Seleção Brasileira joga pouco e empata em 2 a 2 com o Chile no Mineirão

Os 53 mil torcedores no Mineirão foram ver a Seleção pela última vez antes da Copa das Confederações. Queriam ver Ronaldinho firmar-se como capitão, queriam ver o zagueiro Réver garantir vaga, queriam ver uma vitória na estreia do Brasil no novo e reformado estádio. Viram Vargas.

Minuto a minuto: relembre os detalhes do jogo entre Brasil e Chile

Logo aos sete minutos, a torcida, que terminaria a noite vaiando o time de Felipão, deu seu primeiro suspiro de decepção. Em cobrança venenosa de falta para dentro da área, Diego Cavalieri saiu esquisito e, após o bate-rebate, a bola sobrou para Marcos González, do Flamengo, marcar de cabeça um gol que deu o ritmo do primeiro tempo.

O Chile marcava a saída de bola brasileira e criava chances: eram quatro chutes a gol até os 12 minutos — no último deles, Mena apareceu sozinho em frente a Cavalieri e concluiu rasteiro, para grande defesa do goleiro do Fluminense.

Um minuto depois de os chilenos aprontarem mais uma — bicicleta de Rubio após cruzamento do gremista Vargas —, o Brasil cavou escanteio pela esquerda com o colorado Damião. Na cobrança de Neymar, aos 24 minutos, Réver se antecipou aos zagueiros chilenos e empatou com uma bela cabeçada.

O ânimo dado pelo gol mostrou os problemas de entrosamento do Brasil. Ao se impor no jogo, surgiram as dificuldades na armação — mesmo com a ajuda de um Jadson de boa atuação, Ronaldinho não conseguia se livrar da marcação, e Neymar não tinha opção senão a jogada individual.

No segundo tempo, Felipão começou a experimentar o grupo e lançou Pato no lugar de Damião. O corintiano acabou sendo fundamental para a virada: aos nove minutos, Jadson achou Ronaldinho que, de primeira, lançou Pato. Ele poderia chutar, mas preferiu tocar para Neymar encostar, solitário, para as redes: 2 a 1.

O mesmo Jadson que começou o gol do Brasil falhou oito minutos depois, ao deixar Vargas livre na intermediária. O gremista olhou e mandou um belo chute, seco e forte, sem chances para Cavalieri.

Foi a senha para os chilenos adiantarem a marcação e voltarem a pressionar, especialmente pelo lado esquerdo. Felipão manteve o roteiro: como queria testar, colocou Fernando, Osvaldo e depois Marcos Rocha, nos lugares de Ralf, Jadson e Jean, respectivamente.

Com Neymar, Pato e Osvaldo na frente, o Brasil conseguiu responder com boa jogada de Neymar para Marcos Rocha, que pediu pênalti.

Depois, Vargas mandou no jogo, e o Chile teve várias chances de gol. A única resposta brasileira foi um pênalti não marcado sobre Osvaldo, seguido de grande jogada chilena, na qual Fuenzalida entrou em frente a Cavalieri e perdeu gol incrível.

Muitos torcedores haviam saído do estádio antes do fim da partida. Os que ficaram capricharam no grito de “olé” — sempre que o Chile tinha a bola. No fim, o teste maior foi da resistência do time de Felipão às vaias da torcida brasileira.

FICHA TÉCNICA

AMISTOSO — 24/4/2013

BRASIL – 2
Diego Cavalieri; Jean (Marcos Rocha, 26’/2º), Dedé (Henrique, int.), Réver e André Santos; Ralf (Fernando, 22’/2º), Paulinho, Jadson (Osvaldo, 22’/2º), Ronaldinho e Neymar; Leandro Damião (Pato, int.). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

CHILE – 2
Johnny Herrera; Cristián Álvarez, Marcos González, Rojas e Mena; Reyes, Braulio Leal e Meneses (Carlos Muñoz, 24’/2º); Vargas (Robles, 45’/2º), Rubio (Figueroa, 32’/2º) e Cortés (Fuenzalida, 17’/2º). Técnico: Jorge Sampaoli

Gols: Marcos González (C), aos 7min, e Réver (B), aos 24min do primeiro tempo; Neymar (B), aos 9min, e Vargas (C), aos 18min do segundo tempo.

Cartões amarelos: Ronaldinho e Fernando (B); Cristián Álvarez e Carlos Muñoz (C).

Expulsão: Braulio Leal (C).

Arbitragem: Enrique Cáceres, auxiliado por Dario Gaona e Carlos Cáceres (trio Fifa do Paraguai). Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Local: Mineirão, em Belo Horizonte

PRÓXIMO JOGO — AMISTOSO
2/6, MARACANÃ, RIO
BRASIL X INGLATERRA

 

 

 

ZHESPORTES

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.