Náutico encerra invencibilidade do Salgueiro em grande estilo: 4×0

Do NE10

Depois de 13 jogos, a já famosa invencibilidade do Salgueiro dentro do Cornélio de Barros em jogos pelo Estadual caiu com requintes de crueldade. O Náutico foi eficiente no ataque goleou o Carcará por 4×0 pela quarta rodada do segundo turno do Campeonato Pernambucano Coca-Cola na noite desta quarta-feira. O resultado alçou o timbu ao topo da tabela com nove pontos.

No fim das contas, o técnico Vágner Mancini optou por mais um volante em detrimento de um segundo homem de armação. Foi recompensado pelo bloqueio eficiente que os alvirrubros demonstraram no início do jogo. Elicarlos ficava centralizado bem à frente de Luiz Eduardo e Jean Rolt com Marcos Paulo pela direita e Josa pela esquerda. Mais à frente, o único meia de ofício, Giovanni, formando uma espécie de losango.

Se a marcação foi eficiente, tanto para evitar a passagem surpresa de Vítor Caicó e Matheus ou dos laterais – quem caísse pelo setor primeiro – o poderio ofensivo ficou prejudicado pela dificuldade de Marcos Paulo e Josa alimentarem Rogério e Elton.

Pelo lado do Salgueiro pesaram a boa marcação timbu e a ausência do meia Clebson. O jogador foi emprestado ao Remo por três meses. Valor do negócio: R$ 150 mil. Com a saída do cabeludo, o técnico Marcelo Chamusca posicionou Elvis um pouco atrás da linha dos atacantes Ronaille e Canga. Salvo um chute de Elvis aos seis minutos sem maiores problemas, pouco pôde-se ressaltar do jogo até os 15 minutos finais quando a dupla artilheira do Estadual entrou em ação.

Aos 32, Sidny afastou, ou melhor, tentou afastar. Elicarlos interceptou e mandou para Rogério. Ele tocou para Elton, entrando pelo lado direito da área. O camisa 11 tocou na saída de Luciano com categoria. O jogo reiniciou e o time da casa acusou o golpe. Ricardo Braz recuou de cabeça para Luciano. Mas Rogério foi mais rápido e conseguiu tocar por cobertura para fazer 2×0.

Os sertanejos só conseguiram se refazer das duas pancadas nos cinco minutos finais quando alternou o jogo pelos dois lados do campo. Foi assim que Peri obrigou Felipe a defender quase no susto uma bomba da entrada da área – no rebote, Cléber Carioca mandou por cima, aos 40. Três minutos depois, Canga cruzou da esquerda e Vítor Caicó, livre, mandou para a arquibancada.

Os dois times voltaram com as mesmas formações para o segundo tempo. Não seria muito difícil prever um repeteco da maneira de jogar das duas equipes. E novamente viu-se um Náutico bem na marcação e com dificuldade para deixar seus atacantes em condições de finalizar e o Salgueiro sem sair da arapuca vermelha e branca.

Com isso, chance de concluir uma jogada só quando alguém cochilava ou aparecia alguém inspirado. Mas isso só aconteceu aos 21 minutos. O até então escondido Giovanni recebeu pelo lado esquerdo da área. Driblou Pio, que não desistiu e manteve a marcação, ganhou do mesmo marcador na dividida e esperou a saída do goleiro para tocar por baixo.

A derrota cada vez mais encorpada tirava a capacidade de raciocinar dos salgueirensese. O melhor momento do time fora nos minutos finais com a flutuação de Canga pelas duas extremidades. O time vermelho, verde e branco insistia pelo meio e o jeito foi insistir com os chutes de fora da área de Sidny.

E como acontece em momentos de desespero, todo mundo quer resolver e fatalmente deixa a defesa abandonada à própria sorte. Em duas oportunidades, Rogério apareceu livre na frente de Luciano. Na primeira, correu um pouco mais do que devia e ficou em impedimento. Na segunda, dominou no peito e bateu de voleio. Mas errou o alvo.

Os rombos na defesa sertaneja não tinham mais conserto e o lateral-direito Maranhão, restrito à marcação em todo primeiro tempo, aproveitou bem o espaço que lhe serviram. Foi através dele que o Náutico amadureceu o quarto gol. Ao insistir no cruzamento baixo, o camisa dois foi recompensado aos 35 com substancial ajuda de Luciano. Mesmo marcado, Elton dominou e mandou de bicicleta. A bola estava ao alcance do goleiro, que saltou atrasado e só pôde olhar ela entrar no canto.

Ficha do jogo:

Salgueiro: Luciano; Sidny, Ricardo Braz, Cléber Carioca e Peri; Pio, Vítor Caicó (Netinho), Matheus e Elvis; Ronaille e Canga (Marciano). Técnico: Marcelo Chamusca.

Náutico: Felipe; Maranhão, Jean Rolt, Luiz Eduardo e Douglas Santos (Bruno Collaço); Marcos Paulo, Elicarlos, Josa e Giovanni; Rogério (Vinícius Pacheco) e Elton. Técnico: Vágner Mancini.

Local: Cornélio de Barros. Árbitro: Neilson Santos. Assistentes: Charles Rosas e Wlademir Lins. Gols: Elton, aos 32; e Rogério, aos 33 do primeiro tempo. Giovanni, aos 21; Elton, aos 35 do segundo. Cartões amarelos: Felipe, Pio e Cléber Carioca. Publico: 8.712. Renda: R$ 47.078.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.