hexagonal

Náutico vence o Sport na Ilha e fica em primeiro na primeira fase do Pernambucano

Autor: Thiago Wagner

O Sport foi melhor no primeiro tempo com maior volume de jogo e mais chances. No entanto, pecou na finalização. Esse desperdício custou caro para os rubro-negros no clássico contra o Náutico, na tarde deste domingo, na Ilha do Retiro, pelo Pernambucano. O Timbu equilibrou as ações na segunda etapa e conseguiu a vitória por 1×0 depois de aproveitar uma das poucas chances que teve durante o jogo – Marcos Vinícius marcou aos 28 minutos do segundo tempo. Mérito para a equipe de Lisca, que soube segurar o poder ofensivo dos leoninos para sair com a liderança do Estadual da casa do adversário. Com a vitória, o Alvirrubro vai para 20 pontos e enfrenta o Salgueiro nas semifinais da competição. A primeira partida será no Cornélio de Barros, em Salgueiro, enquanto a volta é na Arena Pernambuco. Ao Sport restou a segunda colocação e o clássico contra o Santa Cruz na segunda fase – primeiro jogo no Arruda e segundo na Ilha.

Ambos os times vieram com novidades para o gramado. Pelo lado do Sport, Eduardo Baptista apostou em Renan Oliveira no lugar de Aílton. O jogador, porém, não atuou como meia. O comandante rubro-negro deslocou Felipe Azevedo para a função de Aílton e deixou Renan como um dos três atacantes. Já no Náutico, Lisca sacou Marcos Vinícius e colocou Roberson na função de meia vindo de trás. No final de tudo, as alterações acabaram não  sendo decisivas no confronto. Tanto Renan como Roberson tiveram atuações apagadas. Felipe também não teve grande destaque apesar da disposição para criar jogadas ofensivas.

Na primeira etapa o Sport foi melhor com maior volume de jogo e mais chances. Para isso foi predonderante a movimentação de dois atletas: Ewerton Páscoa e Rodrigo Mancha. A dupla não se limitou a marcar e partiu para cima do adversário como elemento surpresa em muitos momentos. Não foi raro ver Mancha ou Páscoa na área adversária para finalizar. Ewerton foi quem teve a melhor chance do primeiro tempo. Ele ficou com o gol aberto após rebote de Alessandro, mas mandou por cima da meta. Na segunda etapa, porém, os dois caíram de rendimento junto com todo o time rubro-negro.

Um pouco abaixo da dupla de volantes, o atacante Bruninho e o lateral-direito Patric também mereceram destaque pela velocidade na direita. Dos pés deles saíram muitas jogadas de cruzamento. Quando a bola levantada não vinha, aparecia o passe para o meio, quase sempre para um dos volantes ou Neto Baiano, que estava em dia de brigador mais uma vez. Apesar disso, a bola não entrou. Erros de passes e de finalização foram cruciais para isso.

No Náutico, nada mais do que a marcação ao adversário no próprio campo. Poucas foram as vezes que a equipe de Lisca foi para cima dos donos da casa. Faltou velocidade e movimentação para os alvirrubros saírem da marcação rubro-negra. No entanto, o Timbu foi competente na sua proposta de jogo. Marcou bem, contou com uma tarde boa do seu goleiro e foi eficiente no ataque em uma das poucas oportunidades que teve. Aos 28 minutos, após cobrança de falta de Zé Mário, Marcos Vinícius tocou de cabeça para o fundo das redes. Magrão ainda tentou a defesa, mas não conseguiu evitar que suas redes fossem balançadas. Festa alvirrubra nas arquibancadas.

FICHA DA PARTIDA – SPORT 0X1 NÁUTICO

Sport: Magrão; Patric, Ferron, Durval e Renê (Danilo); Mancha, Páscoa e Felipe Azevedo; Renan Oliveira (Aílton), Bruninho (Sandrinho) e Neto Baiano. Técnico: Eduardo Baptista.

Náutico: Alessandro; Jackson, William Alves, Flávio e Raí; Elicarlos (Yuri), Dê, Zé Mário, Roberson e Marinho (Paulo Júnior); Marcelinho (Marcos Vinícius). Técnico: Lisca.

