Numa Ilha vazia, Sport vence CSA por 2×0 e está perto da classificação no Nordestão

Neto Baiano se esticou para aproveitar cruzamento de Renê e abrir o caminho da vitória do Sport/Foto: Rodrigo Lobo.

Autor: Marcelo Cavalcante

Faltou a festa e o colorido da torcida na arquibancada. Mas dentro de campo, o Sport, se não foi brilhante, foi uma equipe determinada e eficiente para vencer o CSA, por 2×0, e abrir uma boa vantagem para o segundo jogo com a equipe alagoana, que vale vaga nas semi-finais da Copa do Nordeste. Agora, basta um empate ou até mesmo uma derrota por um gol de diferença, no duelo marcado para o dia 25, em Maceió, para o time rubro-negro fazer a festa da classificação.

A partida marcou a estreia de Eduardo Baptista como técnico efetivo do time rubro-negro. É a quarta vitória consecutiva do Leão sob o comando de Baptista. Detalhe: nesse período, o time sequer tomou gols. Os gols do triunfo rubro-negro foram marcados por Neto Baiano, no primeiro tempo, e Ferro, na segunda etapa. Agora, o Leão se preapara para encarar o Porto, na próxima quarta-feira, às 22 horas, em Caruaru, pelo Pernambucano Coca-Cola.

O jogo

O Sport sentiu a ausência dos rubro-negros nos minutos iniciais do duelo contra o CSA, pela Copa do Nordeste, na Ilha do Retiro.  A partida foi equilibrada durante boa parte dos 45 minutos iniciais. O Sport mostrava lentidão para ir ao ataque, facilitando o bom sistema defensivo armado pelo CSA. O time alagoano foi a campo, nitidamente, com o objetivo de não deixar o Leão jogar e tentar aproveitar a primeira chance que aparecer. Mas o time rubro-negro estava bem postado defensivamente. Faltava acertar o setor ofensivo.

Com a lentidão no meio de campo, a saída do Sport foi as  laterais. Renê e Patric foram bastante acionados. Foi pelos dois setores que o Leão teve as melhores oportunidades. E aos 29 minutos acertou o alvo. Renê recebeu a bola e mandou na  área. Neto Baiano, esperto, esticou a perna e mandou para as redes: 1×0.

O gol deu ânimo ao time rubro-negro. Poucos minutos depois,  Neto Baiano teve outra grande chance para ampliar o placar. O zagueiro Breno falhou na saída de bola, o atacante rubro-negro roubou a bola e, de cara para o goleiro Pantera, chutou  para fora. Enquanto o Sport buscava o ataque com mais  objetividade, o CSA tentava ir à frente sem tanto ímpeto. O lance mais perigoso foi uma lançamento de Charles Vágner para Jérson na área. Magrão se antecipou e segurou. O outro lance foi uma falta de longa distância que Magrão pegou.

Para o segundo tempo, o técnico Eduardo Baptista resolveu mexer no ataque rubro-negro. Felipe Azevedo foi acionado no lugar do jovem Érico Júnior. Com a vantagem no placar, o Sport diminuiu o ritmo, esperou o CSA sair para o jogo. O time alagoano buscou o ataque, tocou bem a bola no meio de campo, mas faltou velocidade. E isso facilitou a defesa ru-negra, que conseguiu destruir as investidas do adversário sem perturbação.

Com muita calma, o Sport conseguiu o segundo gol. Aos 19 minutos, Renê cobrou escanteio  e Ferron cabeceou firme, no canto esquerdo do goleiro Pantera, que se esticou, mas não alcançou a bola. O CSA tentou ir à frente, porém, os erros na troca de passe. O time alagoano só conseguiu criar uma chance de gol. Aos 34 minutos, Diego Clementino foi lançado na área e tocou na saída de Magrão. A bola foi chuveirando para a pequena área e Patric afastou o perigo.

O Sport manteve o ritmo. Fechou os espaços para o CSA e conseguiu criar algumas oportunidades no ataque. O Leão foi uma equipe lúcida e organizada. Por isso, poderia ter ampliado o placar. A chance mais clara aconteceu aos 35 minutos, quando Felipe Azevedo fez boa jogada e chutou. Pantera defendeu. Ao final, todos ficaram satisfeitos com o desempenho da equipe e, principalmente, com a vantagem construída.

Sport
Magrão; Patric (Bileu), Ferron, Durval e Renê; Eweron Páscoa, Rodrigo Mancha e Ailton; Ananias, Érico Júnior (Felipe Azevedo) e Neto Baiano (Everton Felipe). Técnico: Eduardo Baptista.

CSA
Pantera; Pedro Silva, Breno, Roberto Dias e Mineiro (Uéderson); Charles Vagner, Lucas e Daniel Costa;, Josimar, Jérson (Diego Clementino) e Jeferson Maranhense (Santos).  Técnico: Oliveira Canindé.

Local: Ilha do Retiro (portões fechados). Árbitro: Cláudio Francisco Lima e Silva (SE). Assistentes: Cleriston Clay Barreto Rios (FIFA-SE) e Ivaney Alves de Lima. Gols: Neto Baiano, aos 29 minutos do primeiro tempo, e Ferron, aos 19 minutos do segundo tempo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.