Joinville 1 x 1 Santa Cruz

Santa Cruz abre o placar, recua demais e fica no empate com o Joinville

Autor: Wladmir Paulino

O Santa Cruz não foi brilhante como na rodada anterior mas teve aplicação suficiente para trazer um ponto de Joinville ao empatar por 1×1 com o time de mesmo nome, na Arena Joinville, nesta terça-feira (7). Poderia ser melhor, já que os corais abriram o placar mas o recuo exagerado atrapalhou. Desempenho razoável mas ruim para a classificação. O ponto conquistado deixou o time com 38, dez abaixo do próprio Joinville, o último do G4.

Se alguém esperava a mesma facilidade do jogo contra o Boa, enganou-se redondamente. O Joinville tem como característica a forte marcação e não fugiu a ela desde o primeiro minutos. A partir do setor de campo ocupado pelos volantes, nenhum jogador de vermelho, preto e branco encontrava espaço com facilidade. Tanto que aos dois minutos, Jean Deretti bateu falta e Junio desviou na trave direita de Tiago Cardoso.Joinville 1 x 1 Santa Cruz - Série B 2014_

Apesar da supremacia do adversário não se pode dizer que o tricolor aceitou o jogo. Danilo Pires tentou reeditar com Nininho o mesmo êxito da parceria com Tony. Wescley e Keno tinham que voltar demais para buscar a bola e Leo Gamalho isolado e sem velocidade – não por defeito e sim por característica – implodiam qualquer esboço de contra-ataque.

O JEC, apesar do domínio, não tem essa técnica toda, o que terminou aliviando um pouco a vida dos corais. Finalizações na arquibancada eram bem mais frequentes do que na direção do gol. Por isso, o abuso de lançamentos longos e bolas cruzadas. O Santa conseguiu acertar o pé aos 24, quando Nininho cruzou e Leo Gamalho foi travado na hora do chute. Ainda deu rebote para o lateral, que chutou de pé trocado – o esquerdo – e acertou o lado externo da rede.

O técnico Oliveira Canindé promoveu duas mudanças na volta para o segundo tempo. Julinho substituiu Nininho e Natan foi na vaga de Tiago Costa. Bileu ocupou a lateral direita do campo. As alterações começaram bem. O Santa ganhou em mobilidade no setor ofensivo e ganhou terreno. O fruto foi colhido rápido. Aos sete minutos, Keno cruzou da direita e Danilo Pires apareceu rápido no segundo pau para completar para o gol.

Bastou balançar as redes para o tricolor ser acometido do mal que ataca os times pernambucanos quando abrem o placar fora de casa: amontoam-se o campo defensivo. O Joinville não tinha outra alternativa a não ser ir para cima. E ganhou mais força para isso com a entrada de Fabinho no lugar de Everton. Dez minutos depois do gol do Santa Cruz, o Joinville chegou ao empate. Fabinho recebeu a bola e esperou a passagem de Rogério. O lateral cruzou rasteiro e Edigar Junio apareceu quase na mesma posição em que Danilo Pires abriu o placar para deixar tudo igual.

A última mudança tricolor foi a entrada de Renatinho no lugar de Keno. Serviu apenas para deixar Leo Gamalho ainda mais isolado. O encolhimento coral foi tamanho que Danilo Pires dificilmente ultrapassava o meio de campo. Com muita gente amontoada na frente da área, o time pernambucano obrigou os donos da casa a usarem o chuveirinho, sem maiores consequências. Nos acréscimos, Anselmo foi expulso e o Santa tentou um último fôlego mas também não teve êxito.

Ficha do jogo:

Joinville: Ivan; Murilo (Edson Ratinho), Bruno Aguiar, Guti e Rogério; Naldo, Anselmo, Everton (Fabinho) e Jean Deretti (Harrison); Fernando Viana e Edigar Junio. Técnico: Hemerson Maria.

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Nininho (Julinho), Everton Sena, Renan Fonseca e Tiago Costa (Natan); Bileu, Sandro Manoel, Danilo Pires e Wescley; Keno (Renatinho) e Léo Gamalho. Técnico: Oliveira Canindé.

Local: Arena Joinville (SC). Árbitro: Andre Luiz de Freitas Castro (GO). Assistentes: Cristhian Passos Sorence (GO) e Jesmar Benedito Miranda de Paula (GO). Gols: Danilo Pires, aos sete; e Edigar Junio, aos 17 do segundo tempo. Cartões amarelos: Fabinho, Tiago Costa, Danilo Pires e Natan. Expulsão: Anselmo. Público: 6.903.