Etiene Medeiros

Etiene Medeiros ganha primeiro ouro feminino do Brasil na natação e bate recorde em Toronto

 Gazeta Press

Etiene Medeiros fatura ouro inédito para Brasil com direito a recorde no Pan-Americano de Toronto

Etiene Medeiros fez história pelo Brasil na noite desta sexta-feira. Com a vitória nos 100m costas em Toronto, a atleta conquistou a primeira medalha de ouro da história da natação feminina nos Jogos Pan-Americanos e ainda bateu o recorde da competição.

A representante do Brasil triunfou nos 100m costas com o tempo de 59s61. A norte-americana Olivia Smoliga conquistou a medalha de prata ao registrar 1min00s06 e Clara Smiddy, mais uma atleta dos Estados Unidos, completou o pódio da prova ao cravar 1min00s49.

Com a vitória, além de proporcionar o primeiro ouro pan-americano do Brasil na natação feminina, Etiene colocou o País temporariamente no topo do quadro de medalhas do esporte em Toronto. A marca de 59s61 é o sexta melhor de 2015 nos 100m costas.

A pernambucana Etiene Medeiros, de 24 anos, já havia alcançado uma marca expressiva para o Brasil no Mundial de piscina curta de Doha 2014. Nos 50m costas, ela ganhou a primeira medalha de ouro da natação feminina do País em uma prova individual da competição.

Pernambucana Etiene Medeiros bate recorde e leva 1º ouro feminino em mundial para o Brasil

 Redação Superesportes /Diario de Pernambuco

A pernambucana Etiene Medeiros fez história. Aos 23 anos, a recifense foi a primeira brasileira da história a conquistar uma medalha para o Brasil em Campeonatos Mundiais. E ela ainda ficou justamente no lugar mais alto do pódio. Etiene venceu a prova dos 50m costas, no início da tarde deste domingo, e ficou com a medalha de ouro da competição disputada em Doha, no Catar. De quebra, a maior nadadora brasileira da atualidade ainda quebrou o recorde mundial com o tempo de 25s67.

O recorde anterior da prova pertencia à croata Sanja Jovanovic, que em 2009 havia feito o tempo de 25s70. Etiene já havia conquistado a medalha de bronze na competição, porém em provas de revezamentos mistos (com equipes incluindo homens e mulheres).

“Não sei nem o que falar. É muito esforço para estar aqui. Eu estava muito nervosa. As pessoas criam expectativa, e você tem que aprender a lidar com a pressão. Acho que tenho muito a agradecer a todo mundo. Minha família está toda aqui na arquibancada”, disse a pernambucana em entrevista ao canal de televisão fechada SporTV.