7º empate

Pelas palavras de Sérgio Guedes, Santa Cruz está sofrendo a ‘síndrome do empate’

Autor: Matheus Albino

Não é uma doença nova no futebol, mas para o Santa Cruz sim. No ano passado por exemplo, o América-MG ficou no meio do caminho na briga pelo acesso à Série A porque empatou 15 vezes nas 38 rodadas que disputou, um recorde na era da série B dos pontos corridos desde que passou a ser disputada nesse formato em 2006.

Terminou com 57, mas, se trocasse dois empates desses por duas vitórias, empataria com o Sport no número de pontos (63) e entraria no G-4, tirando o Figueirense, quarto colocado com 60 pontos. A tal ‘síndrome do empate’ parece ter pego o avião em Belo Horizonte e desembarcado no Recife, mais precisamente ao Arruda.

O que o atual técnico do Santa Cruz, Sérgio Guedes, não esperava é que ela chegasse tão depressa. Parece ter vindo num boeing, ao invés do velho teco teco, pois é impressionante a campanha de sua equipe neste início de competição. Sete empates em sete jogos. O América empatou 15 em 38 jogos e com mais nove rodadas os corais podem bater o recorde do time mineiro.

O que está acontecendo até o Sérgio Guedes quer saber, pois não entende como um time que domina boa parte do jogo, sai na frente, mas não consegue administrar o resultado e termina o jogo com mais um empate. “É um time que domina o jogo, sai na frente mas não consegue administrar o resultado positivo. O resultado não aparece e surgem as cobranças e dúvidas sobre o potencial do time. Mas internamente não pode haver dúvidas, temos que ter confiança e inspiração para chegar ao resultado positivo”, comentou.

“Jogamos para vencer e por uma razão ou outra o time fica ansioso com o resultado e acaba perdendo a chance de vencer o jogo”, argumentou. Em partes o técnico tem razão. Mas há um outro lado até mesmo maior do que o domínio do Santa que o técnico não lembrou. A postura do América.

Santa Cruz empatou mais uma na Série b. Foto: Diego Nigro - JC Imagem

Santa Cruz empatou mais uma na Série b. Foto: Diego Nigro – JC Imagem

No início ofensiva, já que o técnico Moacir Junior armou a equipe com dois meias e dois atacantes, com Mancini e Andrey na criação e Ricardinho e Obina no ataque. Até o lateral-direito era ofensivo ao extremo, Willians, que já passou pelo Sport e atuava como meia-atacante. Assim o Coelho começou melhor no jogo, marcou a saída do Santa e não deixou espaços.

Como o gramado não apresentava condições para uma das equipes impor velocidade em todo o jogo o América teve que baixar a guarda e marcar de forma mais recuada. Foi nesse momento que o Santa passou a dominar o duelo, em meados dos 25 minutos do primeiro tempo. No início do segundo tempo o Santa marcou o seu gol.

Então, o América voltou a atacar e, não demorou muito para achar o gol de empate, aos 17 minutos com o lateral que tem faro de meia-atacante Willians.

Essa foi a parte que Sérgio Guedes não citou em sua entrevista coletiva após o jogo. No fim, ele reconheceu as limitações de sua equipe mas disse que todos estão tentando se superar em campo para conseguir os triunfos. “Nós temos os nossos limites e estamos conscientes deles. A cada jogo estamos tentando superá-los, o time está lutando e precisamos superar as dificuldades para vencer”, encerrou.

Só para constar

Na série A não existe apenas uma equipe campeã dos empates, mas sim, quatro times. Na verdade não consideramos as campanhas de Ponte e Preta e Botafogo, (2003, 2004 respectivamente) porque na época o Brasileirão era disputado em 46 rodadas. Se valesse, seriam os detentores do recorde com 18 empates.

Mas o Bota ainda entra nessa marca histórica. Depois que a Série A passou a ter 20 equipes na disputa com 38 rodadas, o Corinthians, em 2013; o Palmeiras, em 2011; Botafogo, Flamengo e Ceará, em 2010 foram os times que mais empataram em uma edição da Série A, 17 no total.