Grafite

Grafite faz três gols, mas Santa Cruz é vazado no fim e deixa escapar classificação na ‘Sula’

Ficha do Jogo

Santa Cruz 3×1 Independiente Medellín

Santa Cruz
Edson Kölln; Léo Moura, Neris, Danny Morais e Allan Vieira (Jádson); Derley (Bruno Moraes), Uillian Correia, João Paulo, Pisano (Mazinho) e Keno; Grafite. Técnico: Doriva.

Independiente Medellín
González; Piedrahita (Marrugo), Mosquera, Arias (Ibarguen) e Juan Valencia; Cabezas (Hechalar), Moreno, Luis Carlos Arias e Córdoba; Molina e Caicedo. Técnico: Leonel Álvarez.

Estádio: Arruda (Recife-PE). Árbitro: José Argote (Venezuela). Assistentes: Luis Sanchez e Francheskoly Chacon (ambos da Venezuela).

Gols: 13’ do 1T (Grafite, Santa Cruz), 30’ do 1T (Grafite) e 25’ do 2T (Grafite) e 31’ do 2T (Ibarguen, DIM).

Cartões amarelos: Piedrahita, Arias (Independiente Medellín). Público: 5.474. Renda: R$ 67.335,00

Santa Cruz não consegue passar pelo Salgueiro no Arruda

Autor: Davi Saboya

Foto: André Nery/JC Imagem

Depois de perder para o Náutico na estreia, o Santa Cruz empatou por 1×1 com o Salgueiro, nesta quinta-feira (4), no Arruda, em partida válida pela segunda rodada do Campeonato Pernambucano. Os gols da partida foram marcados por Cássio e Grafite. O Tricolor apresentou os mesmos erros do Clássico dos Emoções no início do jogo, mas no segundo tempo com as entradas de Wallyson e Dedé a equipe coral melhorou o rendimento. Só que não o suficiente para vencer o time sertanejo.

O JOGO

O Carcará começou a partida atacando o Santa Cruz. Logo aos dois minutos, o meia Cássio abriu o placar para o Salgueiro. Depois da cobrança do escanteio, a bola sobrou para o jogador mandar para o fundo das redes. O Tricolor respondeu com Danny Morais de cabeça, mas não teve sucesso. Animado, o time sertanejo foi para cima explorando o lado direito da equipe coral. Primeiro, Berguer entrou livre na grande área e perdeu a oportunidade. Em seguida, pelo mesmo setor, foi a vez do atacante Piauí desperdiçar a oportunidade na cara do goleiro Tiago Cardoso.

O confronto iniciou agitado, mas depois da metade da etapa inicial esfriou. O Santa Cruz não conseguia partir para o ataque trabalhando a bola e explorava os lançamentos e as jogadas aéreas. Enquanto o Salgueiro aproveitava que a defesa coral estava avançada e contra-atacava em velocidade pelas laterais. Ficou nítida a dificuldade do meio-campo coral criar as jogadas, já que a equipe rodava a bola pelos lados e terminava cruzando na grande área para o atacante Grafite disputar o lance entre dois zagueiros. Em duas jogadas individuais, com Vitor e Grafite, os donos da casa assustaram os visitantes no final do primeiro tempo.

Mal a bola rolou para a segunda parte do duelo e o Santa Cruz perdeu uma chance incrível de empatar a partida. Raniel arrancou pela direita e cruzou para Wallyson, embaixo da barra, sem goleiro, não aproveitar o lance. O time coral fez uma blitz nos primeiros minutos, mas não manteve o ritmo. O Tricolor tinha o domínio da partida, mas não assustava o Salgueiro, que montou um verdadeiro ‘ferrolho’ na etapa final.

Só que aos 26, o Santa Cruz conseguiu trabalhar a bola no meio-campo e furar a barreira. Wallyson deu um toque preciso e deixou Grafite livre na cara do goleiro Mondragon. O centroavante tirou do goleiro e empatou o confronto. As substituições do técnico Marcelo Martelotte fizeram com que o time coral tivesse uma maior posse de bola e conseguisse pressionar o Carcará em busca da virada. No entanto, os jogadores corais não conseguiram vencer novamente a retranca sertaneja e virar o placar.

