Holanda

Brasil perde para Holanda e encerra a Copa de foma humilhante

Com o Mané Garrincha novamente ‘vestido’ de amarelo, Brasil e Holanda decidiram o terceiro lugar da Copa do Mundo, e após quatro duelos (duas vitórias para cada lado) fizeram também o tira-teima em mundiais. A seleção brasileira voltou a sofrer o ‘apagão’ e desorganizada em campo sucumbiu diante dos Laranjas por 3 x 0.

Felipão sacou o atacante Fred e promoveu mais duas mudanças na equipe. Mas no jogo melancólico não adiantou hino a capela, tampouco a ‘motivação’ por se despedir com honra. Logo aos dois minutos, Robben ganhou de Thiago Silva e foi derrubado fora da área, porém o árbitro marcou pênalti. Van Persie bateu forte e fez 1 x 0, silenciando o Mané Garrincha.

Os mesmos erros primários da partida contra a Alemanha, novamente se repetiram. De Guzmán recebeu na direita, em posição duvidosa, e cruzou para a área, David Luiz cortou mal e Daley Blind mandou para as redes de Júlio César.

Mais uma vez a seleção brasileira sofreu com a compactação da equipe e se viu obrigada a abusar da ligação direta. Com 29 minutos, a única jogada de perigo foi uma falta cobrada por Oscar, em que David Luiz desviou de cabeça.

A exemplo da última terça-feira, o Brasil tinha maior posse de bola, 52%, e encontrava muitas dificuldades para finalizar. Talvez, a melhor chance tenha sido em nova falta da direita, quando a bola cruzou toda a área e ninguém aproveitou.

No segundo tempo, Felipão trocou Luiz Gustavo por Fernandinho. Com nove minutos em campo, o volante já tomou cartão amarelo ao derrubar Robben. Aos 11, Hernanes entrou na vaga do apagado Paulinho.

Em um dos poucos lampejos ofensivos, Oscar tentou cavar pênalti e foi ‘premiado’ com o cartão amarelo. No lance, o meia Blind se machucou e saiu para a entrada de Janmaat. Pelo lado dos anfitriões, Hulk substituiu Ramires na última tentativa de melhorar a saída de jogo. Mas ainda havia tempo para mais um dos holandeses. Aos 45, Wijnaldum completou o cruzamento rasteiro e sacramentou a vergonha brasileira, que levou 10 gols nas últimas duas partidas.

Em sete jogos nesta Copa do Mundo, o Brasil venceu três, empatou dois e perdeu dois. A equipe de Felipão marcou 11 gols e sofreu 14. Com isso, se tornou a defesa mais vazada da competição e também ao longo de toda a sua história em mundiais. Enquanto, a Holanda finaliza sua participação de cabeça erguida ao sair sem perder nenhuma partida. Os comandados de Van Gaal conquistaram cinco vitórias e dois empates.

Romero pega dois pênaltis e coloca Argentina na final após 24 anos

Após defender o chute de Vlaar, Romero foi buscar a cobrança de Sneijder | Crédito: Michael Dalder/Reuters

Era um jogo de futebol, mas parecia de xadrez. E, como tal, só foi decidido na última peça – nos pênaltis. E aí brilhou a estrela de Sergio Romero, o goleiro argentino que, durante o jogo, foi pouco exigido. Ao escolher por duas vezes o canto certo, defendeu as cobranças de Vlaar e Sneijder e deu à Argentina sua quinta final na história – a terceira contra a Alemanha, a decisão mais repetida da história das Copas. Cillessen, o goleiro holandês, deu razão ao técnico Van Gaal, que, contra a Costa Rica, o substituiu por Krul um minuto antes de a prorrogação terminar.

Enquanto o jogo esteve por todo o campo, e não apenas na grande área, argentinos não permitiram o movimento de holandeses, e vice-versa. Se os laranjas apostavam em contra-ataques, nossos vizinhos rezavam para que Messi decidisse. Nem um nem outro. Nos 90 minutos iniciais, eram zagueiros e volantes quem movimentavam as peças.

Alejandro Sabella falava em ocupar espaços, justamente para não deixar que os holandeses encaixassem suas jogadas com passes diagonaiis. Mascherano, Biglia, Demichelis e Garay se esforçavam para que a bola não chegasse a Sneijder e Robben – Van Persie, apagadíssimo, nem mesmo parecia em campo.

