Arena Condá

Sport abusa dos erros e perde para a Chapecoense por 2×0

Foto: Rodrigo Goulart/Diário do Iguaçu – Autor: Wladmir Paulino

Num jogo em que os erros golearam os acertos, o Sport estreou com derrota na segunda fase do Brasil ao cair por 2×0 diante da Chapecoense na noite desta quarta-feira (6), na Arena Condá, em Chapecó (SC). Com o resultado, os leoninos precisam vencer por três gols de diferença na próxima semana, na Ilha do Retiro, para avançar à terceira fase. Qualquer empate ou vitória rubro-negra por dois gols de vantagem com a Chapecoense marcando (3×1, 4×2, etc.) dá a vaga aos catarinenses.

Mais do que complicar a vida do time na competição, o jogo deixou uma perspectiva ruim para o início do Campeonato Brasileiro. No próximo domingo, o time de Eduardo Baptista encara o Figueirense, na Ilha.

Com a clara estratégia do contra-atraque, o Sport teve muita dificuldade para levar a teoria à prática. Claro que surgiram oportunidades, mas o setor de criação pernambucano tinha imensa dificuldade em trabalhar a bola. Tanto que não chegava nem a ameaçar finalizar, pois os erros de passes surgiam já no nascedouro das jogadas. Quando conseguiu acertar uma sequência de quatro passes seguidos o cronômetro já marcava 30 minutos do primeiro tempo. Oswaldo encontrou Samuel na linha da pequena área mas ao dominar no peito o atacante não conseguiu completar com o chute.

O time sentiu a ausência de alguém no corredor central que organizasse a transição ofensiva. Wendell tentou fazer esse papel e errou mais que acertou. Élber, meia de origem, estava deslocado pelo lado esquerdo. Já a Chapecoense explorava o jogo pelas duas laterais, dando muito trabalho a Renê e Oswaldo. Mas fazer a bola chegar aos atacantes também foi difícil. Na melhor delas, Bruno Rangel recebeu da esquerda e aproveitou que Páscoa não cortou para chutar no lado externo da rede.

Na volta para o segundo tempo, o técnico Vinícius Eutrópio tentou dar um pouco mais de qualidade com a entrada de Maranhão no lugar de William Barbio, que tinha dificuldade até para dominar a bola. Aos dez minutos, Samuel não aguentou uma pancada na coxa sofrida no primeiro tempo e deixou o campo para entrada de Régis. O problema é que, mais uma vez, o camisa 10 atuou deslocado da posição em que chamou a atenção do próprio Sport. Ele ocupou a faixa lateral direita, a mesma que Samuel estava, no momento em que a maior carência leonina era na região central do campo.

O jogo caminhava no mesmo ritmo quase parando do primeiro tempo quando o time da casa aproveitou um erro na saída de bola de Renê. Camilo rolou para Hyoran, que entrava pelo lado direito da área. Ele chutou rasteiro, no canto direito de Magrão. O detalhe é que essa foi a primeira finalização da Chapecoense em direção ao gol.

E a segunda também foi letal para os rubro-negros. Em outra saída de bola errada, Bruno Rangel lançou Maranhão na hora que a defesa do Sport saía. Magrão tentou fechar o ângulo mas Maranhão teve a tranquilidade para tirar do goleiro e ampliar.

SEM CRIATIVIDADE
Trocas de passes em progressão? Velocidade? Nada disso. Os dois times sofreram muito com falta de qualidade para jogar com os pés. O Sport até tentou mas errou demais. A Chapecoense nem isso. Apelou mesmo para o jogo áreo. Mesmo quando saía de seu campo de defesa era apelando para a bola longa.

MAGOADA
Aos dez minutos do segundo tempo Régis apareceu na lateral do campo para entrar no lugar de Samuel. O estádio inteiro vaiou. Resultado da troca feita pelo jogador no Brasileiro do ano passado, quando deixou a Chapecoense para assinar contrato com o Sport.

