Copa do Brasil 2014

Racismo de grupo de gremistas tira Aranha do sério: "Sou negão, sim!"

Por Porto Alegre

Vítima de ofensas racistas por parte de alguns torcedores do Grêmio, na vitória do Santos sobre o Tricolor gaúcho, por 2 a 0, nesta quinta-feira, em Porto Alegre, o goleiro Aranha, do Peixe, deixou o campo indignado. Segundo o camisa 1, não é a primeira vez que isso ocorre na arena gremista. Por isso, cobra punição com rigor. Imagens do canal ESPN mostram uma torcedora gritando “macaco”

– Da outra vez que viemos jogar aqui pela Copa do Brasil (no ano passado) tinha campanha contra racismo acontecendo. Não é à toa. Sei que torcida pegar no pé é normal, mas começaram a me chamar de “preto fedido”, a gritar “cambada de preto”. Fiquei nervoso, mas me segurei. Mas aí começou coro de macaco, eles imitando. Fizeram rapidinho, para não dar tempo de filmar. Fico nervoso com essas coisas – afirmou.

Aranha negou que tenha insultado a torcida adversária. Ele disse que apenas respondeu ao grupo que o ofendeu.

 – Vieram falar que eu estava insultando a torcida. Quando me chamaram de preto, de macaco, essas coisas, eu virei para eles, bati no braço e disse: “Sou preto, sim. Sou negão sim”. Se isso é insultar, eu não sei. Todo mundo que vem jogar aqui sabe. Não são todos, mas sempre tem alguns racistas aí no meio.

Por fim, o goleiro deixou claro que nenhum insulto vindo da arquibancada vai mudar a forma de ele jogar e ressaltou que existem leis para coibir o racismo. Basta que elas sejam cumpridas.

– Não me sinto impotente. Hoje, graças a muito esforço e luta, há leis. No futebol, o torcedor usa várias maneiras para desestabilizar o jogador. Mas sou cara com idade boa, experiente. Não vou deixar de jogar meu futebol por causa de manifestação de torcedor.

Aranha goleiro Santos Grêmio (Foto: Diego Guichard)
Aranha reclama de insultos ocorridos na Arena do Grêmio (Foto: Diego Guichard)

Jogo do Santa Cruz adiado

Autor: Diego Perez

O jogo entre Santa Cruz e Santa Rita pela Copa do Brasil nesta quarta, foi adiado.

O motivo, luto pela morte de Eduardo Campos.

“Todos os eventos esportivos em Pernambuco estão adiados, das categorias de base aos profissionais. Foi uma decisão em conjunto com a CBF. Lamentamos muito a morte de Eduardo Campos”, disse o presidente da FPF, Evandro Carvalho.

O jogo vai ser realizado nesta quinta. No mesmo horário, as 19h30 no Arruda.

A partida entre Santa Cruz e  Bragantino que seria realizado no sábado, pela Série B, passou para o domingo  às 16h, no Arruda.

Santa Cruz perde na Copa do Brasil e foca reação no clássico

Equipe do técnico Sérgio Guedes cometeu falhas defensivas. Foto: Diego Nigro/Acervo JC Imagem – Autor: Thiago Wagner

Se o Santa Cruz pensava em usar a partida contra o Santa Rita, nesta quarta-feira, pela Copa do Brasil, como ‘teste’ para o clássico contra o Náutico, no próximo sábado, no Arruda, pela Série B, terá que rever muitos conceitos, principalmente no que diz respeito ao sistema defensivo, que cometeu muitas falhas no gramado do Rei Pelé, em Maceió. Os pernambucanos pecaram na marcação, coletiva e individual, e viram os alagoanos saírem com a vantagem de 3×2 no primeiro jogo da terceira fase do mata-mata nacional. Tinga, Rafael Silva e Reinaldo Alagoano, em cobrança de um pênalti duvidoso, fizeram os gols dos donos da casa, enquanto Léo Gamalho fez os dois dos visitantes, que agora precisam vencer o jogo de volta, no dia 13 de agosto, no Arruda, para se classificarem para a próxima fase. O empate é do Santa Rita.

Um lado positivo para os pernambucanos é o ataque que voltou a funcionar com o atacante Léo Gamalho. É verdade que a parte ofensiva coral demorou a acordar nesta quarta, mas foi efetiva com os dois gols de sua principal peça.

O JOGO – Como o placar sugere, o Santa Cruz não teve vida fácil durante os noventa minutos. Isso porque começou a partida de maneira sonolenta, deixando muitos espaços na marcação. Vários foram os momentos em que os jogadores do Santa Rita partiram com a bola dominada, seja pelos lados ou pelo meio, sem serem incomodados. Por conta disso, os donos da casa levaram mais perigos na primeira etapa. Mantiveram a bola no chão e evitaram os chutões. Tocando a bola de pé em pé e aproveitando os espaços deixados pelo tricolor pernambucano, os alagoanos foram se impondo no jogo, como se o ‘grande’ no confronto fossem eles.

