F12014

Hamilton vence em Cingapura e é o novo líder do campeonato

Por F1Team

Em uma corrida diferente de todas do calendário da F1, a etapa de Cingapura seguia monótona até aproximadamente a metade da prova. Mas um acidente entre Sutil e Pérez colocou o Safety Car na pista e um pouco de emoção na 14ª prova do ano. Com a entrada obrigatória do carro de segurança na parte final, as estratégias foram se modificando e quem antes seguia tranquilamente na liderança, viu sua posição sendo ameaçada pela degradação dos compostos.

Hamilton assume a liderança no Mundial de Pilotos

Com a vitória, Hamilton assume a liderança no Mundial de Pilotos

Largando na pole, Hamilton foi presenteado logo na volta de apresentação. Seu companheiro de equipe ficou parado no início da apresentação e foi obrigado a largar do pit lane. Lewis começou a prova sem problemas e sem ameaças. Com o safety-car na pista, as chances de Hamilton não subir no pódio foram enormes. No entanto, a Mercedes fez um trabalho impecável nos boxes e, na pista, o britânico trouxe mais uma vitória pra casa.

Com o triunfo em Cingapura, Lewis Hamilton assumiu a liderança do campeonato pela segunda vez na temporada. De quebra, ainda colocou três pontos de vantagem em seu companheiro de equipe, Nico Rosberg.

No segundo degrau do pódio apareceu Sebatian Vettel que, pela primeira vez no ano, conseguiu bater Daniel Ricciardo, o terceiro colocado. O brasileiro Felipe Massa terminou a prova na quinta posição.

A corrida:

Tudo pronto para a 14ª prova da temporada 2014 da F1, e que além disso, carrega várias particularidades. Marina Bay traz o maior número de curvas da categoria. São 23 no total – 14 pra esquerda e nove pra direita – 1.600 refletores, além de ser uma das provas mais longas do calendário.

Com os carros prontos para a volta de apresentação, a expectativa girava, mais uma vez, em torno da disputa entre os carros da Mercedes que largavam na primeira fila e as RBRs que vinham logo atrás. No entanto, para alegria de Hamilton, seu companheiro ficou antes mesmo do giro de apresentação. Com um problema elétrico, Nico foi recolhido para o pit-lane, de onde largou. Outro que sofreu antes da largada foi Kamui Kobayashi.

Com a pista liberada, Hamilton manteve a ponta sem maiores dificuldades. Na briga pela segunda posição, Alonso, que tinha largado em quinto e chegou em segundo antes da primeira curva, levou vantagem por ter passado reto na variante. No entanto, o espanhol tratou logo de devolver a posição para Vettel e se livrou de uma punição futura. Felipe Massa manteve a mesma posição de largada.

Com o fim de cinco voltas completadas, os dez primeiros eram: Hamilton, Vettel, Alonso, Ricciardo, Raikkonen, Massa, Button, Bottas, Magnussen e Kvyat.

Quem continuava com problemas na pista era o líder do campeonato. Com dificuldades nas transmissões das marchas, Nico (20º), tentava a todo custo escalar o pelotão da frente. A dificuldade era fazer isso em um circuito tão travado como Marina Bay.

Na perseguição por Alonso, Ricciardo não conseguia acompanhar o ritmo do espanhol. Já Felipe Massa girava no mesmo ritmo do outro ferrarsita, Kimi Raikkonen. A distância entre os dois era de 1s1. O intervalo entre o ponteiro – Lewis Hamilton –  e Sebastian Vettel era de 4s. Para o terceiro colocado era de 9s8.

Quem iniciou os trabalhos nos boxes foi Adrian Sutil, isso lá na volta de número 9. Hulkenberg fez o mesmo na volta seguinte. Felipe Massa entrou nos boxes e voltou para a pista com os compostos supermacios, na frente de Raikkonen. A parada do brasileiro foi de 29s578.