Ficha do jogo:

Chapecoense: Danilo; Apodi, Rafael Lima, Vilson e Dener; Elicarlos, Gil, Maylson (Hyoran) e Camilo (Wanderson); William Barbio (Maranhão) e Bruno Rangel. Técnico: Vinícius Eutrópio.

Sport: Magrão; Oswaldo, Ewerton Páscoa, Durval e Renê; Rithely, Rodrigo Mancha, Wendell (Mike) e Élber; Samuel (Régis) e Joelinton. Técnico: Eduardo Baptista.

Local: Arena Condá, em Chapecó (SC). Árbitro: Igor Benevenuto (MG). Assistentes: Márcio Santiago e Marcus Vinícius Gomes (ambos de MG). Gols: Hyoran, aos 29; Maranhão, aos 34 do segundo. Cartões amarelos: Vílson, Régis, Maranhão, Ewerton Páscoa, Joelinton, Rodrigo Mancha e Oswaldo.

Sport joga mal, perde para a Chapecoense e chega a quinta derrota seguida fora de casa

 Daniel Leal /Diario de Pernambuco

Figueirense, Flamengo, Fluminense, São Paulo e agora a Chapecoense. Pela quinta rodada seguida nesta Série A, o Sport perdeu jogando como visitante. Com dois gols do zagueiro Douglas Grolli e um do Tiago Luis, o Verdão do Oeste bateu o inofensivo Leão por 3 a 1, na noite deste sábado, na Arena Condá, em Chapecó. Os rubro-negros ainda descontaram, com Felipe Azevedo, de pênalti, mas em nenhum momento esteve próximo sequer do empate. A equipe catarinense, que contou com a estreia do técnico Jorginho, não vencia há quatro rodadas na competição e conseguiu respirar, chegando aos 23 pontos e se afastando do Z4.

Com a derrota, o Sport permanece com 31 pontos, em sétimo, sem conseguir o objetivo de encostar de vez no G4. O time ainda pode cair ainda uma posição com a conclusão da rodada neste domingo. O Leão agora volta a campo na próxima quarta-feira, quando receberá o Internacional, novamente na Arena Pernambuco. Para a partida, a expectativa é que o técnico Eduardo Baptista já possa voltar a contar com Diego Souza, liberado pelo departamento médico, e com o atacante Neto Baiano, barrado do time por indisciplina.

O jogo
Chapecoense e Sport fizeram um primeiro tempo truncado, sem muita emoções e, por vezes, até sonolento. Com raras chances de gol, a partida se concentrava no meio de campo. Tudo isso graças a inoperância de ambos os ataques. A bola batia e voltava, tanto de um lado como do outro. O Leão até tinha mais iniciativa, buscava ser mais agressivo, porém esbarrava na ausência de qualidade técnica. A etapa já se encaminhava para terminar em 0 a 0, quando aos 42 minutos, o Verdão do Oeste achou um gol. Após falta, a defesa rubro-negra cortou mal e o zagueiro Grolli pegou de primeira acertou o ângulo de Magrão em um lance de rara felicidade.

Na volta para o segundo tempo, o técnico Eduardo Baptista tentou a mesma solução que deu certo na última rodada, quando o Leão venceu o Santos. Vitor entrou na vaga de Érico Júnior e Patric foi novamente avançado para o ataque. Não deu nem tempo de esperar uma evolução. Logo aos 17 segundos, a defesa rubro-negra cochilou, Fabiano foi até a linha de fundo e cruzou para Tiago Luís mandar de cabeça para as redes.

O gol foi um balde de água fria no Sport. Os jogadores sentiram o baque. A equipe catarinense cresceu ainda mais no jogo. Tomou para si as rédeas da partida e só não ampliou o marcador pela falta de inspiração dos atacantes. Mesmo desorganizado, os rubro-negros ainda conseguiram diminuir o placar aos 37, com Felipe Azevedo, de pênalti. Mas não deu nem para se empolgar. Aos 41, o zagueiro Grolli aproveitou mais um vacilo do sistema defensivo do Leão e deu números finais a partida.