Assim, não demorou para a equipe de Alagoas abrir o placar. Depois de jogada trabalhada na direita, aos 38 minutos do primeiro tempo, veio cruzamento para a área. A marcação do Santa Cruz, que já havia bobeado no início do lance, dormiu na pequena área e viu Tinga balançar as redes.

O gol sofrido poderia acordar os corais no gramado, mas não foi isso o que ocorreu, pelo menos na primeira parte do jogo, em que o Santa Cruz foi fraco também na criação. A melhora de postura só veio no segundo tempo, depois da bronca e das mudanças do técnico Sérgio Guedes no intervalo. Mais parecia que outro time tinha vindo para o campo, tamanha a diferença de postura entre um tempo e outro.  O Santa dos 45 minutos finais foi mais ativo no ataque e, se não fez um futebol do outro mundo, pelo menos foi mais competitivo com jogadas trabalhadas, principalmente pelos lados do campo.

Com o crescimento do coletivo, abriu-se espaço para o aparecimento das individualidades do Santa Cruz, que neste caso atendia pelo nome de Léo Gamalho. O atacante marcou duas vezes e virou a partida aos 5 e 14 minutos do segundo tempo. Mérito não só para o atacante, mas para a mudança de postura coral, que se ligou na parte ofensiva da partida.

Só que do outro lado havia um time mais regular no gramado. Mesmo sofrendo a virada, o Santa Rita não se desesperou. Manteve a paciência no toque de bola e soube aproveitar novamente os vacilos defensivos dos pernambucanos novamente. Aos 21 empatou com Rafael Silva depois de cruzamento na área – calo do Santa Cruz no momento. Já aos 33, provocou a segunda virada do duelo com Reinaldo Alagoano, em cobrança de pênalti duvidoso feito por Tiago Cardoso. Mas pênalti ou não, a defesa visitante deu novamente espaços para o lance de perigo. No fim das contas, as falhas na defesa foram decisivas para a derrota do Santa Cruz.

FICHA DA PARTIDA – SANTA RITA 3X2 SANTA CRUZ

Santa Rita – Jeferson; Edi, Júnior Carvalho, Celmo Lima, e Jeanderson; Cristiano, Teco (Adriano), Lucas e Tinga (Wagner Líbano); Reinaldo Alagoano (Júnior Amorim) e Rafael Silva. Técnico: Eduardo Neto.

Santa Cruz – Tiago Cardoso; Tony, Everton Sena, Marllon e Renatinho; Sandro Manoel (Emerson Santos), Everton, Danilo Pires e Carlos Alberto (Betinho); Pingo (Natan) e Léo Gamalho. Técnico: Sérgio Guedes.

Copa do Brasil. Local: Rei Pelé, Maceió (AL). Árbitro:  Devarly Lira do Rosario (ES). Auxiliares:  Fabio Faustino dos Santos e  Edson Glicerio dos Santos (ambos do Espírito Santo). Gols: Tinga (SR) aos 38 minutos do primeiro tempo; Léo Gamalho (SC) ao 5 e aos 14, Rafael Silva (SR) aos 22 e Reinaldo Alagoano (SR) aos 33 do segundo. Amarelos: Tiago Cardoso (SC), Everton Sena (SC), Jeanderson (SR) e Cristiano (SR).

Sem priorizar torneio, Sport encara Paysandu de olho apenas na premiação de R$ 430 mil

 Daniel Leal /Diario de Pernambuco

O Sport não deveria estar em campo às 19h30 de hoje, para enfrentar o Paysandu, na Ilha do Retiro. Pelo menos, não com força máxima. Não estava nos planos do técnico Eduardo Baptista. Mas lá estarão o treinador e os principais atletas do time tentando a classificação à terceira fase da Copa do Brasil. Precisarão jogar basicamente por uma simples falta de planejamento. Afinal, somente nesta semana, às vésperas da partida, a diretoria do clube comunicou ao treinador que gostaria de avançar mais uma fase no torneio.

A decisão de passar de fase – tomada de última hora – é no mínimo contraditória. Quando o Leão foi a Belém-PA, em 15 de maio, ainda pelo jogo de ida, o clube enviou uma equipe exclusivamente de atletas reservas. Era algo tão secundário, que sequer o Eduardo Baptista foi comandar o time. Na área técnica, o assistente Pedro Gama. O Sport perdeu por 2 a 1. O clube, de fato, não pretendia avançar de fase. Tudo pelo “projeto Copa Sul-Americana”.