FICHA TÉCNICA

Santa Cruz – Tiago Cardoso; Vitor, Alemão, Danny Morais, Alan Vieira; Wellington Cézar, João Paulo, Daniel Costa (Dedé); Lelê (Wallyson), Raniel (Arthur), Grafite. Técnico: Marcelo Martelotte

Salgueiro – Mondragon; Marcos Tamandaré, Maurício (Luiz Eduardo), Rogério Paraíba, Daniel Rodrigues; Rodolfo Potiguar (Nilson), Moreilândia, Jaíldo (Anderson Lessa), Cássio Ortega, Jefferson Berger, Piauí.

Local: Arruda. Horário: 20h30. Árbitro: Luís Cláudio Sobral. Assistentes: Marcelino Castro de Nazaré e Marlon Rafael Gomes. Gols: Cássio Ortega aos 2′ do 1ºT (Salgueiro). Grafite aos 23′ do 2ºT. Cartões Amarelos: Lelê (Santa cruz). Maurício e Nilson (Salgueiro). Público: 6. 909

Santa Cruz falha na defesa, cede virada para o Paraná e frustra chance de alcançar o G4

Estreante entre os profissionais, Marcílio comemora gol pelo Santa Cruz diante do Paraná –

 Brenno Costa /Diario de Pernambuco

O primeiro sinal era animador. Sete minutos de jogo e um gol do estreante Marcílio. Mas não. Não foi um Santa Cruz decisivo que encarou o Paraná, neste sábado, no Durival de Britto. Falhas defensivas da dupla de zaga. Um apagado João Paulo. Passes errados de Lelê e Anderson Aquino. Os vacilos individuais deram o tom de mais uma derrota do time. É o 15º tropeço atuando na região Sul do País em dez anos. Algo que custou caro. O G4 ainda não se tornou realidade após a derrota por 3 a 2, e a equipe caiu para a oitava posição, com 31 pontos.

Primeiro tempo
O Santa Cruz começou o jogo de maneira decisiva. Na primeira chance clara, o gol. A ação, por sinal, teve participação do técnico Marcelo Martelotte. Após subida pela esquerda, Lelê, que viria a errar muito, deu um passe para trás. Ele encontrou Marcílio, que, após ser promovido pelo técnico aos profissionais, abriu o placar da partida aos sete minutos. O lance, no entanto, foi o único suspiro da equipe na primeira etapa.

CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO ATUALIZADA DA SÉRIE B

A equipe coral se mostrou retraída. Fora de casa, voltou a ter dificuldades para criar. João Paulo sumiu. A bola rodava pouco nos pés dos jogadores. Enquanto isso, o Paraná se mostrou mais incisivo. Principalmente pelas laterais. Antes de marcar com Henrique, aos 37, criou duas belas oportunidades defendidas pelo salvador Tiago Cardoso.

Segundo tempo
O ritmo do Paraná se manteve para o começo da etapa final. Rapidamente, veio a virada. Com um minuto, Carlão aproveitou um vacilo na saída de jogo de Neris e colocou o Paraná na frente. Sem tempo para se recuperar, o time local tratou de passar por cima do Tricolor do Arruda em novo erro defensivo. Danny Morais marcou a bola e não viu Carlão. Novamente, o camisa 9 fez a sua parte e ampliou para 3 a 1.

O golpe parecia ter abatido o Santa Cruz. Mas a equipe coral encontrou forças para responder. Até porque estava mais arrumada na defesa com a entrada de Diego Sacomam no lugar de Marlon. As chances começaram a surgir. Assim, Lelê se desfez dos erros, driblou o goleiro e diminuiu a diferença aos 19 minutos. A reação, no entanto, travou com a expulsão de Grafite. O atacante revidou uma entrada dura do zagueiro, mas o árbitro expulsou apenas o camisa 23.

Ficha do jogo

Paraná 3
Felipe Alves; Ricardinho, Luiz Felipe, Luciano Castán e Rafael Carioca (Anderson Uchoa); Fernandes, Rafael Costa (Jean) e Danielzinho; Carlão, Henrique e Guga (Gustavo Sauer). Técnico: Fernando Diniz.

Santa Cruz 2
Tiago Cardoso; Vitor, Neris, Danny Morais e Marlon (Diego Sacomam); Moradei, Marcílio, João Paulo, Lelê e Anderson Aquino (Luisinho); Grafite. Técnico: Marcelo Martelotte.