Em seguida foi a vez do líder entrar nos boxes e voltar para a pista com os supermacios. Dos dez primeiros colocados, apenas Button, Pérez e Gutiérrez não pararam até a volta de número 13.

Na vez de Rosberg entrar nos boxes, volta 14, o carro percorreu todo o percurso mais lento do que o normal. A equipe alemã desliga o motor, troca o volante e reinicia todo o sistema. No entanto, o alemão não consegue engatar nenhuma marcha. Então, a Mercedes opta pelo abandono de Rosberg.

Com 20 voltas, o top-10 formava com: Hamilton, Vettel, Alonso, Ricciardo, Massa, Raikkonen, Bottas, Button, Vergne e Magnussen.

Em sexto colocado, Kimi Raikkonen tentou descontar a desvantagem para Felipe Massa que já era de 2s1. Já o brasileiro, na volta 21, tinha 9s6 de desvantagem para o quarto colocado. Com a segunda entrada nos boxes, volta 23, Massa voltou para a pista com os pneus macios e na décima posição.

O líder da prova também fez sua segunda parada nos boxes e o total de tempo perdido nos boxes foi de 31s040. Com isso, Hamilton retornou para a pista na segunda posição. Logo atrás de Ricciardo, que ainda não tinha feito sua segunda parada.

Na volta 27, Felipe massa já colocava 3s de vantagem para Kimi Raikkonen. Ricciardo resolveu entrar nos boxes e devolveu a liderança para Lewis Hamilton, que fazia a volta mais rápida da prova (1min51ss405).

Com 30 giros completos em Marina Bay, os dez primeiros eram: Hamilton, Alonso, Vettel, Ricciardo, Button, Massa, Raikkonen, Bottas, Vergne e Magnussen.

E como não podia deixar de ser, chegou a vez do carro de segurança fazer parte do espetáculo em Cingapura. Na volta de número 31, Pérez perdeu toda asa dianteira e a entrada do safety-car foi obrigatória.

Via rádio, Hamilton pedia para a Mercedes avaliar a situação dos compostos por causa dos detritos deixados pela asa de Pérez. De acordo com a equipe, estava tudo ok com seus pneus.

Hamilton, Vettel, Ricciardo, Massa e Bottas preferiram continuar na pista com a entrada do carro de segurança. Já Alonso, Raikkonen e Button resolveram fazer mais uma parada nos boxes. A intenção era surpreender os adversários com a estratégia.

Enquanto o carro de segurança estava na pista, o top-10 formava com: Hamilton Vettel, Ricciardo, Alonso, Massa, Bottas, Button, Raikkonen, Vergne e Magnussen.

Na volta 37 o carro de segurança é recolhido aos boxes. Com os carros todos juntos, Hamilton ditou o ritmo da relargada. Três voltas depois, o inglês da Mercedes já abria 8s2 de vantagem para o segundo colocado, Sebastian Vettel.

Na volta de número 40, o time da Williams pediu para Felipe Massa poupar os pneus até o fim da corrida. Já a Mercedes informava para Hamilton que seu stint teria apenas sete voltas de vida útil.

O que seguia tranquilo para Hamilton, já levantava uma enorme preocupação. O líder da prova teria que fazer uma nova parada nos boxes. O inglês tinha poucas voltas para abrir uma larga vantagem e não ser surpreendido pelo adversário em sua volta para a pista. A vantagem para Vettel, na volta 46, era de 17s.

Com os pneus desgastados, Hamilton seguia perdendo rendimento (1min52s843). A sorte do inglês era que Vettel também andava lento na pista (1min53s604). Isso na volta de número 50.

Segundo as previsões da Pirelli, seria impossível Lewis Hamilton e Felipe Massa terminarem a etapa de Cingapura sem mais uma parada nos boxes.

O inglês entrou nos boxes na volta de número 53. 2s9 de parada e perda total de 29s284. No retorno, Hamilton voltou atrás de Vettel, que já havia avisado para sua equipe que os pneus já estavam no limite. Com oito voltas para o fim da corrida, a expectativa de Hamilton era pela entrada de Seb nos boxes, ou teria que partir para o ataque.

