Os 12 personagens que tiveram um 2012 marcante

O segundo dia da retrospectiva 2012 traz 12 personagens marcantes do ano. São histórias com enredos variados, pontuadas, caso a caso, por sucesso, talento, superação, precocidade, pressão, recordes e, até, trapaça. A matemática do Superesportes aponta 10 heróis e 1 anti-herói. Fecha a conta um velho conhecido do torcedor brasileiro, que já viveu dias de unanimidade, mas retorna pressionado a provar que ainda é capaz de repetir o sucesso de uma década atrás.

O cara da raquete
O ano de 2012 marcou o renascimento do suíço. Quem já especulava a aposentadoria viu Roger Federer voltar a vencer Wimbledon, reassumir a liderança do ranking e quebrar o recorde de Pete Sampras, então detentor da maior quantidade de semanas como número 1.

O cara do Brasileirão
Artilheiro do Brasileirão com 19 gols, Fred foi peça-chave para o tetracampeonato brasileiro do Fluminense. Eleito o craque do campeonato, escreveu de vez seu nome na história do tricolor carioca. É sério candidato a brigar por uma vaga no ataque da Seleção em 2013.

O cara do hexa
O paizão do penta foi o escolhido para comandar o projeto do hexa. A menos de dois anos da Copa do Mundo, Luiz Felipe Scolari herda o trabalho iniciado por Mano Menezes em agosto de 2010, interrompido surpreendentemente dias após o último compromisso da Seleção em 2013.

O cara do asfalto
Com sua idade, Ayrton Senna e Michael Schumacher ainda não tinham ganhado um título sequer. Em 2012, Sebastian Vettel tornou-se o mais jovem tricampeão da história da Fórmula 1. O terceiro título consecutivo, aos 25 anos, credencia o alemão da Red Bull a dividir a mesa com os maiores da história.

O cara do octógono
O maior lutador da história do UFC manteve-se invicto. Já são 17 vitórias consecutivas. Dois nocautes marcaram o ano de Anderson Silva. O primeiro, em julho, sobre o desafeto Chael Sonnen. O segundo, em outubro, contra Stephan Bonnar. O mundo aguarda ansioso o duelo com Jon Jones.

O cara das piscinas
Michael Phelps já tinha o mérito de ser o atleta a conquistar o maior número de medalhas numa mesma Olimpíada: oito, em Pequim. Com mais quatro nos Jogos de Londres, sendo três de ouro, o norte-americano se transformou no maior medalhista olímpico da história, com 22 pódios e 18 medalhas de ouro.

O cara das pistas
Usain Bolt já chegou a Londres como o ser humano mais rápido da história. Dono dos recordes olímpico e mundial, o jamaicano tornou-se o primeiro velocista a conquistar o bicampeonato olímpico nos 100 e 200 metros rasos. De quebra, deixou a Inglaterra com mais um ouro no revezamento 4 x 100. Só faltou quebrar os próprios recordes.

O cara das quadras
Na NBA, LeBron James, enfim, provou o doce sabor do título. O maior astro da geração pós-Kobe Bryant brilhou em toda a campanha do Miami Heat na última temporada. Ao comandar o time da Flórida na série decisiva contra Oklahoma City Thunder, James aniquilou o rótulo de amarelão.

O cara do doping
A confirmação de doping manchou toda a trajetória do ciclista norte-americano Lance Armstrong. Antes tido como um dos maiores exemplos de superação, acabou banido do esporte e perdeu os sete títulos conquistados no Tour da França, entre 1999 e 2005, sequência iniciada um ano depois do retorno, em 1998, com a recuperação de um câncer no testículo.

O cara da superação
Um grave acidente em 2001, na Fórmula Indy, amputou as pernas do ex-piloto da Fórmula 1 Alessandro Zanardi. Após o drama, o italiano se reinventou no esporte. Este ano, Zanardi faturou a medalha de ouro na Paralimpíada de Londres. A prova de contrarrelógio do ciclismo foi o palco.

 O cara dos gramados

Lionel Messi se distancia cada vez mais dos seus contemporâneos. Recorde atrás de recorde, dobrar a história parece uma missão, espontânea, na carreira do craque argentino. Os 91 gols em 2012 deixaram para trás lendas como Pelé e Gerd Müller. Ninguém jamais havia balançado tanto as redes num mesmo ano.

O cara do Japão
Adenor Leonardo Bacchi, ou simplesmente Tite. O técnico campeão mundial com o Corinthians dividiu com a fiel torcida todos os grandes feitos de 2012, os maiores do clube, mas também da carreira do treinador. Os títulos da Libertadores e Mundial alçaram Tite a um novo patamar.

Fonte: Diario de Pernambuco

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.