Caldeirão

O reencontro do Náutico com o caldeirão

Celso Ishigami – Diario de Pernambuco

Quase um ano depois, o Náutico volta aos Aflitos. Num cenário ideal, o reencontro entre time, torcida e a antiga casa viria sob circunstâncias mais confortáveis. De repente, com a equipe brigando pela ponta da tabela e vivendo uma lua de mel com seus torcedores. O cenário, entretanto, é bem diferente. A preocupante realidade financeira do clube resultou numa crise técnica que ameaça a campanha na Série B. Mesmo levando em consideração o fato de o Timbu ter um jogo a menos, não é prudente esquecer que o time está mais perto da zona de rebaixamento do que do G4. Por outro lado, talvez precisasse ser assim. Talvez, o estádio dos Aflitos esteja destinado a voltar a ser o palco da redenção alvirrubra. O símbolo do reencontro do time com seus torcedores.


No entanto, se este jogo com o Avaí, às 21h50, marcará a volta do Náutico à sua antiga casa, a partida será também a estreia da maioria esmagadora do time no estádio. Dos prováveis titulares desta noite, somente o volante Elicarlos e o meia-atacante Marcos Vinícius sabem o que é contar com o apoio da torcida ali. O que não diminui a expectativa do restante do time em relação à partida. “O estádio dos Aflitos representa a força do Náutico. Na Arena, não estava tendo um bom público e isso dificulta. Todos sabem como é difícil jogar aqui. Claro que nosso time não está acostumado a jogar aqui, mas se a torcida comparecer em peso vai nos ajudar bastante”, destacou o goleiro Alessandro. “Ainda não entrei em campo aqui, mas fiquei no banco em jogos pelo Vasco e pelo Grêmio. E todas as vezes houve uma preocupação muito grande com o fato de jogar nos Aflitos”, revelou.

Volante do Sport no início dos anos 2000, o atual técnico alvirrubro conhece bem o estádio e acredita que a falta de adaptação de seus comandados às características peculiares dos Aflitos será minimizada por outro aspecto. “Jogar nos Aflitos nesse momento é muito importante. Quem vem aqui sabe que vai encarar um jogo difícil”, afirmou.

Adversário


Paraná

A boa notícia para os alvirrubros é que a má fase não é uma exclusividade do Náutico. Adversário desta noite, o Avaí também vive dias conturbados, que culminaram com a demissão do técnico Pingo. Mas o interino Raul Cabral também não tem tantas alternativas. Com desfalques importantes – entre eles, o meia Marquinhos Catarina, lesionado -, ele preferiu adotar o mistério e sequer divulgou a lista de relacionados para o confronto.

Náutico