Mangueirao

Sport perde para o Paysandu por 2×1 no Mangueirão

Autor: Wladmir Paulino

Primeiro para quem só quer saber de Sul-Americana:
O Sport conseguiu seu objetivo de consolidar sua presença na Copa Sul-Americana ao perder para o Paysandu por 2×1 no Mangueirão, na noite desta quinta-feira (15), no Mangueirão, em Belém. Apesar de toda fragilidade dos bicolores, eles conseguiram os gols com os insistentes Pikachu e Marcos Paraná. O Sport acordou durante o breve momento depois de tomar o primeiro gol mas depois correu demais e jogou de menos.

Agora para quem prefere a Copa do Brasil:
O Sport iniciou mal sua arrancada na segunda fase da Copa do Brasil ao perder para o Paysandu por 2×1 no Mangueirão, em Belém, na noite desta quinta-feira (15). O resultado deixa os rubro-negros dependendo de uma vitória por 1×0 no jogo da volta, no longínquo 24 de julho, na Ilha do Retiro. O Papão joga pelo empate ou derrota por um gol de diferença a partir de 3×2 (4×3, 5×4…). Se os pernambucanos devolverem os 2×1 a decisão vai para os pênaltis.

A missão de ser eliminado mostrou-se árdua para os reservas do Sport, tamanha era a fragilidade do Paysandu. Também poderíamos escrever deficiência técnica de quase todo time. Nem mesmo o outrora carrasco Pikachu conseguiu ser letal. E olhem que ele teve uma chance de ouro logo aos oito minutos. Zé Antônio, um dos poucos que não poderia ser enquadrado no grupo dos abaixo da crítica, cruzou da linha de fundo pelo lado esquerdo. O camisa 10 estava tão livre que nem precisou saltar. Meteu a cabeça na bola, que passou raspando a trave direita de Saulo.

O panorama era o seguinte: o Paysandu atacava quando podia. E sempre podia muito. O Sport atacava quando queria. E sempre queria pouco. O problema é que o Papão não conseguia e o Sport, nitidamente, não queria. Ou, no máximo, queria pouquíssimo. Claro que devemos levar em consideração que os 11 leoninos que entraram em campo pouco treinaram, mas essa dificuldade foi a mesma diante do Brasília, na fase anterior, e, mesmo assim, viu-se velocidade e, principalmente, ambição.

Uma das principais características do time – seja o titular ou o reserva – é o jogo vertical. Desta vez a direção adotada foi a lateral. Nem mesmo nos contra-ataques, os leões tentavam imprimir mais velocidade. Sobre o Paysandu precisa ser dito que forçava demais o jogo pelo lado esquerdo com Jô ou o já citado Zé Antônio, que caía muito pelo lado esquerdo de ataque. Provavelmente instruído pelo técnico Mazola Júnior que o lateral não era lateral. Bileu é volante de origem.

Mas o time paraense errava até não poder mais. Saía jogando certo até porque ninguém era pressionado, ultrapassava bem o meio de campo, também sem pressão. Mas quando chegava perto da área pernambucana era um festival de passes errados. Tanto que depois do erro de pontaria de Pikachu, a segunda, que também seria a última, oportunidade de gol, veio num presente de Ewerton Páscoa a Lima. Ele ficou tão surpreso, que ao chutar, carimbou as costas do companheiro Jô. Por isso, a bola tomou o rumo das nuvens.

A cabeça mal calibrada e timidez ofensiva de Pikachu no primeiro tempo ficaram no vestiário. Uma vez algoz, sempre algoz e logo aos seis minutos ele mostrou que foi só um mau momento. Zé Antônio lançou Lima, que cruzou no segundo pau. Tão livre quanto na primeira chance que teve no jogo, desta vez o herói dos desenhos animados não falhou quando acionado. Mandou de cabeça para as redes, sem apelação.

O gol dos bicolores surtiu o efeito de um choque elétrico nos vermelho e pretos. Partiram para cima, tentaram jogar em velocidade, o que era bem mais fácil de fazer do que o adversário, e nem precisaram de muito esforço. Até porque, como já foi dito no primeiro tempo, o oponente não metia muito medo. Aos nove minutos, Felipe Azevedo tabelou com Neto e chutou forte no canto esquerdo de Paulo Rafael: 1×1.

Mas quem acumulava toda energia, aliás fazendo jus ao homônimo Pokémon, era Pikachu. Como meia ou como ala, sempre dava opção ofensiva. Como precisava vencer, Mazola mandou Marcos Paraná para o lugar do lateral Aírton. O novato teve uma grande chance aos 26. Talvez por ainda estar frio tentou chutar a bola mas acertou o vento. Dois minutos depois a vida deu-lhe uma segunda chance, ainda mais livre que na primeira. Seria esnobar demais da sorte, mas ele não fez isso. Chutou sem chance para Saulo: 2×1.