Uma volta depois, Hamilton já recuperava sua posição de líder da prova. Festa nos boxes da Mercedes. Um trabalho trabalho formidável da equipe alemã.

Quem abandonou a prova em Cingapura foi Jenson Button. O piloto estava na sétima posição brigando com Valtteri Bottas pelo sexto posto.

Com quatro voltas para o final da prova, Ricciardo partia em perseguição a Vettel. A luta do australiano era pelo segundo lugar ocupado pelo companheiro de equipe. Hamilton já abria 4s4 de vantagem para o germânico.

Com a vitória, Lewis Hamilton contabiliza o sétimo triunfo no ano. Além disso, o driver da Mercedes assumiu a liderança do Mundial de Pilotos e colocou três pontos de vantagem para o seu companheiro de equipe, Nico Rosberg.

Quem recebeu a quadriculada na segunda posição foi mesmo Sebastian Vettel, apesar de ter sofrido com a degradação dos seus compostos e com a pressão de Ricciardo. Seb bateu pela primeira vez no ano seu companheiro de equipe. Ricciardo cruzou a linha de chegada no terceiro posto. Felipe Massa terminou a prova na quinta posição.

Cingapura

Rosberg supera Hamilton e fica com a pole em Mônaco

A cada corrida, a disputa interna na Mercedes fica mais acirrada. Depois de ver Lewis Hamilton dominando as últimas corridas, Nico Rosberg deu o troco no seu companheiro de equipe, pelo menos no treino classificatório para o GP de Mônaco. O alemão conseguiu superar o campeão de 2008, mesmo tendo “errado” na sua última tentativa.

Rosberg larga na pole em Mônaco

Rosberg larga na pole em Mônaco

Piloto mais regular do campeonato deste ano, Lewis Hamilton não vai largar mais uma vez na pole, mas garantiu a segunda colocação no grid de largada. Agora, a briga pela vitória deverá ficar entre os dois pilotos da Mercedes, que largam nas duas primeiras posições. A briga entre os dois vale a liderança do Mundial de Pilotos.

Na segunda fila partirão os dois carros da Red Bull. E mais uma vez quem comemorou mais nos boxes taurinos foi o australiano Daniel Ricciardo. Terceiro mais rápido do treino de hoje, ele começa a prova novamente à frente de Sebastian Vettel, que ficou com o quarto tempo.

Fernando Alonso, que chegou a liderar um dos treinos livres, não teve forças para brigar de igual para igual com os carros da Mercedes e Red Bull, mas voltou a fazer um bom tempo, levando em consideração as “limitações” do carro da Ferrari. Assim, o espanhol parte na quinta colocação, seguido pelo seu companheiro de equipe, Kimi Raikkonen, que larga em sexto.

A nota ruim para os brasileiros ficou por conta de Felipe Massa. O piloto da Williams havia feito um bom tempo no Q1, mas Marcus Ericsson acabou com o seu treino. No fim da primeira sessão, Massa abriu passagem para o sueco, que perdeu o ponto de frenagem na curva e acertou o carro #19. Com o toque, Felipe não teve como voltar para os boxes e ficou fora do restante do treino. Assim, largará apenas na décima sexta colocação.

O treino

Fim de semana em Mônaco é sempre um dos mais aguardados

Fim de semana em Mônaco é sempre um dos mais aguardados

As classificações e as corridas em Mônaco costumam ser bastante emocionantes. O traçado estreito sempre faz algumas “vítimas” e é comum vermos os pilotos passando perto e até tocando no guard rail. Hoje não foi diferente. Os pilotos que conseguiram raspar mais vezes nos muros, conseguiram seus objetivos e garantiram uma boa classificação. Os menos experientes, perderam o controle do carro e foram parar na área de escape ou bateram.

