GP de Mônaco

Com reviravolta, Rosberg vence segunda consecutiva na temporada

Por F1Team – Foto: Boris Horvat / AFP

Nico Rosberg ganhou sua segunda corrida seguida, duas semanas após vitória na Espanha

“Perdi essa corrida”. Esbravejou Lewis Hamilton aos membros da Mercedes via rádio, logo após deixar os boxes, na reta final do GP de Mônaco, neste domingo (24). Mais há uma explicação para tamanha frustração do driver. Após liderar com facilidade a prova, Lewis não obteve grande sorte ao se deparar com o safety-car logo depois de realizar um pit-stop e entregou o ponto mais alto do pódio de mãos beijadas ao seu companheiro de equipe, Nico Rosberg. O alemão não teve culpa de nada e conquistou sua segunda vitória consecutiva na temporada. Vale lembrar esse também foi seu terceiro triunfo consecutivo na França.

Rosberg revela que a confiança voltou

Rosberg vence sua segunda prova na temporada 2015 da F-1.

No estreito circuito de Monte Carlo, Rosberg não foi capaz de agredir Hamilton em qualquer momento da corrida. Pelo contrário, Nico via seu até então segundo lugar sendo ameaçado pelo ferrarista Sebastian Vettel de forma constante. Mas um golpe de sorte mudou a imprevisível prova para o alemão. Após ver o novato Max Verstappen se envolver em acidente com Romain Grosjean, acionando o safety-car e esfriando a empolgação de Hamilton – tentava recuperar as primeiras posições após um pit-stop mal elaborado -, Rosberg assumiu a ponta e não vacilou.

Frustrado, o inglês sequer reagiu. Mesmo com novos pneus, o piloto não conseguiu recuperar o tempo perdido e amargou a terceira posição no pódio, ficando atrás de Sebastian Vettel. Agora a diferença de pontos para Nico Rosberg no Mundial de Pilotos caiu para apenas 10 pontos.

Valente, Sebastian Vettel foi até o fim. Incomodando Nico Rosberg durante toda a prova, o piloto da Ferrariesbarrava na grande dificuldade que é ultrapassar os rivais no circuito de Monte Carlo. Porém, assim como o compatriota, o tetracampeão foi bonificado pelo erro de Hamilton e assegurou a segunda colocação no GP de Mônaco.

Ameaçado por não estar convencendo até o momento, o promissor Daniil Kvyat, enfim, conseguiu chegar perto do pódio. Largando na quinta posição, o russo de 20 anos mostrou maturidade no assento do seu RB11 e garantiu seus 12 preciosos pontos. Logo em seguida, seu companheiro Daniel Ricciardo ultrapassou a linha de chegada e ficou em quinto.

Após uma estréia cativante, Felipe Nasr voltou a pontuar. Iniciando a prova na 14ª colocação, o competidor daSauber recuperou-se e terminou em nono, mostrando boa performance. Outro brasileiro no grid, Felipe Massa não foi bem e encerrou sua participação na pífia 15ª colocação.

O outro destaque do GP foi Jenson Button. O experiente piloto protagonizou os primeiros pontinhos da história da Mclaren-Honda. Seu parceiro de escuderia Fernando Alonso, não foi bem mais uma vez. O espanhol abandonou a prova por problemas no bólido.

Confira a classificação do GP de Mônaco:

GP de Mônaco - classificação

Rosberg vence pela segunda vez em Mônaco

Por F1Team

Todos os adjetivos para os carros da Mercedes, talvez, já tenham sido esgotados. A dominância dos monopostos alemães são sobrenaturais. Em Mônaco não foi diferente. Largando na pole position, Nico Rosberg sustentou a ponta até o final. Como não sofreu nenhuma interferência durante as 78 voltas, o talentoso piloto venceu pela segunda vez nas ruas do Principado. E de quebra, reassumiu a liderança da competição.

Rosberg vence em Mônaco e reassume a liderança do campeonato

Rosberg vence em Mônaco e reassume a liderança do campeonato

Na segunda posição, e furioso com seu companheiro de equipe, Lewis Hamilton bem que tentou responder, na pista, uma possível manobra de Rosberg em impedir sua pole nos classificatórios. Como Lewis apenas se aproximava e não conseguia imprimir uma disputa pela posição, o campeão de 2008, cruzava as ruas de Monte Carlo na segunda posição. E viu seu companheiro tomar a ponta na tabela. O terceiro lugar no pódio foi ocupado, mais uma vez, por Daniel Ricciardo.

O brasileiro Felipe Massa, que alinhou seu bólido na 16ª posição do grid, fez uma boa corrida em Monte Carlo. No entanto, nada fora do comum. Com o FW36 terminando a prova na sétima posição, valeu o esforço de Felipe em pontuar.

