GP da Alemnha

De ponta a ponta, Rosberg vence em casa

F1 Team

Todos os adjetivos para os carros da Mercedes já foram esgotados. A supremacia dos alemães na temporada é de tirar o chapéu. Largando na ponta do grid, Nico Rosberg permaneceu assim até o final da corrida. Na verdade, o driver alemão quase não apareceu na transmissão. Confirmando a superioridade, Lewis Hamilton largou na vigésima posição e não conquistou o segundo lugar  por muito pouco. Em um acidente com Kevin Magnussen, Massa abandonou a prova antes de completar a primeira volta.

Rosberg vence a quarta prova na temporada

Rosberg vence a quarta prova na temporada

Com o triunfo em casa, Nico soma a quarta vitória na temporada, ampliando, assim, sua liderança no campeonato. Quem cruzou a linha de chegada na segunda posição foi o driver da Williams, Valtteri Bottas. O piloto finlandês conseguiu sustentar seu segundo degrau no pódio graças à velocidade do FW36 nas retas.

Quem realmente chamou atenção em Hockenheim foi Lewis Hamilton. O piloto inglês alinhou o seu carro na 20ª posição, e de forma paciente foi escalando todo o grid até encostar no pessoal da frente. Era só uma questão de tempo devido ao forte desempeho da Mercedes.

Contando também com o talento, Hamilton conseguiu colocar o seu W05 no terceiro degrau do pódio e, só não foi mais além, porque Valtteri Bottas soube defender bem a posição até o final.

Já para Massa, a décima prova da temporada acabou, mais uma vez prematuramente, na primeira curva. Ainda na largada, o driver brasileiro tentava superar seu companheiro, que partiu na segunda posição. Nessa disputa, Felipe evitou entrar lado a lado com Bottas mas sofreu um toque da roda dianteira esquerda  de Magnussen e, inevitavelmente, capotou o FW36.

A corrida:

Tudo pronto para as 67 voltas em Hockenheim. Com os carros todos alinhados em seus colchetes, a expectativa da largada ficava para o time de Grove. Com Valtteri Bottas no P2 e seu companheiro de equipe – Felipe Massa – no P3, chegava a hora das Williams provarem que não seriam um carro apenas de classificação. E, no P1, Nico Rosberg, tinha a chance de recuperar a vantagem perdida para Hamilton na última corrida.

Com a luz verde acionada, o driver da Mercedes não sofreu nenhuma interferência e se manteve na ponta. A briga ficou mesmo entre Bottas e Massa, que partiu pra cima do seu companheiro de equipe. A sequência todos já sabem: Felipe se chocou com a roda dianteira esquerda de Kevin Magnussen, capotou e abandonou a etapa alemã. Carro de segurança na pista.

Com a saída do safety-car no início da terceira volta, os cinco primeiros eram: Rosberg, Bottas, Vettel, Alonso e Hulkenberg. Mas o destaque já era para Hamilton que tinha largado na 20º posição e, com sete voltas completadas, já era o 12º.

Sobre o incidente entre Magnussen e Massa, os comissários da prova analisaram e concluíram que foi apenas um incidente de prova.

Hamilton seguia escalando todo o pelotão. Ricciardo, que tinha largado em quinto e se enroscado no incidente no início da prova, indo parar na parte de trás do grid, dificultou um pouco a ultrapassagem mas, na volta de número 14, o inglês ultrapassou o taurino e Kimi Raikkonen de uma única vez. E ninguém segurava Lewis Hamilton, na sequência, o já deixava Pérez pra trás.

Com vários duelos acontecendo na pista, o trabalho nos boxes foi até esquecido. Mas, por lá, estava bem movimentado também. Rosberg, Bottas, Vettel, Alonso, Hulkenberg, Button, Ricciardo, Sutil, Vergne, Pérez, Kvyat, Gutiérrez, Chilton, Kobayashi e Ericsson fizeram as primeiras trocas.

Com 20 voltas completadas, o top-10 formava com: Rosberg, Bottas, Hamilton, Vettel, Alonso, Hulkenberg, Button, Ricciardo, Magnussen e Vergne.