O Sport não iria arriscar perder a chance de ir a uma competição internacional. É a regra desde 2013. Se o time passar da terceira fase da Copa do Brasil automaticamente perderá a vaga na Sul-Americana. Eduardo Baptista não dispensa essa disputa.

A explicação
“O jogo do Paysandu é importante pelo recurso financeiro”, ressaltou esta semana o vice-presidente de futebol do Sport, Arnaldo Barros. Essa é a única explicação plausível para que, de uma hora para outra, o clube tenha mudado de ideia. Passando de fase, o Leão receberá como premiação da CBF R$ 430 mil. Apesar do esforço para seguir na Copa do Brasil, desde já está definido: caso consiga a classificação, o Leão não passará da fase seguinte.

O time
O Sport não irá com força máxima na partida de hoje. O técnico Eduardo Baptista resolveu poupar o zagueiro Durval e o volante Wendel. Além deles, o meia Zé Mario também não joga, pois já disputou a competição vestindo a camisa do Náutico. De acordo com o departamento médico rubro-negro, Durval e Wendel não preocupam em nada para o jogo de domingo, contra o Atlético-MG, na Ilha do Retiro, pela Série A.

Adversário
O técnico Vica, ex-Santa Cruz, tem algumas dúvidas para armar sua equipe. A principal delas é o posicionamento de Yago Pikachu, que vinha atuando no meio-campo e pode retornar para a lateral direita. Caso ele continue na meia, o time deve jogar com dois volantes, que devem ser Augusto Recife e Zé Antônio, enquanto Éverton Silva ocupa a ala. O ataque também está indefinido, pois os titulares Gabriel Barcos e Jefferson Maranhense já atuaram no torneio por outros clubes.

 Ficha Técnica

Gamalho acaba com jejum de gols e garante classificação do Santa Cruz

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem – Autor: Marina Padilha

Não foi só a torcida que levou falta na noite desta quarta-feira, no Arruda. Faltou empolgação também em campo na partida entre Santa Cruz x Botafogo/PB, válida pelo 2º turno da Copa do Brasil. Ainda assim, com o baixo desempenho do adversário, o Santa Cruz garantiu a vitória por 2×1. Os dois gols foram marcados por Léo Gamalho, que pôs fim a um jejum de dois meses sem balançar as redes.

Com o resultado de 1×1 no primeiro jogo, realizado no dia 14 de maio, o Santa Cruz se classificou para a próxima fase. Nesta quarta, os portões do estádio estavam fechados, em cumprimento à punição estabelecida pelo STJD sobre o caso do torcedor que foi morto ao ser atingido por uma privada.

JOGO – O Tricolor teve domínio durante a maior parte dos 90 minutos. Começou a partida com mais ofensividade, aproveitando ainda a dificuldade da saída de bola do adversário. Mas o primeiro lance de perigo só veio aos 14 minutos com Tony, que se adiantou e chutou de fora da área. O chute explodiu na trave de Genivaldo e foi pra fora. Este foi o jogo de estreia do lateral-direito como titular na equipe Coral, assumindo o lugar de Nininho.

Seis minutos depois veio o gol. Léo Gamalho recebeu de Tony e abriu o placar. Este foi o seu segundo gol na Copa do Brasil. O primeiro foi no dia 7 de maio contra o Lagarto/SE. Naquele jogo o Santa venceu por 3×1 e garantiu a classificação.

Mesmo depois de levar o primeiro gol, o Botafogo não reagiu. Tinha dificuldades para pegar a bola e nas poucas vezes em que conseguia, pecava nos passes. Com o silêncio nas arquibancadas, a todo instante era possível ouvir os gritos do técnico Marcelo Vilar, insistindo que seus jogadores acertassem as jogadas.

Quem chegava com perigo pelo time paraibano era o atacante Pio. Talvez por isso a defesa tricolor – já tão contestada – tenha dado bobeira no fim do primeiro tempo. Aos 44 minutos, Lenílson recebeu o cruzamento e, de cara para o gol, mandou de cabeça para deixar tudo igual.

Para a segunda etapa voltaram os mesmos jogadores, mas o Botafogo mostrava um pouco mais de imposição em campo. Pio e Lenilson continuavam sendo os nomes no ataque, apostando nas jogadas aéreas que continuavam sendo perigosas à zaga Coral. Ainda assim, poucas vezes os dois times levaram perigo aos goleiros.

A primeira alteração veio aos 21 minutos com a entrada de Natan no lugar de Pingo. O meia retornou aos gramados depois de quatro meses se recuperando de uma contusão na coxa. Depois, o técnico Marcelo Vilar fez a troca de atacantes no time paraibano – Soares substituiu Aidar.