Foi a vez de Pedro Gama correr risco. Tirou Robert Flores, em mais uma jornada sem aproveitar a chance que teve, para acionar o atacante Sandrinho. Mas quem chegou perto de novo foi Marcos Paraná, definitivamente o maior seguidor do onipresente Pikachu. O garço desta vez foi o centroavante Lima. Na primeira ele furou, na segunda acertou. Na terceira foi a vez de chutar fraco e facilitar a vida de Saulo. O Sport rondou muito, forçou a barra mas gol que é bom, nada.

Ficha do jogo:

Paysandu: Paulo Rafael; Djalma (Ricardo Capanema), Charles, João Paulo e Airton (Marcos Paraná); Augusto Recife, Pablo, Zé Antônio e Yago Pikachu; Lima e Jô (Leandro Carvalho). Técnico: Mazola Júnior.

Sport: Saulo; Bileu, Meza, Ewerton Páscoa e Igor; Ronaldo, Neto (Bruninho), Wendell e Robert Flores (Sandrinho); Felipe Azevedo e Érico Júnior (Joélinton). Técnico: Pedro Gama (interino).

Local: Mangueirão, em Belém-PA. Árbitro: Rodrigo Batista Raposo (DF). Assistentes: José Araújo e Daniel Henrique da Silva Andrade (ambos do DF). Gols: Pikachu, aos seis; Felipe Azevedo, aos nove; Marcos Paraná, aos 28 do segundo tempo. Cartões amarelos: Augusto Recife, Zé Antônio, Marcos Paraná, Felipe Azevedo e Érico Júnior.

Sport frente a frente com seu dilema em Belém

Felipe Azevedo é um dos mais veteranos no elenco do Sport que enfrenta o Paysandu nesta quinta. Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem – Autor: Wladmir Paulino

Antes do apito inicial, tudo leva a crer que o Sport vai muito para cima do Paysandu, a partir das 19h30 desta quinta-feira (15), no Mangueirão, em Belém, pela segunda fase da Copa do Brasil. O técnico, que sequer viajou à capital Paranse, avisou que o objetivo é buscar a vitória, o esquema é o ofensivo 4-3-3. Do outro lado temos a diretoria que mandou o seu aviso: a prioridade vai ser a Copa Sul-Americana. Para participar da competição continental, cuja vaga foi conquistada ao ser campeão do Nordeste, o Leão precisa dar adeus ao torneio nacional até a próxima fase. Essa é a regra da CBF, que passou a valer no ano passado e vitimou o Náutico.

» Diretoria já pensa em renovações para a próxima temporada

Quem vai comandar os rubro-negros à beira do gramado é o analista de desempenho e agora também auxiliar, Pedro Gama. Dos 11 que começam o jogo, o zagueiro Ewerton Páscoa, o meia Wendell e o atacante Felipe Azevedo são os únicos que têm frequentado os titulares com mais regularidade nos últimos tempos. Alguns que estavam quase no ostracismo ganharam uma chance como o zagueiro Meza e o meia Robert Flores, além do atacante Bruninho.

“É um talento, menino novo que está começando e me ajuda muito. A gente praticamente divide os trabalhos no Sport. Não pedimos nada de diferente aos atletas que estamos fazendo há quatro meses. É só dar sequência e confiança”, disse Eduardo Baptista sobre seu pupilo.

O zagueiro Oswaldo seria improvisado na lateral direita, mas no último treino sofreu um pequeno afundamento no malar e ficou em tratamento no Recife. Mas o improviso será mantido com a entrada do volante Bileu no setor.

O mais rodado dessa turma é o goleiro Saulo, embora tenha sido titular em poucas oportunidades. Reserva imediato de Magrão desde 2010, o jogador acredita que o grupo que estará no Mangueirão não vai titubear. “A gente quer ganhar, ninguém falou que quer perder. Vai ser difícil e esperamos fazer um bom jogo”, destacou.

PAPÃO – O Paysandu terá o reforço de sua torcida na noite desta quinta, já que pela Série C a presença de público está vetada por causa de uma punição imposta pelo STJD. Os dois clubes se enfrentaram pela última vez na Copa do Brasil há dois anos, quando os paraenses venceram em Belém por 2×1 e golearam na Ilha por 4×1, com direito a show de Pikachu, que estará em campo novamente. O técnico do Papão é um velho conhecido: Mazola Júnior, que comandou o Sport nos jogos citados acima.

Ficha do jogo:

Paysandu: Paulo Rafael; Djalma, Charles, João Paulo e Airton; Augusto Recife, Vanderson, Zé Antônio e Yago Pikachu; Lima e Jô. Técnico: Mazola Júnior.

Sport: Saulo; Bileu, Meza, Ewerton Páscoa e Igor; Neto, Wendell e Robert Flores; Felipe Azevedo, Érico Júnior e Bruninho. Técnico: Pedro Gama (interino).

Local: Mangueirão, em Belém-PA. Horário: 19h30. Árbitro: Rodrigo Batista Raposo (DF). Assistentes: José Araújo e Daniel Henrique da Silva Andrade (ambos do DF).