O destaque negativo ficou por conta da fase negra vivida por Sebastian Vettel. O driver da Red Bull, que tinha a pretensão de pontuar em Mônaco após largar no P4, teve que abandonar, mais uma vez, a corrida prematuramente.

A corrida:

Com os carros já todos alinhados após a volta de apresentação, a expectativa era pela luz verde nas ruas do Principado e o que poderia acontecer durante a largada entre Nico Rosberg e seu companheiro de equipe, Lewis Hamilton. O piloto britânico teria saído furioso no fim dos classificatórios, por considerar que Nico teria feito uma manobra para prejudicar sua volta.

Mesmo com todo o problema exposto, Rosberg alinhava pela segunda vez na pole position. Seguido de perto por Lewis Hamilton. A dupla da Red Bull vinha logo atrás. E com a corrida liberada, o piloto da Mercedes conseguiu sustentar a ponta. Então foi tudo normal na Saint Dévote.

E mal chegamos nas primeiras curvas deste domingo e o carro de segurança já foi acionado. Sergio Pérez foi tocado e deixou seu monoposto antes da curva do Grande Hotel.  Felipe Massa já tomava três posições na largada.

Na volta de número três o carro de segurança foi recolhido. Ruim para Vettel, que não conseguia fazer uma boa relargada. Seb foi ultrapassado por diversos carros e questionou aos engenheiros falta de potência em sua RB10. E sem condições de continuar na pista, o piloto alemão deixava as ruas do Principado de forma prematura.

Na décima volta o top-10 formava com: Rosberg, Hamilton, Raikkonen, Ricciardo, Alonso, Magnussen, Vergne, Hulkenberg, Button e Bottas.

Com poucas disputas por posições, quem vinha se destacado era Adrian Sutil. De forma agressiva, o piloto da Sauber deixava Grosjean e Ericsson na curva do Hotel. O alemão seguia brigando com as pequenas.

Com 18 voltas completadas, Nico iria abrindo 1s7 de vantagem para o companheiro de equipe. Hamilton, no entanto, questionava o time da Mercedes por um suposto problema na traseira do W05.

Só agora com 21 giros completos, os comissários da prova decidiram punir Chilton, Bianchi e Gutiérrez com um stop-and-go por terem parado fora da posição no grid de largada.

Até esse ponto da corrida os únicos que abandonaram o GP de Mônaco foram: Kvyat, Vettel, Maldonado e Pérez.

Depois de muito “brilhar” nas ruas do Principado com suas ultrapassagens, Sutil perdeu o controle do seu carro na saída do túnel e como consequência, foi de encontro ao muro de proteção. Mais uma vez safety car na pista.

Com a segunda entrada do carro de segurança, os dois carros da Mercedes decidiram entrar nos boxes.

Agora são 30 voltas completadas, e todos seguiam em fila indiana até a possível relargada. Então vamos conferir o top-10: Rosberg, Hamilton, Ricciardo, Alonso, Massa, Vergne, Magnussen, Hulkenberg, Button e Bottas.

Carro de segurança recolhido no giro 31, e tudo seguia na mesma. Faltava Sutil para agitar essa corrida com suas ultrapassagens.

Raikkonen que estava em terceiro, sofreu um toque com Chilton na saída dos boxes e foi obrigado a entrar nos boxes na volta seguinte. Kimi teve um dos pneus furados e Chilton teve que parar com a asa quebrada.

Vergne que estava sobre investigação por quase ter batido em Magnussen, foi punido pelos comissários da prova. O driver da Toro Rosso foi obrigado a passar pelos boxes.

Nessa corrida não poderia faltar o momento Kobayashi. O driver nipônico perdeu o controle do monoposto na saída do túnel, travou as rodas na frente de Raikkonen, e resolveu passar direto na chicane para evitar um problema maior. Mas antes disso, Koba e Bianchi se tocaram três vezes na tentativa de ultrapassagem.

Com 40 voltas completas, o top-10 formava com: Rosberg, Hamilton, Ricciardo, Alonso, Massa, Hulkenberg, Magnussen, Button e Bottas.

Duas voltas depois, Hamilton voltava a se aproximar do seu companheiro de equipe. Via rádio, o engenheiro do driver inglês orientava para ele esticar mais as marchas de velocidade na tentativa de diminuir o consumo de energia.

Depois de 45 voltas com os pneus macios, o brasileiro Felipe Massa resolveu parar nos boxes. Após as trocas, o piloto da Williams retornava para a pista na 11ª posição. Logo atrás de Kimi Raikkonen.

