Santa Cruz fica no empate com o Águia e deixa o G4

Por Blog do Torcedor

O empate por 1×1 com o Águia, neste domingo (21), no Zinho Oliveira, tirou o Santa Cruz do G4 do grupo A da Série C. Com dez pontos, os corais estão em quinto lugar, porém com um jogo a menos que o quarto colocado, o Fortaleza – que tem os mesmos pontos. O próximo compromisso será no próximo domingo (28), contra o Baraúnas, no Arruda.

O jogo começou fazendo jus às tradições das divisões de acesso do futebol brasileiro: muita pegada e os dois times disputando a bola como se fora um prato de comida. O resultado foi uma troca constante da posse de bola sem que nenhum dos dois lados conseguisse construir uma ação ofensiva.

O jeito foi apelar para os lançamentos longos, muito pouco recomendáveis já que encontram os atacantes de costas para o gol, ou usar a constante interrupção de jogo (faltas) para tentar algo na bola aérea. Nininho de um lado e Diego Palhinha do outro não conseguiram fazer com que seus companheiros usassem bem a cabeça.

O Santa foi obrigado a queimar a primeira alteração na metade da etapa. O meia Júnior Xuxa sofreu uma pancada na região glútea e estava com dificuldade para correr. Natan entrou em seu lugar. A alteração aconteceu quase no mesmo momento em que os pernambucanos passavam pelo seu maior apuro até o momento. Mael fez boa jogada e serviu Danilo Galvão. Ele chutou e Tiago Cardoso fez a defesa.

A resposta coral veio cinco minutos depois, quando Flávio Caça Rato foi lançado e o goleiro Jair teve que sair com os pés para evitar que o atacante fizesse o gol. O camisa 7, por sinal, era a principal válvula de escape para o ataque, já que as laterais não encaixaram o jogo. Por conta disso, Caça Rato inverteu seu apelido de caçador para a caça, tantas foram as faltas recebidas.

No final, o time da casa teve mais posse de bola, porém sem competência para colocar seus atacantes em condições de finalização. O Santa se atrapalhou na saída de bola, principalmente com seus volantes, fato que provocou um efeito cascata e terminou por prejudicar o setor ofensivo.

O segundo tempo começou bem diferente para os corais. A insistência do meia Natan, aos cinco minutos, gerou o gol. Ele adiantou um pouco a bola e Fred ficou com ela. Natan forçou, retomou a posse e lançou Flávio Caça Rato, que chegava livre na pequena área. Desta vez ninguém fez falta e CR7 teve tempo suficiente para abrir o placar.

Em desvantagem, o Águia partiu para o ataque. Até aí, normal e previsível. O que o Santa não podia era aceitar o que o adversário tentava impor. O tricolor recuou deixando apenas Dênis Marques no setor ofensivo e viu os donos da casa ameaçarem chegar ao empate numa boa trama de Rairo, que Palhinha finalizou com perigo, aos 18.

Somente aos 22, os pernambucanos acordaram e criaram duas ótimas chances de ampliar em sequência. Dênis Marques recebeu pela primeira vez em todo o jogo em condições de finalizar e mandou a meia altura. Jair conseguiu mandar a escanteio. No minuto seguinte foi a vez de Raul chutar cruzado e a bola passar raspando a trave.

O castigo pelo desperdício não demorou. Após cruzamento para a área, a defesa coral cochilou e Danilo Galvão não. Ele dominou e chutou fora do alcance de Tiago Cardoso para decretar a igualdade. O empate do Águia aconteceu três minutos após a entrada de Renatinho no lugar do onipresente Flávio Caça Rato. E justamente no momento em que precisou de seu jogador mais efetivo, o tricolor não o teve. E sofreu bastante.

Primeiro porque CR7 além de abrir espaços e dar opção ofensiva, ajudava na recomposição. Renatinho entrou fora de sintonia com a partida e não fez uma coisa nem outra. Isso facilitou o time paraense e sobrecarregou a marcação na frente da área coral. Vendo isso, o técnico Sandro Barbosa tirou Luciano Sorriso para entrada de Ramirez, um jogador mais pegador, nos minutos finais para garantir um ponto. Aos 45, Dênis Marques ainda chegou perto numa cabeçada.

Ficha do jogo:

Águia – Jair; Rafinha, Fred, Bernardo e Anderson Luiz (Rairo); Arnaldo, Mael, Júnior Timbó (Robert) e Keno; Diego Palhinha e Danilo Galvão. Técnico: João Galvão.

Santa Cruz – Tiago Cardoso, Nininho, Leandro Souza, Renan e Tiago Costa; Tozo, Luciano Sorriso (Ramirez), Raul e Júnior Xuxa (Natan); Flávio Caça-Rato (Renatinho) e Dênis Marques. Técnico: Sandro Barbosa.

Série C. Local: Zinho de Oliveira, Marabá, Pará. Árbitro: Rodrigo Batista Raposo (DF). Assistentes: Ciro Chaban Junqueira e Lehi Sousa Silva (ambos do Distrito Federal). Gols: Flávio Caça Rato, aos cinco; Danilo Galvão, aos 27 do segundo tempo. Cartões amarelos: Júnior Timbó, Arnaldo, Rairo e Tozo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.