Criciúma 1×0 Náutico

Náutico perde com gol de pênalti em jogo de baixo nível técnico

Autor: Wladmir Paulino

Um gol de pênalti aos 35 minutos do primeiro tempo selou o destino do Náutico na 22ª rodada da Série B. O timbu não teve qualidade para impedir a derrota para o Criciúma por 1×0 nesta terça-feira (1) e pleitear uma vaga no G4. A partida foi pobre tecnicamente pelo lado do time da casa. Ambos abusaram das bolas longas e pouca efetividade conseguiram.

Com Hiltinho, Gil Mineiro e Rogerinho ficou claro que o objetivo do Náutico era contra-atacar em velocidade. Isso com a escalação no papel. Quando ela começou a se movimentar no jogo corroborou a teoria. O time pernambucano ficou compactado totalmente dentro de seu campo para dar o bote. O Criciúma chegava a ultrapassar o círculo central sem ser pressionado em alguns momentos.

Defensivamente, beleza. Mas a segunda parte da estratégia precisava de passe certo. E ele veio muito pouco. O Criciúma batia num muro vermelho e branco e voltava. Mas quando o timbu tinha a bola dificilmente engrenava três passes um após o outro. Além disso, pendia apenas para o lado direito, já que Gastón Filgueira foi praticamente um terceiro zagueiro.

Vendo que seu adversário não estava assustando o Criciúma adiantou a marcação e passou a rondar a área pernambucana com mais perigo. Aos 32 minutos Rafael Pereira cortou a bola nos pés de Lucca, que estava tão à vontade para marcar que chutou fraco. E isso não minimiza a espetacular defesa de Júlio César. O problema é que na sequência da jogada Ronaldo Alves chutou a perna de Tiago Adam, que estava entre o pé dele mesmo e a bola. Pênalti. E lá vem Lucca de novo. Ele bateu o pênalti alto e forte para fazer 1×0.

Nos acréscimos o Náutico teve mais presença ofensiva mas optou por levantar a bola na área, sempre com vantagem para a defesa.

Na volta para o segundo tempo os alvirrubros vieram com a mesma formação que terminara o primeiro. Mas a postura foi diferente. Gastón Filgueira passou a dividir as funções defensivas com as ofensivas e o volume de jogo aumentou. A partida ficou equilibrada porque o Tigre usou exatamente a lacuna no lado esquerdo defensivo do Náutico para contra-atacar.

E tome cruzamento de um lado e de outro. Mérito para os zagueiros, absolutos na maioria das jogadas. Poderiam ser descritas aqui dezenas de jogadas com a bola sobrevoando a área tanto do timbu quanto dos donos da casa. O Criciúma até ganhou dois bônus do Náutico em saidas erradas de jogo. Na primeira, Paulo Sérgio chutou raspando a trave. Na segunda, Rafael Pereira salvou.

O Náutico tinha dificuldade no futebol coletivo. Por isso Daniel Moraes individualizou aos 35 e chutou rasteiro, de fora da área. Luiz fez grande defesa. Na reta final a tendência era ir todo para cima. Assim como a do Criciúma em ficar todo lá atrás. E ambos seguiram o roteiro à risca. Mas esquecer de errar que era bom, nada. Por isso o placar não foi mais mexido.

Ficha de jogo

Criciúma: Luiz, Jonas, Wanderson, William e Cristiano (Maicon Silva); Wellington, Marcão, Natan e Lucca; Tiago Adam (Paulo Sérgio) e Jefferson (Douglas Moreira). Técnico: Dejan Petkovic.

Náutico: Júlio César; Guilherme, Rafael Pereira, Ronaldo Alves e Gastón Filgueira; João Ananias, Willian Magrão (Marino), Gil Mineiro (Bergson) e Hiltinho; Douglas e Rogerinho (Daniel Moraes). Técnico Lisca

Série B do Brasileiro (22°rodada). Local: estádio Heriberto Hülse (Criciúma-Santa Catarina). Árbitro: Pathrice Wallace Corrêia (RJ). Assistentes: Eduardo de Souza Couto e Silbert Faria Sisquim (ambos do RJ). Gol: Lucca, aos 35 do primeiro. Cartões amarelos: Luiz, Cristiano, Lucca e Wellington. Público: 3.914.