Campeão 2014

Galo vence o Lanús na prorrogação e conquista a Recopa Sul-Americana

THIAGO PRATA

@SUPER_FC

Parece que foi ontem que o esquadrão de Cuca brindou seus seguidores com o maior título da história do Atlético. Mas já faz um ano, completado na virada desta noite para a madrugada de quinta-feira, que o alvinegro conquistou a Libertadores, numa batalha épica contra o Olimpia-PAR. Nada melhor que comemorar este feito com mais um título, o da Recopa Sul-Americana, obtido nesta quarta-feira, no Mineirão, em outro jogo sofrido. E não poderia ser diferente. Afinal de contas, é o Galo, time que precisa gastar até a última gota de suor para levantar uma taça.

No tempo normal, o Lanús venceu por 3 a 2, com seu terceiro gol sendo marcado aos 48 min do segundo tempo, graças à Acosta – Ayala e Santiago Silva fizeram os outros tentos dos argentinos, enquanto Diego Tardelli e Maicosuel balançaram as redes para os mineiros. Mas, na prorrogação, brilhou a estrela do talismã Luan, autor do gol do empate em 3 a 3. E Ayala ainda deu uma ajudinha, anotando contra, de forma bizarra, garantindo o triunfo, por 4 a 3, ao Galo. Um triunfo que pode representar o fim da era Ronaldinho.

Ao mesmo em que festeja mais um título e um ano da Libertadores de 2013, uma incógnita paira no ar, envolvendo R10. Esta por ter sido a última partida do camisa 10 pela agremiação. A dúvida se deve pelas ações do meia ao ser substituído no segundo tempo. Antes de dar lugar a Luan, Ronaldinho cumprimentou cada jogador do Atlético, um por um, deu tchau enigmático à Massa e beijou o escudo. Escudo este que ele honrou de forma estupenda em 2012 e 2013.

Até o encerramento desta edição, a diretoria não se manifestou sobre o fato. Mas, caso seja confirmado a saída do craque, cujo contrato com o Galo vai até o fim da temporada, deixará muitas saudades aos aficionados alvinegros, que tiveram o prazer de ter uma lenda viva defendendo as cores do clube.

Mesmo que 2014 tenha sido bem abaixo da capacidade de um craque do calibre de Ronaldinho, a magia com a bola nos pés é a epítome da trajetória de R10 no Atlético. E os gritos de ‘Ronaldinho é um terror’ serão eternamente a marca de uma torcida que sabe reconhecer o valor de um ídolo.

ATLÉTICO 4 X 3 LANÚS-ARG

Motivo: jogo de volta da decisão da Recopa
Local: Mineirão, em Belo Horizonte
Árbitro: Roberto Silvera (URU)
Renda: R$ 5.732.930,00
Público: 54.786
Cartões Amarelos: Diego Tardelli, Pierre, Réver, Leandro Donizete (Atlético); Ayala, Somoza, González, Acosta, Braghieri, Gómez (Lanús)
Cartão Vermelho: Acosta (Lanús)
Gols: Diego Tardelli, Maicosuel, Luan, Ayala (contra) (Atlético); Ayala, Santiago Silva, Acosta (Lanús)

ATLÉTICO
Victor, Marcos Rocha, Réver, Leonardo Silva e Emerson Conceição; Pierre, Leandro Donizete, Ronaldinho Gaúcho (Luan), Maicosuel (Guilherme) e Diego Tardelli (Dátolo); Jô. Técnico: Levir Culpi

LANÚS
Marchesín, Araujo (Melano), Gómez (Benítez) e Braghieri; Velázquez, Diego González, Ayala, Somoza e Jorge Ortiz (Pasquini); Santiago Silva e Acosta. Técnico: Guillermo Barros Schelotto

Vitória conquista inédito Pentacampeonato do Futebol Feminino

Fonte: Facebook Guerreiras das Tabocas

O Vitória conquistou o pentacampeoanto pernambucano feminino na noite deste domingo (8), ao bater o Sport por 2×0, no Carneirão, com gols de Ronaldinha e Thamires. Com a conquista o Tricolor das Tabocas se tornou o time com maior número de títulos estaduais em Pernambuco. Na partida de ida, na Ilha do Retiro, também vitória tricolor por 4×2.

Um título com 11 vitórias, 100% de aproveitamento e 74 gols marcados; uma média de quase 7 gols por partida.

Desde 2010, ano da criação da modalidade no clube, não tem pra ninguém, o Vitória venceu todas as finais que disputou. Durante esse tempo foi o representante pernambucano em quatro Copas do Brasil, uma Libertadores, e um Campeonato Brasileiro.

O 3º lugar ficou com a equipe do América que venceu o Náutico, nos pênaltis, após empate Np tempo normal por 1×1