No jogo mil do NBB, Flamengo vence Brasília em fim de partida quente

Gegê, destaque do segundo quarto, sobe para uma bela bandeja (Foto: Fernando Azevedo / FlaImagem)

Rivalidade, belas e decepcionantes atuações e muito nervosismo no fim – com direito a três expulsões – marcaram o milésimo jogo do NBB na noite desta quinta-feira. No maior clássico das cinco edições da competição, o Flamengo superou o Brasília por 102 a 88 e chegou à terceira vitória em três jogos. Os tricampeões amargaram a segunda derrota em três partidas. No próximo sábado, 15, as duas equipes voltam a se encontrar no mesmo local, porém em partidas diferentes. Em rodada dupla, o Brasília enfrenta o Tijuca, às 17h, e o Flamengo joga contra o Basquete Cearense, às 19h30.

Com mais consistência na defesa, o Brasília liderou as ações no início, abrindo uma vantagem de 14 a 9 com duas bolas de três de Artur, cestinha da partida com 25 pontos. A partida seguiu disputada em ritmo acelerado, só brecada quando um problema no placar deixou a bola parada por quase cinco minutos. O time visitante manteve a vantagem, só perdida quando faltavam 35 segundos para o fim do quarto, quando Olivinha – 23 pontos e 13 rebotes – acertou uma bandeja e o Flamengo anotou os últimos pontos do período: 23 a 21.

O segundo quarto teve um nome: Gegê. Ex-jogador do Tijuca, o armador rubro-negro saiu do banco no lugar do contundido Kojo e mostrou que se sentia em casa. Iniciou o show com uma bela bandeja. Na sequência foram quatro bolas de três pontos, levando a torcida ao delírio e ampliando a vantagem do Flamengo, que foi para o intervalo com 46 a 37. O número de faltas começava a complicar o Brasília. Alírio e Ronald terminaram o primeiro tempo com três faltas. E Alex, bem defensivamente, chegou à metade do duelo sem pontuar, além de ter sido vaiado pela torcida toda vez que pegava na bola.

Faltava paciência ao Brasília nos primeiros movimentos do terceiro quarto. Os lances eram trabalhados com rapidez, mas sem precisão. Com o trabalho defensivo facilitado, o Flamengo ampliava a vantagem nos contra-ataques, com destaque para as infiltrações certeiras de Olivinha. O apagado Alex só alcançou os dois primeiros pontos faltando 2min30 para o fim do período. Logo depois, o principal armador do Brasília levou uma falta técnica e o Flamengo abriu 20 pontos: 71 a 51. A partir daí o time candango acordou e reduziu a diferença para nove pontos 72 a 61 para o Rubro-Negro.

Com o jogo em aberto, a partida recomeçou nervosa. Uma sequência de faltas anti-desportivas logo no primeiro minuto do último período culminou com a expulsão do técnico do Brasília, José Carlos Vidal. As faltas e reclamações se tornaram constantes, a partida piorou e os jogadores foram sendo desclassificados. Fora da partida, Guilherme Giovanonni reclamou de uma bolinha de papel jogada pela torcida rubro-negra. Nezinho ironizou a arbitragem e foi expulso de quadra. Na sequência, Alex também foi mandado para o vestiário por ter contestado a decisão. Faltavam 3min20 para o fim do jogo e o Flamengo vencia por 85 a 75. Mas sem os dois jogadores, o Brasília não tinha forças para reagir. Faltando 1min26, parte da luz caiu, mas a bola seguiu quicando. Feliz anotou o centésimo ponto rubro-negro – 100 a 85 – e Olivinha decretou os números finais: 102 a 88.

Globo.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.