Givanildo Oliveira

Givanildo elogia elenco do Náutico e garante que chega ao clube para brigar pelo acesso

Um Givanildo Oliveira leve, com algumas brincadeiras permeando a tradicional seriedade. Assim o técnico assumiu, oficialmente, o comando do Náutico na tarde desta segunda-feira. Chega ao clube com a difícil missão de fazer o time arrancar rumo ao acesso nas 15 rodadas finais da Segundona.

Givanildo tem intimidade com a Série B. Fez questão de reforçar o seu conhecimento da competição em sua entrevista coletiva, nesta segunda-feira. Para mostrar, sobretudo, propriedade ao traçar a meta de acesso ao clube. “Minha vida foi quase toda vivida na Série B (foram cinco acessos). E na Série B você não pode desistir. O Náutico vai chegar para brigar pelo G4. Se eu achasse que não tinha condições, eu não vinha. Vim porque acredito”, afirmou.

A busca pelo acesso passa, diretamente, pela força do elenco. E o treinador acredita que o nível técnico dos jogadores possibilita trabalhar pela meta. “Estou assumindo agora. Não fiz nenhum treino, mas posso te dizer que (o elenco) é bom. Se é muito bom, eles é que vão dizer. Temos 15 jogos. É uma quantidade que te dá condições de chegar (no G4)”, disse.

Entre os atletas com quem já trabalhou, Givanildo citou o goleiro Rodolpo, o lateral Walber, o zagueiro Adalberto e os meias Rodrigo Souza e Renan Oliveira. Mas acredita que todo o elenco já conhece a sua forma de trabalhar. “Eles já passaram como é meu estilo, meu jeito. É trabalhar, treinar bem e chegar no dia do jogo preparado”, disse.

O desejo
Givanildo Oliveira havia revelado, recentemente, que uma das lacunas da sua carreira era não ter títulos pelo Náutico. Na verdade, tinha o desejo de levar o Timbu ao título estadual, conquistado por ele no Santa Cruz e Sport, em ambos como técnico e jogador. “Não joguei pelo Náutico. Se tivesse jogado, teria sido campeão”, ressalvou ele, antes de confirmar o desejo de dar uma taça ao Timbu. Vontade que, no entanto, vai ficar guardada para o futuro. “No momento, tem que esquecer um pouquinho. Até porque a minha permanência aqui passa por levar o Náutico para a Série A. O pensamento, hoje, é esse. E tudo vai ser feito para que aconteça isso.”

Fonte: Redação Superesportes /Diario de Pernambuco