Arena Pantanal

Náutico vence Cuiabá por 1 a 0, avança na Copa do Brasil e garante cota de R$ 1,8 milhão

FICHA DO JOGO


Cuiabá
Victor Souza; Weriton, Ednei, Lucão e Quaresma (Giovanne); Magno, Jeanderson (Weverton), Doda e Hiltinho; Jenison (Adalgiso Pitbull) e Bruno Alves. Técnico: Itamar Schulle.

Náutico
Bruno; Thiago Ennes, Breno Calixto (Camacho), Camutanga e Kevyn; Negretti, Josa, Wendel (Jobson) e Wallace Pernambucano (Rogerinho); Robinho e Ortigoza. Técnico: Roberto Fernandes

Estádio: Arena Pantanal.

Árbitro: Emerson de Almeida Ferreira (MG).

Assistentes: Felipe Alan Costa (MG) e Luiz Antonio Barbosa (MG). Gol: Ortigoza (40′ do 1ºT).

Cartões amarelos: Bruno, Jobson, Kevyn e Ortigoza (N); Lucão (C). Cartão vermelho: Ortigonza (N).

Público e renda: Jogo de portões fechados.

Santa é goleado pelo Vasco na Arena Pantanal em volta à Série B

Crispim fechou a goleada cruzmaltina sobre o Tricolor do Arruda e acabou com a invencibilidade –  Yuri de Lira /Diario de Pernambuco

Apesar da goleada, a sensação é de que daria para ter conseguido algo melhor na Arena Pantanal, em Cuiabá. No reencontro com a Série B do Brasileiro após a pausa para a Copa do Mundo, o Santa Cruz enfrentou um Vasco sofrível na noite desta terça-feira. Os corais se impuseram em parte do jogo. Domínio aparente e não revertido em gols. De virada, os cruzmaltinos aplicaram 4 a 1. A derrota, que agora distancia do Tricolor do G4, foi a primeira da equipe na competição e nos seus últimos 12 jogos na temporada. A última havia sido ainda na semifinal do Campeonato Pernambuco, contra o Sport, em 13 de abril

Depois de um início vagaroso, o Santa Cruz se impôs ao Vasco. O artifício foi o mesmo usado nas três vitórias consecutivas antes do intervalo no campeonato para a disputa do Mundial: Danilo Pires como elemento surpresa. Um falso meia. Um falso volante. Aproveitando-se de falhas de marcação e erros de passes dos cruzmaltinos no meio-campo, os corais abriram a contagem com um gol justamente dele, aos 18 da primeira etapa. Pires recebeu de Renatinho, cortou o lateral André Rocha e chutou de longe. O goleiro  Martín Silva só olhou a bola entrar.

O time de Sérgio Guedes, contudo, não continuou utilizando o toque de bola e da consonância demonstrada inicialmente entre os seus jogadores para se sobrepor ao adversário.  Logo recuou. Excessivamente. E pagou caro. Chamou a equipe do Rio de Janeiro para o seu campo de defesa e, embora o Vasco não tenha chegado a efetivamente sufocar os pernambucanos, conseguiu a virada. Fabrício e Douglas Silva fizeram dois gols em seis minutos – aos 34 e 40. O primeiro, um chute de fora de área, foi mais fortuito. O segundo, no entanto, poderia ter sido facilmente evitado caso os corais tivessem mais atenção na marcação. Memo falhou ao não acompanhar Douglas. Fatal.

Segundo tempo

O Santa voltou do intervalo bastante incisivo. Com seis minutos, já havia criado duas oportunidades claras para empater. Tinha espaço no meio-campo. Encurralava o Vasco e tocava a bola com certa facilidade. Aos 20, um lance capital. O Tricolor permitiu um contra-ataque pontual dos cariocas, que resultou em um pênalti. O estreante Kléber Gladiador cobrou e fez o terceiro. O 3 a 1 esmoreceu os recifenses. A partir daí, se perderam em campo.  Crispim, que acabara de entrar, aproveitou-se. Fez o quarto e colocou números finais no jogo. 
Vasco
Martín Silva; André Rocha (Carlos César), Luan, Douglas Silva e Diego Renan; Guiñazu, Fabrício, Pedro Ken e Dakson (Crispim); Thalles e Klébe (Edmílson)r. Técnico: Adílson Batista.

