ficha

Santa Cruz se recupera de eliminação e vence o Náutico por 5 a 3 pelo Estadual

Yuri de Lira – Diario de Pernambuco

O jogo valia a primeira posição do estadual ao Náutico. A classificação. Ao Santa Cruz, antes de tudo, a estabilidade após a eliminação na Copa do Nordeste e um ponto final no retrospecto sem vitórias contra os os seus rivais nesta temporada. Fim do jejum. O primeiro Clássico das Emoções na Arena Pernambuco foi marcado por muitos gols. Em jogo recheado de falhas defensivas do Timbu (até bisonhas, ressalte-se), deu um placar de 5 a 3 para o Tricolor na tarde deste domingo. Resultado que salva o cargo do técnico Vica. Líder no começo da rodada, Lisca agora é quem está pressionado. A goleada pesou. A torcida alvirrubra chegou a pedir veementemente a saída do comandante quando soou o apito para o intervalo. A pressão trocou de lado.
Leo Gamalho

Tudo o que o Santa menos precisava era começar perdendo no início. Poderia desestabilizar ainda mais uma equipe já moralmente abatida. O pesadelo veio. O gol de honra do Timbu ficou na conta de Oziel. O lateral falhou duas vezes e  Hugo abriu o marcador. A partida, no entanto, manteve-se equilibrada. Mas o time de Lisca era muito mais permissivo. Dava espaços na intermediária a todo instante. Renan Fonseca aproveitou-se. Acertou um chute que ainda desviou no zagueiro Flávio antes de entrar: 1 a 1. Gol que reanimou o Santa Cruz.

A virada coral não tardou. Veio em exatos 11 minutos. E aconteceu de forma bizarra. William Alves perdeu uma bola fácil para Léo Gamalho. Depois de cruzamento, Izaldo acertou a sua própria trave. Na sequência, jogou contra o próprio patrimônio. Gol contra: 2 a 1. Pareceu lance de atletas amadores. O Santa cresceu a partir daí. Ampliou a vantagem aos 42. O volante Dê, sem necessidade, subiu para atacar. Acabou dando espaço para um contra-golpe mortal. Com assistência de Caça-Rato, Léo Gamalho marcou o terceiro.

Renam Fonseca
Segundo tempo
O Náutico já voltou dos vestiários sendo vaiado pela própria torcida devido ao mau futebol apresentado na etapa inicial. Lisca, xingado. O zagueiro William Alves e o técnico viraram alvos principais dos torcedores. Izaldo foi poupado no intervalo pelo treinador e também se poupou das críticas dos torcedores. Poderia ter ouvido mais se tivesse permanecido em campo.

Isso porque, apenas aos seis minutos, Léo Gamalho fez seu segundo no jogo e o quarto do Santa Cruz. De cobertura. Goleada. O Náutico estava desnorteado. “Mais um”, começou a gritar a torcida coral. Pedido atendido. Aos 23, Carlos Alberto fez o que quis na grande área dos mandantes e mandou no canto direito de Alessandro: 5 a 1. Elicarlos e William Alves ainda diminuiuram. Injusto. Havia espaço para mais gols do lado Triciolor.

Náutico
Alessandro; Jackson, Flávio, William Alves e Izado (Zé Mario); Dê, Elicarlos, Yuri, Marcos Vinícius (João Ananias) e Pedro Carmona (Geovane); Hugo. Técnico: Lisca.

Santa Cruz
Tiago Cardoso; Oziel, Renan Fonseca, Everton Sena e Zeca; Sandro Manoel, Luciano Sorriso, Carlos Alberto e Raul (Natan); Flávio Caça-Rato e Léo Gamalho. Técnico: Vica.

Estádio: Arena Pernambuco (São Lourenço da Mata-PE). Árbitro: Gilberto Castro Júnior-PE.Assistentes: Charles Rosa e Bruno Vieira, ambos de PE. Gols: Hugo (3’ do 1T, Náutico); Renan Fonseca (23’ do 1T, Santa Cruz), Izaldo (34’ do 1T, Náutico – contra) e Léo Gamalho (42’ do 1T e 6’ do 2T, Santa Cruz) e Carlos Alberto (23’ do 2T, Santa Cruz) e Elicarlos (41’ do 2T, Náutico) e William Alves (42’ do 2T, Náutico). Cartões amarelos: Pedro Carmona (Náutico);  Raul e Carlos Alberto(Santa Cruz). Público:15.683. Renda: R$ 371.895.

Renan Fonseca chuta para empatar clássico na Arena Pernambu