Van Gaal havia despistado um dia antes, ao dizer que não teria tratamento especial para Messi – “jogamos contra uma equipe, não contra um jogador”. Mesmo assim, posicionou Blind, De Vrij e Vlaar para que Messi não fosse acionado nem pudesse acionar.

Vlaar e Mascherano fizeram uma partida impecável, em um jogo que deveria ser das estrelas Messi e Robben. O zagueiro holandês cansou de desarmar e anular o 10 argentino. O volante albiceleste, mesmo depois de desmaiar em campo, ao dividir uma cabeçada com Wijnalddum, impediu uma chance clara de gol de Robben no fim do segundo tempo. O texto extra só prolongou o nervosismo.

Quando o jogo foi para os pênaltis, Romero agigantou. Defendeu as cobranças de Vlaar e de Sneijder, as duas no canto esquerdo. Messi, Garay e Agüero converteram para os argentinos. Cillessen ainda alcançou o chute de Maxi Rodriguez, mas a bola morreu no canto esquerdo, colocando a Argentina na final depois de 24 anos, contra a mesma Alemanha da Copa da Itália. E o milagre do estádio de San Paolo, em Nápoles, em 1990 repetiu-se em 2014 em São Paulo.

SEMIFINAL

9/7 – ARENA CORINTHIANS (SÃO PAULO-SP)

HOLANDA 0 (2) x 0 (4) ARGENTINA

J: Cuneyt Cakir (Turquia); P: 63.267; Nos pênaltis: Holanda 2 (Robben e Kuyt; Vlaar e Sneidjer perderam) x Argentina 4 (Messi, Garay, Agüero e Maxi Rodríguez); CA: Martins Indi, Huntelaar e Demichelis

HOLANDA: Cillessen (6), Vlaar (8,5), De Vrij (7) e Martins Indi (5) (Janmaat, intervalo (6,5)); Kuyt (5,5), De Jong (5,5) (Clasie 16 do 2º (5,5)), Wijnaldum (7), Sneidjer (6) e Blind (6); Robben (6,5) e Van Persie (4,5) (Huntelaar 5 do 1º da prorrogação (5,5)). T: Van Gaal

ARGENTINA: Romero (9), Zabaleta (6), Demichelis (6,5), Garay (7) e Rojo (6); Mascherano (8,5), Biglia (7) e Enzo Pérez (6) (Rodrigo Palacio 35 do 2º (5)); Messi (6,5), Higuaín (6) (Agüero 36 do 2º (5,5)) e Lavezzi (5,5) (Maxi Rodríguez 10 do 2º da prorrogação (5,5)). T: Alejandro Sabella

Fonte: PLACAR

Holanda martela 120 minutos, mas só vence a Costa Rica nos pênaltis

Goleiro Krul entrou para cobrança de pênaltis e pegou dois chutes da Costa Rica | Crédito: Dean Mouhtaropoulos/Getty Images

A Holanda atacou a Costa Rica durante praticamente todos os 120 minutos do tempo normal e da prorrogação das quartas de final da Copa do Mundo de 2014, neste sábado, na Fonte Nova. Mas o goleiro Navas e a trave impediram que a Laranja abrisse o placar, e a decisão ficou para as penalidades.

Louis Van Gaal trocou de goleiro para a disputa de pênaltis, e funcionou. Krul defendeu a cobrança de Bryan Ruiz e Umaña e classificou a Holanda para mais uma semifinal de Copa do Mundo.

 

Fonte: PLACAR

Holanda vira em cinco minutos e México novamente cai nas oitavas

Jogadores da Holanda comemoram gol do Sneijder contra o México | Crédito: Marcelo Del Pozo / REUTERS

Debaixo de um sol escaldante Holanda e México se enfrentaram na Arena Castelão, em Fortaleza, em duelo válido pelas oitavas de final da Copa do Mundo. La Tri saiu na frente, mas parou no final e em cinco minutos sofreu a virada por 2 x 1. Com isso, a ‘maldição’ das oitavas persiste, pois desde 1994 os mexicanos sempe caem nesta fase do torneio.

Por conta do forte calor, a Holanda adotou a estratégia de cadenciar o jogo, e pouco ameaçou no início. Aos, cinco minutos, o volante De Jong sentiu uma fisgada e saiu para a entrada de Indi. O México chegou com perigo, aos 17, Peralta rolou para o meio e Herrera bateu rasteiro próximo ao pé da trave. La Tri novamente assustou com Peralta, em dividia com De Vrij.