Santa Cruz

Tiago Cardoso; Nininho, Everton Sena, Renan Fonseca e Renatinho; Sandro Manoel, Memo, Danilo Pires (Wescley) e Carlos Alberto (Emerson Santos); Pingo (Keno) e Léo Gamalho. Técnico: Sérgio Guedes.

Estádio:
 Arena Pantanal (Cuiabá-MT)
Árbitro: Anderson Daronoco-RS (Fifa)
Assistentes: Marcelo Bertanha Barison e José Antônio Chaves Filho, ambos do RS
Gols: Danilo Pires (18’ do 1ºT, Santa Cruz); Fabrício (34’ do 1ºT. Vasco), Douglas Silva (40’ do 1ºT, Vasco) e Kléber (20’ do 2ºT, Vasco) e Crispim (28’ do 2ºT, Vasco)
Cartões amarelos: Carlos Alberto e Renan Fonseca (Santa Cruz); Pedro Ken e Carlos César (Vasco)Público: 7.190Renda: R$262.910,00

Santa Cruz vai a Cuiabá enfrentar o Vasco já flertando com o G4

Sérgio Guedes mantém o mesmo time que terminou o período de jogos pré-Copa. Foto: JC Imagem – Autor: Wladmir Paulino

Único invicto na Série B, o Santa Cruz volta à disputa da competição nacional tendo uma pedreira pela frente: o Vasco, dono do maior orçamento da competição, em jogo válido pela 11ª rodada, na Arena Pantanal, em Cuiabá, às 21h50. O mandante do jogo é o time do Rio de Janeiro, que cumpre suspensão pela briga provocada por seus torcedores em Joinville, na última rodada do Brasileirão do ano passado.

Mesmo tanto tempo depois, o técnico Sérgio Guedes mantém aquela escrita de que em time que ganha não se mexe. Os 11 que começam o jogo são os mesmos do compromisso anterior, no dia 3 de junho, quando o Santa venceu a Ponte Preta por 2×1, no Arruda. Os corais ocupam o oitavo lugar com 16 pontos e, vencendo e a depender de outros resultados, pode chegar ao G4. O Vasco vem dois degraus abaixo. Ocupa o décimo posto com 14.

Guedes testou variações na formação – dois meias e três atacantes foram algumas – porém com o caráter de alternativas quando não pudesse contar com um ou outro jogador. “Vou manter o time, acho que crescemos e acredito muito na nossa capacidade. Mas todos os jogadores do elenco vão ajudar no decorrer da competição. Estou satisfeito com os meus atletas e precisamos voltar para a Série B com a mesma intensidade antes da parada. A minha expectativa é a melhor possível”, comentou.

Dentro dessa manutenção, um jogador se destaca. O volante Memo, um dos pilares da equipe tricampeã estadual entre 2011 e 2013, reconquistou espaço e divide a responsabilidade de equilibrar a marcação no meio de campo com Danilo Pires e Sandro Manoel. Uma das funções desse trio é acompanhar de perto os passos do atacante Kleber Gladiador, um dos destaques do adversário. “A gente tem que ter atenção com toda a equipe do Vasco, não apenas com Kleber. Eles têm um time muito forte. Da mesma forma que trabalhamos na intertemporada, eles e as demais equipes também treinaram para voltar bem.”

VASCO – Ao contrário do Palmeiras, que no ano passado sobrou na competição, o Vasco ainda não se encontrou na Segundona. O time promove a estreia do atacante Kleber Gladiador e terá o retorno do volante Guiñazu, recuperado de uma lesão no pé direito. Em compensação, o técnico Adílson Batista perdeu o zagueiro Rodrigo, com uma inflamação no joelho direito. Douglas Silva herda a vaga.

