Copa do NE 2015

Técnico do Náutico culpa arbitragem e inexperiência

Autor: Alvaro Filho

O Náutico terminou o primeiro tempo do jogo contra o Moto Club como líder do grupo C do Nordestão, mas terminou a partida na lanterna. Após segurar o 1×0, o Timbu sofreu a virada por 3×1, no Castelão, e deixou o sábado (14) de Carnaval com gosto de Quarta de Cinzas para os alvirrubros.

O resultado poderia ter sido pior não fossem as defesas do goleiro Júlio César, incluindo um pênalti, quando o placar ainda estava 1×0. O Náutico também desperdiçou penalidade, com Renato, logo após o empate maranhense por 1×1.

O Náutico agora amarga a lanterna do grupo C, com 1 ponto, enquanto o Moto Club lidera, com 4. Salgueiro e Piauí têm 2..Piauí que é o próximo adversário timbu, em Teresina, na quinta (19).

O JOGO

O Moto Club começou tomando as ações de jogo, tentando pressionar, mas logo o Náutico equilibrou e poderia ter aberto o placar aos 15 de jogo. Josimar cobrou falta e o goleiro por pouco engole um frango. Os alvirrubros ainda reclamaram que a bola teria ultrapassado, mas o árbitro não entendeu assim.

Um minuto depois, nova chance timbu, com Renato roubando a bola e invadindo a área. A defesa conseguiu isolar, mas no lance seguinte, aos 19, a insistência alvirrubra deu resultado, com Josimar recebendo longo passe de Bruno Alves, matando com estilo no peito e tocando para as redes na saída do goleiro.

Se o atacante Josimar começa a cair no gosto da torcida, o goleiro Júlio César confirmou porque é o xodó alvirrubro. Após duas defesas em lances de ataques do Moto Club, o goleiro manteve a vantagem timbu pegando um pênalti.

O lance começou com uma falta infantil de Diego em Gabriel dentro da área. O próprio Gabriel bateu no canto, mas Júlio César pulou para defender, aos 41 de jogo, garantindo a vitória pernambucana na primeira etapa.

Assim como no início do jogo, o Moto Club começou pressionando no segundo tempo e a insistência dessa vez deu resultado. Numa sequência de chances na área, Gabriel, que havia perdido o pênalti, acabou empatando, aos 11.

Imediatamente após o empate, o Náutico teve a chance de desempatar, com pênalti marcado em cima de Renato. O próprio atacante foi para cobrança e chutou para fora a oportunidade de recolocar o Timbu em vantagem.

O castigo veio em dobro, primeiro aos 20, com belíssima cobrança de falta de Kléo. Falta que gerou reclamações dos maranhenses, pois teria sido dentro da área. Aos 25, a meta foi novamente vazada, desta vez com Naoh. Que teve tranquilidade e espaço para girar e vencer Júlio César.

A partir daí, os maranhenses mantiveram o controle do jogo e seguraram a vitória contra um Náutico apático.

FICHA DO JOGO:

Moto Club
Raniere; Diego Renan, Fagner, Luis Fernando, Fágner e Rodrigo; Felipe Dias, Wanderley, Kleo (Cezinha), e Felipe Costa e Gabriel (Railan), Naoh (Pedro Gusmão).. Técnico: Eugênio de Souza.

Náutico
Júlio César; David, Diego, Flávio e Gastón Filgueira; João Ananias, Hélder , Patrick Vieira (Guilherme) e Bruno Alves (Jefferson Renan), Renato e Josimar (Jeferson Nem). Técnico: Moacir Júnior.

Local: Castelão (São Luis). Horário: 16h20. Árbitro: Avelar Rodrigo da Silva (CE). Assistentes: Armando Lopes de Sousa e Anderson Moreira de Farias (ambos do CE).

Cartões amarelos: Bruno Alves, Hélder, Luís Fernando, Diego Renan.

Náutico vira jogo, mas cede empate ao Salgueiro: 2×2

Autor: Alvaro Filho

Na estreia das duas equipes na Copa do Nordeste, Náutico e Salgueiro empataram por 2×2 na noite dessa quinta (5), na Arena Pernambuco. O Salgueiro abriu o placar com Berg, no primeiro tempo, o Náutico virou no segundo com Josimar e Gaston Filgueira, e o atacante Anderson Lessa igualou novamente o placar.

O placar acabou sendo justo, pois o Salgueiro mandou no jogo no primeiro tempo, quando abriu o placar com o atacante Berg, após ter um pênalti desperdiçado pelo veterano Lúcio, aos 21, que isolou a bola por cima do travessão.  No lance que colocou o time do interior em vantagem, aos 36 minutos, o goleiro Júlio César falhou feio e soltou uma bola fácil nos pés do adversário.

O motivo pelo fraco futebol do Náutico no primeiro tempo poderia ser justificado pelas duas alterações que o time sofreu, ambas por motivo de contusão: Elivélton por Diego e o estreante Stéfano Yuri por Jefferson Renan, respectivamente aos 33 e 35 minutos.

Mas a verdade é que o esquema montado pelo técnico Moacir Júnior, escalando três volantes (João Ananias, Hélder e Filipe Soutto), não impediu que o Salgueiro tivesse campo para jogar e ainda por cima comprometeu a velocidade alvirrubra em atacar.