Vergne foi mais um a deixar o GP de Mônaco de forma prematura. No giro 54, o piloto da Toro Rosso soltava fumaça branca pelo motor da sua STR. Essa seria a quarta prova na temporada que o francês não chegava ao fim. Segundo abandono da equipe na mesma prova.

Cinco voltas depois foi a vez de Bottas deixar a corrida em Mônaco. Lento na pista, o piloto da Williams foi mais um a sofrer com problemas no motor. Gutiérrez também deixou a prova mais cedo. Com erro na Rascasse, o driver da Sauber batia no guard rail.

Com 65 voltas completas, o top-10 era formado com: Rosberg, Hamilton, Ricciardo, Alonso, Hulkenberg, Magnussen, Button, Raikkonen, Massa e Bianchi.

Cada volta que era concluída em Mônaco, mais se tinha certeza da vitória da Mercedes nas Ruas do principado. Hamilton até que se aproximava, no entanto, o carro guiado por Rosberg seguia soberano na pista. A distância entre os dois que já teria sido de 1s, agora, seria de pouco mais de 4s. Isso faltando oito voltas para o fim.

Além disso, o piloto inglês reclamava, via rádio, que tinha algo em seus olhos atrapalhando sua visualização na pista.

Felipe Massa cada vez mais perdia contato com Kimi Raikkonen. O brasileiro que estava colado, agora tinha 10s atrás do ferrarista.

O duelo na reta final seria entre Lewis Hamilton e a RB10 de Ricciardo. O time dos energéticos avisava por rádio que o driver da Mercedes estava com problemas na visão. Com três voltas para o fim, a distância era de 3s4.

Com a chegada da última volta, Nico Rosberg recebia a quadriculada em primeiro lugar. Como não seria difícil de se imaginar, o carro da Mercedes foi soberano também no GP de Mônaco. Largando na pole, o driver alemão foi imbatível de ponta a ponta nas ruas do Principado. Com mais essa vitória, Nico reassumia a liderança do campeonato.

Na segunda posição, e furioso com seu companheiro de equipe, Lewis Hamilton cruzava as ruas do principado na segunda posição. O terceiro lugar no pódio foi ocupado, mais uma vez, por Daniel Ricciardo.

O brasileiro Felipe Massa, que alinhava seu bólido na 16ª posição do grid, fez uma boa corrida em Monte Carlo. Trazendo o FW36 até a sétima posição. O destaque negativo ficou por conta da fase negra vivida por Sebastian Vettel. O driver da Red Bull, que tinha a pretensão de pontuar em Mônaco após largar no P4, teve que abandonar, mais uma vez, a corrida prematuramente.

Mônaco

Rosberg supera Hamilton e fica com a pole em Mônaco

A cada corrida, a disputa interna na Mercedes fica mais acirrada. Depois de ver Lewis Hamilton dominando as últimas corridas, Nico Rosberg deu o troco no seu companheiro de equipe, pelo menos no treino classificatório para o GP de Mônaco. O alemão conseguiu superar o campeão de 2008, mesmo tendo “errado” na sua última tentativa.

Rosberg larga na pole em Mônaco

Rosberg larga na pole em Mônaco

Piloto mais regular do campeonato deste ano, Lewis Hamilton não vai largar mais uma vez na pole, mas garantiu a segunda colocação no grid de largada. Agora, a briga pela vitória deverá ficar entre os dois pilotos da Mercedes, que largam nas duas primeiras posições. A briga entre os dois vale a liderança do Mundial de Pilotos.

Na segunda fila partirão os dois carros da Red Bull. E mais uma vez quem comemorou mais nos boxes taurinos foi o australiano Daniel Ricciardo. Terceiro mais rápido do treino de hoje, ele começa a prova novamente à frente de Sebastian Vettel, que ficou com o quarto tempo.

Fernando Alonso, que chegou a liderar um dos treinos livres, não teve forças para brigar de igual para igual com os carros da Mercedes e Red Bull, mas voltou a fazer um bom tempo, levando em consideração as “limitações” do carro da Ferrari. Assim, o espanhol parte na quinta colocação, seguido pelo seu companheiro de equipe, Kimi Raikkonen, que larga em sexto.

A nota ruim para os brasileiros ficou por conta de Felipe Massa. O piloto da Williams havia feito um bom tempo no Q1, mas Marcus Ericsson acabou com o seu treino. No fim da primeira sessão, Massa abriu passagem para o sueco, que perdeu o ponto de frenagem na curva e acertou o carro #19. Com o toque, Felipe não teve como voltar para os boxes e ficou fora do restante do treino. Assim, largará apenas na décima sexta colocação.

