Sport e Náutico adotam segredo para primeiro clássico do ano

Desde 28 de março de 2004, o Sport não perde para o Náutico em casa. E esse texto poderia começar exatamente mencionando a importância do tabu ou do quanto ele poderia mexer com um ou outro time. Mas esqueça o histórico. Ele não entra em campo e não faz gols. Cada jogo, uma história, diz o clichê. Sabendo disso, o Leão não se descuidou na preparação para o clássico deste domingo, na Ilha do Retiro. Em momento de turbulência, a equipe de Sérgio Guedes não está encarando a partida como mais um duelo para estender o retrospecto positivo na Ilha do Retiro, mas como um confronto que pode reverter o ritmo do time na competição e, finalmente, alavancá-lo para uma sequência positiva – que ainda não aconteceu neste ano.

Para vencer o clássico, várias estratégias legítimas foram lançadas. Uma delas, a que mais chamou atenção, foi o treino secreto da sexta-feira. Sérgio Guedes decidiu fechar as últimas movimentações pré-clássico e impedir o acesso da imprensa. Desta maneira, criou dúvidas no time adversário, nos jornalistas e na torcida. O grupo do Leão defendeu o mistério adotado pelo comandante. “A gente está acostumado com isso. Para vocês (imprensa) não é bom, mas para nós é”, disse o goleiro Magrão. As únicas indicações que Guedes deu expressamente foram que não deve manter o esquema com três zagueiros e que vai escalar uma equipe ofensiva, uma vez que, segundo ele, a torcida do Sport – e seu conceito de futebol- não aceitaria o contrário. ” Não acredito em um time fechado, defensivo. Sport e Náutico são equipes acostumadas a se agredirem, irem para cima”, falou o técnico.


Ao que tudo indica, Hugo vai voltar ao time do Sport. Foto: Guga Matos/ JC Imagem

As informações que vazaram dos bastidores indicam que o comandante deve promover a volta dos jogadores de mais renome do grupo. Cicinho e Hugo são favoritos para retornarem ao time titular. Caso o lateral entre, quem sobra é Moacir. E se a opção pelo meia, de fato, se concretizar, Marcos Aurélio irá para o banco. A outra alteração deve ser no ataque: Felipe Azevedo provavelmente retorna na vaga de Sandrinho, que teve atuação apagada diante do Petrolina. Azevedo foi, inclusive, poupado no duelo contra a Fera Sertaneja. Provavelmente para entrar com força máxima para o clássico. Sérgio Guedes, porém, despistou sobre alterações. Não garantiu nada. Falou apenas sobre abstrações em sua última coletiva – além de comentar o time adversário. “O Náutico vocês conhecem melhor do que eu. É um bom time, muito bem dirigido pelo Mancini, vem bem e tem ótimos números na competição”, comentou.


Provável escalação do Sport

Apesar disso, ele acredita muito na vitória do Sport. E atribui grande parte da responsabilidade pelo resultado à torcida rubro-negra. De acordo com ele, a combinação de bom desempenho em campo e vibração fora dele é fundamental para o Leão sair com o triunfo da Ilha do Retiro. “É um jogo determinante pra recuperar a arquibancada ao nosso favor. Tenho bem claro na minha cabeça que a gente tem uma torcida diferente, que decide jogos. Quando o time vai bem, e a torcida joga junto, é muito difícil bater o Sport”.

Mistério no Náutico? Sim, mas nem tanto…
Por Thiago Wagner

Ao contrário do eterno rival, o Náutico viveu um clima de tranquilidade durante a preparação para o Clássico dos Clássicos. Treino secreto? Nada disso. A última movimentação do Timbu foi aberta para a imprensa que pôde acompanhar o tudo normalmente. Então significa que o Alvirrubro não tem mistério, correto? Errado. O técnico Vágner Mancini fez treino aberto, mas não revelou o time titular que jogará o clássico. “Não vou revelar o time. Assim como eu não tenho a escalação do adversário, eu não vou dar a nossa”, disse.

Apesar do clima de segredo, não há muito o que inventar no lado do Náutico. Mancini praticamente não tem problemas para armar o time. O único desfalque deve ser o meia Giovanni Augusto, que está com problemas na coxa direita. A tendência é que a equipe seja a que vem sendo utilizada nas últimas partidas. O esquema tático com três volantes também não deve ser diferente. “Seria muita estupidez mexer taticamente só para esse jogo. O adversário tem lastro para se adaptar e nos surpreender. Durante o partidas, nós faremos as alterações necessárias”, argumentou Mancini.


Rogério é uma das principais esperanças dos alvirrubros. Foto: Rodrigo Lôbo/ JC Imagem

Ainda assim, há algumas dúvidas, muitas provocadas pelo excesso de opções. Para o lugar de Giovanni, o meia Vinícius Pacheco o atacante Jones Carioca brigam pela vaga. A vantagem parece ser do avançado que atuou como titular na última partida contra o Porto, nos Aflitos. Ainda no meio, há a possibilidade da estreia do volante Rodrigo Souto. Caso ele não entre, Marcos Paulo deve continuar. Elicarlos e Martinez devem ser os outros atletas do meio.

Na defesa, há a possibilidade do retorno de Alison e Jean Rolt, que cumpriram suspensão. Os laterais Maranhão e Douglas Santos devem permanecer na direita e na esquerda respectivamente. Já o ataque, com 23 gols no Pernambucano, não tem porque mexer. Élton e Rogério permanecem e são a principal esperança de balançar as redes no clássico.

Sendo assim, é possível arriscar o seguinte time para o Náutico: Felipe; Maranhão, Jean Rolt, Alison e Douglas Santos; Elicarlos, Martinez e Rodrigo Souto; Jones Carioca, Rogério e Élton.


Provável escalação do Náutico

Independente do time em campo, Mancini quer concentração dos jogadores. Conhecedor da pressão que é atuar na Ilha do Retiro devido à passagem pelo Leão em 2012, o comandante alvirrubro acredita que mais importante do que ter o conhecimento dos jogadores adversários, é manter o foco e saber administrar o ambiente da partida. “Não posso cair no erro de achar que marcando A, B ou C, vou anular o Sport. Mais importante é sentir a atmosfera do jogo e fazer com que jogue contra eles”.

LEIA MAIS:

> Magrão nunca perdeu para o Náutico dentro da Ilha

> Trabalho de Kuki pode ser decisivo para os gols do Náutico no Clássico

Ficha do jogo

Sport: Magrão; Cicinho, Gabriel, Maurício e Reinaldo; Tobi, Rithley, Fábio Bahia e Hugo; Felipe Azevedo e Roger. Técnico: Sérgio Guedes.

Náutico: Felipe; Maranhão, Jean Rolt, Alison e Douglas Santos; Elicarlos, Martinez e Rodrigo Souto (Marcos Paulo); Jones Carioca (Vinícius Pacheco), Rogério e Élton. Técnico: Vágner Mancini

Pernambucano Coca-Cola – Sétima rodada/ segundo turno – Local: Ilha do Retiro. Horário: 16h. Árbitro: Sandro Meira Ricci. Assistentes: Jossemmar Diniz e Ricardo Chianca.

Fonte: Rômulo Alcoforado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.