Santa Cruz vergonha no segundo tempo e perde de virada para o CRB

Em dois tempos distintos, o Santa Cruz perdeu uma grande chance de liderar isoladamente o grupo A da Série C do Campeonato Brasileiro. O tricolor foi melhor durante grande parte do primeiro tempo, abriu o placar, desperdiçou outras boas chances mas despencou no segundo tempo. Os tricampeões pernambucanos caíram por 2×1 diante do CRB na noite deste domingo, no Rei Pelé, em Maceió.

Desde os primeiros minutos o Santa mostrou superioridade, apesar de marcar apenas da linha divisória do gramado para trás. Para isso também facilitou a deficiência do CRB, que insistia em atacar apenas pelo lado direito. Tiago Costa guardou posição e apesar da insistência de Paulo Sérgio e Tiago Potiguar, o goleiro Tiago Cardoso não sofreu apuros.

Quando teve a bola, o tricolor entrou espaço, principalmente seus volantes quando arriscavam uma descida ao ataque. A primeira oportunidade surgiu aos cinco minutos, quando Dênis Marques acertou um de seus mortais chutes com a parte interna do pé. A bola saiu do alcance de Júlio César e acertou a trave esquerda. No rebote, desequilibrado, ele mandou para fora.

A primeira estocada de um volante com liberdade veio apenas dois minutos depois. Dênis caiu pela esquerda e cruzou rasteiro. Luciano Sorriso entrou de carrinho e não tocou na bola por uma fração de segundo. Na próxima tentativa ele levaria a melhor, mas de em outro tipo de jogada. Alguns passos antes da entrada da área, o camisa 8 recebeu completamente livre. Ainda teve tempo para ajeitar e chutar forte, no canto baixo direito, aos 15 minutos.

O time alagoano só conseguiu criar alguma coisa pelos pés do meia Tiago Potiguar, de longe seu jogador mais qualificado. Aos 18 minutos, ele desceu pela direita e chutou cruzado. Seu xará com a camisa tricolor defendeu em dois tempos. Os corais responderam carimbando a trave direita. Desta vez com Júnior Xuxa, que fez boa jogada pela esquerda. Na conclusão, o camisa 11 poderia ter cruzado para o meio da área, já que estava praticamente sem ângulo.

Depois disso, o Santa afrouxou na marcação. Tozo e Luciano Sorriso ficaram quase na linha dos zagueiros e o time do CRB ganhou mais espaço perto da área. Por isso, seus jogadores passaram a arriscar mais de média distância. Numa delas, aos 31 Tiago Potiguar girou e mandou rasteiro. A bola passou bem perto da trave. Um minuto depois foi a vez de Carlão arriscar de longe. Mais uma que passou com perigo.

Para o segundo tempo, o CRB voltou com a marcação mais adiantada e variando o lado do campo. Com isso, conseguiu confundir um pouco a defesa tricolor e chegar mais perto da área. O calcanhar de aquiles dos donos da casa, no entanto, era a falta de alguém no mesmo nível de Tiago Potiguar. O camisa 10 driblava um tentava uma tabela, mas não havia sequência. A outra válvula de escape era o lateral-direito Paulo Sérgio nos cruzamentos. O problema é que não havia um especialista no jogo aéreo.

De seu lado, o Santa não conseguiu sair de trás, tanto que o atacante Flávio Caça Rato era mais volante que atacante. Júnior Xuxa também teve mais preocupação defensiva, passando a acompanhar as descidas de Paulo Sérgio. Com isso, Dênis Marques ficou praticamente isolado na frente. O artilheiro coral só conseguiu levar perigo num chute de longe, aos 12 minutos. O goleiro Júlio César espalmou.

A postura dos dois times deixou o jogo corrido mas com poucas finalizações. O Santa porque não conseguia coordenar o contra-ataque quando roubava a bola. O CRB porque pecava no passe final. E quando o fazia, faltava um homem de referência. Foi por isso que o técnico Márcio Goiano acionou Denílson no lugar de Carlão.

Com um jogador no meio dos zagueiros, a defesa coral precisou de mais atenção. Só que ela faltou aos 26 minutos. Numa tabela com Jairo, Zé Paulo chutou rasteiro. Tiago Cardoso deu rebote e Denílson apareceu para empurrar para dentro e deixar o placar igual. O mesmo Denílson teve uma grande chance de virar aos 31. Ele deixou Leandro Cardoso no chão e chutou de bico, no travessão.

O técnico Sandro Barbosa teve que reforçar a marcação com as saídas de Luciano Sorrido para entrada de Éverton Heleno e tentar acelerar o contra-ataque com Leozinho no posto do cansado Caça Rato. Coincidência ou não, aos 34, o tricolor teve o primeiro contra-golpe bem coordenado, porém inviabilizado pelo individualismo de Júnior Xuxa. Ele foi lançado por Raul, entrou na área mas demorou a dar sequência. Marcado por dois, terminou desarmado.

Na reta final do jogo, os apuros do Santa viraram desespero. O travessão voltou a salvar aos 42. Marcos Antônio bateu falta e Éverton Heleno, na tentativa de cortar, mandou na trave superior. No minuto seguinte não teve trave que salvasse. Depois de um bate-rebate, Tiago Potiguar chutou cruzado e Zé Paulo encostou o pé direito para decretar a virada alagoana.

Ficha do jogo:

CRB: Júlio César, Paulo Sérgio, Audálio, Marcos Vinícius e Djavan (Jairo); Johnattan, Everton Luiz, Marcos Antônio e Tiago Potiguar; Carlão (Denílson) e Schwenck (Zé Paulo). Técnico: Márcio Goiano.

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Everton Sena, Renan Fonseca, Leandro Souza, Thiago Costa; Tozo, Luciano Sorriso (Éverton Heleno), Raul e Júnior Xuxa; Flávio Caça-rato (Leozinho) e e Dênis Marques (André Dias). Técnico: Sandro Barbosa.

Local: Estádio Rei Pelé, Maceió. Árbitro: Eduardo de Santana Nunes. Assistentes: João Carlos de Jesus e Vaneide Vieira de Góis. (Todos de Sergipe). Gols: Luciano Sorriso, aos 15 minutos do primeiro tempo. Denílson, aos 26 e Zé Paulo, aos 43 do segundo. Cartões amarelos: Tiago Costa, Júnior Xuxa, Leandro Souza e Tozo.

Fonte: WLADMIR PAULINO

Confira o primeiro gol do jogo, marcado por Luciano Sorriso aos 15 minutos do primeiro tempo

Confira o gol marcado por Denilson aos 26 minutos do segundo tempo

Veja o gol da virada do CRB, marcado por Zé Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.