campeonato pernambucano

Pressionado, Santa Cruz enfrenta o Central pelo Estadual

Tricolor busca os primeiros pontos no campeonato. Foto: JC Imagem – Autor: Matheus Albino

É apenas a 3ª rodada do Campeonato Pernambucano, mas a pressão no técnico do Santa Cruz, Ricardinho, já é grande por conta das duas derrotas nas primeiras rodadas. O time vai até Caruaru enfrentar o empolgado Central, às 21h20, no Lacerdão. A necessidade dos três pontos seria grande quando o assunto é time da capital contra um do interior.

Mas com a situação do Tricolor, o triunfo na Capital do Forró passou a ser imprescindível. No entanto não será fácil, o Central vem de duas vitórias e está na vice-liderança do turno. Conta a favor ainda o irregular gramado do Luiz Lacerda. Pelo lado Coral, o técnico Ricardinho aproveitou os nove dias sem jogos para fazer experiências no time.

Mas, a principal mudança está no comportamento dos jogadores. Ele espera um Santa bem diferente do que perdeu para o Serra Talhada no último jogo. Nos 11 iniciais ele promoveu mudanças no setor ofensivo. Betinho ganhou a vaga de Bruno Mineiro e vai formar dupla de ataque com Anderson Aquino. No meio, João Paulo e Biteco ficarão responsáveis em municiar a dupla ofensiva.

Destaque

Fotos: Bobby Fabisak/JC Imagem

Fotos: Bobby Fabisak/JC Imagem

Em um time totalmente remontado e com apenas dois jogos na atual temporada nenhum jogador pode ser apresentado como o grande destaque do elenco coral. Porém, há aqueles que se destacam pela experiência e qualidade individual. Dos que estarão em campo desde o início pelo Santa, Anderson Aquino é quem melhor alcança essas características e por isso é a arma principal do Tricolor

Fique de olho

Guilherme Biteco é uma das armas para vencer em  Caruaru. Foto: Matheus Albino - Blog do Torcedor

Guilherme Biteco é uma das armas para vencer em
Caruaru. Foto: Matheus Albino – Blog do Torcedor

A estreia foi discreta. Na derrota para o Serra Talhada o meia Guilherme Biteco esteve em campo mas pouco pode fazer para ajudar o time. Contratado sob grande expectativa da diretoria e da torcida, o meia teve mais tempo para se adaptar ao clube e chega em melhores condições para enfrentar a Patativa.

O adversário

Em grande fase no Estadual o Central chega para o confronto como favorito. O fator casa e o apoio da torcida são alguns aspectos que aumentam a pressão no lado visitante. Apesar do bom momento o técnico Laelson Lima não esconde a preocupação com o Santa.

Em relação ao time titular ele terá à disposição o  atacante Fabiano, que foi contratado recentemente. Um dos destaques do meio de campo, o volante Fernando Pires, também vai para o jogo após recuperar-se de uma fisgada na coxa direita.

Ficha de jogo

Central: Beto; André Lima, Sinval e Éverton; Fabinho, Fernando Pires, Natan, Luiz Fernando e Madona (Jaílton); Candinho (Juninho Silva) e Fabiano.

Santa Cruz: Bruno; Moisés, Alemão, Danny Morais, Renatinho; Bileu, Edson Sitta, João Paulo, Guilherme Biteco; Betinho e Anderson Aquino (Émerson Santos).

Campeonato Pernambucano (Hexagonal do Título 3°rodada). Local: Estádio Luiz Lacerda (Caruaru). Data: 18/02. Horário: 21h20. Árbitro: Emerson Luiz Sobral. Assistentes: Wlademir de Souza Lins e Bruno Cesar Chaves Vieira

Remodelado, Estadual de Handebol tem abertura neste sábado

Autor: Marina Padilha

Começa neste sábado o Campeonato Pernambucano de Handebol na categoria Adulto Masculino. Foram três meses de planejamento e agora a competição – que foi remodelada – será aberta oficialmente às 17h, no ginásio do Clube Português do Recife. Sete equipes que participam do campeonato vão estar presentes ao evento para três confrontos inaugurativos: Barrozo/IPAs x UFRPE (14h), América/BPE x Atlético/Ibradesp/Nogueira Sports (15h30) e Português/Aeso x Pernambuco H.C (18h). A entrada é franca. Além disso, quem aparecer na torcida vai contar com apresentação de DJs.