FICHA DO JOGO

SPORT 1
Magrão; Patric, Durval, Ferron e Renê (Zé Mário); Rithely, Wendel, e Ibson; Igor (Mike), Érico Júnior (Vitor) e Felipe Azevedo.
Técnico: Eduardo Baptista.

CHAPECOENSE 3
Danilo; Fabiano, Douglas Grolli, Jaílton e Rodrigo Biro; Bruno Silva (Wanderson), Ricardo Conceição, Dedé (Zezinho) e Camilo; Tiago Luis (Mailson) e Leandro.
Técnico: Jorginho.

Local: Arena Condá, em Chapecó. Árbitro: Rodrigo Batista Raposo (DF). Assistentes: Marrubson Melo Freitas (DF) e José Araújo Sabino (DF). Gols: Douglas Grolli (2) e Tiago Luis (CHA); Felipe Azevedo (SPT). Cartões amarelos: Durval, Érico Júnior (SPT). Público: 4.737. Renda: R$ 48.340.

Contra a Chapecoense, Sport quer embalar na Série A

Foto: Diego Nigro/JC Imagem – Autor: Thiago Wagner

Depois do show de Patric e da vitória por 3×1 sobre o Santos, na última quarta-feira, o torcedor do Sport espera que a equipe pegue o embalo de vez na Série A e se aproxime mais do G4 da competição. Por isso, a exigência de vitória sobre a Chapecoense, neste sábado, na Arena Condá, em Chapecó, é grande. Muito porque o Leão é o sétimo colocado com 31 pontos e o adversário é apenas o 16º com 20.

Rubro-negros com problemas físicos

O técnico Eduardo Baptista não confirmou a escalação do Sport para o jogo. Prefere aguardar o estado físico do volante Wendel e do atacante Érico Júnior para dar essa definição. Os dois jogadores reclamaram de desgaste muscular depois da partida com o Santos. A dupla treinou normalmente nessa sexta, mas ainda não foi confirmada pelo comandante leonino.

Catarinenses chegam com novo comandante

Perto da zona de rebaixamento, a Chapecoense trocou de treinador. Jorginho, ex-Náutico, é o novo comandante dos catarinenses no lugar de Celso Rodrigues. A meta é escapar da degola.

Quem pode decidir?

Foto: Diego Nigro/JC Imagem

Foto: Diego Nigro/JC Imagem

Patric. Não tem como fugir dele. O lateral-direito rubro-negro vive um grande momento no Sport, tanto que é o artilheiro da equipe no Brasileirão. Com a confiança que tem, pode ser decisivo mais uma vez.

Fique de olho

Foto: Rodrigo Lôbo/JC Imagem

Foto: Rodrigo Lôbo/JC Imagem

Magrão. Como a partida é fora de casa, é possível que o goleiro seja exigido um pouco mais do que o normal. As mãos dele serão decisivas para garantir ao menos o empate.

Palavra do treinador

Foto: Diego Nigro/ JC Imagem

Foto: Diego Nigro/ JC Imagem

“A Chapecoense é um time extremamente qualificado. É uma equipe forte. É mais um jogo em que a parte física vai valer”, disse Eduardo Baptista sobre o confronto.

A ameaça

Tiago Luís. O atacante da Chapecoense pode ser a ameaça para o Sport na partida. Tiago é o artilheiro dos catarinenses na Série A com três gols. Precisa ser marcado de perto pelos zagueiros rubro-negros.

FICHA DA PARTIDA – CHAPECOENSE X SPORT

Chapecoense: Danilo; Fabiano, Douglas Grolli, Jaílton e Meza; Wanderson, Abuda, Dedé e Zezinho; Tiago Luís e Bruno Rangel. Técnico: Jorginho.

Sport: Magrão; Patric, Ferron, Durval e Renê; Wendel(Ronaldo), Rithely e Ibson; Augusto César, Érico Júnior e Felipe Azevedo. Técnico: Eduardo Baptista.

Série A (21ª rodada). Local: Arena Condá, Chapecó (SC). Horário: Sábado, às 18h30. Árbitro: Rodrigo Batista Raposo. Auxiliares: Marrubson Melo Freitas e Jose Araujo Sabino.