O marasmo alvirrubro durou até os 15 do 2o tempo, quando o volante Helder cedeu a vaga para o atacante Renato. Em menos de dez minutos, o Náutico virou o jogo, primeiro com Josimar cabeceando cruzamento do lateral-direito David, aos 20, e depois com o Gaston Filgueira escorando passe de Renato, aos 23.

Se o problema do ataque parecia resolvido, a fragilidade da defesa seguia. E após uma cobrança de escanteio, Anderson Lessa aproveitou nova falha da zaga para encobrir o goleiro Júlio César, aos 25.
FICHA DO JOGO
Copa do Nordeste 2015
Arena Pernambuco
05.02.2015

Náutico: Júlio César; David, Elivélton (Diogo), Flávio e Gastón Filguera; João Ananias, Hélder (Renato), Filipe Soutto e Bruno Alves; Josimar e Stéfano Yuri (Jefferson). Técnico: Moacir Júnior. Salgueiro: Luciano; Marcos Tamandaré, Raniere, Luis Eduardo e Márlon; Moreilândia, Rodolfo Potiguar, Lucio e Vítor Caicó (Piu); Berg e Kanu. Técnico: Sérgio China. Gols: Berg (36 do 1o), Josimar, Gaston Filgueira e Anderson Lessa (aos 20, 23 e 25 do 2o tempo). Cartões amarelo: João Ananias, David, Bruno Alves, Luciano e Piu.

Sport sofre virada meteórica, perde para o Sampaio Corrêa e larga como lanterna no Nordestão

 Daniel Leal /Diario de Pernambuco

Quem foi que disse que o Sport teria vida fácil na Copa do Nordeste? Atual campeão, o Leão acabou esbarrando nas próprias pernas na estreia da competição. Após fazer um primeiro tempo seguro, com absoluta supremacia e vitória parcial, a equipe se acomodou. Fez tudo o que não se esperava no segundo tempo: acuou-se, passou a errar passes e viu o adversário se agigantar. Jogando no estádio Castelão, em Sâo Luís, o Sampaio Corrêa sobe aproveitar o bom momento. Em dois minutos, dois gols, virada e vitória histórica na noite desta quarta-feira – os maranhenses nunca haviam vencido o Sport. No fim, ainda mais o gol: vitória por 3 a 2.

A derrota, inclusive, pôs fim a uma sequência de nove jogos de invencibilidade do Sport e, de quebra, deixou o time na lanterna do Grupo B – visto que o Coruripe e o Socorrense empataram no outro jogo da chave. Os gols rubro-negros foram marcados por Rithely e Régis (já nos acréscimos), enquanto o Sampaio marcou com Edvânio, Válber e Robert. O Leão volta a campo pelo Nordestão agora somente na próxima quarta-feira, quando receberá o Coruripe na Ilha do Retiro.

O jogo
O Sport fez um primeiro tempo sem sustos. Equilibrado em campo, primeiramente não correu riscos de sofrer gol em momento algum. Com maior posse de bola, foi um time paciente na maior parte da partida. Rodou o jogo em passes curtos, conseguiu encontrar as brechas necessárias na dura marcação exercida pelo Sampaio. Também soube arriscar-se pontualmente em subidas pelas pontas. Dominando a partida, abriu o placar aos 14 minutos. Após escanteio cobrado por Danilo, Rithely subiu mais que a zaga e testou para as redes.

O Leão seguiu melhor no jogo, embora não encontrasse facilidade. Mesmo bem marcado, Diego Souza tinha papel fundamental. Marcou e armou quando possível. Aos 34, driblou e levou a bola à linha de fundo serviundo Joelintom, que sem goleiro madou para fora. Na reta final, os rubro-negros caíram um pouco de rendimento e o técnico Eduardo Baptista reclamou dos erros de passes e ansiedade. “Tem que rodar mais a bola. Sempre que rodou, chegou”, disse.

As orientações do treinador, porém, devem ter entrado em um ouvido e saído pelo outro. O Leão em vez de melhor, piorou – e muito – no segundo tempo. O Sampaio voltou com tudo do intervalo. Sonolento, o Sport passou a oferecer espaço, a pecar na saída de bola e na marcação. Sofreu a virada de forma meteórica. Aos 13, Magrão ainda salvou o time em duas oportunidade, mas a jogada seguiu e Edvânio empatou o jogo. Não deu tempo nem para respirar e, dois minutos depois, Alex Silva vacilou e Válber mandou para o gol. Aos 43, o golpe final. Após contra-ataque rápido Robert mandou de longe e selou a vitória maranhense. Nos acréscimos, Régis descontou para o Leão.

Ficha do jogo

SAMPAIO CORRÊA 3
Dida; Daniel Damião, Edvânio, Mimica e Willian Simões; Robson Simplício, Curuca (Dudu), Gil Mineiro, Belfort (Cleitinho) e Válber; Robert.
Técnico: Oliveira Canindé.

SPORT 2
Magrão; Alex Silva (Vitor), Ewerton Páscoa, Durval e Renê; Rithely (Régis); Rodrigo Mancha, Danilo, Diego Souza e Elber; Joelinton (Samuel).
Técnico: Eduardo Baptista

Local: Castelão, em São Luís. Árbitro: Antônio Santos Nunes (PI).
Assistentes: Rogério de Oliveira Braga (PI) e Thyago Costa Leitão (PI).
Gols: Edvânio, Válber e Robert (SPC); Rithely e Régis (SPT).
Cartões amarelos: Willian Simões, Robson Simplício (SPC); Danilo (SPT).