Com relação as condições do clima e da pista, não poderiam ser melhores. Com o céu totalmente limpo, o sol fez com que o traçado estivessem em seu perfeito estado para que os pilotos pudessem acelerar fundo. E foi o que aconteceu durante uma hora de treino.

Q1

O treino classificatório em Mônaco começou quente. Além de ver muitos carros na pista praticamente durante todo o Q1, o público ainda presenciou vários pilotos perdendo o ponto de frenagem e o acidente envolvendo o brasileiro Felipe Massa e o sueco Marcus Ericsson.

Ericsson bateu em Massa no Q1

Ericsson bateu em Massa no Q1

O piloto da Williams havia aberto passagem para que a Caterham passasse, mas Ericsson perdeu o controle do carro e acertou o bólido de Felipe. Quem levou a pior foi Massa, que tinha feito uma boa volta e garantido a classificação para o Q2, mas com o toque precisou abandonar o treino e largará na décima sexta posição.

Entre os eliminados, a “surpresa” ficou por parte da Sauber. Esteban Gutiérrez e Adrian Sutil não andaram bem nesta classificação e acabaram fora até mesmo do Q2. O mexicano largará apenas na décima sétima posição, enquanto o seu companheiro de equipe parte em décimo oitavo.

Nas últimas posições, largarão os dois carros da Marussia – Jules Bianchi (19º) e Max Chilton (20º) e os dois da Caterham – Kamui Kobayashi (21º) e Marcus Ericsson (22º).

Q2

Depois de uma primeira parte muito movimentada, com acidentes, erros e disputa na pista, tivemos um Q2 bem mais tranquilo. Com apenas 15 carros na pista, já que Felipe Massa não participou, os pilotos disputaram as dez primeiras posições do grid.

Magnussen - Monaco

Magnussen garantiu classificação para o Q3

Como era de se esperar, os carros da Mercedes, Red Bull e Ferrari não tiveram dificuldades para garantir vaga na “super classificação”. Pior para os outros pilotos, que tiveram que brigar apenas por quatro posições restantes.

Dentre os eliminados, duas surpresas. Nico Hulkenberg, da Force India, e Jenson Button, da McLaren. Os dois largarão na décima primeira e décima segunda posição, respectivamente. Valtteri Bottas, da Williams, também não conseguiu um bom tempo e parte em décimo terceiro, seguido por Romain Grosjean e Pastor Maldonado, ambos da Lotus.

Q3

Com 12 minutos para tentar buscar o melhor tempo possível, os pilotos deixaram cedo os boxes em busca da volta perfeita. Logo nas primeiras tentativas, quem se deu melhor foi Nico Rosberg. O alemão marcou o tempo de 1min15s989, menos de um décimo mais rápido do que o seu companheiro de equipe, Lewis Hamilton, que havia marcado 1min18s048.

Clima entre Hamilton e Rosberg ficou tenso após a classificação

Clima entre Hamilton e Rosberg ficou tenso após a classificação

A marca alcançada por Rosberg acabou sendo suficiente para garantir a pole position. Isso porque, na última tentativa, o alemão perdeu o ponto de frenagem e foi parar na área de escape, o que causou uma bandeira amarela no setor. Isso acabou atrapalhando Hamilton, que precisava de uma volta perfeita. Por isso, o britânico decidiu abortar a sua volta e vai larga na segunda posição. Ao descer do carro, o campeão de 2008 se mostrou chateado, isso porque ele acha que o erro de Nico pode ter sido “proposital”.

Quem também teve um grande desempenho foi o australiano Daniel Ricciardo da Red Bull. Mais uma vez ele superou o tetracampeão Sebastian Vettel e amanhã largará na terceira posição, uma à frente do seu companheiro de equipe, que larga em quarto.

A terceira fila será formada pela dupla da Ferrari, Fernando Alonso e Kimi Raikkonen, que largarão na quinta e sexta posições, respectivamente. Jean-Éric Vergne, Kevin Magnussen, Daniil Kvyat e Sergio Pérez, respectivamente, completam o top 10.

Confira os tempos:

Classificação - Monaco