A ideia de remodelar a forma de fazer o Campeonato Pernambucano de Handebol Adulto Masculino surgiu depois que o grupo gestor identificou uma série de diferenciais na competição que não estavam sendo explorados, como atletas da Seleção Brasileira, campeões nacionais e internacionais e clubes com história dentro e fora de Pernambuco, além das novas equipes, que já conseguiram ser destaque no País, como o América/BPE, que ficou em terceiro lugar no Brasileiro deste ano com menos de um ano de atividade.

“Estamos com a nata do handebol nacional, com equipes de muita qualidade e valores individuais que não perdem para lugar nenhum do Brasil. Temos uma equipe confirmada na próxima Liga Nacional (Português/Aeso) e atletas de alguns clubes sendo sondados para a Liga deste ano. Formamos dezenas de jogadores todos os anos. Então não poderíamos manter a principal competição estadual da mesma forma. Queremos transformar o Pernambucano no maior evento de esporte olímpico de Pernambuco até 2016”, afirmou um dos membros do grupo gestor, Mário Rios.

Dentro do planejamento para o Pernambucano está a presença de dez equipes na série principal. “Neste ano temos sete, mas alguns clubes já pediram para entrar na próxima temporada. A intenção é fecharmos com 20 clubes, sendo 10 na primeira divisão e 10 na segunda, com acesso e decesso”, afirmou Rios.

Santa Cruz perde para o Salgueiro por 2 a 1 no Arruda e está fora do Nordestão

Yuri de Lira – Diario de Pernambuco

Vencer o Salgueiro era o mínimo que o Santa Cruz poderia ter feito nesta terça-feira. O Tricolor perdeu o Carcará no jogo de volta pela disputa pelo terceiro lugar do Pernambucano. Após o empate em 1 a 1 no Sertão, a derrota por 2 a 1, no Arruda,  tira a equipe na próxima edição do Nordestão. Faz crescer a crise no clube. A vitória seria um alento em meio ao mau começo de temporada dos corais no ano do centenário. Nem isso. Contratado pela diretoria para substituir Vica, Sérgio Guedes assistiu ao jogo pela televisão, em São Paulo. Será apresentado nesta quarta. Certamente, viu que precisará trabalhar bastante desde já para fazer os ajustes necessários no time. Afinal, a sequência da Série B tende a ser bem mais laboriosa que foi o duelo diante do Carcará.

Alçado ao cargo de técnico interino exclusivamente para esta partida contra o Salgueiro  o gerente de futebol Ataíde Macedo comandou o time coral. Escalou a equipe com três homens na frente: Flávio Caça-Rato, Betinho e Léo Gamalho. Pela primeira vez em 2014, o Tricolor foi montado no 4-3-3, com um trio de atacantes de ofício em campo. O meia Raul acabou sendo sacado. Aliás, sequer figurou no banco de reservas. Raniel, de 17 anos, foi encarregado de armas as jogadas do Santa Cruz.

O jovem meia, porém, ficou sobrecarregado. Flávio Caça-Rato terminou sendo a peça mais eficaz e lúcida do setor ofensivo. O Salgueiro, por sua vez, conseguiu ser mais operante que o time da casa. Tiago Cardoso chegou a salvar o Santa Cruz três vezes. Mas não evitou o gol de Kanu, aos 44 minutos, após jogada de Peri pela esquerda. Apesar do público módico no Arruda, os comandados de Ataíde desceram para os vestiários sob fortes vaias na hora do intervalo.

 Segundo tempo

Ataíde tentou mudar o panorama do jogo. Acionou Renatinho e Nininho no lugar de Caça-Rato e Zeca, respectivamente. De nada adiantou. Sem Caça, o Santa perdeu ainda mais mobilidade. Betinho e Gamalho estavam praticamente estáticos, enquanto Raniel e Renatinho não rendiam na meia. Ainda assim, o artilheiro do estadual conseguiu empatar. Aos 34, Gamalho foi oportunista e deixou tudo igual: 1 a 1. Oito minutos depois, enquanto o Santa tentava a virada, veio o golpe final. Fabrício Ceará, que acabara de entrar, fez de cabeça com a zaga dos mandantes desguarnecida.