Estádio: Durival de Britto (Curitiba-PR)
Árbitro: Wagner Reway (MT) – Fifa
Assistentes: Paulo César Silva Faria (MT) e Marcelo Grando (MT)
Cartões amarelos: Rafael Carioca, Rafael Costa, Luciano Castán) (P); Anderson Aquino, Pedro Castro (S)
Cartão vermelho: Grafite (S)
Gols: Marcílio (aos 7min do 1°T), Henrique (aos 37min do 1°T), Carlão (1min e 8min do 2°T), Lelê (19min do 2ºT)
Público: 4.725 pessoas
Renda: R$ 62.990,00

Estreante entre os profissionais, Marcílio comemora gol pelo Santa Cruz diante do Paraná

Grafite e Aquino marcam e Santa Cruz vence o Mogi Mirim

Autor: Matheus Albino

Grafite (e) e Aquino (c) fizeram os gols da vitória. Foto: Fernando da Hora/JC Imagem.

O Santa Cruz cumpriu mais uma de suas missões para chegar no G-4 da Série B. Nesta terça-feira o Tricolor venceu o vice-lanterna Mogi Mirim, no Arruda, por 2×1, e pode terminar a rodada com apenas dois pontos de desvantagem para o grupo dos mais bem classificados. Mais uma vez Grafite balançou as redes adversárias e teve papel importante na vitória válida pela 18° rodada.

» Veja a galeria de imagens

O outro gol foi marcado pelo artilheiro Anderson Aquino, que fez o seu décimo na Segundona. O Santa, agora sétimo colocado, enfrenta o Vitória, em Salvador, na próxima rodada, fechando o primeiro turno. Já o Mogi continua na penúltima posição com 15 pontos e vai encerrar a primeira parte da competição contra o Luverdense em Mogi.

O primeiro tempo foi movimentado e a rede balançou três vezes. Apesar de começar tomando as rédeas da partida o Santa foi surpreendido pelo Sapo. Aos seis minutos Edson Ratinho cruzou na cabeça de Serginho, Cardoso fez milagre mas a bola sobrou para Geovane abrir o placar.

O Tricolor continuou em cima e aos 9 minutos empatou com astro Grafite. Após cruzamento de Vítor João Paulo desviou de cabeça e o camisa 23 empurrou para as redes. O Mogi, antes empolgado por ter aberto o placar, sentiu o baque e não conseguiu com a mesma eficiência ao ataque.

O gol da virada coral chegou a partir dos 28 minutos, quando Lelê fez grande jogada e foi derrubado na área. O árbtiro marcou pênalti, Aquino foi para a cobrança e virou o placar. Aos 34 Lelê deu belo passe para Grafite, que entrou na área mas perdeu a passada e foi bloqueado pela zaga.

No segundo tempo o futebol do Santa caiu de produção e o time errou vários passes. Nos primeiros minutos o Mogi teve três boas chances de empatar o jogo. Em uma delas Luan entrou na área e chutou cruzado, a bola passou por todo mundo. O técnico Marcelo Martelotte tirou Aquino para a entrada de Luisinho.

O Santa ganhou em velocidade, mas em apenas isso. A chuva deixou o campo pesado e os times diminuíram o ritmo da partida. As chances foram isoladas. Aos 39 o Tricolor teve nos pés de Luisinho a oportunidade de matar o jogo. Ele recebeu passe açucarado de Grafite mas isolou a bola.

Ficha de jogo

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Vítor (Moradei); Danny Morais, Néris e Lúcio (Marlon); Bileu, Wellington Cézar, João Paulo e Lelê; Anderson Aquino (Luisinho) e Grafite. Técnico: Marcelo Martelotte.

Mogi Mirim-SP: Mauro; Edson Ratinho, Fábio Sanches, Paulão e Luan (Michel); Magal, Franco e Leo Bartholo (Gustavo) e Geovane (Junior Juazeiro); Serginho e Rivaldinho. Técnico Sérgio Guedes

Série B (18°rodada). Local: Arruda. Áribitro: Andrey da Silva E Silva – PA. Assistentes: Heronildo Freitas da Silva e Helcio Araujo Neves (ambos do PA). Gols: (S) Grafite (aos 19 do 1°t) Anderson Aquino (aos 29 do 1°t). (M) Geovane (aos 9 do 1°t) Cartões amarelos: (M) Mauro, Leo Bartholo, Geovane e Paulão. (S) Grafite.

