Santa perde do Treze, mas garante 1º lugar e agora enfrenta o Betim

Com um grupo tão equilibrado, era quase certo que os minutos finais da rodada final seriam emocionantes. E foram. No Estádio Presidente Vargas, em Campina Grande, o Treze, com um gol aos 44 minutos do segundo tempo, venceu o Santa Cruz por 1×0 e se garantiu na segunda fase. O resultado, aquela altura, derrubava o tricolor, previamente garantido no mata-mata, para a segunda posição. Mas outro tricolor salvou os corais. No Castelão, o Fortaleza cedeu o empate ao Sampaio Corrêa por 2×2. Com isso, os cearenses, que até então eram lideres, acabou eliminado, enquanto os maranheses seguem na competição, devolvendo o primeiro lugar aos pernambucanos. Com isso, o último adversário rumo à Série B é o Betim, 4º colocado do Grupo A. O primeiro jogo é domingo, em Minas Gerais. A volta, no Arruda, dia 27.

Grupo A

Já classificado antecipadamente para a segunda fase, o Santa Cruz entrou em campo tranquilo e soube administrar bem o primeiro tempo, procurado tirar proveito do desespero do Treze. Tanto que, apesar da necessidade da vitória ser exclusiva da equipe paraibana, foram dos tricolores as melhores chances de abrir o placar. Duas delas, nos pés do atacante Dênis Marques, que retornou ao time após duas rodadas.

Na primeira delas, aconteceu logo aos dois minutos, após tabelar com Flávio Caça-rato e chute para fora. A segunda, a melhor oportunidade da partida. Aos 25 minutos, Tiago Costa cruzou rasteiro e o centroavante coral, na entrada da pequena área e de frente para a meta, chutou por cima. Além dessas, o atacante ainda participou de outra boa oportunidade coral ao deixar Dedé de frente para o goleiro Edér e também errar na finalização.

A atuação ofensiva dos pernambucanos poderia ter sido ainda melhor se duas peças não tivesse uma atuação tão apagada na primeira etapa. Escalado como único meia da equipe, Renatinho praticamente não apareceu na partida. Já Flávio Caça-Rato errou praticamente tudo o que tentou.

Grupo B

Já o sistema defensivo coral funcionou bem. Tanto que não fosse em uma cabeçada de Túlio Renan, aos 28, e um chute de fora da área de Rodrigo Celeste, aos 32, o goleiro coral desceria para o vestiário com o uniforme limpo.

Para o segundo tempo, aconteceu o que era previsível. O Treze partiu para o tudo ou nada e, com isso, passou a pressionar mais o tricolor. Tanto que, antes dos 10 minutos, Tiago Cardoso foi obrigado a fazer duas difíceis defesas. Além disso, aos 15, Rodrigo Celeste recebeu livre dentro da área, mas arrematou por cima.

No entanto, o impeto da equipe paraibana também abriu espaços para o Santa tentar encaixar os contra-ataques. Em um deles, após boa triangulação, Caça-Rato entrou de frente para Eder, mas travou o chute com o goleiro alvinegro. Em outro contra-golpe, Dênis Marques desperdiçou outra boa chance, ao chutar prensado. Após esses dois lances, o tricolor voltou a equilibrar as ações. Tanto que até o final do jogo, apesar do Treze tentar, na base da vontade, pressionar, até o final do jogo era o Santa o time mais perto de abrir o placar. Que venha o Betim.

Ficha do jogo

Treze

Éder; Húdson (Rafael Chorão), Pitty, Negretti e Júnior Barbosa; Sapé, Anderson Paim (Giancarlos), Rodrigo Celeste e Cristian (Téssio); Lê e Túlio Renan. Técnico: Luciano Silva.

Santa Cruz

Tiago Cardoso; Oziel (Nininho), Leandro Souza, Vágner e Tiago Costa; Everton Heleno (Panda), Sandro Manoel, Dedé e Renatinho (Leozinho); Dênis Marques e Caça Rato. Técnico: Vica.

Local: Estádio Presidente Vargas, em Campina Grande (PB). Árbitro: Jean Pierre de Souza (RS). Assistentes: Wendel de Paiva Gouveia e Francisco Pereira de Sousa (ambos do RJ). Cartões amarelos: Negretti, Pitty, Júnior Barbosa, Sapé, Giancarlos, Túlio Renan (T), Vágner (S). Gol: Giancarlos (44 do 2º).

João de Andrade Neto – Super Esportes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.