Ficha do jogo:

Vasco: Martin Silva; André Rocha, Luan, Douglas Silva e Diego Renan; Guinazú, Fabrício, Pedro Ken e Dakson; Kléber Gladiador e Thalles. Técnico: Adílson Batista.

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Nininho, Everton Sena, Renan Fonseca e Renatinho; Sandro Manoel, Memo, Danilo Pires e Carlos Alberto; Pingo e Leo Gamalho. Técnico: Sérgio Guedes.

Loca: Arena Pantanal, em Cuiabá. Horário: 21h50. Árbitro: Anderson Daronco (Asp/Fifa-RS). Assistentes: Marcelo Bertanha Barison e José Antônio Chaves (ambos do RS).

Grécia vence no último minuto, se classifica e elimina Costa do Marfim

Andreas Samaris abriu o marcador no primeiro tempo, aos 42 minutos | Crédito: Mike Blake/Reuters

Jogando para ver quem passa para a próxima fase, juntamente com a Colômbia, Costa do Marfim e Grécia se enfrentaram e a seleção europeia se deu bem, já que venceram por 2 x 1 e viu o Japão perder para o Japão.

No primeiro tempo, a seleção grega abriu o placar. Após boa troca de passes com Samaras, o atacante Samaris marcou o primeiro do jogo, aos 42.

Na segunda etapa, a Costa do Marfim veio com tudo para o empate, e conseguiu. Aos 28, depois da assistência de Gervinho, Wilfred Bony deixou tudo igual. Porém, aos 47, Samaras sofreu pênalti. O próprio atacante bateu, converteu e deu a vaga para a Grécia

Com a vitória, a Grécia enfrenta a Costa Rica nas oitavas de final.

Fonte: PLACAR

Pensando nas oitavas, Japão busca a primeira vitória em jogos com a Colômbia

Em busca de uma vaga para as oitavas de final, o Japão enfrenta a já classificada Colômbia nesta terça-feira, na Arena Pantanal, em Cuiabá.

Para garantir permanência na competição, os Samurais Azuis precisam ganhar dos sul-americanos e ainda torcer para que a Grécia vença a Costa do Marfim, mas termine com o saldo de gols menor que o dos japoneses. Se Grécia e Costa do Marfim empatarem, o Japão terá que vencer por dois gols de diferença para se classificar.

Em dois confrontos com a Colômbia, o Japão nunca venceu os Cafeteiros. Na última vez que se enfrentaram, em um amistoso realizado em 5 de junho de 2007, a partida terminou sem gols. Antes, as duas equipes tinham duelado na Copa das Confederações de 2003, quando os sul-americanos ganharam por 1×0.

Prováveis escalações:

Japão: Kawashima; Uchida, Konno, Yoshida e Nagatomo; Yamaguchi, Hasebe, Honda, Okubo e Okazaki; Osako. Técnico: Alberto Zaccheroni

Colômbia: Ospina; Zuniga, Yepes, Zapata e Armero; Sánchez, Aguilar, Cuadrado e James Rodriguez; Ibarbo e Gutierrez. Técnico: José Pekerman

Fonte: PLACAR

Veja fotos de Nigéria x Bósnia, na Arena Pantanal-MT

A Nigéria deu um passo importante para a classificação na Copa do Mundo. Os africanos venceram a Bósnia-Herzegovina, por 1 x 0, e eliminaram os adversários. Emenike marcou o único gol da partida.

No primeiro tempo, a Nigéria conseguiu abrir o placar com Odemwingie, após ótima jogada na ponta direita do atacante Emenike. Na segunda etapa, as equipes não conseguiram balançar as redes e o resultado se manteve em 1 x 0.