 

Grafite reestreia com gol e Santa Cruz vence o Botafogo

Autor: Matheus Albino

Grafite marcou aos cinco minutos e Santa venceu o Botafogo. Foto: Bobby Fabisak / JC Imagem

Foi a reestreia dos sonhos. A volta de Grafite aos gramados defendendo as cores do Santa Cruz após 13 anos foi do jeito que o torcedor coral esperava. O camisa 23 marcou o gol da vitória sobre o Botafogo e começou da melhor forma a escrever sua nova passagem pelo clube coral. Assim o Santa quebrou um tabu de 28 anos sem vencer o Glorioso em Campeonatos Brasileiros.

Com a vitória o Tricolor subiu n tabela da Série B e alcançou a oitava posição com 25 pontos, cinco a menos que o quarto colocado, o próprio Alvinegro. Na próxima terça-feira o Santa volta a campo pela Série B, e terá o Mogi Mirim como adversário, no Arruda.

Já o Glorioso chegou ao quarto jogo sem vitória e mais uma vez perdeu posições na Segundona. Também na terça-feira o time entra em campo, contra o ABC-RN no Engenhão.

Volta em grande estilo

Foto: André Nery/JC Imagem

Foto: André Nery/JC Imagem

A torcida compareceu em peso, mais de 40 mil torcedores marcaram presença na reestreia de Grafite com a camisa coral. Nos primeiros minutos ele mostrou muita vontade, correu, brigou pela bola, deu chapéu, mas não teve uma chance clara de gol.

No segundo tempo a história foi diferente. Grafite voltou para o jogo e seguiu por mais 26 minutos. Neste tempo o centroavante mostrou seu faro de artilheiro. Aos seis minutos João Paulo cruzou na área, o camisa 23 correu mais que os zagueiros e cabeceou forte, sem chances para Jefferson. Aos 26 do segundo tempo ele deu lugar a Luisinho, saindo bastante aplaudido pela torcida.

O jogo

No primeiro tempo o Santa ficou preso na boa marcação do Botafogo e chegou pouco. A melhor chegada do Santa ao ataque foi aos 37 minutos com Bileu, que desceu rápido e pegou de bate pronto da entrada da área. Jefferson fez uma linda defesa.

O Glorioso também chegou com perigo, aproveitando as saídas erradas do zagueiro Néris. Na principal Neilton roubou a bola, entrou na área e tentou encobrir Cardoso, mas a bola passou ao lado da meta coral.

Na segunda etapa o Santa voltou com a mesma formação. Logo nos primeiros minutos Grafite abriu o placar e marcou o gol da vitória. O técnico Ricardo Gomes logo chamou Sassá e o colocou na vaga de Neilton. O Bota partiu para o ataque para buscar o empate. Já o Santa apostou na velocidade de Lelê, que fez grande partida, e Anderson Aquino.

Foto: André Nery/JC Imagem

Foto: André Nery/JC Imagem

Logo depois Luisinho entrou para aumentar ainda mais a correria coral sobre a defesa botafoguense. Aos 37 minutos Diego cobrou escanteio com força, Cardoso saiu mal e quase Navarrou empata o jogo. O Santa segurou a pressão em campo e a torcida fez a festa nas arquibancadas.

Ficha de jogo

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Vítor (Moradei), Danny Morais, Néris e Marlon (Lúcio); Bileu, Wellington Cézar e João Paulo; Lelê, Anderson Aquino e Grafite (Luisinho). Técnico: Marcelo Martelotte

Botafogo: Jefferson Luis Ricardo, Renan Fonseca, Diego Giaretta e Carleto; Serginho (Daniel Carvalho), Willian Arão, Diego Jardel e Octavio (Lulinha); Neilton (Sassá) e Navarro. Técnico: Ricardo Gomes

Campeonato Brasileiro Série B (17° rodada). Local: Arruda.  Árbitro: Flavio Rodrigues Guerra (SP). Assistentes: Vicente Romano Neto e Carlos Augusto Nogueira (ambos de SP). Gols: Grafite (aos cinco minutos do 2°t)  Cartões amarelos: Anderson Aquino, Danny Morais e Luisinho (S); Serginho e Lulinha (B). Público: 44.865. Renda: R$ 1.008.815

Santa enfrenta Botafogo com Grafite e Arruda lotado

Foto: Diego Nigro/JC Imagem – Autor: Matheus Albino

A festa para a reestreia de Grafite está pronta. Será neste sábado, às 16h30, no Arruda, com direito a shows e várias atrações. Expectativa de mais de 40 mil torcedores. Mas, haverá jogo, e decisivo para o Tricolor. O adversário é nada mais nada menos que o grande favorito ao título da competição, o Botafogo de Futebol e Regatas, que vem ao Recife para garantir uma vitória e a retomada da liderança.

