GP Hungria

Ricciardo destrona as Mercedes na Hungria

Ricciardo vence a segunda prova na temporada

Em uma das corridas mais espetaculares do ano, Hungaroring provou que os duelos ainda estão vivos na F1. Prova disso foram as últimas voltas. Daniel Ricciardo, faltando três voltas para o fim, mostrou toda sua competência a bordo do RB10 e passou Hamilton e Alonso quase na mesma hora. Depois disso, as emoções ficaram com Lewis, Fernando e Rosberg na disputa pelos segundo e terceiro lugares.

Agressivo na pista, Ricciardo não tomou conhecimento e partiu pra cima da Mercedes do inglês. Não demorou muito e o driver australiano fazia sua ultrapassagem. Na sequência, Alonso, líder até então, sofria com o desgaste dos compostos. Dessa forma, Daniel assumiu a liderança faltando menos de cinco voltas para o fim. Com isso, Ricciardo destronou novamente as Mercedes. A primeira foi no Canadá, agora, GP da Hungria.

Sofrendo com o desgaste dos pneus Pirelli, Alonso mostrou todo o talento que tem nas mãos. Mesmo sendo ameaçado por Hamilton, o driver espanhol seguiu na segunda posição até o fim.

Fazendo uma corrida espetacular, após largar dos boxes, Lewis conseguiu escalar todo o pelotão que seguia à sua frente, desconsiderou uma ordem de equipe, e cruzou a linha de chegada na terceira posição. Felipe Massa também fez uma boa corrida e terminou a etapa húngara no quinto posto.

A corrida:

A última etapa da F1 antes das férias da categoria foi na Hungria e a chuva tomou conta do traçado antes da formação do grid. A dificuldade seria fazer a escolha certa dos compostos. Existiam trechos da pista bem molhados e outros totalmente seco. A dúvida também seguia com a largada. Seria em movimento ou com o carro de segurança?

Nem uma, nem outra. A largada foi feita da forma costumeira. Com Rosberg fazendo a sexta pole no ano, a maior preocupação do piloto estava no P2. Ao seu lado estava Sebastian Vettel, um excelente piloto em pista molhada. Na terceira linha do grid estava Bottas. Massa alinhava na sexta posição e Hamilton largou da garagem.

Com a luz verde acionada, Nico conseguiu sustentar bem a dianteira. A briga ficou entre Vettel, Bottas e Alonso. E nessa disputa, o finlandês levou a melhor. Segunda posição para ele. Seb, que também tinha perdido a posição para Alonso, conseguiu dar o troco no espanhol e recuperou uma posição. Cauteloso, Massa preferiu perder algumas posições ao invés de deixar a prova prematuramente.

Com cinco voltas completadas o top-10 formava com: Rosberg, Bottas, Vettel, Alonso, Button, Ricciardo, Hulkenberg, Massa, Vergne e Pérez.

Rosberg sobrou na pista húngara. O piloto alemão colocou rapidamente 7s de vantagem para Bottas, que era ameaçado por Vettel. Hamilton saiu da pista ainda na primeira volta. Com sorte, apenas tocou de leve no muro de proteção. No entanto, o piloto inglês questionava a equipe se haveria algum dano no carro.

Depois de oito voltas, Rosberg seguia anotando voltas rápidas, uma atrás da outra. A melhor delas foi 1min43s046.

Em seguida, Marcus Ericsson bateu forte no muro de proteção e provocou a entrada do carro de segurança. Carros nos boxes para troca de pneus. Menos o líder da prova, Bottas, Vettel e Alonso.

Com o carro de segurança na pista, os dez primeiras eram: Ricciardo, Button, Massa, Rosberg, Magnussen, Vergne, Vettel, Alonso, Hulkenberg e Pérez.

Na volta 14, enfim, o carro de segurança se retirou. A briga por posições recomeçou ruim para o brasileiro, com tinha Rosberg na sua cola, mesmo com um possível problema nos freios da Mercedes.

Nitidamente, Rosberg não conseguia manter o mesmo ritmo antes da entrada do carro de segurança. Com um possível problemas nos freios, Nico foi sendo ultrapassado.