Estádio: Arruda (Recife-PE)
Árbitro: Gilberto Castro Júnior/PE
Assistentes: Albert Júnior e Ricardo Chianca, ambos de PE
Gols: Kanu (44’ do 1T); Léo Gamalho (34’ do 2T) e Fabrício Ceará (42’ do 2T)
Cartões amarelos: Léo Gamalho (Santa Cruz); Peri, Moreilândia e Rodolfo Potiguar (Salgueiro)

Público: 4.820
Renda: R$ 60.098

 Santa Cruz

Tiago Cardoso; Oziel, Renan Fonseca, Everton Sena e Zeca (Nininho); Sandro Manoel, Luciano Sorriso, e Raniel (Pingo); Flávio Caça-Rato (Renatinho) e Léo Gamalho. Técnico: Ataíde Macedo (interino).

Salgueiro
Luciano, Marcos Tamandaré, Aylton Alemão, Ranieri e Peri; Pio (Rodolfo Potiguar), Morelândia, Valdeir e Anderson Paraíba; Kanu e Everton (Fabrício Ceará). Técnico: Fernando Alcântara.

Náutico vence o Sport na Ilha e fica em primeiro na primeira fase do Pernambucano

Autor: Thiago Wagner

O Sport foi melhor no primeiro tempo com maior volume de jogo e mais chances. No entanto, pecou na finalização. Esse desperdício custou caro para os rubro-negros no clássico contra o Náutico, na tarde deste domingo, na Ilha do Retiro, pelo Pernambucano. O Timbu equilibrou as ações na segunda etapa e conseguiu a vitória por 1×0 depois de aproveitar uma das poucas chances que teve durante o jogo – Marcos Vinícius marcou aos 28 minutos do segundo tempo. Mérito para a equipe de Lisca, que soube segurar o poder ofensivo dos leoninos para sair com a liderança do Estadual da casa do adversário. Com a vitória, o Alvirrubro vai para 20 pontos e enfrenta o Salgueiro nas semifinais da competição. A primeira partida será no Cornélio de Barros, em Salgueiro, enquanto a volta é na Arena Pernambuco. Ao Sport restou a segunda colocação e o clássico contra o Santa Cruz na segunda fase – primeiro jogo no Arruda e segundo na Ilha.

Ambos os times vieram com novidades para o gramado. Pelo lado do Sport, Eduardo Baptista apostou em Renan Oliveira no lugar de Aílton. O jogador, porém, não atuou como meia. O comandante rubro-negro deslocou Felipe Azevedo para a função de Aílton e deixou Renan como um dos três atacantes. Já no Náutico, Lisca sacou Marcos Vinícius e colocou Roberson na função de meia vindo de trás. No final de tudo, as alterações acabaram não  sendo decisivas no confronto. Tanto Renan como Roberson tiveram atuações apagadas. Felipe também não teve grande destaque apesar da disposição para criar jogadas ofensivas.

Na primeira etapa o Sport foi melhor com maior volume de jogo e mais chances. Para isso foi predonderante a movimentação de dois atletas: Ewerton Páscoa e Rodrigo Mancha. A dupla não se limitou a marcar e partiu para cima do adversário como elemento surpresa em muitos momentos. Não foi raro ver Mancha ou Páscoa na área adversária para finalizar. Ewerton foi quem teve a melhor chance do primeiro tempo. Ele ficou com o gol aberto após rebote de Alessandro, mas mandou por cima da meta. Na segunda etapa, porém, os dois caíram de rendimento junto com todo o time rubro-negro.

Um pouco abaixo da dupla de volantes, o atacante Bruninho e o lateral-direito Patric também mereceram destaque pela velocidade na direita. Dos pés deles saíram muitas jogadas de cruzamento. Quando a bola levantada não vinha, aparecia o passe para o meio, quase sempre para um dos volantes ou Neto Baiano, que estava em dia de brigador mais uma vez. Apesar disso, a bola não entrou. Erros de passes e de finalização foram cruciais para isso.

No Náutico, nada mais do que a marcação ao adversário no próprio campo. Poucas foram as vezes que a equipe de Lisca foi para cima dos donos da casa. Faltou velocidade e movimentação para os alvirrubros saírem da marcação rubro-negra. No entanto, o Timbu foi competente na sua proposta de jogo. Marcou bem, contou com uma tarde boa do seu goleiro e foi eficiente no ataque em uma das poucas oportunidades que teve. Aos 28 minutos, após cobrança de falta de Zé Mário, Marcos Vinícius tocou de cabeça para o fundo das redes. Magrão ainda tentou a defesa, mas não conseguiu evitar que suas redes fossem balançadas. Festa alvirrubra nas arquibancadas.