Confira o minuto a minuto da partida

A seleção holandesa tinha mais posse de bola, porém o México seguia assustando. O volante Salcido arriscou de fora da área e o goleiro Cilessen espalmou para escanteio.

Apagado na partida, o atacante Van Persie teve um boa chance aos 27, porém mandou por cima do gol de Ochoa. Os laranjas apenas tocavam e claramente davam mostras de que estavam se preservando para a segunda etapa. Por isso, a chance mais clara novamente foi mexicana, em rápido contra-ataque Giovani dos Santos bateu cruzado e Cilessen defendeu com o pé.

Na volta do intervalo, logo aos três minutos, Giovani dos Santos dominou na entrada da área e bateu no canto, sem chances para Cilessen. Com o 1 x 0, os comandados recuaram e passaram a oferecer a intermediária para a Holanda. O empate quase veio com o zagueiro De Vrij, que escorou o escanteio da direita, a bola bateu em Ochoa e depois na trave.

O técnico Miguel Herrera sacou o ‘desagastado’ Giovani dos Santos e colocou Aquino para controlar mais o meio. Nas poucas vezes em conseguiu pegar na bola, Robben levou Rafa Márquez e bateu cruzado em cima do goleiro mexicano. Na sequência, Chicharito Hernández entrou no lugar de Peralta, enquanto do outro lado, Van Gaal sacou Van Persie para a entrada de Huntelaar.

Aos 42, o atacante teve participação decisiva ao ajeitar de cabeça para o meio de área, e Sneijder pegou de frente para decretar o empate. Visivelmente abatido, o México parou em campo e Robben fez fila na área até ser derrubado por Rafa Márquez. Huntelaar bateu e se consagrou como o grande herói.

Agora, nas quartas de final, a Holanda encara o vencedor de Costa Rica ou Grécia.

Fonte: PLACAR

Holanda tenta manter boa atuação diante da Austrália

Após massacrar a Espanha, a Holanda já tem outro desafio pela frente na fase de grupos. Nesta quarta-feira, a Laranja Mecânica enfrenta a Austrália, às 13 horas (de Brasília), no estádioBeira-Rio, em Porto Alegre. Os aussies, por outro lado, tentarão deter o embalo holandês.

Para o duelo contra os australianos, a seleção da Holanda deverá mudar a formação tática do duelo contra a Furia. A ideia inicial era utilizar o esquema  5-3-2 apenas no jogo com a Espanha devido à eficiência do ataque espanhol.

Assim, o técnico Louis van Gaal decidiu fazer um sistema mais ofensivo com um 4-3-3. Para isso, o atacante lens entrou na vaga do zagueiro Vlaar e completa, assim, a linha de frente ao lado de Robben e Van Persie.

Mesmo com a goleada na partida de estreia da fase de grupos do Mundial 2014, os holandeses preferem entrar em campo diante da Austrália com os pés no chão. Segundo Robin Van Persie, destaque no duelo contra a Espanha, é preciso manter a seriedade.

AFP

O técnico Louis van Gaal deve mudar a formação tática que goleou a Espanha

“O torneio mal começou. Conquistamos um grande resultado, mas temos um longo caminho pela frente. Esta é a minha quinta grande competição e sei como as coisas funcionam: a euforia vai embora tão rápido quanto veio. Portanto, temos que continuar firmes, não apenas pelo nosso país e por nossos torcedores, mas também por nós mesmos”, disse o atacante em entrevista à Fifa.

Segundo Van Persie, a Austrália tem um estilo de jogo completamente distinto da Espanha, mas afastou qualquer tipo de preocupação. “A Austrália tem um estilo diferente, e acho que teremos que ajustar nosso jogo para vencê-la. É interesse esse processo de mudar seu esquema a cada partida. Mas temos uma comissão técnica extraordinária, que sabe exatamente como nos preparar para os jogos. Portanto, não estou preocupado”.

Por outro lado, a seleção australiana espera conter o embalo da Laranja Mecânica. A equipe fez um jogo disputado com o Chile e espera manter a mesma atitude diante dos holandeses. Para isso, o técnico Ange Postecoglou pretende começar com os 11 principais que iniciaram o confronto contra os chilenos.