A briga foi intensa entre Alonso, Vergne, Rosberg, Vettel e Hamilton. Felipe Massa, em segundo, tinha 4s de vantagem para o espanhol. Apenas observava pelo retrovisor. Ricciardo também seguiu livre na dianteira da prova.

Com 20 voltas completadas, o top-10 formava com: Ricciardo, Massa, Alonso, Vergne, Rosberg, Vettel, Hamilton, Pérez, Bottas e Gutiérrez.

No giro seguinte, Hamilton intensificou sua briga com Vettel pela sexta posição. Alonso partiu pra cima de Massa. Que estava andando muito bem e no mesmo ritmo do espanhol.

Outra vez, carro de segurança na pista. Dessa vez Sergio Pérez que foi de encontro ao muro de proteção. Isso na volta 23. Agora, fila de carro nos boxes.

Com o safety car puxando a fila, Alonso assumia a liderança da prova, seguido por Vergne, Rosberg, Vettel, Hamilton, Ricciardo, Massa, Gutiérrez, Raikkonen e Sutil.

Na volta 26 o carro de segurança é recolhido para os boxes. Então a briga recomeçou. Liderando todo o pelotão, era a vez de Alonso fazer a volta mais rápida em Hungaroring: 1min29s081 e 2s3 de vantagem para o segundo colocado, Magnussen.

Ninguém acreditava que Lewis Hamilton chegaria no pelotão da frente. Muito menos partir pra cima do líder da prova. Pois é, o driver inglês já era o segundo colocado. Lembrando que ele ainda precisava parar nos boxes.

Com 38 voltas, a chuva começa dar sinais de vida novamente. Preocupação geral. Nessa mesma volta, Rosberg partiu pra cima de Valtteri Bottas e tomou a nona posição.

Após 40 voltas, os dez primeiros formavam com: Ricciardo, Massa, Alonso, Hamilton, Rosberg, Bottas, Maldonado, Raikkonen, Vettel e Vergne.

Chegou a vez de Ricciardo andar tranquilo e calmo na liderança. Sem ser incomodado por ninguém, o driver australiano tinha 13s de vantagem para Massa, que seguia com sua Williams na segunda posição. Porém, na volta 46, o brasileiro entrou nos boxes para colocar novamente os pneus médios e voltou na sétima posição.

Perto do fim, apenas os carros da Mercedes andavam na casa de 1min27s. Com Hamilton na terceira posição, Rosberg já colava no companheiro de equipe. Hamilton seguia com os compostos mais novos.

A briga entre os dois já começava a invadir o rádio da equipe, que pedia para Hamilton liberar a passagem para Rosberg – ele ainda precisava fazer uma nova parada nos boxes. E como virou rotina, o driver inglês não obedeceu a ordem da Mercedes.

Com 55 voltas já completadas, o top-10 formava com: Alonso, Hamilton, Rosberg, Ricciardo, Bottas, Massa, Raikkonen, Vettel, Vergne e Button.

Outra briga entre companheiros se aproximava. Dessa vez seria entre Bottas e Massa. Em quarto lugar, o driver finlandês carregava 2s2 de vantagem para o brasileiro. Mas Bottas precisou de mais uma parada nos boxes e voltou somente no meio do pelotão.

Remando tudo de novo, Rosberg foi pra cima de Raikkonen e assumiu a quinta posição. Isso na volta de número 60. Sem muita dificuldade, o driver alemão fazia a ultrapassagem e, mesmo com pouco espaço, o piloto da Mercedes passou Massa, assumindo a quarta posição.

Com oito voltas para o fim da prova, Alonso, Hamilton e Ricciardo já brigavam no visual pela liderança. Os três seguiam colados. Desvantagem para o espanhol, que lutava para segurar o carro na pista. Os pneus da Ferrari estava pra lá de desgastados.

Mostrando que realmente é bom de braço, Ricciardo caminhava de forma espetacular nas últimas três voltas em Hungaroring. Sem tomar conhecimento do potencial da Mercedes, o driver australiano tomou a segunda posição de Hamilton e, logo na sequência, passou facilmente por Alonso.

E foi assim até o final. Quem cruzou a linha de chegada na segunda posição foi Fernando Alonso. Lewis Hamilton, que largou dos boxes e fez uma corrida sensacional, chegou em terceiro. Felipe Massa terminou a etapa húngara na quinta posição.

Hungria