E se antes as críticas eram à defesa, outro setor falhou no Santa Cruz durante o segundo tempo. No ataque, foram quatro chances claras de gol desperdiçadas. Com Pingo, Carlos Alberto e Danilo Pires faltou tranquilidade e mira para garantir a vitória. Mas Léo Gamalho estava mesmo inspirado nas finalizações e, aos 34, aproveitou a saída do goleiro após receber o passe de Renatinho e fez o segundo.

Aos 43, o Santa desperdiçou mais uma chance clara de gol. Depois de bate-rebate na grande área, Carlos Alberto não conseguiu aproveitar a saída do goleiro Genivaldo e mandou para fora. Com isso, o placar ficou no 2×1 e o Santa com a classificação.

Sem torcida, Santa Cruz enfrenta o Botafogo/PB pela Copa do Brasil

Autor: Matheus Albino – Blog Torcedor

Nesta quarta-feira, o Santa Cruz volta a campo pela Copa do Brasil. No jogo da volta, o Tricolor enfrenta o Botafogo/PB, às 22h, no Arruda. Para a partida, a equipe Coral não vai contar com seu principal reforço: a torcida.

Os portões do estádio estarão fechados em cumprimento à punição imposta pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por conta do caso do torcedor que foi atingido por uma privada no jogo contra o Paraná, pela Série B, em 2 de maio.

A última vez que isso aconteceu foi contra o América-MG pela Série A, mas nos Aflitos. Este será o terceiro e último jogo com portões fechados por causa do incidente contra o Paraná.

No confronto de ida, em 14 de maio, Santa e Botafogo/PB empataram em 1×1 no Almeidão, em João Pessoa. Para passar de fase, o Tricolor precisa vencer ou empatar em 0×0. Caso o placar do primeiro jogo se repita, haverá disputa de pênaltis.

Para a partida, o técnico Sérgio Guedes conta com o retorno de Carlos Alberto ao meio-campo. Quem também está de volta ao time é o lateral-esquerdo Julinho, recuperado de lesão. Ainda no time Toni entra na lateral-direita substituindo Nininho, que não vinha bem na equipe e será barrado dos 11 iniciais. o Santa joga com a vantagem de empatar por 0×0 ou uma vitória simples.

Empate por 1×1 levará o jogo para os pênaltis. Sendo assim, Sérgio Guedes pediu aos seus comandados que treinasse penalidades após o treino desta terça-feira. Léo Gamalho, Tony, Everton Sena, Renatinho, Danilo Pires, Carlos Alberto e Pingo foram os cobradores escolhidos.

Outra exigência na movimentação foi a bola parada, algo que vem tirando o sono dos corais por causa dos últimos gols sofridos. Foram pouco mais de 40 minutos intensos dedicados a cobranças de escanteio e faltas alçadas para a área.

Imagem do último jogo do Santa Cruz com portões fechados. Foto: Diego Nigro / JC Imagem

Botafogo/PB – O Belo vem a Recife depois de um empate fora de casa com o ASA pela Série C do Brasileirão no último domingo. Nesta terça, a equipe treinou em seu CT, em João Pessoa. Quem enfrentou o ASA fez apenas um treino regenerativo e os demais participaram de um rachão

O Botafogo vem ao Recife se confiando no desfalque da torcida tricolor para arrancar a classificação. Para isso, precisam de uma vitória simples ou de um empate a partir de 2×2.

Ficha Técnica: Santa Cruz x Botafogo/PB

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Toni, Everton Sena. Renan Fonseca e Renatinho; Memo, Sandro Manoel, Danilo Pires e Carlos Alberto; Pingo e Léo Gamalho. Técnico: Sérgio Guedes.

Botafogo/PB: Genivaldo; Ferreira, Magno Alves, André Lima e Badé; Zaquel, Pio, Lenílson e Doda;  Lúcio Curió e Frontini. Técnico:  Marcelo Vilar

Copa do Brasil (2ª fase). Local: Arruda, Recife (PE). Quarta-feira (23), às 22h. Árbitro: Jefferson Schmidt (SC). Assistentes: Angelo Rudimar Bechi e Rosnei Hoffmann Scherer (ambos de SC).

Sem sua torcida, Santa Cruz encara o Lagarto para avançar na Copa do Brasil

Renatinho jogou bem diante do Paraná e está mantido na equipe do Santa Cruz para encarar o Lagarto/Foto: JC Imagem

O Santa Cruz entra em campo nesta noite de quarta-feira, para encarar o Lagarto, pela Copa do Brasil, com um sério desfalque. O time coral não vai contar com o apoio da sua torcida. Por conta da tragédia que aconteceu na partida contra o Paraná, na última sexta-feira, que resultou na morte de um torcedor, o clube foi punido preventivamente pelo STJD. Dessa forma, o Tricolor vai jogar no estádio dos Aflitos de portões fechados.