Por isso o time precisa conter a euforia da torcida e entrar concentrado para conquistar os três pontos, subir na tabela (atualmente é o 11° com 22 pts), e seguir sonhando com o G-4. O reforço de Grafite no ataque será fundamental, tanto que os botafoguenses estão preocupados com a sua presença no ataque.

O camisa 23 está pronto para entrar em campo, mas não sabe quanto tempo poderá aguentar. “Isso vai depender do ritmo do jogo. O esforço da partida e a intensidade vão determinar quantos minutos ele vai aguentar”, disse o técnico Marcelo Martelotte.

Tabu

O Tricolor do Arruda não vence o Glorioso em seus domínios há 28 anos. A última vez que isso aconteceu foi no Módulo Verde do polêmico Brasileirão de 87. O Tricolor comandado por Abel Braga venceu o Alvinegro por 1×0, gol do atacante Dadinho. De lá pra cá foram quatro jogos, sendo dois pela Série A e dois pela Copa do Brasil, com dois empates e duas derrotas.

O time

Como de costume, Martelotte não escondeu o time inicial e desde a última terça-feira definiu que Luisinho sairia para a entrada de Grafite. Assim o setor ofensivo terá Lelê, João Paulo, Anderson Aquino e o experiente atacante de 36 anos. Aquino, artilheiro na Segundona com 9 gols foi deslocado para o lado, saindo da função de centroavante. As outras novidades foram Vítor, estreando na lateral direita, e Bileu, voltando ao meio de campo no lugar de Moradei.

O personagem

É festa por Grafite, mas foco do Santa Cruz é o Botafogo

É festa por Grafite, mas foco do Santa Cruz é o Botafogo

Após 13 anos Grafite vestirá outra vez a camisa vermelha, preta e branca do Santa Cruz Futebol Clube. Se na primeira passagem ele precisou vencer a desconfiança da torcida, agora vive outro momento, a de um jogador de carreira vencedora. Em 2009 foi campeão alemão pelo Wolfsburg terminando ainda na artilharia da competição com 28 gols.

Pelo São Paulo conquistou a Libertadores de 2005 e o Mundial de Clubes no mesmo ano. Em 2010 disputou a Copa do Mundo na África do Sul, sua maior competição na carreira. Agora ele pretende usar a sua experiência para levar o Santa de volta à elite do futebol brasileiro.

Lembranças…

Mais acima falamos do tabu de quase 30 anos sem vencer o Bota no Arruda. Agora é hora de lembrar de alguém que já se deu bem contra o Botafogo do goleiro Jefferson. Em 2004 pelo São Paulo o atacante marcou duas vezes e deu uma assistência na goleada por 5×2 sobre o time carioca pela Série A.
O adversário

Foto: site oficial do Botafogo

Foto: site oficial do Botafogo

O Botafogo não vence na Série B há três jogos. O jejum fez o time perder a liderança, algo que pode reconquistar caso vença o Santa no Arruda. Mas a missão não será fácil e o técnico Ricardo Gomes sabe bem.

Em relação ao time ele fez mistério e só deve informar a escalação minutos antes do jogo. Duas mudanças são esperadas – Ricardo Luis no lugar de Diego, na lateral direita; Neilton no ataque substituindo Sassá.

Ficha de jogo

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Vítor, Danny Morais, Néris e Marlon; Bileu, Wellington Cézar e João Paulo; Lelê, Anderson Aquino e Grafite. Técnico: Marcelo Martelotte

Botafogo: Jefferson Luis Ricardo, Renan Fonseca, Diego Giaretta e Carleto; Dierson (Serginho), Willian Arão, Diego Jardel e Octavio; Neilton e Luis Henrique. Técnico: Ricardo Gomes

Campeonato Brasileiro Série B (17° rodada). Local: Arruda. Horário: 16h30. Árbitro: Flavio Rodrigues Guerra (SP).Assistentes: Vicente Romano Neto e Carlos Augusto Nogueira (ambos de SP)