. Não à toa o Cruzeiro é campeão mundial. O time inteiro voou em quadra.

Leal é destaque do Cruzeiro diante do Lokomotiv (Foto: Divulgação/FIVB)
Leal foi o maior pontuador da final do Mundial de Clubes (Foto: Divulgação/FIVB)

Saques, bloqueios e euforia
Empurrados pela torcida celeste, os jogadores do Cruzeiro entraram em quadra mordidos, querendo a revanche diante dos russos. Para isso, os anfitriões apostaram na mesma arma que matou os argentinos do UPCN na semifinal: os saques potentes. Eles forçaram o saque e, por isso, erraram sete tentativas, mas também fizeram dois aces (com os ponteiros Leal e Filipe) e quebraram o ataque do Lokomotiv, que virou apenas seis bolas no primeiro set.

Não fosse pelo excesso de erros (13 n total), o Cruzeiro passearia em quadra. O levantador William viu nas bolas pelo meio de rede, principalmente as de primeiro tempo, uma saída para passar pelo forte bloqueio russo. Só o central Éder fez cinco pontos desse jeito – Douglas e Isac também foram acionados. O equilíbrio do primeiro jogo nem de perto se viu no set inicial. A equipe celeste chegou a abrir seis pontos de vantagem, e coube ao levantador William fechar a parcial com uma cortada de segunda, sem bloqueio (25/20).

Os dois times continuaram forçando e errando saques. Depois de muita bronca de seu técnico, os russos enfim começaram a encaixar seus ataques. Só que o Cruzeiro não deixava a bola cair facilmente. Filipe chegou a buscar a bola no banco de reservas, Éder devolveu no reflexo, e Filipe fez um bloqueio simples para vibrar muito. A muralha celeste, aliás, foi o ponto forte do time celeste. Foram quatro pontos assim. Apelidado de Mago, William orquestrava bem os ataques do anfitrião, que logo abriu boa vantagem. O Lokomotiv até ensaiou uma reação, mas sequer chegou a encostar no placar. Em um erro de saque russo, o Cruzeiro levou a segunda parcial (25/19).

Filipe vibra com título do Cruzeiro (Foto: Divulgação/FIVB)
Filipe vibra depois de defesa e bloqueio incríveis (Foto: Divulgação/FIVB)

Os russos equilibraram o início do terceiro set, não queriam jogar a toalha. Apesar das boas jogadas pelo meio de rede entre William e os centrais Douglas e Éder, o Lokomotiv se mantinha à frente no placar. Não por muito tempo. O ponteiro cubano Leal puxou a virada do Cruzeiro com três aces e ataques potentes. A cada ponto, os mineiros vibravam, sabiam que a taça tão desejada estava bem perto. Os russos sentiram o golpe e passaram a errar muito. Estava difícil conter a euforia cruzeirense, mas a vantagem era de seis pontos. O Lokomotiv ainda salvou dois match points, mas errou um saque (25/20). A festa celeste explodiu na quadra. O Cruzeiro é campeão mundial.

Cruzeiro: William, Wallace, Leal, Filipe, Éder, Isac e o líbero Serginho.
Entrou: Douglas.

Lokomotiv: Butko, Moroz, Divis, Durruthy, Astashenkov, Volvich e o líbero Golubev.
Entraram: Zubkov, Mysin, Zhilin e Leonenko.

Torcida do Cruzeiro lotou ginásio em Betim (Foto: Divulgação/FIVB)
Torcida do Cruzeiro lotou ginásio em Betim (Foto: Divulgação/FIVB)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.