FICHA DA PARTIDA – SPORT 0X1 NÁUTICO

Sport: Magrão; Patric, Ferron, Durval e Renê (Danilo); Mancha, Páscoa e Felipe Azevedo; Renan Oliveira (Aílton), Bruninho (Sandrinho) e Neto Baiano. Técnico: Eduardo Baptista.

Náutico: Alessandro; Jackson, William Alves, Flávio e Raí; Elicarlos (Yuri), Dê, Zé Mário, Roberson e Marinho (Paulo Júnior); Marcelinho (Marcos Vinícius). Técnico: Lisca.

Pernambucano. Local: Ilha do Retiro, Recife (PE). Árbitro: Emerson Sobral. Assistentes: Clóvis Amaral e Charles Rosa. Gols: Marcos Vinícius (N) aos 28 minutos do segundo tempo. Amarelos: Renê (S), Yuri (N), Neto Baiano (S), Marcos Vinícius (N) e Aílton (S), Público: 14.846. Renda: R$ 220.545.

Central marca no fim e Náutico estreia com empate no Pernambucano 2014

Yuri de Lira – Diario de Pernambuco

 A cada jogo, a situação do Náutico parece piorar. A acepção do termo “Lisca Doido” já não é tão positiva como antes. A “loucura” do treinador torna-se a sinônimo de irresponsabilidade, bravata e afins. Embora descansados após uma semana livre em meio às polêmicas que envolveram a tabela do Pernambucano, os alvirrubros, enfim, estrearam no estadual. Mas, na noite desta quinta-feira, veio a quinta partida seguida sem vencer em 2014. Empate amargo contra o Central, no Lacerdão: 1 a 1. Resultado que maximiza a instabilidade do treinador no cargo. A pressão sobre ele e sobre os jogadores aumentou. O cenário conturbado vai pairar no clube, pelo menos, até o clássico contra o Santa Cruz, na próxima quarta-feira, no Arruda.


A única apresentação convincente do Náutico no ano havia sido no primeiro jogo diante do Sport, ainda pela Copa do Nordeste. Com tempo para aprimorar a parte física antes do confronto diante da Patativa, o Alvirrubro desta vez conseguiu suportar melhor o cansaço. Teve, aliás, mais posse de bola que os caruaruense na partida em Caruaru.

A atuação do Náutico, contudo, foi longe da idealizada. Apesar de ter sido incomodado pelo Central no primeiro tempo, o Timbu, porém, só conseguiu balançar as redes adversárias aos 37 minutos da etapa inicial. Depois de cruzamento de João Ananias, Hugo foi oportunista e abriu a contagem: 1 a 0.

Segundo tempo A vantagem parcial dos alvirrubros não esmoreceu os centralinos no início do segundo tempo. O Alvinegro chegou a pressionar durante os primeiros dez minutos. Mas o ímpeto dos mandantes em empatar o jogo cessou depois da expulsão do zagueiro Lúcio, que fez uma falta grosseira em João Ananias e acabou recebendo um cartão vermelho direto. No controle das ações, Lisca fortaleceu a marcação com Dê. Mas o Timbu não conseguiu segurar o placar. O Central chegou duas vezes já no fim. Na primeira, pediu um pênalti depois de o zagueiro Flávio tocar com a mão na bola. Na segunda, Danilo Lins empatou nos acréscimos. 

Alambrado do Lacerdão

Estádio: Lacerdão (Caruaru-PE). Árbitro: Gilberto Castro Júnior-PE. Assistentes: Charles Pires e Aldir Pereira, ambos de Pernambuco. Gols: Hugo (Náutico, 37 do 1T) e Danilo Lins (Central, 45 do 2T). Cartões amarelos: Yuri, Diego e Dê (Náutico). Cartão vermelho: Lúcio (Central). Público:8.139. Renda: R$ 63.575.

Central 1
André; Adriano (Vágner Rosa), Lúcio, Héverton e Jean Batista (Edson Di); Diego Teles, Fernando Pires, Danilo e Tallys; Johnathan Goiano (Danilo Lins) e Deysinho. Técnico: Humberto Santos.

Náutico 1
Alessandro; Hélder Maurílio, Flávio (Diego), William Alves e Gerley; Elicarlos, João Ananias e Yuri; Pedro Carmona (Dê), Marinho (Róberson) e Hugo. Técnico: Lisca.