Cavani

Olé Centenário: Paulinho vira carrasco, Brasil goleia Uruguai e pode garantir vaga na terça

FICHA TÉCNICA
URUGUAI 1 X 4 BRASIL

Local: Estádio Centenário, em Montevidéu (Uruguai)
Data: 23 de março de 2017, quinta-feira
Horário: 20 horas (de Brasília)
Árbitro: Patricio Loustau (Argentina)
Assistentes: Diego Bonfa e Gustavo Rossi (ambos da Argentina)
Cartões amarelos: Maxi Pereira, Godín e Coates (Uruguai); Casemiro, Marcelo e Daniel Alves (Brasil)
Gols: URUGUAI: Cavani, aos 9 minutos do primeiro tempo; BRASIL: Paulinho, aos 18 minutos do primeiro tempo e aos 7 e aos 42 minutos do segundo tempo; Neymar, aos 29 minutos do segundo tempo

URUGUAI: Martín Silva; Maxi Pereira, Coates, Godín e Gastón Silva; Arévalo Ríos, Vecino, Sánchez (Hernández) e Cristian Rodríguez; Rolán (Stuani) e Cavani
Técnico: Óscar Tabárez

BRASIL: Alisson; Daniel Alves, Marquinhos, Miranda e Marcelo; Casemiro, Paulinho, Philippe Coutinho (Willian), Renato Augusto (Fernandinho) e Neymar; Roberto Firmino (Diego Souza)
Técnico: Tite

Costa Rica protagoniza a primeira zebra da Copa

Por Celso Ishigami

A primeira zebra passeou no gramado da Copa das Copas, transformando 0s orgulhosos cantos da torcida Celeste num tango. Sem Suárez, o Uruguai adicionou uma nova marca ao seu histórico de estreias ruins em Copas do Mundo – não vencem desde 1970. A virada foi um duro golpe nas pretensões dos comandados do Maestro Oscar Tabárez, que com a derrota por 3 a 1 para a Costa Rica, precisarão buscar a classificação contra Itália e Inglaterra.

Antes de a bola começar a rolar, o semblante de Suárez durante o aquecimento deixava claro que a condição física do atacante do Liverpool melhorou sensivelmente desde a cirurgia no joelho esquerdo. A confirmação de sua ausência entre os titulares apontava ainda para outro importante detalhe. Certo de que enfrentaria o adversário mais fraco do temido Grupo da Morte, o técnico Oscar Tabárez poupou seu principal jogador por saber que a Celeste tinha plenas condições de vencer a Costa Rica sem ele.

 

Os Ticos, entretanto, tentaram mostrar que não facilitariam a vida dos adversários. Aplicando uma boa marcação entre as intermediárias, os costa-riquenhos tinham no atacante Campbell, do Olympiacos, sua principal arma ofensiva. Mas, quando a seleção da América Central começava a gostar do jogo, recebeu um duro golpe. Diante da falta de inspiração do meio de campo uruguaio, a Celeste via nas jogadas de bola parada suas melhores chances. Numa delas, Lugano foi agarrado por Diaz na frente do árbitro alemão Felix Brych. Na cobrança do pênalti, Cavani bateu firme, no canto direito, deixando a Celeste em vantagem.

Apesar de terminarem o primeiro tempo pressionando, os uruguaios voltaram do intervalo com uma postura diferente. Porém, a estratégia de fazer cera para mexer com o psicológico costa-riquenho não funcionou como eles esperavam. Num lance aparentemente perdido, o lateral direito Gamboa acreditou que chegaria na bola antes que ela saísse pela linha de fundo e mandou cruzou na área. Aproveitando o corte da zaga celeste, Campbell bateu forte, de esquerda, empatando o confronto aos 8 minutos. A reação não pararia por aí. Ainda atordoados, os uruguaios voltaram a falhar. Numa falta lateral, Bolaños encontrou Duarte livre de marcação no segundo pau, que mergulhou de cabeça para virar a partida.

O que deveria ser o jogo mais fácil da fase de grupos, subitamente transformou-se num jogo dramático. Os hinchas platinos, que até então enchiam o Castelão de cantos orgulhosos, emudeceram diante de uma incrédula, porém eufórica, minoria costa-riquenha. No fim, quando os uruguaios buscavam os últimos traços de força para reagir, o atacante Ureña, que acabara de entrar na partida, deu números finais à partida, com um toque sutil na saída de atônito Muslera.

Getty Images/Fifa/Divulgação
Diego Lugano e companhia tropeçaram na prórpia incapacidade e na disposição dos “Ticos”

Local: Arena Castelão (Fortaleza)
Árbitro: Felix Brych (ALE).
Assistentes: Mark Borsch (ALE) e Stefan Lupp (ALE).
Gols: Cavani (aos 24’ do 1o T), Campbell (aos 8’ do 2o T), Duarte (aos 11’ do 2o T) e Ureña (aos 39’ do 2o T).
Cartões amarelos: Lugano, Gargano e Cáceres (Uruguai)

Uruguai
Muslera, Maxi Pereira, Lugano, Godin e Cáceres; Gargano (Gonzalez, aos 13’ do 2o T), Arévalo, Stuani e Rodriguez (Hernandez, aos 30’ do 2o T); Forlán (Lodeiro, aos 13’ do 2o T) e Cavani. Técnico: Oscar Tabárez.

Costa Rica
Navas; Duarte, Gonzalez e Umana; Gamboa, Borges, Tejeda (Cubero, aos 28’ do 2o T), Bolaños (Barrantes, aos 44’ do 2o T), Ruiz (Ureña, aos 37’ do 2o T) e Diaz; Campbell. Técnico: Jorge Luiz Pinto.