Melbourne

Rosberg comprova superioridade da Mercedes e vence em Melbourne

Por F1Team

A segunda colocação ficou com o australiano Daniel Ricciardo, da Red Bull. Um resultado de muita expressão para o jovem que acabou de chegar à escuderia austríaca. Para completar, ele ainda viu o seu companheiro de equipe, Sebastian Vettel, ter problemas e abandonar a corrida logo nas primeiras voltas.

Mas além de Rosberg e Ricciardo, quem chamou bastante a atenção foi o estreante Kevin Magnussen. Apontado como o novo Lewis Hamilton da McLaren, o dinamarquês igualou o feito do britânico na corrida de estreia, terminando a sua primeira prova na terceira colocação. Resultado este que comprova que o time de Ron Dennis fez a escolha certa ao resolver promover o garoto a posição de titular neste ano.

As decepções desta tarde em Melbourne ficaram por conta de Lewis Hamilton e Felipe Massa. O primeiro largou na pole position, mas parecia ter algo estranho no carro desde o primeiro minuto de prova. Assim, ao abrir a quarta volta, o britânico foi obrigado a abandonar a corrida por um problema no motor.

Já o caso de Felipe Massa foi diferente. O brasileiro largou bem e tentava ganhar posições na primeira curva, quando foi atropelado por Kamui Kobayashi, que vinha de trás e não conseguiu frear a tempo. Com uma batida forte, o japonês foi parar na caixa de brita, levando junto o piloto da Williams, que ficou visivelmente irritado com a irresponsabilidade do nipônico.

Se Felipe não teve muita sorte, o seu companheiro de equipe, Valtteri Bottas tratou de mostrar que o carro da Williams é mesmo um dos melhores do grid. Mesmo tendo caído para a última colocação após ver seu pneu estourar, o finlandês teve uma excelente recuperação e ainda concluiu a prova em sexto. O resultado comprova que, caso tivessem uma corrida longe dos problemas, os bólidos do time de Grove estariam na disputa pelo pódio, sem dúvidas.

Na expectativa de se aproveitar do novo regulamento, a Ferrari conseguiu terminar a prova com seus dois pilotos na zona de pontuação. Fernando Alonso foi o quinto colocado, enquanto o seu companheiro de equipe, Kimi Raikkonen, cruzou a linha de chegada na oitava posição.

Outro destaque do dia ficou para os carros da Toro Rosso, em especial para o estreante Daniil Kvyat. O russo não se intimidou com os rivais da principal categoria do automobilismo mundial e terminou na décima colocação, uma atrás de Jean-Éric Vergne.

A Lotus, como era de se esperar, teve mais um dia para ser esquecido. Depois de ter problemas em todos os treinos realizados neste ano, o time voltou a decepcionar e viu os seus dois pilotos, Romain Grosjean e Pastor Maldonado, abandonarem a corrida.

Largada em Melbourne foi agitada

Largada em Melbourne foi agitada

A corrida

A primeira corrida do ano começou de uma forma bem diferente do que estamos acostumados a ver. Quando os carros partiram para a volta de apresentação, a Marussia de Max Chilton ficou parada na pista e precisou ser removida para largar dos boxes. Quando os bólidos alinharam para a largada, foi a vez do carro de Jules Bianchi apagar, fazendo com que os pilotos dessem mais uma volta antes de começar a corrida.

Quando enfim as luzes se apagaram, o que chamou a atenção foi a largada de Nico Rosberg. O alemão, que havia partido em terceiro, pulou para primeiro antes mesmo da primeira curva, deixando para trás Lewis Hamilton e Daniel Ricciardo.

E foi também logo na curva 1 que surgiu o primeiro acidente do ano. Kamui Kobayashi, que havia começado muito bem, esqueceu de frear e simplesmente atropelou o carro de Felipe Massa. Com a batida, o japonês passou reto e foi parar na caixa de brita, levando junto o brasileiro, que vivia a expectativa de fazer uma grande corrida, mas acabou tendo que deixar a prova muito antes do esperado.

Massa foi parar na caixa de briga na primeira curva

Massa foi parar na caixa de briga na primeira curva

Desde os testes de inverno, todos imaginavam que teríamos vários abandonos durante a primeira corrida. Tudo isso por conta de falhas nos novos motores V6 Turbo da F1. E estas desistências durante a prova começaram logo na volta de número quatro. O pole position Hamilton, com problemas no motor, foi obrigado a ter que se retirar da corrida, o que não o deixou nem um pouco feliz.

Duas voltas depois foi a vez do tetracampeão mundial, Sebastian Vettel. Com problemas semelhantes ao apresentado pela Mercedes de Lewis, o alemão foi para os boxes e resolveu parar de vez.

Enquanto via os seus rivais terem problemas de desempenho, Valtteri Bottas não tomava conhecimento dos carros que estavam à sua frente e ia ganhando várias posições. Quando estava em sexto e já pressionava Fernando Alonso, o finlandês acelerou demais na saída de uma curva e tocou com a roda traseira direita no muro, furando-a.

Com pneu furado, o companheiro de Massa precisou “se arrastar” até os boxes. Ao deixar o pitlane, ele já havia caído para a última colocação, mas acabou dando sorte. Como sua roda havia quebrado na batida e ficou no meio da pista, o carro de segurança entrou, fazendo com que todos os carros ficassem colados mais uma vez.

Aproveitando a entrada do safety car, praticamente todo o pelotão que estava no top 10 entrou nos boxes para fazer a primeira parada. Assim, poucos ganharam posições, já que entraram na mesma volta.

Após a parada, a corrida começou a se desenrolar sem mais grandes problemas. Os pilotos enfim puderam acelerar forte buscando o melhor desempenho. Lá na frente, Nico Rosberg dominava prova, sem ser ameaçado por ninguém. Já na parte intermediária, quem mostrava um grande desempenho era Bottas, recuperando as posições perdidas após o pneu furado.

Magnussen estreou bem na F1

Magnussen estreou bem na F1

Quando nos aproximávamos da reta final da corrida, dois estreantes passaram a ser os destaques da corrida. Kevin Magnussen, da McLaren, e Daniil Kvyat, da Toro Rosso, mostravam um bom desempenho e já se encaminhavam para conquistar os primeiros pontos na categoria. Destaque maior para o primeiro, que estava na terceira colocação e colocava pressão sobre Daniel Ricciardo, o segundo colocado. Mesmo com toda pressão, as posições foram mantidas até o final.

E Nico Rosberg, soberano durante toda a corrida, não perdeu mais a ponta e cruzou a linha de chegada na primeira colocação. Destaque para a diferença para o segundo colocado, que foi de quase 25 segundos.

Confira o resultado da corrida:

GP da Austrália