No primeiro duelo entre as duas equipes, o Santa Cruz teve dificuldades, mas conseguiu vencer por 1×0. Mas a vantagem não pode ser desconsiderada. Afinal, o time se classifica com um empate. Em caso de uma derrota por 1×0, o classificado será conhecido após as cobranças de pênaltis. Apesar da tragédia ocorrida e o estádio vazio, os tricolores estão confiantes num bom resultado.

“Lamentamos muito a morte do torcedor e todo o sofrimento da família. Mas o Santa Cruz não pode ser responsabilizado e punido. Vamos para o jogo e temos a obrigação de vencer, mesmo sem a presença da nossa torcida, que faz muita falta”, lamentou Guedes, que ainda não comemorou uma vitória no comando do Tricolor. Foram duas partidas, contra a Portuguesa e Paraná, e dois empates em 1×1.

Diante do Lagarto, o treinador coral não faz mudanças no time titular. Guedes manteve Renatinho na lateral-esquerda, que mostrou um futebol competitivo diante do Paraná, embora o gramado tenha ficado castigado por conta das chuvas. Com três volantes (Sandro Manoel, Memo e Luciano Sorriso), o treinador dará mais liberdade para Carlos Alberto encostar da dupla de ataque, formada por Caça-Rato e Léo Gamalho.

O técnico tricolor está confiante num bom desempenho do time. Para ele, o fato de repetir a escalação da equipe dá a possibilidade do Santa Cruz ganhar mais consciência do que o time precisa fazer em campo para vencer. “O time fez um bom jogo contra o Paraná e pode crescer muito mais diante do Lagarto”, analisou o técnico.

LAGARTO
O Lagarto espera se aproveitar do fato de o Santa Cruz atuar fora do Arruda e sem a sua torcida. Para o técnico Luiz Pondé, não deixa de ser até uma vantagem, pois não haverá a pressão do torcedor coral. Com isso, espera surpreender o tricolor e inverter a desvantagem no confronto. Os sergipanos consideram os Aflitos como um estádio neutro.

Ficha técnica

Santa Cruz
Tiago Cardoso; Oziel, Everton Sena, Renan Fonseca e Renatinho; Sandro Manoel, Memo, Luciano Sorriso e Carlos Alberto; Caça-Rato e Leo Gamalho. Técnico: sérgio Guedes.

Lagarto
Santos; Nequinha, Válter, Roni e Índio; Rafael Bahia, Fernando, Jucimar e Da Matta; Nílson Sergipano e Nadson. Técnico: Luiz Pondé.

Local: Aflitos (portões fechados). Horário: 22h. Árbitro: Avelar da Silva (CE). Assistentes: Arnaldo de Souza e Marcos Brígido (ambos do Ceará).

Náutico vai ao ataque diante do América-RN pela Copa do Brasil

Elicarlos é o ponto de equilíbrio do Náutico para vencer o América-RN, em Natal, pela segunda fase da Copa do Brasil/Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem – Autor: Marcelo Cavalcante

O empate diante do Ceará, pela Série B, quando o time vencia por 2×0 e com um jogador a mais, serviu de lição para o Náutico. O técnico Lisca alertou os atletas precisam ficar ligados durante os 90 minutos do jogo. Essa postura será importante para o duelo contra o América-RN, na Arena das Dunas, em Natal. Afinal, a partida é válida pelo jogo de ida da segunda fase da Copa do Brasil.  Fazer gols na cada do adversário é uma das metas. E se vencer, o Timbu terá construído uma ótima vantagem para avançar de etapa. O vencedor deste duelo encara na terceira fase da competição o Fluminense, que eliminou o Tupi-MG no jogo de ida por 3×0.

Para encarar o América-RN, o técnico alvirrubro não deve fazer mudanças na equipe que atuou diante do Ceará, na última rodada da Serie B. A possível alteração deve acontecer na zaga. Flávio pode voltar ao time após se recuperar de uma lombalgia. Nesse caso, Willian Alves vai para o banco de reversas. O técnico Lisca quer o Náutico não dando espaços para os donos da casa jogarem e, com a bola nos pés, a saída para o jogo tem que ser em velocidade. Claro que, por ser visitante, o Náutico tem a oportunidade para vencer por dois gols de diferenças e anular o segundo duelo, no Recife.