Pernambucano. Local: Ilha do Retiro, Recife (PE). Árbitro: Emerson Sobral. Assistentes: Clóvis Amaral e Charles Rosa. Gols: Marcos Vinícius (N) aos 28 minutos do segundo tempo. Amarelos: Renê (S), Yuri (N), Neto Baiano (S), Marcos Vinícius (N) e Aílton (S), Público: 14.846. Renda: R$ 220.545.

Santa Cruz se recupera de eliminação e vence o Náutico por 5 a 3 pelo Estadual

Yuri de Lira – Diario de Pernambuco

O jogo valia a primeira posição do estadual ao Náutico. A classificação. Ao Santa Cruz, antes de tudo, a estabilidade após a eliminação na Copa do Nordeste e um ponto final no retrospecto sem vitórias contra os os seus rivais nesta temporada. Fim do jejum. O primeiro Clássico das Emoções na Arena Pernambuco foi marcado por muitos gols. Em jogo recheado de falhas defensivas do Timbu (até bisonhas, ressalte-se), deu um placar de 5 a 3 para o Tricolor na tarde deste domingo. Resultado que salva o cargo do técnico Vica. Líder no começo da rodada, Lisca agora é quem está pressionado. A goleada pesou. A torcida alvirrubra chegou a pedir veementemente a saída do comandante quando soou o apito para o intervalo. A pressão trocou de lado.
Leo Gamalho

Tudo o que o Santa menos precisava era começar perdendo no início. Poderia desestabilizar ainda mais uma equipe já moralmente abatida. O pesadelo veio. O gol de honra do Timbu ficou na conta de Oziel. O lateral falhou duas vezes e  Hugo abriu o marcador. A partida, no entanto, manteve-se equilibrada. Mas o time de Lisca era muito mais permissivo. Dava espaços na intermediária a todo instante. Renan Fonseca aproveitou-se. Acertou um chute que ainda desviou no zagueiro Flávio antes de entrar: 1 a 1. Gol que reanimou o Santa Cruz.

A virada coral não tardou. Veio em exatos 11 minutos. E aconteceu de forma bizarra. William Alves perdeu uma bola fácil para Léo Gamalho. Depois de cruzamento, Izaldo acertou a sua própria trave. Na sequência, jogou contra o próprio patrimônio. Gol contra: 2 a 1. Pareceu lance de atletas amadores. O Santa cresceu a partir daí. Ampliou a vantagem aos 42. O volante Dê, sem necessidade, subiu para atacar. Acabou dando espaço para um contra-golpe mortal. Com assistência de Caça-Rato, Léo Gamalho marcou o terceiro.

Renam Fonseca
Segundo tempo
O Náutico já voltou dos vestiários sendo vaiado pela própria torcida devido ao mau futebol apresentado na etapa inicial. Lisca, xingado. O zagueiro William Alves e o técnico viraram alvos principais dos torcedores. Izaldo foi poupado no intervalo pelo treinador e também se poupou das críticas dos torcedores. Poderia ter ouvido mais se tivesse permanecido em campo.

Isso porque, apenas aos seis minutos, Léo Gamalho fez seu segundo no jogo e o quarto do Santa Cruz. De cobertura. Goleada. O Náutico estava desnorteado. “Mais um”, começou a gritar a torcida coral. Pedido atendido. Aos 23, Carlos Alberto fez o que quis na grande área dos mandantes e mandou no canto direito de Alessandro: 5 a 1. Elicarlos e William Alves ainda diminuiuram. Injusto. Havia espaço para mais gols do lado Triciolor.

Náutico
Alessandro; Jackson, Flávio, William Alves e Izado (Zé Mario); Dê, Elicarlos, Yuri, Marcos Vinícius (João Ananias) e Pedro Carmona (Geovane); Hugo. Técnico: Lisca.

Santa Cruz
Tiago Cardoso; Oziel, Renan Fonseca, Everton Sena e Zeca; Sandro Manoel, Luciano Sorriso, Carlos Alberto e Raul (Natan); Flávio Caça-Rato e Léo Gamalho. Técnico: Vica.

Estádio: Arena Pernambuco (São Lourenço da Mata-PE). Árbitro: Gilberto Castro Júnior-PE.Assistentes: Charles Rosa e Bruno Vieira, ambos de PE. Gols: Hugo (3’ do 1T, Náutico); Renan Fonseca (23’ do 1T, Santa Cruz), Izaldo (34’ do 1T, Náutico – contra) e Léo Gamalho (42’ do 1T e 6’ do 2T, Santa Cruz) e Carlos Alberto (23’ do 2T, Santa Cruz) e Elicarlos (41’ do 2T, Náutico) e William Alves (42’ do 2T, Náutico). Cartões amarelos: Pedro Carmona (Náutico);  Raul e Carlos Alberto(Santa Cruz). Público:15.683. Renda: R$ 371.895.