AFP

O treinador da Austrália, Ange Postecoglou, garantiu que a equipe não jogará retrancada

O comandante dos aussies garantiu que o time não ficará retrancado já que precisa do resultado positivo para seguir na Copa do Mundo. Para isso, o treinador pregou uma defesa forte, mas que deixe espaço para a linha de frente chegar com perigo.

“Nós viemos para a Copa para isso (vencer). Claro que agora temos que ser mais fortes defensivamente, pois eles têm um ataque muito perigoso, e será um grande desafio para nós segurarmos o ataque deles. Por outro lado, se nos defendermos por 90 minutos será um resultado insatisfatório. É bom ter um bom ataque forte e uma defesa forte, que também mostramos contra o Chile. Queremos uma defesa forte, mas também trabalhar bem no ataque”, destacou Ange Postecoglou em entrevista coletiva.

FICHA TÉCNICA
AUSTRÁLIA X HOLANDA

Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)
Data: 18 de junho de 2014, quarta-feira
Horário: 13h (de Brasília)
Árbitro:
 Djamel Haimoudi (ALG)
Assistentes:Achik Redouane (MAR) e Etchiali Abdelhak (ALG)

AUSTRÁLIA: Ryan; Franjic, Wilkinson, Spiranovic e Davidson; Milligan, Jedinak, Cahill, Troisi e Bresciano; Oar
Técnico: Ange Postecoglou

HOLANDA: Cillessen; Blind, Bruno Martins Indi, De Vrij e Janmaat; De Jong, De Guzmán e Sneijder; Lens, Robben e Van Persie
Técnico: Louis van Gaal

Fonte: Gazeta Esportiva

Veja fotos de Espanha x Holanda, na Arena Fonte Nova-BA

A sexta-feira 13 resolveu aprontar parágrafo Cima da espanha. A campeã do Mundo Atual Tomou hum verdadeiro baile da Holanda, na reedição da afazeres Mundial Passado final. Com mostra de Robben e Van Persie, Holandeses OS humilharam a Fúria AO golearem POR 5 a 1, EM Partida realizada na Arena Fonte Nova. Os Gritos de “olé” não FORAM Mais fazer último Opaco merecidos.

Brasil bate Holanda e avança às quartas no handebol

Foto: AFP – Agora, terá a difícil tarefa de enfrentar a Hungria por uma vaga nas semifinais

A seleção brasileira feminina de handebol garantiu nesta segunda-feira a classificação para as quartas de final do Campeonato Mundial da Sérvia. A equipe teve dificuldade, principalmente no primeiro tempo, mas confirmou o favoritismo diante da Holanda e venceu por 29 a 23, na cidade de Belgrado. Agora, terá a difícil tarefa de enfrentar a Hungria por uma vaga nas semifinais.

Com a vitória desta segunda, a seleção brasileira está a uma partida de conseguir seu melhor resultado da história em Mundiais e entrar na briga por medalhas. Até agora, o melhor desempenho da equipe na competição foi na edição de 2011, em São Paulo, quando terminou na quinta posição.

Além disso, as comandadas de Morten Soubak mantiveram os 100% de aproveitamento no Campeonato Mundial desse ano. Até agora foram seis vitórias em seis partidas, sendo que na fase de grupo elas haviam passado por Argélia, na estreia, China, Sérvia, Japão e Dinamarca, retrospecto que lhes garantiu a liderança da chave.

Ao contrário do que vinha acontecendo nas outras partidas, o gol da seleção brasileira foi um problema no início do confronto desta segunda. Se foi decisiva diante da Sérvia, a goleira Mayssa começou mal contra as holandesas, que se aproveitaram para pular à frente no placar.

Morten Soubak percebeu isso e lançou à quadra a reserva Babi, que mostrou toda sua qualidade e resolveu o problema. No ataque, Ana Paula, Alexandra Nascimento – eleita melhor jogadora do mundo em 2012 – e Duda resolviam. A Holanda até ameaçou encostar quando a goleira reserva Jankovic começou a pegar tudo no segundo tempo, mas já era tarde.

Ana Paula terminou a partida como principal artilheira, com sete gols, ao lado da holandesa Lois Abbingh. Duda veio logo atrás, com seis, enquanto Alexandra contribuiu com outros cinco. O time brasileiro voltará à quadra para pegar a Hungria na quarta-feira novamente em Belgrado. As húngaras garantiram vaga ao vencerem a Espanha por 28 a 21, também nesta segunda.

Fonte: Agência Estado