“O América é um grande adversário, campeão potiguar, e seria até uma falta de respeito falar em eliminar o jogo de volta. Isso (eliminar) é uma circunstância, consequência do jogo. Se fizermos dois gols, pode até acontecer, mas acho muito difícil pelo nivelamento das equipes”, disse o treinador alvirrubro.  O Náutico vem tendo um bom desempenho fora de casa. Dos 13 jogos como visitante, o time só perdeu três partidas (Salgueiro e Sport, pelo Estadual, e Sergipe, pela Copa do Brasil). E em apenas quatro não conseguiu marcar gols.  Mas Lisca mantém a humildade.  “Trazer empate com gols também é importante, e se ganharmos será melhor ainda. Vamos trabalhar com essas condições: ganhar o jogo, se não for possível, trazer o empate com gols”, declarou.

América-RN

O técnico Oliveira Canindé tem alguns problemas para armar a equipe para encarar o Náutico. O meia Artur Maia sentiu o tornozelo direito e passou a ser dúvida. Se não jogar, Rafinha entra no seu lugar.  Wanderson, Daniel Costa, Tiago Cristian e Marcelinho estão fora de combate. Os dois primeiros já atuaram na competição por outas equipes, enquanto os outros dois foram vetados pelo departamento médico.

Ficha técnica

América-RN
Fernando Henrique; George Lucas, Cleber, Edson Rocha e Wanderson; Márcio Passos, Jean Cléber, Fabinho e Artur Maia (Rafinha); Daniel Costa e Isac. Técnico: Oliveira Canindé.

Náutico
Alessandro; Jackson, Leonardo Luiz, William Alves (Flávio) e Raí; Dê, Yuri Naves, Elicarlos e Zé Mário; Marinho e Rodrigo Careca. Técnico: Lisca.

Local: Arena das Dunas, em Natal. Horário: 21h50. Árbitro: Francisco de Almeida Filho (CE). Assistentes: Thiago Brigido e Marcione Ribeiro (ambos do CE).

Tabela Copa do Brasil 2014

Copa do Brasil é o segundo torneio de futebol mais importante do Brasil.1

É realizada em moldes semelhantes aos de competições como a Copa da Inglaterra, Taça de Portugal, Copa do Rei, Copa da Escócia, entre outras.

Até 2012 a competição foi realizada com 64 clubes dos 26 estados brasileiros e do Distrito Federal.

A partir de 2013, o Torneio será disputado com 86 equipes, seis delas já classificadas para as oitavas de finais. A partir de 2013 o principal patrocinador da competição passou a ser a Perdigão, fazendo com que a competição passe a ser chamada de Copa Perdigão do Brasil. O contrato vai até 2015.

Desde a edição de 2001, os times que participavam da Libertadores da América não disputavam a Copa do Brasil no mesmo ano, devido ao conflito de datas com a competição continental.

Sendo assim, o campeão da Copa do Brasil nunca disputava a próxima edição, uma vez que é classificado para disputar a Taça Libertadores da América do próximo ano. Porém, com a nova fórmula de disputa, a partir de 2013, o torneio nacional contará com os times participantes da Taça Libertadores da América.

A competição tem transmissão em TV aberta so pela Rede Globo, e em TV fechada pelo SporTV em parceria com a ESPN e a partir de 2013 com a Fox Sports.