Renan Fonseca chuta para empatar clássico na Arena Pernambu

Reforçado no ataque, Náutico vence Central por 2 a 1 e vira líder do PE2014

Por SuperEsportes

A mudança no esquema parece ter feito bem ao Náutico. Com um reforço no setor de criação e contando com as deficiências do Central, o Timbu começou a dar indícios de que pode encontrar o equilíbrio entre ataque e defesa e venceu a Patativa por 2 a 1 na Arena Pernambuco. Apesar de vacilos pontuais, os alvirrubros tiveram um bom desempenho e comemoraram o retorno à liderança do Hexagonal Final. Sem compromisso pela Copa do Nordeste ou do Brasil no meio de semana, o Timbu só volta a campo no próximo domingo, para encarar mais um clássico contra o Santa Cruz.


Mesmo diante do pouco tempo para trabalhar a mudança do esquema, o Náutico se mostrou à vontade com a nova proposta desde o início da partida. Apesar da entrada de mais um meia, o time não perdeu a pegada na marcação e dominava as ações entre as intermediárias. Com muito espaço no campo centralino, os alvirrubros trabalhavam com liberdade, deixando a impressão de que o gol seria apenas uma questão de tempo.

Pedro Carmona_

Depois de desperdiçar algumas chances os donos da casa abriram o placar aos 18 minutos. Num contra-ataque veloz, Pedro Carmona arrancou e entrou cara a cara com Juninho, mas chutou em cima do goleiro da Patativa. Acompanhando tudo de perto, Hugo aproveitou o rebote para deixar o Náutico em vantagem. O Central, entretanto, não estava morto. Adiantando sua marcação, a Patativa conseguiu roubar algumas bolas em seu campo ofensivo e teve pelo menos duas chances – ambas com Thalys – de deixar tudo igual.

Depois de perder algumas oportunidades de ampliar sua vantagem no fim da etapa inicial, o Náutico contou com uma ajuda importante para marcar o seu segundo gol. Em boa jogada pela esquerda, Pedro Carmona chegou à linha de fundo e cruzou rasteiro, no segundo pau. Se antecipando à chegada de Hugo, o volante Diego Teles tentou cortar, mas mandou para o fundo da própria meta.

Aos centralinos, não restava outra alternativa, senão a de partir para o ataque. Faltava, porém, qualidade para transformar o crescimento do volume em chances reais. A oportunidade veio num cochilo do meio de campo alvirrubro. Depois de roubarem uma bola perto do círculo central, os alvinegros partiram num rápido contra-ataque. Com liberdade, Jean Batista invadiu a área alvirrubra e tocou na saída de Alessandro. Apesar de a Patativa ter tentado aproveitar o bom momento, sua melhor chance foi uma cobrança de falta do zagueiro Alysson, que carimbou o travessão de Alessandro.

Náutico 2
Alessandro; Hélder Maurílio, Luiz Alberto (William Alves, aos 32’ do 1ºT), Flávio e Izaldo; Elicarlos, Dê, Marcos Vinícius (Roberson, aos 27’ do 2ºT) e Pedro Carmona; Paulo Júnior (Geovane, aos 33’ do 2ºT) e Hugo.
Técnico: Lisca.

Central 1
Juninho; João Paulo, Heverton (Jaílton, aos 28’ do 2ºT), Alysson e Jean Batista; Diego Teles, Fernando Pires, Danilo Pires e Talys (Luiz Fernando, aos 19’ do 2ºT); Danilo Lins e Edson Di (Deysinho, aos 8’ do 2ºT).
Técnico: Humberto Santos.

Local: Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata. Árbitro: Luiz Cláudio Sobral (PE).Assistentes: Clóvis Amaral (PE) e Marlon Rafael de Oliveira (PE). Gols: Hugo (aos 18’ do 1ºT), Diego Teles (contra, aos 5’ do 2ºT) e Jean Batista (aos 23’ do 2ºT). Cartões amarelos: Hélder Maurílio, Elicarlos, Paulo Júnior, Flávio (Náutico) e Fernando (Central). Público: 7.324. Renda: R$ 155.430,00