Falando em Rosberg, o driver da Mercedes andou solitariamente na ponta. Guiando bem mais rápido, Nico colocou 11s de vantagem em Bottas. Isso na volta 28.

Com problemas no carro, Grosjean foi mais um a obrigado a deixar a etapa alemã. Mais um abandono da Lotus na temporada. Hamilton, que seguia na terceira posição, enfim, resolveu entrar nos boxes. Num circuito com uma média de 19 voltas para parar, Lewis fez o primeiro pitstop na 27 volta. No retorno, o driver inglês assumiu a oitava posição.

Na volta 31, e já brigando pela sexta posição. Hamilton partiu pra cima de Button de forma precipitada, chegando até a perder uma parte da asa dianteira. Na sequência, conseguiu fazer a ultrapassagem sem muita dificuldade.

Apesar dos toques que Lewis deu nas tentativas de ultrapassagens, ele não perdeu velocidade. Na briga para assumir a quinta posição, Hamilton foi pra cima de Hulkenberg. Sem dificuldade, o driver da Mercedes assumiu o quinto posto.

Sobrando na ponta, Rosberg liderou a prova com 14s7 de vantagem para o segundo colocado, Valtteri Bottas, que abriu 11s1 de vantagem para Vettel.

Com 40 voltas completadas, os dez primeiros eram: Rosberg, Bottas, Hamilton, Alonso, Vettel, Button, Ricciardo, Hulkenberg, Magnussen e Raikkonen.

Na volta 41, Ricciardo cravou a volta mais rápida (1min21s203). Insatisfeito, o driver da Red Bull, na volta seguinte, abaixou ainda mais seu tempo (1min21s030). Quase sem aparecer na transmissão, Rosberg fez sua segunda parada e colocou os compostos macios.

No giro 46 foi a vez de Kvyat deixar a décima etapa da temporada. Com o carro pegando fogo, o driver da STR saia chateado, mas sem se machucar.

Na volta de número 50, o top-10 formava com: Rosberg, Bottas, Hamilton, Alonso, Vettel, Button, Hulkenberg, Ricciardo, Magnussen e Raikkonen.

Bandeira amarela na pista. Sutil rodou na pista e o carro da Sauber ficou atravessado no meio do traçado. A expectativa era a entrada do carro de segurança. Pela demorada, os comissários da prova não queriam interferir no resultado da prova.

Fazendo uma corrida espetacular, Hamilton ultrapassou Fernando Alonso para assumir a terceira posição. Isso na volta de número 56. Com um ritmo mais agressivo, o piloto inglês foi à caça de Bottas, 20.4s de diferença. Vale lembrar que o piloto da Mercedes largou na 20º posição.

Duas voltas depois, a diferença entre Bottas e Hamilton seguia diminuindo. Agora, ela já era de 3s6. Sinal de uma briga futura pelo segundo degrau no pódio. Outra briga interessante era anotada entre Ricciardo e Fernando Alonso.

Faltando seis voltas para o final da prova, a vantagem entre Bottas e Hamilton já não existia (o.4s). Que corrida do inglês. O que esperar desse duelo? Os carros da Mercedes dispensam comentários, e os bólidos da Williams correm muito forte nas retas.

Com cinco voltas para o final, Alonso, enfim, fazia a ultrapassagem em Ricciardo. O espanhol assumia a quinta posição.

Com duas voltas para o termino, a vida de Rosberg já estava resolvida. A briga mesmo ficava entre Bottas e Hamilton. E, pelo rádio, o inglês já dava os primeiros sinais de que não seria fácil fazer essa ultrapassagem. Realmente, as Williams estão perfeitas nas retas.

De ponta a ponta, Rosberg venceu pela quarta vez na temporada. O piloto alemão foi dominante em toda a corrida na Alemanha. A segunda posição ficou mesmo com Bottas. De forma impressionante, Hamilton, que tinha largado na 20º posição, recebeu a quadriculada na terceira posição.

alemanha