Primeira Fase
1ª RODADA
12/03 – 19h30 Vilhena-RO 0 x 1 Palmeiras-SP
12/03 – 20h30 Flamengo-PI 0 x 1 Atlético-GO
12/03 – 20h30 Juazeiro-BA 0 x 2 Tupi-MG
12/03 – 20h30 São Luiz-RS 2 x 2 Nacional-AM
12/03 – 20h30 Sergipe-SE 1 x 0 Náutico-PE
12/03 – 20h30 Desportiva-ES 1 x 0 ABC-RN
12/03 – 20h30 Interporto-TO 2 x 2 Sampaio Corrêa-MA
12/03 – 20h30 Tombense-MG 1 x 1 Treze-PB
12/03 – 20h30 Goianésia-GO 2 x 2 Grêmio Barueri-SP
12/03 – 21h30 Náutico-RR 1 x 4 Ponte Preta-SP
12/03 – 22h00 Remo-PA 1 x 6 Internacional-RS
12/03 – 22h00 CSA-AL 0 x 1 São Paulo-SP
13/03 – 21h30 Rondonópolis-MT 2 x 2 CRB-AL
13/03 – 21h50 CENE-MS 2 x 2 Coritiba-PR
19/03 – 19h30 J. Malucelli-PR 1 x 1 Vitória-BA
19/03 – 19h30 Londrina-PR 2 x 0 Criciúma-SC
19/03 – 22h00 Bahia de Feira-BA 0 x 2 Corinthians-SP
19/03 – 22h00 Villa Nova-MG 1 x 1 Bahia-BA
20/03 – 19h30 São Bernardo-SP 1 x 1 Paraná-PR
20/03 – 21h50 Horizonte-CE 3 x 1 Fluminense-RJ
02/04 – 19h30 Potiguar-M-RN x Portuguesa-SP
02/04 – 20h30 Parnahyba-PI x Ceará-CE
02/04 – 20h30 Lajeadense-RS x Bragantino-SP
02/04 – 20h30 Botafogo-PB x Goiás-GO
02/04 – 20h30 Santa Rita-AL x Guarani-SP
02/04 – 20h30 Boavista-RJ x América-RN
02/04 – 20h30 Maranhão-MA x Paysandu-PA
02/04 – 20h30 Barbalha-CE x Cuiabá-MT
02/04 – 20h30 Paragominas-PA x ASA-AL
02/04 – 20h30 Santos-AP x América-MG
02/04 – 20h30 Caldense-MG x Duque de Caxias-RJ
02/04 – 21h30 Princesa do Solimões-AM x Brasiliense-DF
02/04 – 21h30 Plácido de Castro-AC x Figueirense-SC
02/04 – 22h00 Brasília-DF x Sport-PE
02/04 – 22h00 Mixto-MT x Santos-SP
03/04 – 19h30 Lagarto-SE x Santa Cruz-PE
03/04 – 21h50 Resende-RJ x Vasco da Gama-RJ
10/04 – 19h30 Novo Hamburgo-RS x Joinville-SC
2ª RODADA
02/04 – 20h30 Náutico-PE x Sergipe-SE
09/04 – 19h30 Coritiba-PR x CENE-MS
09/04 – 19h30 Criciúma-SC x Londrina-PR
09/04 – 19h30 Santa Cruz-PE x Lagarto-SE
09/04 – 20h30 Guarani-SP x Santa Rita-AL
09/04 – 20h30 ABC-RN x Desportiva-ES
09/04 – 20h30 Paysandu-PA x Maranhão-MA
09/04 – 20h30 Sampaio Corrêa-MA x Interporto-TO
09/04 – 20h30 ASA-AL x Paragominas-PA
09/04 – 20h30 Figueirense-SC x Plácido de Castro-AC
09/04 – 20h30 Treze-PB x Tombense-MG
09/04 – 20h30 América-MG x Santos-AP
09/04 – 20h30 Grêmio Barueri-SP x Goianésia-GO
09/04 – 20h30 Atlético-GO x Flamengo-PI
09/04 – 20h30 Bragantino-SP x Lajeadense-RS
09/04 – 20h30 Brasiliense-DF x Princesa do Solimões-AM
09/04 – 21h30 Nacional-AM x São Luiz-RS
09/04 – 22h00 São Paulo-SP x CSA-AL
10/04 – 21h50 Palmeiras-SP x Vilhena-RO
10/04 – 21h50 Fluminense-RJ x Horizonte-CE
16/04 – 19h30 Vitória-BA x J. Malucelli-PR
16/04 – 19h30 Avaí-SC x Naviraíense-MS
16/04 – 19h30 Bahia-BA x Villa Nova-MG
16/04 – 19h30 Paraná-PR x São Bernardo-SP
16/04 – 20h30 CRB-AL x Rondonópolis-MT
16/04 – 20h30 América-RN x Boavista-RJ
16/04 – 20h30 Duque de Caxias-RJ x Caldense-MG
16/04 – 20h30 Ceará-CE x Parnahyba-PI
16/04 – 20h30 Goiás-GO x Botafogo-PB
16/04 – 21h30 Cuiabá-MT x Barbalha-CE
16/04 – 22h00 Santos-SP x Mixto-MT
17/04 – 19h30 Joinville-SC x Novo Hamburgo-RS
17/04 – 19h30 Portuguesa-SP x Potiguar-M-RN
17/04 – 21h50 Sport-PE x Brasília-DF
17/04 – 21h50 Vasco da Gama-RJ x Resende-RJ
Preliminar
1ª RODADA
19/02 – 20h30 Real Noroeste-ES 1 x 1 Rio Branco-AC
2ª RODADA
26/02 – 21h30 Rio Branco-AC 1 x 0 Real Noroeste-ES

Copa do Brasil: Náutico larga no prejuízo diante do Sergipe

Autor: Wladmir Paulino

Numa jornada pouco criativa e com muitos erros na maior parte do tempo, o Náutico perdeu para o Sergipe por 1×0 na noite desta quarta-feira (12), no estádio Presidente Médici, em Itabaiana (SE), em sua estreia pela Copa do Brasil 2014. Com a derrota, o time pernambucano vai precisar vencer por dois gols de diferença no jogo da volta, marcado para a Arena Pernambuco no dia 2 de abril. Caso devolva o placar, a decisão vai para os pênaltis. Vitória pernambucana por um gol com os sergipanos marcando – 2×1, 3×2… – elimina a equipe de Lisca.