O treino

Fim de semana em Mônaco é sempre um dos mais aguardados

Fim de semana em Mônaco é sempre um dos mais aguardados

As classificações e as corridas em Mônaco costumam ser bastante emocionantes. O traçado estreito sempre faz algumas “vítimas” e é comum vermos os pilotos passando perto e até tocando no guard rail. Hoje não foi diferente. Os pilotos que conseguiram raspar mais vezes nos muros, conseguiram seus objetivos e garantiram uma boa classificação. Os menos experientes, perderam o controle do carro e foram parar na área de escape ou bateram.

Com relação as condições do clima e da pista, não poderiam ser melhores. Com o céu totalmente limpo, o sol fez com que o traçado estivessem em seu perfeito estado para que os pilotos pudessem acelerar fundo. E foi o que aconteceu durante uma hora de treino.

Q1

O treino classificatório em Mônaco começou quente. Além de ver muitos carros na pista praticamente durante todo o Q1, o público ainda presenciou vários pilotos perdendo o ponto de frenagem e o acidente envolvendo o brasileiro Felipe Massa e o sueco Marcus Ericsson.

Ericsson bateu em Massa no Q1

Ericsson bateu em Massa no Q1

O piloto da Williams havia aberto passagem para que a Caterham passasse, mas Ericsson perdeu o controle do carro e acertou o bólido de Felipe. Quem levou a pior foi Massa, que tinha feito uma boa volta e garantido a classificação para o Q2, mas com o toque precisou abandonar o treino e largará na décima sexta posição.

Entre os eliminados, a “surpresa” ficou por parte da Sauber. Esteban Gutiérrez e Adrian Sutil não andaram bem nesta classificação e acabaram fora até mesmo do Q2. O mexicano largará apenas na décima sétima posição, enquanto o seu companheiro de equipe parte em décimo oitavo.

Nas últimas posições, largarão os dois carros da Marussia – Jules Bianchi (19º) e Max Chilton (20º) e os dois da Caterham – Kamui Kobayashi (21º) e Marcus Ericsson (22º).

Q2

Depois de uma primeira parte muito movimentada, com acidentes, erros e disputa na pista, tivemos um Q2 bem mais tranquilo. Com apenas 15 carros na pista, já que Felipe Massa não participou, os pilotos disputaram as dez primeiras posições do grid.

Magnussen - Monaco

Magnussen garantiu classificação para o Q3

Como era de se esperar, os carros da Mercedes, Red Bull e Ferrari não tiveram dificuldades para garantir vaga na “super classificação”. Pior para os outros pilotos, que tiveram que brigar apenas por quatro posições restantes.

Dentre os eliminados, duas surpresas. Nico Hulkenberg, da Force India, e Jenson Button, da McLaren. Os dois largarão na décima primeira e décima segunda posição, respectivamente. Valtteri Bottas, da Williams, também não conseguiu um bom tempo e parte em décimo terceiro, seguido por Romain Grosjean e Pastor Maldonado, ambos da Lotus.

Q3

Com 12 minutos para tentar buscar o melhor tempo possível, os pilotos deixaram cedo os boxes em busca da volta perfeita. Logo nas primeiras tentativas, quem se deu melhor foi Nico Rosberg. O alemão marcou o tempo de 1min15s989, menos de um décimo mais rápido do que o seu companheiro de equipe, Lewis Hamilton, que havia marcado 1min18s048.

Clima entre Hamilton e Rosberg ficou tenso após a classificação

Clima entre Hamilton e Rosberg ficou tenso após a classificação

A marca alcançada por Rosberg acabou sendo suficiente para garantir a pole position. Isso porque, na última tentativa, o alemão perdeu o ponto de frenagem e foi parar na área de escape, o que causou uma bandeira amarela no setor. Isso acabou atrapalhando Hamilton, que precisava de uma volta perfeita. Por isso, o britânico decidiu abortar a sua volta e vai larga na segunda posição. Ao descer do carro, o campeão de 2008 se mostrou chateado, isso porque ele acha que o erro de Nico pode ter sido “proposital”.

Quem também teve um grande desempenho foi o australiano Daniel Ricciardo da Red Bull. Mais uma vez ele superou o tetracampeão Sebastian Vettel e amanhã largará na terceira posição, uma à frente do seu companheiro de equipe, que larga em quarto.

A terceira fila será formada pela dupla da Ferrari, Fernando Alonso e Kimi Raikkonen, que largarão na quinta e sexta posições, respectivamente. Jean-Éric Vergne, Kevin Magnussen, Daniil Kvyat e Sergio Pérez, respectivamente, completam o top 10.

Confira os tempos:

Classificação - Monaco