 

Rússia e Coreia do Sul empatam com falha de goleiro e reação em seis minutos

Yury Zhirkov disputa a bola com Lee Yong | Crédito: Elsa/Getty Images

Rússia e Coreia do Sul foram os responsáveis por encerrar a primeira rodada da fase de grupos. Em partida disputada nesta terça-feira, na Arena Pantanal, em Cuiabá, as duas equipes ficaram no 1×1.

Os asiáticos abriram o placar aos 23 minutos de jogo. Lee Keun Ho puxou contra-ataque e chutou forte na entrada de área. O goleiro Igor Akinfeev, que chegou a encostar na bola, falhou.

O empate aconteceu seis minutos depois. Após um bate e rebate dentro da área, a bola sobrou para Kerzhakov, que completou.

 

Fonte: PLACAR

Rússia x Coreia do Sul: o único objetivo é aprender com a Copa do Mundo

Guilherme Costa Do UOL, em Cuiabá (MT)

O protagonismo do Grupo H da Copa do Mundo tende a ser da Bélgica. Logo, a Rússia aparece como a maior candidata para a outra vaga às oitavas de final do Mundial. E para buscar esse objetivo, os russos têm a obrigação de vitória contra a Coreia do Sul, rival da noite desta terça-feira, a partir das 19h (de Brasília), na Arena Pantanal, no duelo que fecha a primeira rodada da chave. Será o confronto da única seleção 100% nacional desta Copa contra um rival que não chegou ao Mundial em bom momento.

Capelo é o técnico mais bem pago da Copa

Foto: AFP

Entre as 32 seleções que disputam a 20ª Copa da história, a da Rússia é a única que conta apenas com jogadores que atuam no próprio país. Atletas atuando na Alemanha,Inglaterra, Ucrânia? Nada disso. Pogrebnyak evitaria esse cenário, mas o atacante do inglês Reading só figurou na lista dos 30.

A decisão do técnico italiano Fabio Capello de levar apenas jogadores locais ao Mundial está ligada ao fato de a Rússia ser a sede do próximo Mundial, em 2018. Valorizar o futebol russo é um dos objetivos de Capello, que tem contrato para dirigir a seleção justamente até a Copa que será realizada no país.

O time que enfrentará a Coreia do Sul nesta noite deve ser o mesmo que vinha atuando nos últimos amistosos, tendo Samedov e Kokorin no ataque e Zhirkov como o principal responsável pela criação. O atacante Kerzhakov, único remanescente da última Copa disputada pela Rússia, a de 2002, é opção para o decorrer dos jogos.

Coreia do Sul lutará para não ser a pior da Copa
Apesar de estar em sua oitava Copa seguida, a Coreia do Sul ainda luta para figurar entre forças mais fortes do futebol mundial. A grande participação dos asiáticos foi em 2002, quando foi quarta colocada, mas com grande ajuda da arbitragem. Além disso, desde Park Ji-Sung, que chegou a ser destaque do Manchester United, nenhum outro nome desponta do futebol sul-coreano. Para piorar, o último amistoso terminou em 4 a 0 para a mediana seleção de Gana. Com este terrível prognóstico, a missão da Coreia deve ser brigar para não ser a pior seleção da Copa.

A esperança pode estar nos pés de Son Heung-Min, meia-atacante apontado como o “Neymar coreano”. Quem sabe a “ousadia e alegria” orientais inspiram os asiáticos a fazerem melhor do que o retrospecto de apenas cinco vitórias nos 13 jogos depois das Eliminatórias.

Veja fotos de Chile x Austrália, na Arena Pantanal-MT

A bruxa está à solta no Grupo B? Não para o Chile. Diferente da surpreendente vitória da Holanda sobre a Espanha, o Chile honrou o favoritismo ao derrotar a Austrália pelo modesto placar de 3 a 1, com gol do palmeirense Valdívia, que não marcava pela seleção desde 2012, e show da torcida chilena na Arena Pantanal.