Náutico não suporta líder Cruzeiro e é goleado na Arena: 4 a 1

Por Emanuel Leite Jr. – Especial para o Diario

Quarenta e cinco minutos de sonho. Ou, pelo menos, um primeiro tempo que permitia sonhar. Não, o Náutico não foi perfeito. Porém, a atuação da equipe alvirrubra na etapa inicial encheu a sua torcida de esperança. Alimentou a ilusão de que seria possível não apenas bater o melhor time do Brasileirão, como também de embalar uma boa sequência na competição. Foram 45 minutos de superação, em que a equipe de Marcelo Martelotte surpreendeu o líder Cruzeiro. O empate ao intervalo, em que a vantagem no placar não se verificou por um detalhe, foi como um sonho. A esperança renascia na Arena Pernambuco. No segundo tempo, contudo, os comandados do outro Marcelo, o Oliveira, mostraram porque lideram de forma absoluta o campeonato. Se o primeiro tempo foi de sonho, o segundo foi a ducha de água fria na ilusão timbu. Não perdoaram os erros defensivos alvirrubros e, paulatinamente, construíram um resultado elástico no placar: 4 a 1.

Embora tivesse entrado com três zagueiros, Martelotte escalou João Filipe na lateral direita, iniciando a partida em um falso 4-3-3, com Morales caindo pela ponta. A partida começou equilibrada, porém, aos 10 minutos, na primeira falha de marcação alvirrubra (Derley não conseguiu acompanhar Everton Ribeiro, que fez boa tabela com Nilton), o Cruzeiro conseguiu um escanteio. Na jogada, Ricardo Goulart subiu livre na pequena área, na altura da primeira trave. O meia fuzilou de cabeça para o gol de Ricardo Berna, que nada pôde fazer para evitar o gol do clube mineiro.

O gol cruzeirense não abalou a equipe alvirrubra, que manteve a serenidade em campo, sem entrar em desespero. A lesão de Dadá forçou Martelotte a alterar taticamente o time, com a entrada de Peña. O venezuelano deu maior ofensividade ao meio-campo timbu, que passou a ter dois meias de armação com Peña e Morales, municiando as boas movimentações de Maikon Leite, principalmente pelo lado direito do ataque. E foi justamente de uma jogada entre o venezuelano e o atacante que saiu o empate timbu. Peña deu um passe magistral, enfiando Maikon Leite, que, diante de Fábio, não desperdou: Náutico 1 a 1.

Alvirrubros comemoram gol, mas festejos acabaram sendo em vão (Ricardo Fernandes/DP/D.A Press)
Alvirrubros comemoram gol, mas festejos acabaram sendo em vão

A igualdade no marcador deu ainda mais moral ao time alvirrubro, que foi com tudo para cima dos Celestes, à procura da virada antes que o árbitro Dewson Fernando soasse o apito final do primeiro tempo. O meio-campo timbu se instalou na intermediária defensiva cruzeirense, conseguindo se movimentar com bastante fluidez até a entrada da área do adversário. Alguns bons cruzamentos à procura do centroavante Olivera levantaram a torcida na Arena Pernambuco, levando perigo ao gol de Fábio.

O Náutico voltou para o segundo tempo da mesma forma como havia terminado a etapa inicial, dominando as ações do jogo, pressionando o Cruzeiro em seu campo defensivo. Porém, quase como em fotocópia do primeiro tempo, a equipe mineira soube aproveitar sua primeira grande oportunidade. Em contra-ataque, Ricardo Goulart recebeu a bola livre, diante de Ricardo Berna, e marcou seu segundo gol no jogo.

Enquanto o Timbu ainda tentava digerir mais uma desvantagem no placar, seu setor defensivo voltou a cometer falha de marcação, permitindo que Willian fizesse uma grande jogada individual. Na sequência, o meia sofreu falta de Leandro dentro da área. Pênalti para o Cruzeiro. Everton Ribeiro não vacilou e ampliou a vantagem do líder do Brasileirão, fazendo o 3 a 1.

Percebendo que sua equipe sentiu o peso dos dois gols cruzeirenses, o técnico alvirrubro procurou dar uma sacudida na partida, modificando taticamente o time. A entrada de Hugo no lugar de Morales, na tentativa de dar maior amplitude à faixa ofensiva timbu, porém, não resultou da forma como o treinador desejava. O Náutico até que criou alguns lances incisivos pelos flancos, porém foi incapaz de ultrapassar a bem armada defesa mineira e se viu dominado pelo controle de jogo da boa equipe do Cruzeiro. O quarto gol dos visitantes, marcado por Mayke, aos 31, deixou claro por que os Celestes são líderes absolutos do Brasileirão.

Ficha técnica

Náutico 1
Ricardo Berna; João Filipe, Leandro Amaro, William Alves e Bruno Collaço; Dadá (Peña), Elicarlos, Derley e Morales (Hugo); Maikon Leite e Olivera (Marcos Vinícius). Técnico: Marcelo Martelotte.

Cruzeiro 4
Fábio; Mayke, Léo, Bruno Rodrigo e Ceará; Nilton, Lucas Silva, Everton Ribeiro (Tinga) e Ricardo Goulart; Borges (Dagoberto) e Willian (Alisson). Técnico: Marcelo Oliveira.

Local:
 Arena Pernambuco (São Lourenço da Mata-PE). Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA). Assistentes: Edilson Frasão Pereira (TO) e Luis Cláudio Rodrigues da Costa (AM). Gols:Maikon Leite (N); Ricardo Goulart (2x) (C), Everton Ribeiro (C), Mayke (C ) Cartões amarelos:Leandro Amaro (N) Cartões vermelhos: Público: 20.661. Renda: R$ 528.715

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.