Credenciado pela boa campanha no campeonato estadual e, claro, atuar em casa, o Sergipe adotou uma marcação mais agressiva para tentar o primeiro gol o mais rápido possível. Em parte conseguiu. Os alvirrubros mostraram bastante dificuldade para sair jogando. Até um jogador reconhecidamente mais qualificado como o volante Elicarlos errou nesse fundamento. A equipe local teve dois escanteios nos dois primeiros minutos de jogo.

Para se ter uma ideia, a linha de defesa dos sergipanos ficava no círculo central. O que faltou ao time da casa foi qualidade na hora de articular as jogadas na hora em que a bola era retomada. A primeira finalização veio aos três minutos. Mas de longe e sem perigo para Alessandro. João Paulo mandou no meio do gol. O Náutico conseguiu responder após um cruzamento de Hélder Maurílio, aos sete. O goleiro Pablo afastou de soco e, no rebote, Gerley mandou por cima.

Os pernambucanos só acharam o melhor posicionamento após os 15 minutos. A partir daí a partida ficou equilibrada, pois o Náutico encontrava as brechas para sair em contra-ataque. Paulo Júnior mandou raspando no travessão aos 17. A oportunidade do Sergipe foi ainda mais clara, aos 23. Com Alessandro já batido, João Paulo chutou e o pé salvador de Hélder apareceu para desviar a bola por cima. Não houve pé que desse jeito quatro minutos mais tarde. Após bate-rebate na área, Rafael chutou na saída de Alessandro e abriu o placar.

No prejuízo, o timbu não teve outra alternativa a não ser colocar mais gente na frente. E os escolhidos foram os volantes, principalmente Dê. Ele quase empatou aos 33 num chute cruzado. Paulo Júnior acompanhou a jogada mas não conseguiu alcançar.

A correria do Sergipe não diminiu nos primeiros minutos do segundo tempo, no que contou com uma boa dose de apatia do Náutico. Logo aos quatro minutos, João Paulo aproveitou cochilo da defesa timbu e chutou com perigo, à direita. Aos nove, o lateral-direito Bruno Bacabal fez o que quis. Passou por Gerley, Luis Alberto e Elicarlos. Na hora de finalizar, Flávio apareceu para e evitar que a vida de Alessandro ficasse mais complicada.

O posicionamento do Sergipe foi o mesmo do primeiro tempo: marcar forte na saída de jogo e ficar com a bola o mais perto da área adversária que pudesse. A diferença em relação à etapa anterior foi o Náutico. Nos primeiros 45 minutos, os atletas conseguiam fazer a transição meio-ataque. O problema era acertar o último passe. Na etapa final, sequer a transição era feita. O time vermelho e branco de Pernambuco jogava como se estivesse diante de uma parede: toda bola afastava, voltava quase instantaneamente.

O técnico Lisca tentou mudar o panorama com as entradas de Leleu – estreando – na vaga de Yuri e Marcos Vinícius no posto de Paulo Júnior. Não mudou nada. O Náutico não conseguia trocar quatro passes seguidos, o que impedia qualquer tentativa de chegar ao gol adversário. A partir dos 25 minutos, vendo que o adversário não esboçava reação, o Sergipe recuou e esperou sair no contra-ataque. E quase ampliou aos 37 Naô recebeu cruzamento e soltou uma bomba. Alessandro espalmou.

Dois minutos depois os visitantes criaram sua melhor oportunidade até então na segunda etapa. Geovane entrara há pouco tempo e, após tabela, chutou no canto. Pablo fez milagre e garantiu a vantagem dos sergipanos. No penúltimo minuto, Marcos Vinícius deu um corte em seu marcador e foi obstruído. Apesar das reclamações de pênalti o árbitro mandou seguir.

Ficha de jogo:

Sergipe: Pablo; Bruno Bacabal, Fernando Bélem, Lelo, Edinho; Rafael, Clóves, João Paulo (Rodrigo), Leozinho; Jonathan e Júnior Pirambu (Naô). Técnico: Vinícius Saldanha.

Náutico: Alessandro; Hélder Maurílio, Luiz Alberto, Flávio e Gerley (Geovane); Elicarlos, Dê, Yuri (Leleu), Hugo e Pedro Carmona; Paulo Júnior (Marcos Vinícius). Técnico: Lisca

Local: Estádio Presidente Médici, em Itabaiana-SE. Árbitro: Marielson Alves Silva (BA). Assistentes: Wladson M Silva de Oliveira (AL) e Lennon Mccartney Farias (AL). Gol: Rafael, aos 27 do primeiro tempo. Cartões amarelos: Júnior Pirambu, Leleu, Pedro Carmona e Luiz Alberto.